Filho do Profeta Elias- Pai e Guia do Carmelo, Frei Carlos Mesters, O. Carm, viveu e vive toda riqueza Profética, Contemplativa e Missionária do Pai do Profetismo. Em cada fala e em cada gesto, ele retrata toda espiritualidade Eliana e Mariana que marcou a sua caminhada e do povo de Deus ao longo de todos estes anos.

Jacobus Gerardus Hubertus Mesters, 90 anos, nasceu na Holanda, no dia 20 de outubro de 1931. Foi este o nome que recebeu na pia batismal.  Vinte anos mais tarde, ao receber o hábito da Ordem Carrnelita, já no Brasil, foi rebatizado de Carlos: Frei Carlos Mesters, O. Carm.

Aos 17 anos, o jovem Jacobus Mesters escolheu o Brasil como campo de sua futura atividade missionária.  No dia 6 de janeiro de 1949, festa dos Santos Reis, ele e seu amigo Dom Frei Vital Wilderink, O. Carm, (In Memoriam) tomaram o navio rumo ao Brasil. Foram duas semanas entre o céu e o mar. No dia 20 de janeiro, o navio lançou âncoras no porto do Rio de Janeiro. Era a festa do padroeiro da cidade, São Sebastião. 

Terminado o noviciado, fez a profissão religiosa no dia 22 de janeiro de 1952.  Cursou a Filosofia em São Paulo e foi fazer a Teologia em Roma, no Colégio Internacional Santo Alberto, em 1954.  Foi consagrado presbítero no dia 7 de julho de 1957 com mais dois estudantes carmelitas; Frei Dom Vital Wilderink, O. Carm, (In Memoriam) e Frei Paulo Gullarte, O. Carm

Formou-se em Teologia no Angelicum, Faculdade Teológica dos dominicanos, em 1958. Em ciências bíblicas, formou-se primeiro, no Institutum Biblicum dirigido pelos jesuítas em Roma e, depois, na Escola Bíblica de Jerusalém, dos dominicanos.  Em 1962, voltou a Roma para defender tese junto à Pontifícia Comissão Bíblica. Em 1963, de volta ao Brasil, foi nomeado professor no Curso Teológico dos Carmelitas, em São Paulo. 

Em 1967, foi convocado para dar aulas no Colégio Internacional Santo Alberto, em Roma.
É claro que este "brasileiro" não podia se conformar em ficar longe do Brasil. Em 1968, deu por encerrada sua colaboração em Roma e voltou, sendo transferido para Belo Horizonte (MG), onde o Convento do Carmo se destacava como um centro de irradiação, um lugar de acolhimento e um ponto de referência, naqueles tempos convulsos.

Foi chamado para lecionar no Instituto Central de Teologia e Filosofia da Universidade Católica, que vivia uma fase de grande efervescência.  Aliás, todo o mundo estudantil, em Belo Horizonte, estava em febre alta.  Frei Carlos e seus companheiros participavam ativamente dos movimentos de resistência ao regime militar que se exacerbava.

No começo dos anos 70, época da ditadura, foi respondendo a muitos pedidos de cursos de Bíblia tanto nas paróquias carmelitas como em outras dioceses, a exemplo de Volta Redonda/RJ, Crateús/CE, Santos/SP, Valença/RJ, Itaguaí/RJ Duque de Caxias/RJ Fortaleza/CE, Recife/PE, etc.

Em 1977 foi mestre de noviços em Angra dos Reis. Em 1982, junto com frei Antônio Muniz ajudou na criação do Noviciado comum em Camocim. A partir de 1987 junto com outros carmelitas, ajudou a criar o INTERCAB CARMEITANO. Ele também foi Conselheiro Geral da Ordem do Carmo.

A semente do CEBI- Centro de Estudos Ecumênicos Bíblicos- foi lançada a semente em Angra dos Reis e oficialmente instalado no dia 20 de Julho de 1979, festa do Profeta Elias. Deu muitos cursos para ajudar na implantação e crescimento do CEBI. No encontro da CNBB em Goiânia, com mais de 450 pessoas do Brasil inteiro, quando foi mencionado o CEBI, houve um aplauso espontâneo da Assembleia. Em 1979 foi semeada regionalmente no Nordeste, no Centro-Oeste e no Sul.

Em 1988 o Jornal Estadão publicou- com estardalhaço- um longo artigo feito de ataques contra Carlos Mesters e o CEBI, foi grande a repercussão.  Repórteres de jornais e revistas iam ao CEBI ou telefonavam, à cata de informações e queriam marcar entrevistas com Frei Carlos. Na falta de notícia, publicavam especulações sobre supostos processos em andamento no Vaticano. Frei Carlos se esquivou da imprensa, mas preparou uma resposta contundente a todas as acusações para distribuir aos amigos e interessados.

Ele tem uma frase que resume o seu método bíblico: “Um Pé na Bíblia e outro no chão”. Atualmente reside no Carmo de Unaí, noroeste de Minas Gerais. Neste dia 20, louvemos ao Bom Deus pelos seus 90 Anos.

Fonte: http://mesters80anos.blogspot.com (Com atualização do Olhar Jornalístico neste dia 20 de outubro-2021. www.olharjornalistico.com.br

BIOGRAFIA: Em 26 de julho de 1999, João Paulo II nomeou o pe. Miguel La Fay Bardi, membro da Província Carmelita Americana do Puríssimo Coração de Maria, Bispo Prelado de Sicuani, Cusco, (Peru).

Fr. Miguel La Fay Bardi nasceu em 11 de novembro de 1934 em Chelsea, arquidiocese de Boston (Estados Unidos). Ele completou seus estudos filosóficos no Mount Carmel College em Niagara Falls, Ontário (Canadá) e seus estudos teológicos no Carmelite Seminary de Whitefriars Hall , em Washington. Ele fez sua profissão solene em 1957 e foi ordenado sacerdote em 4 de julho de 1960 em Hamilton, Massachusetts. Ele obteve uma licença em Teologia na Universidade de Lima e um diploma em Espiritualidade na Pontifícia Universidade de Santo Tomás de Aquino, em Roma. Foi vice-pároco e pároco de Nuestra Señora del Carmen(Lima) e Superior Regional das Carmelitas do Peru (1993-1996). Antes de sua nomeação, era o responsável pelos candidatos carmelitas peruanos em formação.

A Ordenação Episcopal de pe. La Fay Bardi como Bispo de Sicuani, aconteceu no dia 15 de outubro de 1999, festa de Santa Teresa de Ávila, na Basílica Catedral de Lima, Peru. Os principais consagradores foram Sua Eminência Augusto Cardeal Vargas Alzamora, SJ, o Rev. Juan Luis Cipriani Thorne e o Rev.mo Alberto Brazzini Díaz-Ufano. Fonte: http://www.ocarm.pcn.net

 

De: Santa Maria Madalena de Pazzi, “Ensinamentos

 

Mantende a vossa mente ocupada em Deus. Esta ocupação em Deus me parece ser a bem-aventurança da alma na terra”. “Realmente e impossível pensar atualmente em Deus... mas estar sempre unida com Deus, tendo sempre a Ele em vista, isto é possível; porque se quando trabalhais para ele, quando vos fatigais, fatigai-vos para ele, para agradar a ele e dar a ele glória e para honrar a ele, isto e estar sempre unida a Deus.” Diz que com o conhecia mento de Deus faremos com ele uma estreita amizade e ele nos trata como seus íntimos; então nos e ele faremos como fazem os amigos Íntimos. “Em primeiro lugar os amigos se contemplam um ao outro com grande amor... assim faz Deus que nos olha continuamente coro grande amor: e nos olhamos a ele... Os amigos costumam contar-se mutuamente os seus segredos; assim Deus manifesta a eles todos os seus segredos e eles manifestam a Ele os seus por não confiar em outros senão n’Ele.”

O amor também ao próximo e o fim da contemplação e a Santa via nesta chave o fim da Ordem: “Nos somos chamados a cousas maiores, somos chamados a uma vida maior, a qual não é de Marta nem de Maria separadas, porque no amor estão contidas uma e outra juntas.

Para ela o espírito da Ordem é “amar tudo e levar a amar, observando principalmente quanto isto agrada a Deus e quanto importa atender as obras internas e tratar interiormente com Deus”, como é prescrito na Regra Carmelitana, na redação da qual “os santos padres... tiveram mais atenção para a perfeição interior do que para a penitência e cousas externas.” “Eu vejo a meu Deus! ... Ele tem duas línguas... uma das quais é o louvor de Deus e a outra é a caridade e as duas clamam ao mesmo tempo. O que estou a ouvir, meu Senhor? A uma me obriga a minha profissão e a outra tu me a mandas estritamente. Ela procurava observar ambas.

Do seu mosteiro, que ela chama de “habitação de Maria”, nos diz que Deus quer “que assim como Maria foi um meio entre Deus e o homem, nos sejamos meio entre este Deus e o homem pelo zelo e desejo contínuo de ajudar as almas e conduzi-las a Deus... Estar separadas do mundo, mortas viver em Deus, nada querer a não ser este Deus, em ansioso e contínuo desejo da salvação das almas.

“A alma unida a Deus fica toda amarrada por dentro e por fora o que a faz aparecer com semblante sereno sem jamais perturbar-se por qualquer contingência”. “Em tudo o que tende a fazer, seja interna ou externamente, lembrai-vos de vos voltar para Deus com olhares vivos e amorosos. Com tais olhares amorosos implorai o socorro das suas graças”.

“As obras exteriores devem ser feitas prontamente e com cuidado sem perda de vida interior”. “A oração é o espírito da religião, nas nunca ela deve servir de pretexto para qualquer dispensa, porque todos os exercícios da religião e da obediência, feitos na presença de Deus, são outras tantas orações.” A paz interior e um efeito da oração mental e é uma recompensa da união com Deus. “A verdadeira prudência dum religioso ou duma religiosa depende da íntima união que tem com Deus. E todos os nossos esforços e zelos devem originar-se do Sangue de Jesus Cristo.” Alem disto anota: “Se não gostais do doce silêncio é impossível deleitar-vos nas cousas de Deus.”

 

*A ORAÇÃO NA VIDA CARMELITANA: Reflexões e textos de autores carmelitanos sobre a Comunhão com Deus e a Oração no Carmelo. Textos preparados por Frei Emanuele Boaga, O. Carm, In Memoriam

 

 

de: “Constitutionum compendium” (ano 1528) e “Regesta” do prior geral João Batista Rossi (Rubeo”).

 

(l) “O primeiro e principal intento dos que moravam no Monte Carmelo (o qual os que professam a vida dos Carmelitas devem imitar e abraçar) consiste nisso que dia e noite virilmente se esforcem com todas as forças para que sua alma e seu espírito sejam unidos a Deus Pai pela oração, contemplação e amor jamais interrompido, não só habitualmente mas também atualmente.

Por isso, se recomenda o uso das jaculatórias para conseguir a paz da alma e para submeter-se de boa vontade a obediência, fazendo depender a bondade da vida mais destas cousas que da multiplicação de leis.

(2) ... Todos os Carmelitas sejam espelhos, lâmpadas, fachos acesos, estrelas resplandecentes para iluminar e guiar os que vivem neste mundo; e com orações falam a Deus, se uniam a Ele com as meditações e mesmo vivendo na carne, o seu espírito viva no céu, longe de toda cousa que poderia distrair as almas da simplicidade e pureza do amor ardente para com Deus altíssimo.

De: “Exposição Parenética sobre a Regra dós Carmelitas” de Beato João Soreth

 

Lê-se na Regra: «Todos e cada um de vós tenha celas separadas, conforme a situação do lugar que vos propusestes habitar». A cela abriga o filho da graça, fruto do seu ventre, alimenta-o, abraça-o, condu-lo à plenitude da perfeição e toma-o digno do colóquio com Deus. A cela é terra santa e lugar santo, onde o Senhor e o seu servo se falam em segredo, como um homem ao seu amigo. Nela a alma fiel une-se frequentemente ao seu verdadeiro Deus, como a esposa ao esposo, o celeste une-se ao terreno, o divino ao humano. Pois, tal como o templo santo de Deus, assim é a cela do servo de Deus. Como no templo, também na cela são trotadas as coisas divinas; mas mais frequentemente na cela: a cela é a forja de todos os bens e a sua estável perseverança. Pois nela todo o que viver bem com a pobreza é rico, e todo o que tiver boa vontade tem consigo tudo o que é necessário para bem viver.

Porém, para que vivas com mais segurança na cela, foram-te indicados três defensores: Deus, a consciência e o pai espiritual: a Deus deves piedade, na qual deves viver inteiramente consagrado; à tua consciência deves honra, envergonhando-te de pecar perante ela; ao pai espiritual deves obediência amorosa e a ele deves recorrer em tudo. Além disso indicar-te-ei um quarto defensor; procurar-te-ei um educador para enquanto te sentires pequeno e até que aprendas mais perfeitamente a exercitar a presença divina: procura tu mesmo, segundo o meu conselho, uma pessoa cuja vida exemplar de tal modo se haja apossado do teu coração que sempre que e recordes te sintas impelido à reverenda do que recordas, te ordenes a ti mesmo e organizes os teus pensamentos como se ela estivesse presente. Com caridade corrija em ti tudo o que deve ser corrigido: pensarás que ela está a ver todos os teus pensamentos, procurarás emendar-te como se ela te estivesse a ver e a corrigir.

Cada um, portanto, tenha uma cela separada para poder realizar estes exercícios na solidão; como diz a Regra «todos e cada um tenham celas separadas». Terás uma cela exterior e outra interior: a exterior é a habitação onde mora a tua alma com o teu corpo; a interior é a tua consciência na qual deve habitar, com o teu espírito, o Deus de todas as luas interioridades.

A porta da clausura exterior é sinal da clausura interior, para que, assim como os sentidos do corpo são impedidos pela clausura exterior de vaguear lá por fora, assim os sentidos interiores sejam interiormente obrigados a ocupar-se sempre com Deus. Ama, portanto, a tua cela interior, e ama também a exterior e cuida de cada uma delas; guarde-te a exterior, mas não te esconda para que tu possas pecar mais ocultamente, mas guarde-te para que vivas com maior segurança. Pois não sabes o que deves à cela se não pensas corno nela não só te podes curar dos teus vício, como evitar rixas com os outros; ignoras igualmente quanto respeito deves à lua consciência sempre que nela não experimentas a graça e a doçura da interna suavidade.

Dá pois a cada uma destas celas a sua própria honra e exige para ti a tua supremacia: nela aprenderás a vencer-te a ti mesmo, a ordenar a tua vida, a harmonizar os costumes, e defender-te a ti mesmo como também a reprovar-te. Ninguém te amará mais, ninguém te julgará mais fielmente. A este propósito diz alguém: «Seja-te querida a cela, o teu pé seja tardo para o exterior; calando em todo o tempo, chora, lê ou reza, levanta-te cedo, examina-te em todo o momento». Com este fim, pois, diz a Regra: «todos e cada um tenham celas separadas, conforme forem atribuídas a cada um por disposição do próprio Prior e com o assentimento dos outros irmãos ou da parte mais sã».

 

No vídeo, Frei Carlos Mesters, O. Carm, fala sobre a Carta de São Paulo aos Gálatas no  Carmo de Unaí-MG. Convento do Carmo de Angra dos Reis/RJ. 26 de setembro-2021.

17 DE SETEMBRO- O SANTO DO DIA: Santo Alberto de Jerusalém, Legislador da Ordem do Carmo.

No vídeo, Frei Fernando Millán Romeral O. Carm, Ex-Prior Geral da Ordem do Carmo, fala sbre os 800 Anos da Regra de Santo Alberto. O Congresso aconteceu em Roma no mês de outubro de 2014. Câmera: Frei Petrônio de Miranda, O. Carm. Divulgação: www.instagram.com/freipetronio

NOTA: Santo Alberto, Patriarca de Jerusalém, nasceu em meados do século XII, em Castro de Gualteri, diocese de Parma, Itália. Pediu sua admissão entre os cônegos regulares da Santa Cruz de Mortara e aí se tornou Prior, no ano de 1180. Foi nomeado Bispo de Bobbio em 1184 e, a seguir, de Vercelli em 1191. Transferido para o Patriarcado de Jerusalém em 1205, com a palavra e com o exemplo, mostrou-se autêntico pastor a serviço da paz. Durante seu patriarcado (1206-1214), reuniu em comunidade os eremitas do Monte Carmelo e escreveu-lhes uma Regra. Devendo repreender e depor por má conduta o administrador do Hospital do Espírito Santo, foi morto por ele no dia 14 de setembro de 1214, em São João de Acre.

Oração:

Senhor, que por intermédio de Santo Alberto nos destes uma evangélica Fórmula de Vida, concedei-nos, por sua intercessão, viver sempre na contemplação de Jesus Cristo e servi-lo com fidelidade até a morte.  Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

Francisco recebeu em audiência os participantes do Capítulo Geral da Ordem dos Frades Carmelitas Descalços: "Arraigados na relação com Deus, Trindade de Amor, vocês são chamados a cultivar os relacionamentos no Espírito, numa saudável tensão entre estar sozinhos e estar com os outros".

 

Amedeo Lomonaco/Mariangela Jaguraba – Vatican News

Ouvir, discernir e tornar-se testemunha. Estas são as diretrizes do discurso do Papa Francisco proferido aos participantes do Capítulo Geral dos Carmelitas Descalços, na manhã deste sábado (11/09), no Vaticano. "Ouvir é a atitude fundamental do discípulo, de quem se coloca na escola de Jesus e quer responder ao que Ele nos pede neste momento difícil, mas sempre belo, porque é o tempo de Deus."

Neste tempo, em que a pandemia nos colocou diante de muitas perguntas e que viu a queda de tantas certezas, vocês são chamados, como filhos de Santa Teresa, a cuidar de sua fidelidade aos elementos perenes de seu carisma. Esta crise, se tem algo de bom, e certamente tem, é para nos trazer de volta ao essencial, a não viver distraídos por uma falsa segurança.

 

Viver plenamente a graça do presente

O Papa sublinhou que "às vezes alguém pergunta qual é o futuro da vida consagrada". As "visões pessimistas estão destinadas a serem desmentidas como aquelas sobre a própria Igreja", disse Francisco.

A vida consagrada faz parte da Igreja como Jesus a quis e como o Espírito a gera continuamente. Portanto, é preciso distanciar a tentação de se preocupar em sobreviver, e viver plenamente, acolhendo a graça do presente, mesmo com os riscos que isso implica.

 

Cuidado com a mundanidade espiritual

A vida carmelita é "vida contemplativa". "Este é o dom que o Espírito deu à Igreja com Santa Teresa de Jesus e São João da Cruz, e depois com os santos e santas carmelitas". Fiel a este dom, o Papa acrescentou: "A vida carmelita é uma resposta à sede do homem contemporâneo, que no fundo é uma sede de Deus, uma sede do eterno". Está protegido dos psicologismos, espiritualismos ou falsas atualizações que escondem um espírito de mundanidade." O Pontífice citou um livro do pe. de Lubac sobre a mundanidade espiritual no qual afirma que "é o pior dos males que podem acontecer à Igreja, na verdade pior do que no tempo dos Papas concubinos". "A cultura da mundanidade espiritual é uma cultura do efêmero e das aparências", observou Francisco, que é "muito sutil": "Entra e nós não percebemos".

Vocês conhecem bem a tentação dos psicologismos, dos espiritualismos e das atualizações do mundo: o espírito da mundanidade. Sobre isso eu lhes peço, por favor: cuidado com a mundanidade espiritual, que é o pior mal que pode acontecer à Igreja.

"A fidelidade evangélica", disse o Papa, "não é estabilidade de lugar, mas estabilidade de coração; que não consiste em recusar a mudança, mas em fazer as mudanças necessárias para atender ao que o Senhor nos pede, aqui e agora". A fidelidade exige um firme compromisso com os valores do Evangelho e com o próprio carisma, e a renúncia àquilo que impede de dar o melhor de si ao Senhor e aos outros".

 

Amizade com Deus e missão

O Pontífice também lembrou que a alegria e o senso de humor devem ser características marcantes da vida consagrada. Ele incentivou os Carmelitas a "manterem ligadas a amizade com Deus, a vida fraterna em comunidade e a missão". Ele os exortou, a partir da amizade com Deus e do estilo de fraternidade, a "repensar a missão, com criatividade e um forte impulso apostólico, prestando grande atenção ao mundo de hoje". A amizade com Deus", explicou o Papa, "amadurece no silêncio, no recolhimento, na escuta da Palavra de Deus".

É um fogo que precisa ser alimentado e protegido todos os dias. O calor deste fogo interior também ajuda a praticar a vida fraterna em comunidade. Não é um elemento acessório, mas substancial. O nome de vocês lembra isso: "Irmãos descalços". Arraigados na relação com Deus, Trindade de Amor, vocês são chamados a cultivar os relacionamentos no Espírito, numa saudável tensão entre estar sozinhos e estar com os outros, contracorrente em relação ao individualismo e a massificação do mundo.

 

Capítulo Geral dos Carmelitas Descalços

O Capítulo Geral dos Carmelitas Descalços, em Roma, que teve início em 30 de agosto e prossegue até 14 de setembro, é o 92º da história da Ordem. Os trabalhos são marcados por um texto elaborado nos últimos seis anos e focalizado no carisma carmelita-teresiano. Um dos objetivos é dar uma resposta atualizada às perguntas: o que significa ser Carmelitas Descalços hoje? Como viver a vocação de uma forma que esteja em sintonia com os desafios atuais? Noventa e cinco frades carmelitas dos cinco continentes foram convocados ao Capítulo, representando cerca de 4 mil frades que fazem parte da Ordem. Em 4 de setembro, a assembleia capitular elegeu o pe. Miguel Marquez Calle, nascido em 5 de outubro de 1965, na Espanha, novo diretor-geral. Fonte: https://www.vaticannews.va

No vídeo, imagens do Frei Carlos Mesters, O. Carm, na Assembleia da Ordem Terceira do Carmo em São Paulo no ano de 2016. Tema: Levantar e Andar com o Profeta Elias.. Nota: Frei Carlos Mesters é frade carmelita, holandês, radicado no Brasil há muitos anos. Formou-se em Teologia e Ciências Bíblicas em Roma e na Escola Bíblica de Jerusalém. É membro fundador do Centro de Estudos Bíblicos - CEBI, há anos acompanha a caminhada das comunidades eclesiais do Brasil no esforço de transmitir a mensagem bíblica numa linguagem simples e acessível aos mais humildes. Trabalha atualmente no Carmo de Unaí-MG (Ano 2021). É autor de diversos livros e ajudou a traduzir a Bíblia editada pela Vozes. Convento do Carmo de Angra dos Reis/RJ. 30 de agosto-2021.

No vídeo, o Frei Carlos Mesters, O. Carm, fala sobre Contexto e Vocação de Jesus. Vídeo do Curso de Verão/SP. Nota: Frei Carlos Mesters é frade carmelita, holandês, radicado no Brasil há muitos anos. Formou-se em Teologia e Ciências Bíblicas em Roma e na Escola Bíblica de Jerusalém. É membro fundador do Centro de Estudos Bíblicos - CEBI, há anos acompanha a caminhada das comunidades eclesiais do Brasil no esforço de transmitir a mensagem bíblica numa linguagem simples e acessível aos mais humildes. Trabalha atualmente no Carmo de Unaí-MG (Ano 2021). Convento do Carmo de Angra dos Reis/RJ. 30 de agosto-2021. www.instagram.com/freipetronio

 

1) Oração

Ó Deus, que preparastes para quem vos ama bens que nossos olhos não podem ver; acendei em nossos corações a chama da caridade para que, amando-vos em tudo e acima de tudo, corramos ao encontro das vossas promessas que superam todo desejo. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

2) Leitura do Evangelho (Mateus 19,16-22)

16Um jovem aproximou-se de Jesus e lhe perguntou: Mestre, que devo fazer de bom para ter a vida eterna? Disse-lhe Jesus: 17Por que me perguntas a respeito do que se deve fazer de bom? Só Deus é bom. Se queres entrar na vida, observa os mandamentos. 18Quais?, perguntou ele. Jesus respondeu: Não matarás, não cometerás adultério, não furtarás, não dirás falso testemunho, 19honra teu pai e tua mãe, amarás teu próximo como a ti mesmo. 20Disse-lhe o jovem: Tenho observado tudo isto desde a minha infância. Que me falta ainda? 21Respondeu Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende teus bens, dá-os aos pobres e terás um tesouro no céu. Depois, vem e segue-me! 22Quando ouviu esta palavra, o jovem foi embora cheio de tristeza, pois possuía muitos bens.

 

3) Reflexão  Mateus 19,16-22

O evangelho de hoje traz a história do jovem que perguntou pelo caminho da vida eterna. Jesus indicou para ele o caminho da pobreza. O jovem não aceitou a proposta de Jesus, pois era muito rico. Uma pessoa rica é protegida pela segurança que a riqueza lhe dá. Ela tem dificuldade em abrir mão da sua segurança. Agarrada às vantagens dos seus bens, vive preocupada em defender seus próprios interesses. Uma pessoa pobre não tem esta preocupação. Mas há pobres com cabeça de rico. Muitas vezes, o desejo de riqueza cria neles uma grande dependência e faz o pobre ser escravo do consumismo, pois ele fica devendo prestações em todo canto. Já não tem mais tempo para dedicar-se ao serviço do próximo.

Mateus 19,16-19: Os mandamentos e a vida eterna.  

Alguém chega perto de Jesus e pergunta: "Mestre, que devo fazer de bom para possuir a vida eterna?" Alguns manuscritos informam que se tratava de um jovem. Jesus responde bruscamente: "Por que você me pergunta sobre o que é bom? Um só é o bom!” Em seguida, ele responde à pergunta e diz: Se você quer entrar para a vida, guarde os mandamentos". O jovem reage e pergunta: “Quais mandamentos?”  Jesus tem a bondade de enumerar os mandamentos que o rapaz já devia conhecer: "Não mate; não cometa adultério; não roube; não levante falso testemunho; honre seu pai e sua mãe; e ame seu próximo como a si mesmo".  É muito significativa a resposta de Jesus. O jovem tinha perguntado pela vida eterna. Queria a vida junto de Deus! Mas Jesus só lembrou os mandamentos que dizem respeito à vida junto do próximo! Não mencionou os três primeiros mandamentos que definem nosso relacionamento com Deus! Para Jesus, só conseguiremos estar bem com Deus, se soubermos estar bem com o próximo. Não adianta se enganar. A porta para chegar até Deus é o próximo.

Em Marcos a pergunta do jovem é diferente: "Bom Mestre, que devo fazer para herdar a vida eterna?"  Jesus respondeu: "Por que você me chama de bom? Só Deus é bom, e ninguém mais!” (Mc 10,17-18). Jesus desvia a atenção de si mesmo para Deus, pois o que importa é fazer a vontade do Deus, revelar o Projeto do Pai.

Mateus 19,20: Observar os mandamentos, para que serve?  

O jovem respondeu: "Tenho observado todas essas coisas. O que é que ainda me falta fazer?" O curioso é o seguinte. O jovem queria conhecer o caminho que o levasse à vida eterna. Ora, o caminho da vida eterna era e continua sendo: fazer a vontade de Deus, expressa nos mandamentos. Com outras palavras, o jovem observava os mandamentos sem saber para que serviam! Se o soubesse, não teria feito a pergunta. É como muitos católicos que não sabem por que motivo são católicos. ”Nasci católico, por isso sou católico!” Coisa de costume!

Mateus 19,21-22: A proposta de Jesus e a resposta do jovem

Jesus respondeu: "Se você quer ser perfeito, vá, venda tudo o que tem, dê o dinheiro aos pobres, e você terá um tesouro no céu. Depois venha, e siga-me". Quando ouviu isso, o jovem foi embora cheio de tristeza, porque era muito rico. A observância dos mandamentos é apenas o primeiro degrau de uma escada que vai mais longe e mais alto. Jesus pede mais! A observância dos mandamentos prepara a pessoa para ela poder chegar à doação total de si em favor do próximo. Marcos diz que Jesus olhou para o jovem com amor (Mc 10,21). Jesus pede muito, mas ele o pede com muito amor. O moço não aceitou a proposta de Jesus e foi embora, “pois era muito rico”.

Jesus e a opção pelos pobres.

Um duplo cativeiro marcava a situação do povo na época de Jesus: o cativeiro da política de Herodes, apoiada pelo Império Romano e mantida por todo um sistema bem organizado de exploração e de repressão, e o cativeiro da religião oficial, mantida pelas autoridades religiosas da época. Por causa disso, o clã, a família, a comunidade, estava sendo desintegrada e uma grande parte do povo vivia excluída, marginalizada, sem lugar, nem na religião, nem na sociedade. Por isso, havia vários movimentos que, como Jesus, procuravam refazer a vida em comunidade: essênios, fariseus e, mais tarde, os zelotes. Dentro da comunidade de Jesus, porém, havia algo novo que a diferenciava dos outros grupos. Era a atitude frente aos pobres e excluídos. As comunidades dos fariseus viviam separadas. A palavra “fariseu” quer dizer “separado”. Viviam separadas do povo impuro. Alguns fariseus consideravam o povo como ignorante e maldito (Jo 7,49), cheio de pecado (Jo 9,34). Não aprendiam nada do povo (Jo 9,34). Jesus e a sua comunidade, ao contrário, viviam misturados com as pessoas excluídas, consideradas impuras: publicanos, pecadores, prostitutas, leprosos (Mc 2,16; 1,41; Lc 7,37). Jesus re­conhece a riqueza e o valor que os pobres possuem (Mt 11,25-26; Lc 21,1-4). Proclama-os felizes, porque o Reino é deles, dos pobres (Lc 6,20; Mt 5,3). Define sua própria missão como “anunciar a Boa Nova aos pobres” (Lc 4, 18). Ele mesmo vive como pobre. Não possui nada para si, nem mesmo uma pedra para reclinar a cabeça (Lc 9,58). E a quem quer segui-lo para conviver com ele, manda escolher: ou Deus, ou o dinheiro! (Mt 6,24). Manda fazer opção pelos pobres como propôs ao jovem rico! (Mc 10,21) Esta maneira diferente de acolher os pobres e de conviver com eles era uma amostra do Reino de Deus.

 

4) Para um confronto pessoal

  1. Uma pessoa que vive preocupada com a sua riqueza ou com a aquisição dos bens que a propaganda do consumismo lhe oferece, será que ela pode libertar-se de tudo isto para seguir Jesus e viver em paz numa comunidade cristã? É possível? O que você acha?
  2. O que significa para nós hoje: “Vai vende tudo, dá aos pobres”? É possível tomar isto ao pé da letra? Conhece alguém que conseguiu largar tudo por causa do Reino?

 

5) Oração final

Ele me faz descansar em verdes prados, a águas tranquilas me conduz. Restaura minhas forças, guia-me pelo caminho certo, por amor do seu nome. (Sl 22, 2-3)

 

"Mártir, mulher de coerência, mulher que busca a Deus com honestidade, com amor e mulher mártir de seu povo judeu e cristão". Foi assim que o Papa Francisco definiu Santa Teresa Benedita da Cruz, que a Igreja celebra hoje. Uma figura que ainda hoje ilumina o caminho, especialmente para a Europa, da qual ela é co-padroeira. A filósofa Bello: "Uma mulher corajosa que pode dizer muito ao mundo de hoje".

 

Benedetta Capelli – Vatican News

Uma filha amada pela Igreja que reconheceu seu testemunho de fé e amor, o seu ser 'luz na noite escura', como Bento XVI definiu Edith Stein. Nascida na Silésia alemã em 1881 em uma família judaica, ela se tornou filósofa e depois se converteu ao catolicismo, pois foi fulgurada pela vida de Santa Teresa de Ávila, sem nunca negar suas origens judaicas. 

Ela se tornou religiosa carmelita com o nome de Teresa Benedita da Cruz e durante os anos da perseguição nazista foi transferida para a Holanda. Mas foi ali, no Carmelo de Echt, que ela escreveu seu desejo de se oferecer "como sacrifício de expiação pela verdadeira paz e a derrota do reino do anticristo". Dois anos após a invasão nazista da Holanda em 1940, ela foi levada com outros 244 judeus católicos a Auschwitz, como ato de represália contra o episcopado holandês, que se opôs publicamente às perseguições. Ela morreu no campo de extermínio junto com sua irmã Rosa, que também havia se convertido ao catolicismo.

 

O amor cura a dor

São João Paulo II a canonizou em 11 de outubro de 1998, destacando sua "viagem na escola da Cruz" e mostrando como o amor faz frutificar até mesmo na dor. No ano seguinte ele a elevou a co-padroeira da Europa junto com Santa Catarina de Siena e Santa Brígida da Suécia. A editora italiana Città Nuova apresentou recentemente a série 'Obras completas de Edith Stein'. A professora Angela Ales Bello, docente emérita de História da Filosofia Contemporânea na Pontifícia Universidade Lateranense em Roma e presidente da Associação Italiana Edith Stein, foi quem realizou a edição. Ela destaca as semelhanças entre o momento histórico atual, marcado pela pandemia, e o vivido por Santa Teresa Benedita da Cruz, que por sua vez foi condicionado pela febre espanhola.

 

O que a história e o pensamento de Edith Stein podem dizer hoje, em meio a uma emergência pandêmica? Qual é a sua mensagem?

Eu diria que a mensagem é de vários tipos. Em primeiro lugar, é uma questão de agir na história e, portanto, de sermos capazes de nos tornarmos, dentro de nossa própria esfera de ação, verdadeiros protagonistas de uma ação voltada para o bem, não apenas nosso, é claro, mas para o bem dos outros. E aqui o conceito de "comunidade" que Stein propõe é extremamente importante, uma comunidade que significa solidariedade e assunção de responsabilidade mútua. É, portanto, uma mensagem de caráter moral baseada em uma dimensão fundamentalmente religiosa, judaico-cristã. 

O Papa Francisco destacou suas escolhas corajosas, tanto em sua conversão a Cristo, quanto no dom de sua vida contra todas as formas de intolerância e perversão ideológica. Há segundo a senhora aspectos desta figura que são menos conhecidos ainda hoje?

Certamente ela é uma figura completa e complexa. Complexa significa que é difícil captar todas as nuances de sua personalidade. Meu longo estudo dos escritos de Stein me permitiu ficar um pouco em sintonia, pelo menos acho que sim, com uma pessoa que foi corajosa até o fundo, e isto também é demonstrado por sua participação na Primeira Guerra Mundial como enfermeira da Cruz Vermelha em sua juventude, contra os conselhos de sua família, porque o trabalho era naturalmente muito arriscado. Ela se viu em um hospital onde também havia pacientes com tifo e, portanto, em uma situação muito difícil. Mas não apenas este elemento mostra sua coragem, mas também a forma como ela enfrentou a sua conversão religiosa em relação à sua família que, naturalmente, não poderia aceitar esta mudança para uma visão diferente da do judaísmo. E novamente no momento da perseguição, ela é de fato um extraordinário exemplo de centralidade sobre si mesma, de serenidade interior que vem da consciência da fé para enfrentar qualquer situação negativa. De 5 a 9 de agosto ela foi transferida para Auschwitz junto com sua irmã que a havia seguido para o Carmelo de Echt, na Holanda. De acordo com o testemunho de alguns dos sobreviventes, ela estava especialmente empenhada em cuidar das crianças que muitas vezes haviam sido abandonadas por suas mães, que não podiam mais cuidar delas por causa da angústia e do drama da situação. Ela é, portanto, um exemplo verdadeiramente extraordinário de força moral para nós. Em seus escritos, ela fala da força espiritual que pode contrastar todas as situações negativas da vida, mesmo quando falta o que ela chama de força vital. Jesus nos mostrou a força moral em sua paixão e morte, então Stein realmente o imitou e acredito que este foi também um elemento importante na determinação de sua santidade.

 

Que imagem de Edith Stein fornece a série que a senhora está realizando?

Antes de tudo, de uma pensadora, não devemos esquecer todas as suas pesquisas filosóficas. Ela tinha uma capacidade teórica e de intuir imediatamente os elementos fundamentais diante de uma situação problemática e extraordinária. A sua inteligência era grande no sentido de compreensão. Sua reflexão foi fundamentalmente centrada no ser humano, mas depois do ser humano em sua singularidade ela passou a outros: daí o grande tema da intersubjetividade, da interpessoalidade. O ensino de Stein sobre o processo educacional é extremamente importante e é fundamental não apenas para os jovens, aos quais ela naturalmente presta grande atenção nas escolas e famílias, mas também para uma educação que poderíamos definir como permanente, recíproca e vitalícia. Suas obras são verdadeiramente um sinal extraordinário de sua excepcional atividade intelectual; ela é uma das maiores filósofas de todos os tempos. Stein é, em minha opinião, um farol e é ladeada por outras pensadoras que mostram que as mulheres têm uma extraordinária capacidade teórica. Stein, lecionando na escola secundária por muitos anos, disse que seus alunos tinham grandes capacidades metafísicas, para compreender precisamente a essência dos fenômenos fundamentais da relação entre o ser humano e Deus, o ser humano e o mundo. Fonte: https://www.vaticannews.va

 

Comentário inicial

O profeta Elias aparece nas Sagradas Escrituras como o homem de Deus que caminha na presença do Senhor, e que, abrasado de zelo, luta pela defesa do culto do único Deus verdadeiro.

Defendeu os direitos de Deus num desafio público, realizado no monte Carmelo entre ele e os sacerdotes de Baal. Entregou-se à íntima experiência do Deus vivo no monte Horeb.

Nele se inspiraram os primeiros eremitas que, por volta do séc. XII, iniciaram no Monte Carmelo um novo estilo de vida que originou a Ordem dos Irmãos da Bem-aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo. Por este motivo, o profeta Elias é considerado o Fundador ideal da Ordem.

De pé, acolhamos a procissão de entrada cantando.

 

ANTÍFONA DE ENTRADA 1Rs 17, 1

O profeta Elias disse: «Vive o Senhor, Deus de Israel, a quem eu sirvo».

 

ORAÇÃO COLETA

Deus eterno e onipotente, que concedestes ao bem-aventurado Elias, vosso profeta e nosso pai, a graça de viver na vossa presença e de se inflamar de zelo pela vossa glória,

Fazei que, procurando sempre a vossa presença, nos tornemos testemunhas do vosso amor. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

1ª LEITURA: 1Rs 19,1-9.11-14

 

Leitura do primeiro livros dos Reis.

Acab contou a Jezabel tudo que Elias tinha feito e como tinha passado ao fio da espada todos os profetas de Baal. Então Jezabel mandou um mensageiro a Elias para lhe dizer: “Os deuses me cumulem de castigos, se amanhã, a esta hora, eu não tiver feito contigo o mesmo que fizeste com a vida desses profetas”. Elias ficou com medo e, para salvar sua vida, partiu. Chegou a Bersabéia de Judá e ali deixou o seu servo. Depois, adentrou o deserto e caminhou o dia todo. Sentou-se, finalmente, debaixo de um junípero e pediu para si a morte, dizendo: “Agora basta, Senhor! Tira a minha vida, pois não sou melhor que meus pais”. E, deitando-se no chão, adormeceu à sombra do junípero. De repente, um anjo tocou-o e disse: “Levanta-te e come!” Ele abriu os olhos e viu junto à sua cabeça um pão assado na pedra e um jarro de água. Comeu, bebeu e tornou a dormir. Mas o anjo do SENHOR veio pela segunda vez, tocou-o e disse: “Levanta-te e come! Ainda tens um caminho longo a percorrer”. Elias levantou-se, comeu e bebeu, e, com a força desse alimento, andou quarenta dias e quarenta noites, até chegar ao Horeb, o monte de Deus. Chegando ali, entrou numa gruta, onde passou a noite. Então a palavra do SENHOR veio a ele, dizendo: “Que fazes aqui, Elias?” Ele respondeu: “Estou ardendo de zelo pelo SENHOR, Deus dos exércitos, porque os israelitas abandonaram tua aliança, demoliram teus altares, mataram à espada teus profetas. Só eu escapei; mas agora querem matar-me também”. O SENHOR disse-lhe: “Sai e permanece sobre o monte diante do SENHOR”. Então o SENHOR passou. Antes do SENHOR, porém, veio um vento impetuoso e forte, que desfazia as montanhas e quebrava os rochedos, mas o SENHOR não estava no vento. Depois do vento houve um terremoto, mas o SENHOR não estava no terremoto. Passado o terremoto, veio um fogo, mas o SENHOR não estava no fogo. E depois do fogo ouviu-se o murmúrio de uma leve brisa. Ouvindo isto, Elias cobriu o rosto com o manto, saiu e pôs-se à entrada da gruta. Ouviu, então, uma voz que dizia: “Que fazes aqui, Elias?”  Ele respondeu: “Estou ardendo de zelo pelo SENHOR, Deus dos exércitos, porque os israelitas abandonaram tua aliança, demoliram teus altares e mataram à espada teus profetas. Só eu escapei. Mas, agora, querem matar-me também”. – Palavra do Senhor.

 

SALMO DE MEDITAÇÃO

Diante dos meus olhos tenho presente o Senhor.

 

Protege-me, ó Deus: em ti me refugio.

Eu digo ao SENHOR: “És tu o meu Senhor,

Fora de ti não tenho bem algum”.

 

O SENHOR é a minha parte da herança e meu cálice.

Nas tuas mãos, a minha porção.

Para mim a sorte caiu em lugares deliciosos,

maravilhosa é minha herança.

 

Sempre coloco à minha frente o SENHOR,

Ele está à minha direita, não vacilo.

Disso se alegra meu coração, exulta a minha alma;

também meu corpo repousa seguro,

 

Pois não vais abandonar minha vida no sepulcro,

Nem vais deixar que teu santo experimente a corrupção,

O caminho da vida me indicarás,

alegria plena à tua direita, para sempre.

 

2ª LEITURA: 1Pd 1,8-12

Leitura da primeira carta de São Pedro.

Sem terdes visto o Senhor, vós o amais. Sem que agora o estejais vendo, credes nele. Isto será para vós fonte de alegria inefável e gloriosa, pois obtereis aquilo em que acreditais: a vossa salvação.  Esta salvação tem sido objeto das investigações e meditações dos profetas. Eles profetizaram a respeito da graça que estava destinada para vós. Procuraram saber a que época e a que circunstâncias se referia o Espírito de Cristo, que estava neles, ao anunciar com antecedência os sofrimentos de Cristo e a glória que viria depois.  Foi-lhes revelado que não para si mesmos, mas para vós é que estavam ministrando esses ensinamentos, que agora são anunciados a vós. Agora vo-los anunciam aqueles que vos pregam a Boa Nova em virtude do Espírito Santo, enviado do céu; são revelações que até os anjos desejam contemplar! – Palavra do Senhor.

 

EVANGELHO: Lc 9,28B-36

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas.

Naquele tempo, Jesus levou consigo Pedro, João e Tiago, e subiu à montanha para orar. Enquanto orava, seu rosto mudou de aparência e sua roupa ficou branca e brilhante. Dois homens conversavam com ele: eram Moisés e Elias. Apareceram revestidos de glória e conversavam sobre a saída deste mundo que Jesus iria consumar em Jerusalém. Pedro e os companheiros estavam com muito sono. Quando acordaram, viram a glória de Jesus e os dois homens que estavam com ele. E enquanto esses homens iam se afastando, Pedro disse a Jesus: “Mestre, é bom ficarmos aqui. Vamos fazer três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias”. Nem sabia o que estava dizendo. Estava ainda falando, quando desceu uma nuvem que os cobriu com sua sombra. Ao entrarem na nuvem, os discípulos ficaram cheios de temor. E da nuvem saiu uma voz que dizia: “Este é o meu Filho, o Eleito. Escutai-o!” Enquanto a voz ressoava, Jesus ficou sozinho. Os discípulos ficaram calados e, naqueles dias, a ninguém contaram nada do que tinham visto. – Palavra da Salvação.

 

ORAÇÃO SOBRE AS OFERENDAS

Aceitai, Senhor, os dons da vossa Igreja, e, assim como aceitastes o sacrifício do profeta Elias, dignai-Vos, de igual modo, receber as nossas ofertas de pão e vinho. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

PREFÁCIO O profeta Elias, amigo de Deus e apóstolo.

  1. O Senhor esteja convosco.
  2. Ele está no meio de nós.
  3. Corações ao alto.
  4. O nosso coração está em Deus.
  5. Demos graças ao Senhor nosso Deus.
  6. É nosso dever, é nossa salvação.

Senhor, Pai Santo, Deus eterno e onipotente é verdadeiramente nosso dever, é nossa salvação dar-Vos graças, sempre e em toda a parte, por Cristo nosso Senhor. Vós suscitastes profetas para que proclamassem que sois o Deus vivo e verdadeiro e conduzissem o vosso povo na esperança da salvação. Entre eles honrastes com a vossa divina amizade o profeta Elias, para que, devorado pelo zelo da vossa glória, manifestasse a vossa onipotência e a vossa misericórdia. Ele caminhou sempre na vossa presença e por isso o quisestes junto a Cristo no Tabor, como testemunha da Transfiguração, para se alegrar com a presença gloriosa do vosso Filho. Por isso, com os Anjos e os Santos, proclamamos a vossa glória, cantando numa só voz: Santo, Santo, Santo.

 

ANTÍFONA DA COMUNHÃO Cfr 1Rs 19, 8

Elias comeu e bebeu, e, fortalecido com o alimento, caminhou até ao monte de Deus.

 

ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO

Fortalecidos com a comida e a bebida angélica da mesa do vosso Filho, concedei-nos, Senhor, que, procurando-Vos sempre por meio da fé, alcancemos a contemplação da vossa presença no monte santo da glória. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

BÊNÇÃO SOLENE

- Deus, nosso Pai, que hoje nos reuniu para celebrar a festa de Santo Elias, vos abençoe e proteja e vos confirme na sua paz.

  1. Amém

- Cristo Nosso Senhor, que manifestou de modo admirável em Santo Elias a força e a imagem do mistério pascal, faça de vós testemunhas fiéis do seu Evangelho.

  1. Amém.

- O Espírito Santo, que em Santo Elias nos deu um sinal da caridade divina, vos torne capazes de formar uma verdadeira comunidade de fé e amor.

  1. Amém.

- Abençoe-vos Deus todo-poderoso, Pai, Filho e Espírito Santo.

  1. Amém.

Prece a Nossa Senhora do Carmo

Letra e música: Frei Petrônio de Miranda, O. Carm

Convento do Carmo de Angra dos Reis/RJ. 30 de junho-2021.

 

Mãe do Carmelo, pra onde vais, Virgem do Carmo, onde estais. / Ensina a seguir Jesus, ensina encontrar a paz (bis)

 

1-No Brasil, de tantos mortos, o coronavírus a nos atormentar. / Senhora do Escapulário, vem logo1nos ajudar (bis)

 

2- No mês, da Flor Carmelo, a Novena vamos rezar. / julho é carmelitano, com o Cristo vamos encontrar (bis).

 

3- Com, Madalena de Pazzi, e Tito Brandsma, vamos louvar. / Com Teresona e João da Cruz, para o Monte vamos caminhar (bis)

 

4- Não me fale, em devoção, e para os pobres, os olhos fechar. / O Carmelo é compaixão, e vidas sempre a salvar (bis)

 

Sacerdote: Senhor, ouvi a minha oração

Todos: E o meu clamor chegue até Vós

Sacerdote: O Senhor esteja convosco

Todos: Ele está no meio de nós

 

Oremos:

Senhor Jesus Cristo, Salvador do gênero humano, abençoai e santificai estes escapulários que, por vosso amor e por amor a vossa Mãe, a Santíssima Virgem Maria do Monte Carmelo, estes vossos e filhos e filhas levarão consigo, para que, pela intercessão de Maria sejam protegidos contra todo o mal e perseverem na vossa graça até a morte! Vós que viveis e reinais por todo sempre.

 

Todos: Amém!

 (Sacerdote benze os escapulários com água benta)

 

Sacerdote: Recebe este escapulário bendito, suplicando à Santíssima Virgem Maria do Monte Carmelo para que, pelos seus méritos, o use com piedade e o defenda de todo perigo e o conduza à vida eterna!

Todos: Amém!

(Ave... Canto a Nossa Senhora do Carmo)

Imagens da primeira noite da Novena de Nossa Senhora do Carmo em Angra dos Reis/RJ. Imagens: Olhar Jornalístico. Convento do Carmo, 7 de julho-2021. 

(Leituras do dia: 1Rs 18,42-45; Jo 19,25-30).

Frei Martinho Cortez, O. Carm. In Memoriam (*20 /02 1938 + 04/08 2020)

 

1 — Nas origens: capela de Santa Maria.

             É uma presença constante, “que tem exercido um vital e profundo influxo” no Carmelo. No monte havia uma capela dedicada a Maria. O carmelita, falando do “seguimento de Jesus” (Regra), cultivou naturalmente aquela que disse “sim” ao plano de Deus. Ele é sua padroeira original, que em seguida é venerada com outras formas de devoção e títulos. A veneração de Maria se prende ao fato de ela ser Mãe do Verbo de Deus, na pessoa de Jesus. Para isto ela tinha de ser imaculada (Imaculada Conceição) e, no fim, da vida, recebeu a graça de voltar para Deus de corpo e alma (Assunção). Maria, Mãe de Deus, é a Nova Eva (salvação) e a Mulher Coroada de Estrelas (Apocalipse). Tudo em sua vida, sobre a qual pouca coisa temos nos Evangelhos, é motivo de alegria, de esperança, de adoração ao Senhor. O Carmelo habituou-se a relacionar-se com ela como mediadora, protetora, santíssima, intercessora, e a lhe prestar honras, endereçar-lhe orações e imitar suas virtudes. Tornou-se um modelo de espiritualidade por sua pureza virginal, humildade consciente, sentido da presença de Deus e de serviço generoso ao próximo. Por Cristo primeiro, os carmelitas chegaram a Maria; depois, por Maria chegaram cada vez mais a Jesus! Chamavam-na de “Mãe de Deus” e “Toda Santa”, e a Ordem do Carmo passou a ser eminentemente mariana, porque, além de terem surgido na terra de Maria – a Terra Santa – foram para lá na qualidade de “peregrinos” e por causa de Jesus. Por isso ela, como verdadeira Rainha, é chamada de “a Senhora do Lugar”: sua beleza é como a beleza do monte Carmelo em tempo de floração; o tema da “nuvenzinha” de Elias é visto em Maria como seu poder de intercessão, que faz cair sobre da parte de Deus uma chuva de graças (“medianeira” – 1Rs 18, 42-45). — Ou seja: nas origens da Ordem do Carmo, Maria aparece nas citações bíblicas, nas tradições da região do monte Carmelo e na consciência que possuíam os carmelitas do papel dela na história da Salvação. Daí a história da espiritualidade carmelita revelar que a Ordem do Carmo sempre se relacionou com Maria em acentuações de afeto, ternura, cordialidade e familiaridade íntima.

 

2 — Na Idade Média: a Senhora do Lugar.

             Desde o início Maria foi para os carmelitas protetora e sua padroeira. Aprofundamentos são feitos, desenvolve-se o modo de exprimir a devoção, fica mais rico o conteúdo da fé. Chega-se a um ponto em que, entre os carmelitas, Maria é claramente venerada como a “Mãe do Senhor”, a “Senhora do Lugar” (patrona), a “Virgem”, a “Imaculada”, a “Toda Bela”, a “Mulher Coroada de Estrelas”, a “Mãe do Redentor” (Virgem puríssima), a “Libertadora” (livra das penas do purgatório) e a “Preservadora” (força para evitar no fim da vida a pena capital do inferno). — O significado de “patrona” faz pensar em dedicação, proteção, senhorio. Disso foi que nasceu a consciência de a Ordem do Carmo ter sido fundada para a hora e o serviço de Maria. Por conseqüência, tudo na Ordem era feito através de Maria: a espiritualidade, a profissão de vida consagrada, o uso do hábito e a dedicação das igrejas. Daí, também, o alcance do nome oficial da Ordem: Irmãos da Bem-aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo. Em geral, as igrejas carmelitas recebem o nome de Igreja de Nossa Senhora do Carmo, Igreja do Carmo. A profissão de consagração à vida carmelita é feita também em nome da Virgem do Carmo. O hábito oficial da Ordem, que inclui a capa branca, sinal da pureza virginal de Maria, incorporou o Escapulário, inicialmente um avental de serviço dentro de casa, nas horas ou nos jardins. O Escapulário ficou sendo um sinal de serviço a Deus pelo serviço a Maria. No conjunto de hinos e celebrações do Carmelo, mesmo as celebrações eucarísticas, incluiu-se o nome de Maria, a própria ave-maria e a salve-rainha. As orações e antífonas proclamavam as virtudes e excelências da Mãe de Deus e sua mediação. Os escritores, pregadores e teólogos carmelitas se referiam cada vez mais freqüente e profundamente das glórias da Mãe e Esplendor do Carmelo. — Do meio para o fim da Idade Média, a Ordem do Carmo dedicava a Maria grandes temas de sua espiritualidade: a “conformidade de vida” (“Tudo em Maria”, “O Carmelo é todo de Maria”); a “maternidade de Maria em relação à Ordem” (“Mãe e Esplendor do Carmelo”; tudo, até a origem da Ordem, é mariano!). O objetivo de vida segue sendo a intimidade com Deus pelo seguimento de Jesus, mas, por isso mesmo, é que o Carmelo funciona com base no ser/agir da Mãe de Deus (cf. também presença de Maria junto à Cruz: Jo 19, 25-30)

 

3 — Na passagem para os tempos modernos: a intimidade com Maria vira fraternidade.

             Ao final da Idade Média emergiu no Carmelo uma reflexão profunda sobre a “virgindade” de Nossa Senhora em sua condição de Mãe do Puro Amor (Deus). Era uma exigência decorrente da espiritualidade carmelita: para estar sempre na presença do Senhor, fundamentar-se numa vida de “coração puro e reta consciência”. Maria Puríssima e Santíssima tinha de ser modelo de inspiração e imitação. Maria então passou a ser sentida ainda mais como “companheira de caminhada e consagração”. Sua pureza e santidade deviam ser como “atitudes vitais de entrega e abandono a Deus, e de conformidade à sua vontade”. Traduziu-se tudo isso na palavra “Irmã”, com o sentido de “fraternidade na virgindade” (santidade de vida), “fraternidade na vida em comum” (comunidade de vida) e “fraternidade na pertença por consagração” (membro da Ordem). A pureza de Maria na vida dos carmelitas passou a ser vivida como “beleza”, como “ausência de mancha”, como sinônimo de “vida totalmente disponível à união com Deus”. Esta “união com Deus” se faria como de fato se deve fazer: pela aceitação plena da vontade do Senhor, pela criatividade a partir dela, pelo testemunho diante do mundo e pela profecia em favor da justiça e da paz. Santa Maria Madalena de Pazzi escreveu: “a leveza no corpo, a alegria no coração, a liberdade na vontade, a transparência na inteligência, a lembrança dos benefícios na memória, a verdade nas intenções, a simplicidade nas ações, a veracidade nas palavras, a  mortificação nos sentimentos: assim (alguém) poderá elevar-se com Maria”. Elisabete da Trindade, por sua vez, chamado-a de “Porta do céu” ensinava: “Existe uma criatura que conheceu este dom de Deus, uma criatura que não perdeu nenhuma parcela deste dom, uma criatura que foi pura, tão luminosa que parece ser a própria Luz: “Speculum justitiae” (espelho de justiça); uma criatura cuja vida foi tão simples. Tão perdida em Deus, que quase nada se pode dizer a respeito: “Virgo fidelis” — é a virgem fiel, aquela “que guardava todas as coisas em seu coração” (Lc 2,51).

 

Conclusão

             Os carmelitas, em sua espiritualidade, sempre se relacionaram intimamente com Maria Santíssima, de tal modo que ela se tornou entre eles uma presença mística (na qual se pode fazer a experiência de Deus); uma companheira de caminho à luz do Evangelho (experiência da vida cristiforme), uma mulher digna de imitação (união mística com Maria, vida marieforme) e uma possibilidade de reproduzir o amor de Jesus pela Mãe (atualização e volta a Cristo). Por meio da devoção ao Escapulário do Carmo, os carmelitas pretendem não somente vender o produto de uma espiritualidade sempre atual (“O cristão do século 21 ou será um santo ou nada será” – Karl Rahner), como também continuar afirmando, apesar os pesares (relaxamento, decadência, defasagem espiritual) o que afirmamos a oito séculos: que Maria é a grande protetora humana dos irmãos de Cristo; que ela nos ajuda a alimentar a fidelidade a Deus, a viver uma vida de serviço ao Reino de Deus e a confiar plenamente em que, por sua intercessão, não fica difícil obtermos a salvação!

Fonte bibliográfica única: Boaga, E. – “A Senhora do Lugar”, Edição Carmelita, 1994, Paranavaí – PR.

 

Santo Eliseu é um dos profetas citados no Antigo Testamento, sua história está relatada na Bíblia, mais precisamente no livro de II Reis.

 

O nome desse profeta que foi discípulo de Elias significa “meu Deus é salvação” em hebraico. Sua atividade profética foi exercida em Israel durante os reinados de Ocozias, Jorão, Jeú e Joacaz. Ele era filho de Safat e vivia em Abel-Meolá, onde Elias o encontrou e o ungiu conforme o Senhor ordenara.

Eliseu acompanhou e serviu a Elias por um tempo, antes que fosse arrebatado em direção aos céus numa carruagem de fogo.

Eliseu pediu a Elias uma "porção dobrada do espírito de Elias" como vontade de sucedê-lo na obra do Senhor. E foi lhe dada uma porção dupla da sua unção assim que Elias lançou sobre ele seu manto oficial.

Após ter recebido o espírito profético, ou seja, o dom da profecia, começou a profetizar em Israel, realizando muitos atos miraculosos. As Escrituras relatam cerca de vinte milagres realizados por Eliseu, que vão desde a ressurreição de um menino até ao aumento do azeite de uma pobre viúva. Um dos mais conhecidos, senão o mais importante, é o que trata da cura do sírio Naamã, que era general do rei da Síria. Aquele homem, de elevada posição social, havia sido contaminado pela lepra. Naqueles tempos, a lepra era uma doença incurável, a qual excluía a pessoa completamente do convívio social. Naamã, então, ouviu falar a respeito de Eliseu e foi até ele, suplicando-lhe que fosse curado. Eliseu, então, manda que ele se banhe nas águas do rio Jordão. Ao sair do banho, Naamã estava curado. Ele agradece ao profeta e retorna para a sua terra, levando consigo uma porção de terra do solo israelita e afirmando que daquela hora em diante serviria somente ao Deus dos hebreus.

Eliseu exerceu sua atividade durante mais de sessenta anos. Assim, ele acompanhou de perto a sucessão de vários reis e presenciou muitas guerras, invasões e fomes que assolaram Israel. O rei Jeú foi ungido por Eliseu, o qual o apoiou em sua determinação de acabar com o culto pagão ao deus Baal.


Eliseu adoeceu e morreu já em idade avançada. 

A Bíblia afirma que Eliseu encontrava-se doente, passando por sofrimento tamanho que comoveu o coração de Joás, rei de Israel. “E Joás, rei de Israel, desceu a ele, e chorou sobre o seu rosto, e disse: “Meu pai, meu pai, carros de Israel e seus cavaleiros!” Eliseu adoeceu e morreu já em idade avançada. Fonte: https://www.arautos.org