Província Carmelitana Fluminense.

Oração pelo Capítulo Provincial 2023.

23-27 de janeiro em Jundiaí, São Paulo.

 

 

Senhor nosso Deus, Pai de Jesus Cristo, fonte de todo bem, que fizeste nascer o Carmelo para ser neste mundo em transformação uma expressão viva e radiante da tua presença.

Neste tempo de preparação para o nosso Capítulo Provincial, em nome de Jesus, em cujo obséquio queremos viver, nós te pedimos encarecidamente: 

Vem caminhar conosco como caminhaste com os discípulos de Emaús e faz-nos experimentar, no dia a dia da nossa vida, a força da tua ressurreição, para que possamos ser sal da terra e luz do mundo.

Vem conversar conosco, como conversaste com a Samaritana perto do poço, para que a conversa entre nós sobre o Capítulo Provincial, faça aparecer rumos e pistas novas para a nossa missão.

Vem sentar conosco, para conversar com o povo, sobretudo com os pobres e marginalizados, para que neste tempo de preparação para o Capítulo Provincial, nos ajudemos mutuamente a descobrir e assumir os teus apelos neste mundo em transformação.

Vem conviver conosco como Jesus conviveu trinta anos com o povo de Nazaré, para que assim nos ensines como viver e anunciar aos pobres a Boa Nova do Reino e a libertação aos oprimidos.

Vem ser nosso caminho, nossa verdade, nossa vida, para que, com a ajuda de Jesus e de Maria sua Mãe, possamos ser “uma paixão por Deus pela humanidade na fraternidade”.

Tudo isso, ó Pai, nós te pedimos, pela intercessão de todos os Santos e Santas do Carmelo que, junto com Maria e Jesus, intercedem por nós e por toda a Família Carmelitana,

 Tu que vives e reinas com o Filho e o Espírito Santo pelos séculos dos séculos. Amém!

            Como indivíduos, cada um de nós tem seu próprio jeito de viver o Evangelho, como uma resposta pessoal ao chamado de Cristo para segui-lo. As grandes tradições espirituais – carmelitana, franciscana, jesuíta, dominicana – evoluíram durante centenas de anos e ainda estão em processo de evolução. A tradição carmelitana nos oferece um lar e o meio que nos ajudam a nos tornarmos aquilo que Deus sabe que poderemos ser. Se as grandes tradições espirituais falharem em seu desenvolvimento e não forem mais capazes de dar assistência às pessoas em seu seguimento de Cristo dentro das circunstâncias de cada nova era, então elas morrerão e vão dar lugar a novos movimentos.

            As fontes da espiritualidade carmelitana são o Evangelho, que é a lei suprema para todos os religiosos (cf. Perfectae Caritatis, 2), seguido da Regra e das Constituições, e pelas figuras do profeta Elias e de Nossa Senhora. Santa Teresa e São João da Cruz foram formados e alimentados nessa tradição espiritual. Eles não surgiram do nada. Eles desenvolveram a tradição, mas esta certamente não começou com eles, nem parou de evoluir após a morte deles. A popularidade de Teresa e de João vai além da Igreja Católica e muito além das fronteiras do cristianismo. Para compreender tal relevância, precisamos nos voltar brevemente para algumas tendências contemporâneas.

            Parece que hoje vivemos num mundo sem esperança. Nosso mundo está devastado por guerras, declaradas ou não-oficiais. Dois terços da humanidade vivem numa pobreza miserável enquanto uma minoria tem muito. Muitos morrem de fome, enquanto a indústria que mais cresce no Ocidente é a que investe no combate à obesidade. O secularismo cresce com toda força, pelo menos no ocidente. A norma é um ateísmo prático. O ateísmo intelectual do século XIX produziu uma vaidade no imaginário humano. Acreditava-se que os seres humanos tinham atingido a maturidade e que não precisavam mais de Deus. Não havia mais necessidade da existência de um ser divino para preencher o vazio no conhecimento humano. Acreditava-se intensamente que os seres humanos logo seriam capazes de fazê-lo. Essa segurança foi abalada por todas as guerras em que nosso mundo se envolveu, no terrorismo, e nos eventos como a tsunami na Ásia, que demonstram que os seres humanos são muito pequenos quando comparados aos atos poderosos da natureza.

            A ciência, a tecnologia e a rápida industrialização do ocidente falharam em realizar suas promessas. As descobertas científicas são excitantes e têm produzido mais bens de consumo do que nunca. Pela internet podemos nos comunicar quase que instantaneamente com pessoas a milhares de quilômetros. Contudo parece que perdemos nossa alma. O valor é medido pelo que podemos produzir. As drogas, como tentativa dolorosa de fuga da realidade, são um grande problema, pelo menos nas sociedades ocidentais. No entanto, em meio ao desespero, houve um novo aumento no interesse pela espiritualidade e não na religião institucional. Podemos ver um exemplo desse interesse pela espiritualidade na enorme publicidade dada à morte e ao funeral do Papa João Paulo II, assim como ao Conclave que se seguiu.

            Os anos 60 e 70 viram uma revolução nas sociedades ocidentais. Muitos jovens decidiram “cair fora”, rejeitando os pseudo-valores do consumismo. Os jovens do ocidente passaram a ter um grande interesse pelo misticismo oriental. As formas mais exuberantes de revolução desapareceram, mas permanece uma inquietação, uma sede, uma fome de Deus. João da Cruz e Teresa falam à fome de tantas pessoas pelo Absoluto. Os dois apresentam um Deus transcendente que, ao mesmo tempo, está muito perto de nós. Eles não apresentam um caminho fácil, mas a maioria das pessoas não acredita em respostas fáceis. João e Teresa nos dizem a verdade – se vale a pena possuir alguma coisa, ela exige o sofrimento. Os dois reafirmam a mensagem do Evangelho – “Busquem o Reino de Deus, e Deus dará a vocês essas coisas em acréscimo” (Mt 6,33; Lc 12,31); “Quem procura conservar a própria vida, vai perdê-la. E quem perde a sua vida por causa de mim, vai encontrá-la” (Mt 10,39; 16,25; Mc 8,35; Lc 9,24; 17,33; Jo 12,25).

 

TERESA, JOÃO E A ESPIRITUALIDADE CARMELITANA

             Na vida e nos escritos de Teresa e de João, vemos que a vida espiritual não está dissociada da vida real. A espiritualidade carmelitana, com suas raízes na Regra e na experiência dos eremitas no Monte Carmelo, deu origem a muitos movimentos nos 800 anos de sua existência. A maioria desses movimentos enfatizou a contemplação e Teresa e João são autoridades renomadas nesta área. Os dois falam da possibilidade de experimentar o divino e do caminho que deve ser seguido rumo à oração.

            Teresa e João faziam parte de um amplo movimento, mais forte na Espanha, que enfatizava a chamada “oração intelectual”. Sabemos que surgiram todos os tipos de problemas com este movimento e que isso incluiu a Inquisição. Ocasionalmente, Teresa e João eram denunciados a este órgão por seus inimigos mas nada sério veio das acusações, embora os dois tivessem que ser cautelosos. Apesar dos perigos, Teresa e João não podiam ignorar o chamado. Eles estavam respondendo com seus corações Àquele que os amava. A definição de Teresa de oração intelectual era muito simples e, ao mesmo tempo, muito profunda: “não é nada mais do que uma partilha íntima entre amigos; significa dedicar freqüentemente um tempo para estar a sós com Ele, aquele que sabemos que nos ama” (Vida 8,5). João escreve: “Aquele que foge da oração, foge de tudo que é bom” (Outras Máximas, 11).

            Através da história da Ordem, é inquestionável que a contemplação sempre foi compreendida como o coração do carisma carmelitano. O Institutio Primorum Monachorum, que por centenas de anos foi o documento de formação para todos os jovens carmelitanos, diz: “O objetivo desta vida é duplo: Uma parte adquirimos através de nossos próprios esforços e pelo exercício das virtudes, com a ajuda da graça divina. Significa oferecer a Deus um coração que é sagrado e puro da verdadeira mancha do pecado. Alcançamos este objetivo quando somos perfeitos e ‘no Carit’, isto é, escondidos naquela caridade que o Homem Sábio cita, ‘O amor cobre ofensas’ (Pr 10,12). ... O outro objetivo da vida nos é dado como dom gratuito de Deus; ou seja, não apenas após a morte mas nesta vida mortal, para saborear algo no coração e experimentar na mente o poder da presença divina e a doçura da glória celestial” (Livro 1, cap. 3).

            Santa Teresa e São João da Cruz foram bem formados na tradição carmelitana e lembraram a Ordem de sua inspiração inicial, como o fizeram todas as outras reformas através da história da Ordem. Ocasionalmente a Contemplação foi definida de diferentes maneiras e essas formas de compreendê-la estiveram mais ou menos em contato com a realidade das vidas dos verdadeiros carmelitanos. Na atual apresentação do carisma carmelitano, a Ordem diz o seguinte: “Os carmelitas buscam viver sua obediência a Jesus Cristo pelo compromisso de buscar a face do Deus vivo (a dimensão contemplativa da vida), pela fraternidade e pelo serviço no meio do povo” (Const. 14). Outro artigo da Constituição diz: “A tradição da Ordem sempre interpretou a Regra e o carisma fundador como expressões da dimensão contemplativa da vida e os grandes mestres espirituais da Família Carmelitana sempre retornaram a esta vocação contemplativa” (Const. 17). O mesmo artigo das Constituições assim descreve a contemplação: “uma experiência transformadora do irresistível amor de Deus. Esse amor nos esvazia de nossos modos humanos limitados e imperfeitos de pensar, amar e comportar-se, transformando-os em modos divinos” (Const. 17).

            A Ratio esclarece o papel da contemplação no carisma da Ordem: A dimensão contemplativa não é meramente aquela dos elementos de nosso carisma (oração, fraternidade e serviço): é o elemento dinâmico que os unifica.

            Na oração nos abrimos para Deus, que, por sua ação, nos transforma gradualmente através de todos os grandes e pequenos eventos de nossas vidas. Esse processo de transformação permite que participemos e experimentemos relacionamentos fraternos autênticos; nos coloca prontos para servir, capazes de compaixão e de solidariedade, e nos dá a capacidade de colocar diante do Pai as aspirações, as angústias, as esperanças e as súplicas do povo.

            A fraternidade é o campo de provas da autenticidade da transformação que está acontecendo dentro de nós (Ratio 23). A Ratio continua: Através dessa transformação gradual e contínua em Cristo, que se realiza em nós pelo Espírito, Deus nos leva para si mesmo numa jornada interior que nos tira das margens dispersivas da vida para o âmago interior de nosso ser, onde ele vive e nos une a si mesmo.

            O processo interior que leva ao desenvolvimento da dimensão contemplativa nos ajuda a adquirir uma atitude de abertura à presença de Deus na vida, nos ensina a ver o mundo com os olhos de Deus e nos inspira a buscar, reconhecer, amar e servir a Deus naqueles que estão ao nosso redor (Ratio 24).

            Algumas pessoas vêem dificuldades entre o modo como as Constituições e a Ratio compreendem o carisma. Eu, pessoalmente, não vejo. O deserto foi usado muitas vezes como eufemismo para a jornada da contemplação (cf. Living Flame B, 3,38).

 

A JORNADA ESPIRITUAL

             O teste crucial que revela o progresso em nossa jornada espiritual está em percebermos se estamos nos tornando seres humanos melhores: “A fraternidade é o campo de provas da autenticidade da transformação que está acontecendo dentro de nós (Ratio 23). Isso também fica claro em Santa Teresa. Não podemos progredir na vida de oração a menos que melhoremos no amor a Deus e num amor muito prático pelo próximo (cf. Caminho, 4). Teresa nunca buscou progredir na vida espiritual ou na oração. Ela buscou o progresso no amor a Deus e ao próximo. Ela escreveu: “quando vejo pessoas tentando descobrir que tipo de oração estão experimentando e completamente envolvidas em suas orações que parecem ter medo de mover-se, ou de entregar-se a um pensamento momentâneo, para que não percam o mínimo nível de ternura e de devoção que sentiram, percebo que compreendem muito pouco a estrada para a realização da união. Eles acham que tudo se resume nisso. Mas não, irmãs, não; o Senhor deseja obras” (Castelo Interior 5, 3, 12). João diz em uma de suas máximas: “Aquele que não ama seu próximo abomina Deus” (Outras Máximas, 9).

            Um dos problemas de estudar Teresa e João é que seus ensinamentos foram escondidos sob camadas de interpretação, especialmente de forma sutil na tradução por teólogos que impuseram suas próprias idéias de como um santo deveria ser. Teresa saiu-se melhor do que João nesse processo porque sua personalidade brilhava mais claramente através de seus escritos. João da Cruz tem sido apresentado como uma personalidade melancólica, sombria, cujo desejo parece ser escapar deste mundo. Contudo, recentemente, um biógrafo em inglês descobriu uma figura diferente: “... um ser humano que se apaixonou por Deus no mundo. Descobri um homem que é realmente santo, mas não porque escapou do mundo. Descobri um homem que descobriu em sua vida que a santidade significava buscar e encontrar Deus neste mundo em que vivemos. Era um homem para quem a Encarnação da Palavra de Deus em Jesus significou a consagração do mundo e da história. Para Frei João, Deus fala no tempo, na vida, no mundo” (Richard Hardy, The Search for Nothing, Intro, p. 3).

 

ORAÇÃO

             Deus, que busca um relacionamento de amor com o ser humano, é central aos escritos de Teresa e João. Eles vêem a oração como um meio privilegiado de comunicação com Deus. Um traço forte de suas vidas e escritos é o intenso relacionamento que têm com Deus e a possibilidade que oferecem a qualquer pessoa que busca a Deus em alcançá-lo.

            Qual é o objetivo da oração? Não seria melhor gastar nosso tempo no proveitoso trabalho apostólico? Esse é um problema específico que você enfrentará quando entra no trabalho apostólico em tempo integral. A oração é “vacare Deo”, ou seja, perder tempo com Deus, e rapidamente rezar pode parecer uma completa perda de tempo. O apostolado muitas vezes lhe dará muitas certezas e será mais atraente do que a oração. Algumas pessoas sentem-se mais atraídas pela vida tranqüila do que pelos apostolados atarefados. Existem comunidades eremitas na Ordem. Por favor não tenha nenhuma noção romântica sobre permanecer rezando em sua cela o dia inteiro. Esses homens e mulheres trabalham duro. A maioria de nós está completamente envolvida no mundo engajados em apostolados ativos. Nossas Constituições deixam claro qual é o principal objetivo de nosso trabalho: “Fiéis à herança espiritual da Ordem, devemos canalizar nossos diversos trabalhos para o objetivo de promover a busca de Deus e a vida de oração” (Const. 95).

            Teresa resistiu ao encontro pessoal com Deus na oração. Ela teve medo de encontrar Deus na oração pessoal porque pensava que sua vida era má (Vida, 6). Contudo, ela tentou manter a aparência exterior da virtude e todos a estimavam. Existe um paradoxo comum de que quanto mais nos aproximamos de Deus, pior parecemos. Os santos não se comparam com outras pessoas mas olham para si mesmos à luz do amor de Deus por eles. Eles percebem que sua contribuição é pequena diante do amor que Deus tem por eles. O fato de que muitas vezes parecemos piorar ao nos aproximarmos de Deus não significa que estejamos piorando. Paradoxalmente, quase sempre significa que estamos melhorando. Parece que estamos piorando porque somos capazes de suportar uma luz mais forte e a luz do amor de Deus está nos mostrando como realmente somos. Assim aprendemos nossa grande necessidade de Deus. Como Santa Teresa escreveu sobre a oração, devemos ter uma determinação muito determinada para não desistirmos independente do que aconteça (Caminho da Perfeição, 21).

            Nossa tendência é julgar a oração através de nossos sentimentos. Pensamos que nossa oração foi boa quando estamos em paz ou quando sentimos um verdadeiro crescimento na fé. Sentimos que a oração foi ruim quando nos distraímos ou fomos incomodados. No entanto, não podemos julgar nosso relacionamento com Deus através de nossos sentimentos. O único modo de julgar é através de nossa vida exterior. A primeira carta de João deixa claro: “Se alguém diz: ‘Eu amo a Deus’, e no entanto, odeia o seu irmão, esse tal é mentiroso; pois quem não ama o seu irmão, a quem vê, não poderá amar a Deus, a quem não vê” (1Jo 4,20). A verdadeira oração se reflete em nossas ações. A oração não é um luxo nas vidas atarefadas dos cristãos ativos. Ela é essencial, porque é pela oração que nos relacionamos com Deus. A relação correta entre oração e prática não é que a prática seja muito mais importante e a oração a ajude. Ao contrário, a oração é sumamente importante e a prática é seu teste.

            Rezamos porque Deus de alguma maneira toca nossas vidas. Desejamos rezar porque Deus nos chama e a oração é a nossa resposta. A oração é um mistério porque é um encontro pessoal com o Mistério Último. Deus sempre inicia esse encontro pessoal. Deus alcança o grande abismo que existe entre Ele e sua criação através de seu Filho. Contudo, já que a oração é encontro pessoal ou diálogo, ela exige de nós algum esforço em resposta. Em primeiro lugar, devemos fazer o esforço de ouvir a Deus e nosso esforço sempre é sustentado pela graça de Deus. Nosso esforço de ouvir e de responder ao que Deus nos fala é uma questão tanto de cabeça quanto de coração. Devemos nos esforçar para conhecer Deus. Podemos chegar a conhecer alguma coisa de Deus através da leitura da Bíblia, da teologia e da espiritualidade. É isso o que acontece, humanamente falando, no primeiro estágio de um relacionamento pessoal.

            Quando começamos a rezar seriamente, nosso amor por Deus geralmente não é muito forte. Por isso precisamos construí-lo através da leitura, etc. Acima de tudo, dando tempo a Deus. Quanto tempo? As Constituições dizem: “A oração silenciosa é de grande ajuda no desenvolvimento de um espírito de contemplação; por isso devemos praticá-la diariamente por um período de tempo” (Const. 80).

            O silêncio é uma virtude muito importante para os carmelitas. A Regra nos ensina que o silêncio é um modo de cultivar a justiça (Regra 21). Palavras e ações que não venham de um coração silencioso levam à injustiça e simplesmente acrescentam problemas ao mundo e não uma solução. Silêncio não significa sentar em nossos quartos estudando sem ouvir música. Isso não é silêncio, é estudo. Devemos ter uma prática sólida de oração diária na qual o silêncio é um elemento importante. A lectio divina é uma prática santificada por muitos séculos de uso. Nesse método, existe tempo para a leitura, tempo para meditação sobre o que lemos, tempo para responder ao que lemos e, por fim, tempo de deixar a Bíblia de lado e abandonar até mesmo nossas palavras e pensamentos sagrados, permitindo que a Palavra de Deus se apodere de nossos corações. Permitimos que Deus nos fale no silêncio ou nos defendemos contra Deus? O que é falso dentro de nós detesta o silêncio porque o silêncio o coloca em foco e então sempre haverá a tentação de preencher o silêncio com palavras e pensamentos. Qualquer coisa servirá, desde que nos distraia deste terrível silêncio! Para que qualquer tipo de oração, que fazemos diariamente, seja realmente eficaz no caminho da transformação, deve incluir longos períodos de silêncio.

            Precisamos aprender como nos tornarmos silenciosos. O primeiro fruto da oração autêntica é o auto-conhecimento, que sempre permanece uma parte essencial da vida espiritual saudável (Castelo Interior, 1, 2, 8-9). Não podemos conhecer Deus sem aprender muito sobre nós mesmos e, quase sempre, isso é muito doloroso. Quando refletimos sobre alguns fatos dolorosos sobre nós mesmos, devemos tentar fazer alguma coisa para transformá-los. Nossa oração não será boa se nos recusarmos a desistir de algum pecado. “Não importa quão elevada nossa contemplação possa ser, procure sempre começar e terminar sua oração com o conhecimento de nós mesmos” (C. 39,5)

            No começo na oração, tentamos aprender quem é Deus. Usamos nossa cabeça, nossa inteligência para que nossa compreensão possa alimentar nossos corações e assim possamos amar a Deus. Esse é o caminho da meditação, que é estritamente discurso e não oração, mas que é uma preparação essencial para a verdadeira oração. A verdadeira oração começa quando nossos corações estão em comunicação com o coração de Deus. Teresa nos lembra que o importante na oração é “não pensar muito e sim amar muito” (Castelo Interior, 4, 1, 7; Foundations, 5,2). Se formos fiéis a Deus na oração e na vida diária, provavelmente acharemos muito fácil rezar depois de algum tempo. Compreendemos que não precisamos de muita preparação para deixar que nossos corações falem ao coração de Deus. Com o tempo, pouca ou nenhuma preparação imediata através da meditação será necessária para a oração – assim que nos colocarmos em oração, entraremos imediatamente num diálogo com Deus. Contudo, às vezes, será muito difícil rezar.

            A jornada espiritual é o processo onde somos transformados em Deus. Observemos cuidadosamente que o verbo está na voz passiva, i. e., nós não realizamos a transformação, este é um trabalho apenas de Deus. Não está dentro de nossa capacidade. Não podemos simplesmente nos transformar por mais que tentemos, por mais penitência que façamos, por mais boas ações que pratiquemos, por mais comunhões que acumulemos. Nunca podemos nos tornar santos por mais que façamos. Apenas Deus pode nos santificar. Nossa tarefa consiste simplesmente em consentir a presença e a ação de Deus em nossas vidas – uma tarefa muito difícil, muito mais difícil do que qualquer obrigação auto-imposta.

            A Regra assume o ritmo da lectio divina, que leva à contemplação. Podemos decidir ler a Palavra de Deus e a refletir sobre ela. Nossa resposta à Palavra geralmente é espontânea e fruto do que aconteceu antes, mas ainda estamos no controle. A oração contemplativa acontece para nós. Não temos controle quando se torna oração contemplativa. Esta é a ação transformadora de Deus dentro de nós e, de certa forma, somos colocados para dormir enquanto Deus, o grande Médico, opera bem dentro de nós para transformar os espaços vazios de nossos corações na imagem do Cristo. O processo de contemplação continua no dia a dia, mas alcança seu ponto alto na oração contemplativa. Ele não pode ser alcançado, apenas recebido: “Tão delicado é este repouso interior que, geralmente, se o desejarmos ou tentarmos experimentá-lo, ele não será experimentado; porque, como digo, ele realiza seu trabalho quando a alma está mais descansada e mais livre de cuidado; ele é como o ar que escapa ao tentarmos prendê-lo em nossas mãos” (Noite Escura, 19.6). A princípio a contemplação é tão vaga e gentil que o indivíduo normalmente não percebe que algo incomum está acontecendo. Em algumas pessoas essa consciência cresce muito e podemos ver os resultados desta consciência contemplativa na abundância da literatura mística através dos séculos.

            A contemplação não é uma recompensa que Deus dá a algumas almas excepcionalmente santas por suas virtudes. João da Cruz diz que a contemplação começa quando Deus guia a alma para uma noite escura (Noite Escura 1,1). Portanto, a contemplação não é uma recompensa pela santidade mas uma necessidade para tornar-se santo porque as várias fases da noite escura nos purificam de tudo que não é Deus. A contemplação é um processo de transformação gradual em Cristo. Como carmelitas, os leigos virão ao nosso encontro para falar sobre problemas na oração. Eles esperam que nós tenhamos conhecimento desse tipo de coisa a partir da experiência pessoal.

            Deus destrói o que é falso dentro de nós e cura as feridas emocionais de uma vida toda através da Noite Escura, o famoso exemplo usado por São João da Cruz. Os métodos de Deus não são os nossos e os pensamentos de Deus não são nossos pensamentos. Muitas vezes Deus coloca nossas idéias sobre a jornada espiritual de cabeça para baixo e de trás para frente. O modo como Deus age pode ir contra qualquer coisa que possamos imaginar e quando isso acontece, as coisas podem parecer realmente muito escuras.

            A transformação não é apenas uma mudança de uma ou duas circunstâncias exteriores. É uma mudança profunda do que nos motiva diariamente. Nossa motivação muitas vezes está escondida de nós mas determina como agimos e reagimos durante o dia. É essa motivação que deve ser purificada em algum momento de nossa jornada. Nosso comportamento exterior pode ser angelical ou uma crucificação para nós mesmos e/ou para os outros, mas realmente não podemos mudar muito até mudarmos a raiz do problema. Muitas vezes é necessário mudar o comportamento exterior, mas nenhuma mudança será duradoura a menos que o motivo subjacente também seja modificado. Este último é muito mais difícil.

            O falso eu é o modo que cada um de nós busca para se defender do ataque daquilo que pensamos ser o “eu”. Para que a transformação aconteça, devemos cooperar, devemos abandonar este falso eu, devemos morrer verdadeiramente para que recebamos a vida em abundância. Isso envolve uma luta contínua contra toda manifestação do falso eu, que invade todo aspecto de nossas vidas: emocional, intelectual, social e até mesmo espiritual. O sacramento da Reconciliação e a direção espiritual são muito úteis no caminho para a transformação. Se estivermos presos numa rede de pecado, essa ajuda é essencial. Contudo, o falso eu é muito sutil e sua primeira defesa é nos assegurar de que ele não existe. Temos todos os tipos de métodos para racionalizar nosso comportamento. A falha é sempre da outra pessoa. No entanto, nossas próprias emoções podem nos dizer muito. Se experimentamos agitação emocional, eis um sinal seguro de que o problema está dentro de nós e precisamos olhar para aquilo que estamos tentando evitar, ganhar ou agarrar. Geralmente nossa atitude é de que nunca somos culpados por nada e por isso, nunca temos que refletir sobre nosso comportamento. O único modo de ficarmos conscientes da presença do falso eu é permitindo que ele venha à tona em silêncio. Ele vem à tona em nossos comentários interiores ou mesmo num vago sentimento de inquietude que nos constrange com o silêncio. Podemos facilmente ignorar isso voltando a ser ativo na oração ou através do trabalho, por isso precisamos estar vigilantes para não reprimirmos o que Deus está nos dizendo.

            É importante lembrar as palavras do sábio:

            “Meu filho, se você se apresenta para servir ao Senhor, prepare-se para a provação. Tenha coração reto, seja constante e não se desvie no tempo da adversidade. Una-se ao Senhor e não se separe, para que você seja exaltado no último dia. Aceite tudo o que lhe acontecer, e seja paciente nas situações dolorosas, porque o ouro é provado no fogo e as pessoas escolhidas, no forno da humilhação. Confie no Senhor, e ele o ajudará; seja reto o seu caminho, e espere no Senhor” (Eclo 2,1-6).

            A razão desse teste é que precisamos ser purificados para que sejamos capazes de servir aos outros com o coração puro. Contudo, não iniciamos a jornada com um coração puro. Isso é um processo gradual. Muitas vezes nossa oração estará seca, mas isso não significa que Deus não esteja falando conosco. Normalmente Deus fala fora do tempo de oração, no nosso dia a dia. O processo contemplativo é muito mais amplo do que o tempo que dedicamos à oração, mas não podemos afirmar que somos contemplativos, a menos que ficar um tempo a sós com Deus seja uma parte importante de nossas vidas. É durante esse período que Deus purifica gradualmente nossos sentidos espirituais para que sejamos capazes de discernir a voz de Deus em meio às muitas outras vozes que ouvimos a cada dia. Às vezes Deus nos diz palavras de consolo, mas outras vezes Deus nos aponta algo que precisa ser modificado. É vital que aceitemos isso e façamos algo a esse respeito, do contrário não haverá crescimento. É claro que nosso falso eu usará todos os tipos de argumentos razoáveis para que não haja mudança. Devemos permitir que qualquer emoção forte se acalme e depois perguntar a nós mesmos o que podemos aprender com o que foi dito ou com o que percebemos sobre nós mesmos. É útil perguntar porque essas emoções fortes surgiram. Desse modo, gradualmente, nos desprenderemos de nossas próprias opiniões, de nosso jeito de fazer as coisas e seremos capazes de discernir o que Deus está nos dizendo.

            O coração humano é muito sutil e requer uma profunda purificação. Esse é o propósito da jornada contemplativa e da noite escura. Ao crescermos mais e mais à semelhança de Cristo, aprendemos a nos ver como realmente somos. Esse é o dom de Deus e o resultado da ação purificadora e transformadora de Deus dentro do ser humano.

            Nossa vocação carmelitana é muito profunda. Somos chamados a servir as pessoas em comunidades contemplativas. Ao respondermos ao chamado de Cristo para segui-lo, nos comprometemos a assumir sua visão e valores. Mas logo percebemos que somos incapazes de viver de acordo com nossos ideais por nosso própria conta. Ao amadurecermos em nosso relacionamento com Deus, damos espaço para que Deus nos purifique para que possamos começar a ver como Deus vê e amar como Deus ama. Esse jeito de ver e de amar é doloroso para o ser humano porque requer uma transformação radical do coração. O clamor dos pobres vai penetrar em nossas defesas e nossa resposta, libertada da distorção do falso “eu”, virá de um coração puro. O Papa João Paulo II nos lembra que, “o Cristo encontrado na contemplação é o mesmo que vive e sofre nos pobres” (VC, 82).

            A contemplação é um dom puro de Deus. Como a salvação, ela não pode ser merecida. Deus não é um ídolo que podemos controlar através do ritual certo. Não podemos forçar Deus a nos conceder o dom da contemplação.

Nos estágios finais da contemplação, somos ligados a Deus de tal modo que as palavras não podem expressar e que nossa compreensão não pode alcançar: “Os olhos não viram, os ouvidos não ouviram, nem o coração humano concebeu o que Deus preparou para aqueles que O amam” (2Cor 9).

O conhecimento que adquirimos pela contemplação é do tipo que nunca poderíamos aprender com anos de estudo ou de reflexão. Deus confere um verdadeiro conhecimento de si mesmo a nossos corações. Só podemos fazer tudo que está ao nosso alcance para nos prepararmos pela fidelidade à oração e acima de tudo demonstrando nosso amor por Deus amando ativamente nosso próximo.

            A contemplação ou a oração mística não deve ser confundida com o fenômeno das visões ou êxtases ou locuções ou com qualquer outra coisa que tenhamos lido. Esses são os efeitos num número muito pequeno de pessoas do poder do amor de Deus crescendo dentro delas. Para a maioria das pessoas, o processo de transformação acontece na escuridão.

 

O CAMINHO PARA A PERFEIÇÃO CRISTÃ

             Existem fundamentalmente dois modos diferentes para a perfeição da vida cristã? Apenas alguns são chamados a percorrer o caminho místico? Nem Teresa nem João respondem diretamente essas questões mas podemos encontrar uma ou duas alusões em seus escritos. Todos nós fomos chamados à santidade. Cada um de nós foi chamado a ser santo de modo único para contribuirmos com o esplendor do Corpo de Cristo. Só porque não podemos ser santos como Nossa Senhora, não significa que possamos dar vez à mediocridade. O primeiro mandamento é que amemos o Senhor, nosso Deus, com todo nosso ser. Os místicos nos mostram do que o espírito humano é capaz quando impregnado do Espírito Santo. Nenhum de nós pode alcançar os níveis de santidade de São João da Cruz ou de Santa Teresa d’Ávila, mas cada um de nós pode desenvolver ao máximo nosso próprio potencial humano e esse é o trabalho de Deus, mas devemos cooperar com graça.

            Acredito que existe apenas um caminho para a perfeição da vida cristã. Devemos permitir que Deus, que faz em nós sua morada, assuma gradualmente o controle de nossas vidas até que Ele seja tudo em todos. Quanto a nós, devemos nos conscientizar de nossa pobreza, de nossa incapacidade e deixar que Deus assuma. Não podemos alcançar a santidade sozinhos. Deus é nossa santidade. Não existem dois caminhos. Se existissem dois caminhos para a perfeição cristã, então uma grande parte dos escritos de Santa Teresa e, virtualmente, tudo que João da Cruz escreveu, seriam interessantes a partir de um ponto de vista literário, mas seriam irrelevantes para a maioria de nós. Contudo, se existe apenas um caminho, então podemos descobrir em Teresa e em João os princípios básicos para cooperar com Deus neste grande trabalho de transformação e de purificação do espírito humano.

            Existem vários elementos da espiritualidade carmelitana que não mencionei porque a totalidade da espiritualidade carmelitana não se limita a esses dois santos. Se você deseja saber qual a hora do vôo da Ibéria de Madri para Roma amanhã, você vai procurar o horário dos vôos e não o horário dos trens. Não espere encontrar tudo em Teresa e João. Não é necessário encontrar uma citação de Teresa ou de João para tudo que queremos fazer ou dizer. Contudo, os dois são de grande importância para a espiritualidade carmelitana hoje e para seu desenvolvimento futuro. Devemos ser homens e mulheres de oração. Como dizem nossas Constituições: “Desde o princípio, a Ordem Carmelitana assumiu uma vida de oração e um apostolado de oração. A oração é o centro de nossas vidas e a comunidade autêntica e o ministério brotam desta fonte” (Con. 64).

            Teresa e João não pretendiam escrever a palavra final sobre a oração, mas o que escreveram é um ensinamento seguro e isso foi reconhecido por toda a Igreja quando eles foram declarados doutores da Igreja. Hoje, muitas pessoas buscam a Deus porque suas almas estão famintas devido ao secularismo moderno. Elas não estão buscando nos lugares tradicionais, isto é, dentro da religião institucional. O Capítulo Geral de 1995 desafiou a Ordem a mudar-se para o novo “areópago”, os novos mercados do mundo. A busca pela espiritualidade acontece muitas vezes no mundo da internet. Devemos estar lá e em outros lugares novos, com nossa espiritualidade que tem enriquecido tantas pessoas nos últimos 800 anos. Contudo, o que importa acima de tudo é que nós mesmos vivamos esta espiritualidade. Teresa e João não conheciam nada sobre nosso mundo atual, mas seus escritos permanecem atuais.

            “Meu Bem-amado, as montanhas, os vales solitários

            as ilhas estranhas, os rios sonoros, o sussurro das brisas amorosas,

            a noite tranqüila, na hora do raiar do dia,

            a música silenciosa, a solidão sonora, a ceia que recria e o amor inflamado”.

            (Cântico Espiritual, 14-15).

“A vida é um livro que deve ser foleado página a página, sem que se consulte o índice” (Coelho Neto). A narração da história de vida de dom Wilmar Santin, bispo da prelazia de Itaituba. E nos conta um pouco da sua história.

 

Dom Wilmar Santin, bispo da prelazia de Itaituba – Vatican News

Uma das coisas mais encantadoras e prazerosas da vida é recordar as belas e edificantes experiências. Particularmente, me é apaixonante recordar os tempos de criança. Se olho para minha infância, vejo que fui muito feliz, apesar de todas as dificuldades que a vida nos impôs.

Tive a graça de nascer numa família numerosa. Sim, considero este fato um privilégio e uma verdadeira graça de Deus. Éramos 9 filhos = 5 x 4 para os homens. Por uma fatalidade, o mais velho morreu num acidente automobilístico aos 28 anos. Portanto, há mais de 45 anos somos em 8, ou seja, 4 homens e 4 mulheres. 

Meu pai era marceneiro e carpinteiro. Órfão de mãe com um ano de idade e de pai aos 9 anos. Foi criado por uma virtuosa e santa madrasta. Desde pequeno teve que trabalhar. Foi um pai muito rígido com os filhos e amabilíssimo com os netos. Gostava muito de futebol e era palmeirense, portanto não negava sua origem italiana. Cresci indo com ele assistir jogos do Nova Londrina Esporte Clube. Ele por décadas fez parte da diretoria do time. Como católico praticante, exigia que os filhos participassem da missa dominicalmente. Por mais de 30 anos foi ministro extraordinário da Eucaristia. Despediu-se serenamente deste mundo aos 85 anos.

A minha mãe é uma guerreira, dotada de uma força e disposição incríveis. Além de se dedicar aos 9 filhos, encontrava tempo para costurar para fora e fazer permanente nos cabelos das mulheres para ajudar nas despesas da casa. Também foi empreendedora: teve bazar, mercearia e funerária. Era incansável em fazer, duas ou três vezes por semana, o pão caseiro mais gostoso da cidade pra alimentar a “renca” de filhos. Não nos deixava comer pão quente. Dizia que dava dor de barriga. Uma vez eu lhe disse que isso não era verdade, porque a gente comia arroz e feijão quentes e não dava dor de barriga. Ela ponderou que pão era massa. Na “tampa” retruquei: “Mãe, a gente come macarrão quente, que é massa, e não dá dor de barriga!” Ela me disse: “Ah, não sei! Você está perguntando demais, mas que comer pão quente dá dor de barriga, dá!”

Por muito tempo fiquei matutando esta convicção da minha mãe sobre o pão quente. Fiquei observando e pensando. Por fim cheguei à conclusão de que realmente comer pão quente dá dor de barriga, mas não porque o pão está quente e sim porque é muito gostoso, por isso a pessoa come muito além do normal, se empanturra e como consequência passa mal. Eu com 10 anos, se a mãe deixasse, eu comeria pelo menos dois pães inteiros, ou seja,  a quantidade de pão destinada para a família toda no café da manhã.

Nunca passamos fome, mas o dinheiro era escasso. Tempos de crise braba! A vontade de ir ao cinema para assistir aos famosos bangue-bangues do Velho Oeste era enorme. Como não recordar os filmes: “O dólar furado” com Giugliano Gemma? ou “Os três homens em conflito - O Bom, o Mau e o Feio” com Clint Eastwood, Lee van Cleef e Eli Wallach? Como esquecer os filmes do Zorro com o índio Tonto? e do Tarzan? do Gordo e Magro ou Mazzaropi? Os nossos heróis cinematográficos eram: Roy Rogers, Henry Fonda, John Wayne, Burt Lancaster, Kirk Douglas, ... Entretanto, o melhor de tudo era depois ir brincar de “mocinho”. Como éramos felizes com tão pouco!!!! Um cabo de vassoura colocado entre as pernas “virava” um cavalo, qualquer pequeno pedaço de pau podia virar um revólver! Todo mundo dava tiro à vontade, as balas nunca acabavam e ninguém morria: só matava! O grande escritor e orador Cícero diria: “O tempora! O mores” (Ó tempos! Ó costumes!) Eu, porém, digo “Ó tempos encantadores e experiências inesquecíveis!!!”

Ao repassar na memória aqueles tempos magníficos, os meus lábios começam a recitar espontaneamente o início da poesia “Meus oito anos”: 

Oh! Que saudades que tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida
Que os anos não trazem mais!

Que amor, que sonhos, que flores,
Naquelas tardes fagueiras
À sombra das bananeiras,
Debaixo dos laranjais!

Como são belos os dias
Do despontar da existência!

Os poetas românticos, como Casemiro de Abreu nesta poesia, foram geniais e se eternizaram. Basta mencionar Gonçalves Dias, Castro Alves, Álvares de Azevedo... para ter a confirmação da genialidade dos românticos. Por falar em poetas românticos, recordo que o Romantismo foi introduzido no Brasil por Gonçalves Magalhães, em 1836, com o livro "Suspiros poéticos e saudades.

É certo que o Romantismo brasileiro foi marcado por um certo exagero sentimental. Os românticos souberam despertar a emoção e a ação do leitor e da leitora ao idealizarem o amor e o saudosismo, ao valorizarem o nacionalismo e colocando em destaque a figura do índio como herói, quesito este em que o grande José de Alencar se sobressaiu com as obras: “O Guarani”, “Iracema” e “Ubirajara”. Até hoje o romantismo está presente com maior ou menor intensidade na cultura e mentalidade dos brasileiros.

Mas a realidade da infância não foi só de sonhos e alegrias: foi dura e às vezes também cruel! Que sentimento de frustração era o de ter vontade imensa de ir a cinema e não ter o dinheiro para a entrada. Que sensação horrível era “sentir as lombrigas assanhadas” ao ver doces e sorvetes, mas não poder comprá-los por falta do “baioque”, como dizia a mãe ao nos contar como o nono Foletto chamava a grana. A mãe nos colocou em sintonia com a tradição familiar contando as histórias de sua infância e das peripécias de seu pai e irmãos. Repetiu muitas vezes o que o nono dizia, em dialeto vêneto, quando os comerciantes queriam comprar fiado a sua produção de banha: “Vien il baioque e via la banha! Senza baioque prima, la banha non va!” (“Venha o dinheiro e vai a banha, sem dinheiro primeiro, a banha não vai”). Só entregava a banha quando o dinheiro estava na sua mão. Certamente ele tinha sido enganado algumas vezes pra não confiar nos compradores. A vida é mestra e nos ensina!

Nós nos virávamos como podíamos pra arrumar alguns trocados. Íamos derriçar e colher café, à “panha” de algodão, carpir, escolher e separar grãos de café na cooperativa, engraxar sapatos, ... Nós catávamos mamona, deixávamos secar no pátio e depois recolhíamos grão por grão manualmente colocando-os numa lata de um litro. Quando a lata estava cheia, íamos vender no seu Severino Troian por um cruzeiro. Dava pra comprar um picolé. Ah! como eram deliciosos aqueles picolés! Quando a colheita era maior, dava pra comprar um ingresso para o cinema. Que felicidade!

Quantas vezes fiquei desejando comer os doces que eram vendidos no bar São João do Seu Vitório Zoletti, em frente de casa e não tinha nem um cruzeiro. Havia um doce de abóbora em forma de coração. Como era saboroso! Lembro que eu sabia as todas orações rezadas por um católico, menos a Ave Maria. Rezávamos um terço do rosário todas as noites em família. Portanto, eu repetia 50 vezes esta oração diariamente e nada de decorar. Sabia rezar junto com os pais e irmãos, mas não conseguia rezar sozinho. Até hoje não sei qual era o porquê do bloqueio, mas não tinha jeito de aprender a principal oração dedicada à Mãe de Deus. Um dia meu pai me prometeu dar um cruzeiro se aprendesse de cor a principal oração dedicada à Virgem Maria. Ah! num instantinho aprendi. Cheguei e disse: 

- “Pai, o senhor me prometeu dar um cruzeiro se eu aprendesse de cor a Ave Maria e agora eu sei.” 

- “Eu prometi e eu cumpro o que prometo. Porém, reze primeiro pra eu ter a certeza de que você sabe tudo direitinho sem pular nada ou embaralhar”, contestou. 

Rezei sem me atrapalhar, ele me deu a nota de um cruzeiro, que tinha a imagem do Almirante Tamandaré, e eu todo feliz corri até o Bar São João comprar o saboroso doce de abóbora em forma de coração. Deu pra comprar dois! Que alegria! Que felicidade! É só eu recordar aquele momento tão especial, e logo me dá água na boca!

O tempo passou, crescemos e a vida se transformou. Os gostos mudaram, muitas coisas que “adorávamos” foram pouco a pouco ficando para trás. Passaram-se os anos e as novas atividades foram nos engolindo. É raro nos lembrarmos dos picolés, dos doces, dos mocinhos, dos filmes... Tudo isso deixou de ser uma necessidade para nós!

Quando voltei a morar em Paranavaí, já com mais de 32 anos, constantemente eu ia para Graciosa visitar os confrades do seminário. Nestas idas, algumas vezes visitava o Seu Manoel Jó. Ele era um nordestino do sertãozão da Paraíba com uma incrível sabedoria popular, adquirida no dia-a-dia com as experiências e dificuldades da vida. Conversar com o seu Manoel era para mim ocasião de prazer e de enriquecimento pessoal ouvindo as experiências e conhecimentos daquele sertanejo paraibano. Quase a vida toda ele trabalhou na roça, mas, quando as forças já não eram as mesmas, e a idade começava a pesar, ele comprou um bar para continuar ganhando o pão de cada dia.

Certa vez fui encontrá-lo no seu bar. Ficamos conversamos, dando risadas com seus causos e experiências. De repente olho para as prateleiras. Vejo potes transparentes de vidros cheios de doces. Fui vendo os potes com pirulitos, com balas de diversos tipos, com paçoquinhas, pés de moleque, ... e de repente meus olhos se fixaram extasiados no pote que continha os inigualáveis doces de abóbora formato de coração. Aflorou-me na memória os tempos de criança, fiquei com uma vontade imensa de comer aquela delícia feita de abóbora. Comentei que fazia uns 20 ou mais anos que não via o meu doce preferido em forma de coração. Claro que pedi um. Seu Manoel se levantou e foi buscar a “divina” iguaria. Não o comi: devorei-o! Foi tamanha a minha voracidade que o Seu Manoel pegou mais um e me deu. Num instantinho também desapareceu na minha boca.

Quando fui pagar os doces. Seu Manoel me disse:

- “Não vou cobrar não. Nunca vi alguém comer um doce de abóbora com tanto gosto como desta vez. Fiquei tão feliz que nem tenho coragem de cobrar”.

Ao repassar esses fatos da minha infância apareceu na minha memória o texto do Apóstolo Paulo: “11Quando eu era criança, falava como criança, pensava como criança, raciocinava como criança. Quando me tornei adulto, rejeitei o que era próprio de criança. 12Agora nós vemos em espelho e de maneira confusa; mas, depois, veremos face a face. Agora meu conhecimento é limitado, mas, depois, conhecerei como sou conhecido” (1Cor 13,11-12).

Não sou mais criança, mas tenho que reconhecer que, com meus 70 anos, aquelas experiências dos tempos de criança foram importantes para me ajudar a ser aquilo que sou hoje. Sou grato a Deus por ter me proporcionado uma infância tão feliz! Só recordo as coisas boas e edificantes, as ruins ou foram incorporadas na minha experiência me fortalecendo ou já as esqueci.

Concluo com as primeiras duas estrofes e a conclusão de uma das poesias publicadas por Gonçalves de Magalhães em Suspiros poéticos e saudades ao introduzir o movimento artístico cultural denominado Romantismo no Brasil em 1836.

 

A INFÂNCIA

Oh minha infância! Oh estação de flores!

De inocente ilusão alva saudosa!

Inda hoje te apresentas

Ante mim, como a imagem deleitosa

De um sonho que encantou-me a fantasia,

Ou como a aurora de um formoso dia.

Oh da infância atrativos lisonjeiros!

Mentirosos afetos!

Com que prazer amigos passageiros,

Inúmeros, na infância contraímos!

E quão fáceis após os repelimos,

De ligeiras palavras agastados.

...........

Oh quão perto a velhice está da infância!

E quão perto da infância a morte adeja!

 

Wilmar Santin

Itaituba, 15 de novembro de 2022. Fonte: https://www.vaticannews.va

 

Comunicamos com pesar o falecimento do Frei Carlos André Bezerra de Lima, Delegado para a Ordem Terceira do Carmo. Nascido em 1º de maio de 1990 no estado do Ceará, Frei Carlos André ingressou no Postulando da Ordem do Carmo em 2012, em Mogi das Cruzes (SP); e, no ano seguinte, foi para o Noviciado, em Belo Horizonte (MG), onde cursou filosofia na Faculdade Jesuíta. Já o curso de Teologia, o religioso cursou na Faculdade de São Bento (SP). Em 2019, realizou sua Profissão Solene dos Votos de Pobreza, Castidade e Obediência, na Ordem do Carmo, na Igreja da Ordem Primeira de Nossa Senhora do Carmo, em Mogi das Cruzes (SP). Sua ordenação sacerdotal ocorreu em 08 de dezembro de 2020, na Solenidade da Imaculada Conceição de Maria.

Que sua alma descanse na eterna glória, junto a Deus, a Virgem Maria e todos os santos!

 

“O branco não gostava dos cristãos. Não queria que eu trouxesse o hábito de Maria, o escapulário. Insultava-me quando rezava. (…) Não tem importância que eu morra. Se Deus quer que eu viva, viverei; se Deus quer que eu morra, morrerei. Para mim é igual. (…) Não guardo nenhum rancor contra o branco. Açoitou-me mas isso é um assunto seu. Se morrer, pedirei desde o Céu muito por ele” (Beato Isidoro Bakanja).

Isidoro Bakanja nasceu em torno de 1885, no antigo Congo Belga, África. Converteu-se ao Cristianismo em 1906. No dia 6 de maio de 1906, aos 21 anos de idade, foi batizado, sendo o primeiro cristão da sua região. No baptismo, recebeu de presente um Rosário e o Escapulário de Nossa Senhora do Carmo, que nunca mais deixou de usar. Chamavam-no de o “leigo do Escapulário”.

Isidoro trabalhava na plantação de um colonizador belga, ateu, que não gostava de africanos convertidos. Dizia que rezavam demais e que perdiam tempo. A raiva do patrão foi crescendo e mandou que Isidoro lançasse fora o Escapulário. Isidoro recusou. Por isso foi chicoteado até ao ponto de as suas costas se transformarem numa chaga viva. A ferida infeccionou e, ao longo de seis meses, Isidoro viveu um verdadeiro calvário de sofrimentos. Morreu com o Rosário nas mãos e o Escapulário de Nossa Senhora do Carmo no seu pescoço, no dia 15 de Agosto de 1909. Perdoou ao seu algoz e prometeu rezar por ele quando ingressasse no céu. O Papa João Paulo II beatificou-o em 1994 e chamou-o de “mártir do Escapulário”.

 

Oração

Senhor nosso Deus, fonte e origem de toda a vida, que destes a força do vosso Espírito ao bem-aventurado jovem mártir Beato Isidoro Bakanja para que no martírio proclamasse o amor pelo Escapulário e a fidelidade do perdão, concedei-nos, por sua intercessão, viver sempre fiéis à vossa Igreja e descobrir em cada acontecimento da vida a força e a proteção de Maria nossa Mãe. Fonte: https://caminhoscarmelitas.com

 

1) Oração

Ó Deus, que pela humilhação do vosso Filho reerguestes o mundo decaído, enchei os vossos filhos e filhas de santa alegria, e dai aos que libertastes da escravidão do pecado o gozo das alegrias eternas. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

2) Leitura do Evangelho    (Mt 10, 1-7)

1Jesus reuniu seus doze discípulos. Conferiu-lhes o poder de expulsar os espíritos imundos e de curar todo mal e toda enfermidade. 2Eis os nomes dos doze apóstolos: o primeiro, Simão, chamado Pedro; depois André, seu irmão. Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão. 3Filipe e Bartolomeu. Tomé e Mateus, o publicano. Tiago, filho de Alfeu, e Tadeu. 4Simão, o cananeu, e Judas Iscariotes, que foi o traidor. 5Estes são os Doze que Jesus enviou em missão, após lhes ter dado as seguintes instruções: Não ireis ao meio dos gentios nem entrareis em Samaria; 6ide antes às ovelhas que se perderam da casa de Israel. 7Por onde andardes, anunciai que o Reino dos céus está próximo.

 

3) Reflexão  Mateus 10,1-7

No capítulo 10 do Evangelho de Mateus começa o segundo grande discurso, o Sermão da Missão. Mateus organizou o seu evangelho como uma nova edição da Lei de Deus ou como um novo “pentateuco” com seus cinco livros. Por isso, o seu evangelho traz cinco grande discursos ou ensinamentos de Jesus, seguidos por partes narrativas, nas quais ele descreve como Jesus praticava o que tinha ensinado nos discursos. Eis o esquema:

Introdução: nascimento e preparação do Messias (Mt 1 a 4)

  1. Sermão da Montanha: a porta de entrada no Reino (Mt 5 a 7)

Narrativa Mt 8 e 9

  1. Sermão da Missão: como anunciar e irradiar o Reino (Mt 10)

Narrativa Mt 11 e 12

  1. Sermão das Parábolas: o mistério do Reino presente na vida (Mt 13)

Narrativa Mt 14 a 17

  1. Sermão da Comunidade: a nova maneira de conviver no Reino (Mt 18)

Narrativa 19 a 23

  1. Sermão da vinda futura do Reino: a utopia que sustenta a esperança (Mt 24 e 25)

Conclusão: paixão, morte e ressurreição (Mt 26 a 28).

*  O evangelho de hoje traz o início do Sermão da Missão, no qual se acentuam três assuntos: (1) o chamado dos discípulos (Mt 10,1); (2) a lista dos nomes dos doze apóstolos que vão ser os destinatários do sermão da missão (Mt 10,2-4); (3) o envio dos doze (Mt 10,5-7).

Mateus 10,1: O chamado dos doze discípulos

Mateus já tinha falado do chamado dos discípulos (Mt 4,18-22; 9,9). Aqui, no começo do Sermão da Missão, ele traz um resumo: “Então Jesus chamou seus discípulos e deu-lhes poder para expulsar os espíritos maus, e para curar qualquer tipo de doença e enfermidade”. A tarefa ou missão do discípulo é seguir Jesus, o Mestre, formando comunidade com ele e realizando a mesma missão de Jesus: expulsar os espíritos maus, curar qualquer tipo de doença e enfermidade. No evangelho de Marcos, eles recebem a mesma dupla missão, formulada com outras palavras: Jesus constituiu o grupo dos Doze, para que ficassem com ele e para enviá-los a pregar, com autoridade para expulsar os demônios” (Mc 3,14-15). 1) Estar com ele, isto é, formar comunidade, na qual Jesus é o eixo. 2) Pregar e ter poder para expulsar demônio, isto é, anunciar a Boa Nova e combater o poder do mal que estraga a vida do povo e aliena as pessoas. Lucas diz que Jesus rezou a noite toda e, no dia seguinte, chamou os discípulos. Rezou a Deus para saber a quem escolher (Lc 6,12-13). 

Mateus 10,2-4: A lista dos nomes dos doze apóstolos.

Grande parte destes nomes vem do Antigo Testamento. Por exemplo, Simeão é o nome de um dos filhos do patriarca Jacó (Gn 29,33). Tiago é o mesmo que Jacó (Gn 25,26). Judas é o nome de outro filho de Jacó (Gn 35,23). Mateus também tinha o nome de Levi (Mc 2,14), que é outro filho de Jacó (Gn 35,23). Dos doze apóstolos sete têm nome que vem do tempo dos patriarcas. Dois se chamam Simão; dois, Tiago; dois, Judas; um, Levi! Só tem um com nome grego: Filipe. Isto revela o desejo do povo de refazer a história desde o começo! Seria como hoje numa família bem brasileira, na qual todos os filhos têm nomes do tempo dos índios Raoni, Ubiratan, Jussara, etc, e só têm nome americano Washington. Vale a pena pensar nos nomes que hoje damos para os filhos. Como eles, cada um de nós é chamado por Deus pelo nome.

Mateus 10,5-7: O envio ou missão dos doze apóstolos para as ovelhas perdidas de Israel.

Depois de ter enumerado os nomes dos doze, Jesus os envia com estas recomendações: "Não tomem o caminho dos pagãos, e não entrem nas cidades dos samaritanos. Vão primeiro às ovelhas perdidas da casa de Israel. Vão e anunciem: O Reino do Céu está próximo”. Nesta única frase há uma tripla insistência em mostrar que a preferência da missão é para com a casa de Israel: (1) Não tomar o caminho dos pagãos, (2) não entrar nas cidades samaritanas, (3) ir primeiro para as ovelhas perdidas de Israel. Aqui transparece uma resposta à dúvida dos primeiros cristãos em torno da abertura para os pagãos. Paulo, que afirmava com tanta firmeza a abertura para os pagãos, concorda em dizer que a Boa Nova trazida por Jesus devia ser anunciada primeiro aos judeus e, depois, aos pagãos (Rom 9,1 a 11,36; cf. At 1,8; 11,3; 13,46; 15,1.5.23-29). Mais adiante, no mesmo evangelho de Mateus, na conversa de Jesus com a mulher cananéia, acontecerá a abertura para os pagãos (Mt 15,21-29).

O envio dos apóstolos para todos os povos. Depois da ressurreição de Jesus, há vários episódios do envio dos apóstolos não só para os judeus, mas para todos os povos. Em Mateus: “Ide e fazei que todas as nações se tornem  discípulos, batizando-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo e ensinando-as a observar tudo quanto vos ordenei. E eis que eu estarei com convosco todos os dias até à consumação dos séculos” (Mt 28,19-20). Em Marcos: “Ide por todo mundo, proclamai a Boa Nova a toda criatura. Aquele que crer e for batizado será salvo; o que não crer será condenado” (Mc 15-16). Em Lucas: "Assim está escrito: O Messias sofrerá e ressuscitará dos mortos no terceiro dia, e no seu nome serão anunciados a conversão e o perdão dos pecados a todas as nações, começando por Jerusalém. E vocês são testemunhas disso. (Lc 24,46-48; At 1,8) João resume tudo nesta frase: “Como Pai me enviou, eu envio vocês!” (Jo 20,21) :

 

4) Para um confronto pessoal

  1. Você já pensou no significado do seu nome? Já perguntou a seus pais por que motivo lhe deram o nome que você tem? Você gosta do seu nome?
  2. Jesus chama os discípulos. O seu chamado tem uma dupla finalidade: formar comunidade e ir em missão. Como vivo esta dupla finalidade na minha vida?

 

5) Oração final

Recorrei ao Senhor e ao seu poder, procurai continuamente sua face. Recordai as maravilhas que operou

Dom Frei WilmarSantin, O.Carm.

 

Na Bíblia

O ciclo de Eliseu (2Rs 2-9.13,1-10) está ligado com o de Elias. A vocação de Eliseu está colocada após a teofania do Horeb (1Rs 19,16-21). Segundo a ordem divina, ele é aquele que deve suceder ao Tesbita. Por isso torna-se seu servidor e discípulo (2Rs 2,1-18). Pelo fato de acompanhar e ser testemunha do rapto de Elias, Eliseu herda o duplo espírito do Tesbita (2Rs 2,1-18). O carro e os cavalos que raptaram Elias constituem a escolta invisível de Eliseu (2Rs 6,17). Numerosos milagres e prodígios exaltam “o homem de Deus”, o taumaturgo a serviço dos pobres e que intervém na política. Morto, o seu cadáver ressuscita um morto (2Rs 13,20-21). No livro do Eclesiástico, o seu elogio segue o do seu mestre (Eclo 48,12-14) e recorda o dom do espírito de Elias que recebeu durante o rapto. Entre as suas obras maravilhosas é indicada a ressurreição de um morto após a sua morte. A cura de Naamã, o Sírio, é recordada no Evangelho (Lc 4,27), também depois de recordar Elias.

Por duas vezes a Bíblia menciona a estada de Eliseu no Monte Carmelo: para lá ele se retira após o episódio dos meninos devorados pelos ursos (2Rs 2,25) e ali a sunamita vai encontrá-lo para suplicar-lhe que devolva a vida ao seu filho (2Rs 4,25). Uma gruta com dois patamares era considerada como a “casa de Eliseu”, aquela onde ele recebeu a visita da sunamita. Ali foi construída uma laura (cenóbio) bizantina conhecida como Mosteiro de S. Eliseu.

 

Nascimento de Eliseu

O provincial carmelita da Catalunha, Felipe Ribot (+ 1392), recorda o prodígio que acompanhou o nascimento de Eliseu, assim como foi contado por Isidoro de Sevilha e Pedro Comestor: “ao nascimento de Eliseu um dos novilhos de ouro adorados pelos filhos de Israel mugiu atravessando o jardim de Eliseu. Um sacerdote do Senhor o escutou em Jerusalém e, inspirado por Deus, proclamou: ‘nasceu em Israel um profeta que destruirá todos os ídolos esculpidos e fundidos”. Só João de Hornby, carmelita inglês do século XIV, indica que Eliseu era descendente de Arão, como Elias, enquanto que a Vitae Prophetarum e Isidoro mencionam “a tribo de Rubem”.

 

Eliseu, figura de Cristo

Como Elias, Eliseu é apresentado pelos Padres da Igreja como figura de Cristo enquanto taumaturgo. Já Orígenes chamava Cristo “o Eliseu espiritual que purifica no mistério batismal os homens cobertos pela sujeira da lepra” (Hom. sobre Lucas 33,5). Eliseu estendendo-se sobre o menino anuncia a Encarnação de Cristo que se faz pequeno para salvar-nos. O vaso novo lançado com sal na água (episódio amplamente desenvolvido pelos Padres Latinos), o sal que purifica as águas, o machado recuperado, são figuras de Cristo. Multiplicando os pães de cevada para cem pessoas, iluminando os olhos do seu servo e cegando os de seus inimigos, curando Naamã com o banho no rio Jordão, Eliseu é ainda figura do Messias. A ressurreição de um morto ao contato com os seus ossos prefigura da descida de Cristo aos infernos para dar vida aos mortos. No sermão 128 de Cesário, a viúva libertada da sua indigência, graças ao milagre operado por Eliseu, prefigura a Igreja libertada do pecado à vinda do Salvador; a sunamita estéril, que concebe pela oração de Eliseu, é também figura da Igreja estéril antes da vinda de Cristo. Igualmente João Baconthorp (+ 1348) faz o paralelo entre os milagres de Elias e de Eliseu com os de Jesus (Speculum 2).

 

Eliseu, modelo do monge

Numerosos Padres da Igreja atestam a virgindade de Eliseu seguindo a de Elias. Para São Jerônimo “na Lei antiga, a fecundidade era objeto de bênção. Mas pouco a pouco entretanto, na medida em que a messe se torna mais abundante, foi enviado um ceifador: Elias que foi virgem. Eliseu também o foi, como do mesmo modo os filhos dos profetas” (Ep. 22). Os carmelitas medievais reproduziram estas linhas insistindo sobre o fato que Elias e Eliseu foram os primeiros a consagrarem-se a Deus na virgindade. Pe. Daniel da Virgem (+ 1678) explica que o celibato honra e imita por antecipação a Virgem Maria: “Eliseu conheceu antecipadamente e imitou a pureza da Virgem Mãe de Deus” (Vida de Santo Eliseu, pref.).

A oração tem um papel primordial na vida de Eliseu: é a fonte dos milagres que o Senhor faz através dele. No texto bíblico, isto é expresso explicitamente através da ressurreição do filho da sunamita, por isto o Senhor abre os olhos do seu servo para cegar os arameus. Os Padres da Igreja acentuam ainda mais o papel da oração: ele obtém um filho para a sunamita, faz submergir o machado caído na água do rio Jordão. Assim através de Eliseu os carmelitas fazem jorrar o seu apostolado pelo colóquio com Deus.

A renúncia inicial de Eliseu, que sacrifica os bois e o arado antes de seguir Elias, é um exemplo de exortação para se afastar das preocupações mundanas (Jerônimo, Ep. 71,3). A recusa dos presentes de Naamã fornece aos Padres um belo exemplo de afastamento dos bens. Para Cassiano, Eliseu é um dos fundadores do monaquismo e, de modo especial, um mestre da pobreza (Inst. 7, 14,2).

Amona (século IV), discípulo de Antonio o Grande, canta todos aqueles que obedeceram aos seus pais, cumprindo a sua vontade com a obediência perfeita em tudo. Eliseu é um dele (Ep. 18). Isaías de Scete (+ 491) exorta à obediência com o exemplo de Eliseu (Asceticon 7). A homilia bizantina mais freqüentemente indicada para a festa de Santo Elias é um comentário sobre o Profeta Elias, o Tesbita, atribuída a São João Damasceno, sem dúvida provém do ambiente monástico. A menção de Eliseu põe em relevo a sua ligação total a Elias: “Tendo deixado tudo, casa, campos, bois, ele o segue, servindo-lhe em tudo e totalmente ligado à sua pessoa. Elias, que viveu dali em diante com Eliseu a quem havia também consagrado profeta segundo um oráculo divino, estava dia após dias reunido com ele sob o mesmo teto, compartilhando o mesmo estilo de vida, absolutamente inseparáveis”.

Atanásio de Alexandria, na vida de Antão, mostra que Eliseu via Giezi distante e as forças que o protegiam porque o seu coração era puro, escopo de toda ascensão monástica. João Baconthorp considera em Eliseu o carmelita aplicado à contemplação que “vê” Deus, destinado a trazer no seu coração a chama ardente e irradiante e a palavra de vida, como Maria, e a imitação de Elias e de Eliseu que viveram a vida contemplativa no Carmelo (Laus 2,2). Pe. Daniel da Virgem na suaVida do Santo Profeta Eliseu reassume os papéis respectivos de Elias e de Eliseu: “Inaugurando a vida religiosa, monástica e eremita, Elias a plantou, Eliseu depois a irriga e grandemente a divulga”.

 

Eliseu, discípulo de Elias

Nas Antiguidades Judaicas de Flávio Josefo e em numerosos escritos patrísticos seja do Oriente como do Ocidente, Eliseu está constantemente presente como discípulo de Elias, seu filho espiritual, seu herdeiro. Jacques de Saroug (449-521), autor de sete discursos em métrica que representam longamente a figura de Eliseu e a sua mensagem, utiliza diversos epítetos. Igualmente Máximo de Torino (+ 408/423), de quem duas homilias se referem a Eliseu: “Porque se admirar que os anjos, que levaram o mestre, levam o discípulo (…)? De fato ele mesmo é o filho espiritual de Elias, herdeiro da sua santidade” (Sermão 84). Os Diálogos do Papa Gregório Magno muitas fazem eco às façanhas de Eliseu. Se a “rubrica prima” das Constituições de 1289 se contenta de justapor Elias e Eliseu, João de Cheminot, depois João de Venette especificam que Eliseu é “discípulo” de Elias. Porém as Constituições de 1357 foram assim modificadas: “A partir do Profeta Elias e de Eliseu, seu discípulo”.

 

Eliseu, o discípulo por excelência

Eliseu não é discípulo de Elias somente. Seguindo a tradição hebraica que se encontra nas Vitae prophetarum, na introdução de São Jerônimo em seu Comentário ao livro de Jonas e algum outro escrito patrístico, Jonas seria o filho da viúva de Sarepta, ressuscitado pelo profeta e que se tornou discípulo de Elias: “Jonas, depois da sua morte, foi ressuscitado pelo profeta Elias: o seguiu, sofreu com ele e, por sua obediência ao profeta, mereceu receber do dom da profecia” (Sinassário árabe jacobita de 22 de setembro). João Baconthorp conhecia esta tradição que provém de São Jerônimo. João de Cheminot, seguindo Felipe Ribot, indica como primeiro discípulo o servo que Elias deixou em Bersabéia, quando fugia de Jesabel (1Rs 19, 3). Este servo é aquele que Elias enviou ao cume do Monte Carmelo para observar a chegada da chuva (1Rs 18, 43).

Segundo as Vitae prophetarum, Abdias, o intendente de Acab que escondeu os cem profetas em grupos de cinqüenta, enviado por Acazias, (1Rs 18, 3-4) tornou-se discípulo de Elias. Teodoro Bar-Koni, autor nestoriano do século VIII, especifica que ele recebeu o dom da profecia após ter seguido Elias. Os carmelitas medievais enumeram Abdias entre os grandes discípulos de Elias.

Felipe Ribot é o único carmelita do século XIV a mencionar o profeta Miquéias como discípulo de Elias. Para Cheminot e Ribot, Eliseu ocupa o primeiro lugar no grupo dos discípulos do Profeta Elias.

 

O duplo espírito de Elias

Eliseu é o sucessor de Elias que recebeu o seu duplo espírito, quando viu seu rapto (2Rs 2, 9-13). De acordo com uma tradição hebraica, Eliseu realizou 16 milagres, enquanto que Elias havia feito 8. A partir do século XII, Ruperto de Deutz fez o mesmo cálculo (A Vitória do Verbo de Deus). Para São Jerônimo, o duplo espírito se manifesta com os milagres maiores. Para Felipe Ribot, o duplo espírito é o dom da profecia que consente prever o futuro e o dom dos milagres: «Eis porque lhe dá a direção do magistério espiritual de todos os religiosos que tinha instituído.Como sinal disto, ele deu a Eliseu o seu hábito como sinal distintivo do seu instituto, deixando-lhe o seu manto, quando foi levado ao céu» (nº 149). A partir do século XVI, outros – como Pedro da Mãe de Deus, carmelita descalço holandês – vêem no duplo espírito o espírito da contemplação e da ação: «Os discípulos do Carmelo (…) estão obrigados por vocação a pedir sempre a Deus o duplo espírito de Elias (…), isto é, o espírito de oração e de ação, o verdadeiro espírito do Carmelo» (As Flores do Carmelo).

Santa Teresa de Ávila evoca juntos Elias e Eliseu numa poesia: «Seguindo o Pai Elias, nós combatemos a nós mesmas, com a sua coragem e o seu zelo, ó Monjas do Carmelo. Após ter renunciado a nosso prazer, busquemos o forte Espírito de Eliseu, ó Monjas do Carmelo» (Caminho para o céu). Notemos que na sua correspondência ou nas Relações, Santa Teresa designa frequentemente com o nome de Eliseu o seu caro filho, Pe. Jerônimo Gracián.

Em Lisieux, Santa Teresa do Menino Jesus, que morava na cela Santo Eliseu do dormitório Santo Elias, muito naturalmente alude ao duplo do espírito: «Recordando-me da oração de Eliseu ao seu pai Elias, quando ele ousou pedir-lhe o dobro do seu espírito, me apresentei diante dos Anjos e dos santos, e lhe disse (…) ouso pedir-lhes que me concedam o dobro do vosso amor» (Ms B 4r).

 

Prior dos filhos dos profetas

O apologista São Justino se refere ao episódio do ferro do machado caído na água que Eliseu fez boiar com um pedaço de madeira (2Rs 6, 1-7). Onde o texto bíblico diz simplesmente que os filhos dos profetas queriam construir um lugar de moradia, Justino precisa que estes estavam cortando a madeira destinada pra construir «a casa para aqueles que queriam repetir e meditar a lei e os preceitos de Deus» (Diálogo com Trifão, 86). Esta paráfrase se tornará no século XIII o coração da Regra dos carmelitas que se consideram os sucessores dos filhos dos profetas para «meditar dia e noite na lei do Senhor».

Gerado à vida pelo Espírito de Elias, Eliseu pode por sua vez gerar filhos, chamados na Bíblia de «filhos dos profetas». Teodoreto de Ciro apresenta Eliseu à testa do «coro» dos profetas que o consideravam como «prior» deles (Quaest4 Re 6, 19).

Felipe Ribot mostra como Eliseu é reconhecido «pai» dos filhos dos profetas: «Vendo Eliseu revestido do hábito de Elias, reconheciam que estava repleto do espírito de Elias e o receberam imediatamente como pai deles e mestre no lugar de Elias» (nº 149). Ele ensina aos filhos dos profetas, dá a eles ordens, organiza a comunidade religiosa instituída por Elias. Igualmente para João Soreth, após a ascensão de Elias, os filhos dos profetas «o veneraram, como superior deles, porque substituía Elias no governo dos eremitas».

 

Os caçoadores de Eliseu

Segundo a Haggadah, os caçoadores de Eliseu não são meninos, mas adultos que se comportam como meninos tolos. O número de pessoas devoradas pelos dois ursos corresponde então aos 42 sacrifícios ofertados por Balac (Nm 23). Os Padres Latinos não se referiram a esta tradição e dão uma interpretação anti-hebraica: Vespasiano e Tito – os dois ursos – aniquilaram Jerusalém 42 anos após a Paixão de Cristo, escarnecido pelos hebreus. Por outro lado o grito «sobe, careca» é um insulto a Elias para transformar em chacota o seu rapto. João Baconthorppensa nos detratores da Ordem: Eliseu ensina o respeito devido à antiguidade da Ordem como para cada forma de velhice (Laus 2, 1).

 

A sepultura de Eliseu

Um tradição hebraica tardia, bem atestada na Patrística (Jerônimo, Egéria, Anônimo de Piacenza, Isidoro de Sevilha, Beda o Venerável), localiza a tumba de Eliseu em Sebaste na Samaria, com as tumbas de Abdias e de João Batista. Os carmelitas da Idade Média (João de Cheminot, Speculum 1; João de Hildesheim,Diálogo) conheciam esta tradição. A sepultura de Eliseu foi violada por Juliano o Apóstata no século IV. Parte dos ossos foi transferida para Alexandria e para Constantinopla, e dali para Ravenna em 718 e colocada na igreja de São Lourenço. No Capítulo Geral de 1369, autorizou-se a Ordem a fazer investimento econômico para obter as relíquias de Eliseu. A igreja foi destruída em 1603 e se ignora a sorte das relíquias, entretanto se mostra na igreja de Santo Apolinário a cabeça de Santo Eliseu.

 

Culto litúrgico

O primeiro decreto oficial aprovando a festa de Santo Eliseu para o dia 14 de junho, data na qual o profeta é festejado no rito bizantino, se encontra nas Constituições de 1369. Foi promulgada no Capítulo Geral de Florença de 1399. Em 1564 se adicionou uma oitava à celebração da festa. No calendário da Reforma Teresiana, em 1609, a memória de Eliseu recebe a categoria de festa de primeira classe, mas em 1617 foi reduzida à condição de segunda classe, com oitava, e depois abandonada em 1909. As Constituições O. Carm. de 1971 determinavam: “Com oportuna solenidade sejam celebradas as festas dos pais da Ordem Elias e Eliseu, do protetor S. José e dos nossos santos” (nº 72). Mas na reforma litúrgica de 1972, Eliseu foi excluído do calendário dos dois ramos do Carmelo. Por solicitação dos Carmelitas da Antiga Observância, a re-introdução da memória de Santo Eliseu foi aceita pela Sagrada Congregação do Culto Divino e da Disciplina dos Sacramentos em 1992.

 

Conclusão

Elias e Eliseu são considerados o ponto de partida de uma sucessão ininterrupta de monges no Antigo Testamento e depois no Novo Testamento, antes de serem mais simplesmente os inspiradores dos Carmelitas dos quais estes querem ser seus imitadores e ainda mais seus filhos. A devoção ao profeta Eliseu conheceu um eclipse de uns 30 anos após o Concílio Vaticano II: a reforma litúrgica do Próprio do Carmelo não conservou a sua festa, as Constituições O. Carm. (1971) e as dos Carmelitas Descalços (1991) nomeiam o profeta Elias somente quando se referem à tradição bíblica da Ordem. Por sorte, diversos estudos o recolocaram no seu lugar (Carmel 1994/1). As Constituições O. Carm. de 1995 dizem: “O Carmelo celebra, com especial devoção, os seus Santos, colhendo neles a expressão mais viva e genuína do carisma e da espiritualidade da Ordem ao longo dos séculos. Com particular solenidade, sejam celebradas a festividade de Santo Elias Profeta, a memória de S. Eliseu Profeta e as festas dos protectores da Ordem, a saber, S. José, S. Joaquim e Santa Ana” (nº 88).

De fato o Carmelo reconhece como seus inspiradores, não só o Tesbita, mas juntos Elias e Eliseu, porque nesta mesma relação se manifesta o carisma do Carmelo.

 

1) Oração

 

Ó Deus, força daqueles que esperam em vós, sede favorável ao nosso apelo, e como nada podemos em nossa fraqueza, dai-nos sempre o socorro da vossa graça, para que possamos querer e agir conforme vossa vontade, seguindo os vossos mandamentos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

2) Leitura do Evangelho (Mateus 5, 38-42)

Naquele tempo disse Jesus: 38Tendes ouvido o que foi dito: Olho por olho, dente por dente. 39Eu, porém, vos digo: não resistais ao mau. Se alguém te ferir a face direita, oferece-lhe também a outra. 40Se alguém te citar em justiça para tirar-te a túnica, cede-lhe também a capa. 41Se alguém vem obrigar-te a andar mil passos com ele, anda dois mil. 42Dá a quem te pede e não te desvies daquele que te quer pedir emprestado. 43Tendes ouvido o que foi dito: Amarás o teu próximo e poderás odiar teu inimigo.

 

3) Reflexão - Mt 5, 38-42

O evangelho de hoje faz parte de uma pequena unidade literária que vai desde Mt 5,17 até Mt 5,48, na qual se descreve como passar da antiga justiça dos fariseus (Mt 5,20) para a nova justiça do Reino de Deus (Mt 5,48). Descreve como subir a Montanha das Bem-aventuranças, de onde Jesus anunciou a nova Lei do Amor. O grande desejo dos fariseus era alcançar a justiça, ser justo diante de Deus. Este é também o desejo de todos nós. Justo é aquele ou aquela que consegue viver no lugar onde Deus o quer. Os fariseus se esforçavam para alcançar a justiça através da observância estrita da Lei. Pensavam que era pelo próprio esforço que poderiam chegar até o lugar onde Deus os queria, Jesus toma posição diante desta prática e anuncia a nova justiça que deve ultrapassar a justiça dos fariseus (Mt 5,20). No evangelho de hoje estamos quase chegando no topo da montanha. Falta pouco. O topo é descrita com a frase: “Sede perfeito como vosso Pai celeste é perfeito” (Mt 5,48), que meditaremos no evangelho de amanhã. Vejamos de perto este último degrau que nos falta para chegar ao topo da Montanha, da qual São João da Cruz diz: “Aqui reinam o silêncio e o amor”.

Mateus 5,38: Olho por olho, dente por dente

Jesus cita um texto da Lei antiga dizendo: "Vocês ouviram o que foi dito: Olho por olho e dente por dente!”. Ele abreviou o texto. O texto inteiro dizia: ”Vida por vida, olho por olho, dente por dente, pé por pé,  queimadura por queimadura, ferida por ferida, golpe por golpe” (Ex 21,23-25). Como nos casos anteriores, também aqui Jesus faz uma releitura inteiramente nova. O princípio “olho por olho, dente por dente” estava na raiz da interpretação que os escribas faziam da lei. Este princípio deve ser subvertido, pois ele perverte e estraga o relacionamento entre as pessoas e com Deus.

Mateus 5,39ª: Não retribuir o mal com o mal

Jesus afirma exatamente o contrário: Eu, porém, lhes digo: não se vinguem de quem fez o mal a vocês”. Diante de uma violência recebida, nossa reação natural é pagar o outro com a mesma moeda. A vingança pede “olho por olho, dente por dente”. Jesus pede para retribuir o mal não com o mal, mas com o bem. Pois, se não soubermos superar a violência recebida, a espiral da violência tomará conta de tudo e já não haverá mais saída. Lameque dizia: “Por uma ferida recebida, eu matarei um homem, e por uma cicatriz matarei um jovem. Se a vingança de Caim valia por sete, a de Lamec valerá por setenta e sete” (Gn 4,24). Foi por causa desta vingança extremada que tudo terminou na confusão da Torre de Babel (Gn 11,1-9). Fiel ao ensinamento de Jesus, Paulo escreve na carta aos Romanos: “Não paguem a ninguém o mal com o mal; a preocupação de vocês seja fazer o bem a todos os homens. Não se deixe vencer pelo mal, mas vença o mal com o bem”. (Rm 12,17.21). Para poder ter esta atitude é necessário ter muita fé na possibilidade da recuperação do ser humano. Como fazer isto na prática. Jesus oferece 4 exemplos concretos. 

Mateus 5,39b-42: Os quatro exemplos para superar a espiral da violência

Jesus diz: Pelo contrário:  (1) se alguém lhe dá um tapa na face direita, ofereça também a esquerda!  (2) Se alguém faz um processo para tomar de você a túnica, deixe também o manto!  (3) Se alguém obriga você a andar um quilômetro, caminhe dois quilômetros com ele.  (4) Dê a quem lhe pedir, e não vire as costas a quem lhe pedir emprestado.” (Mt 5,40-42). Como entender estas quatro afirmações? Jesus mesmo nos ofereceu uma ajuda de como devemos entendê-las. Quando o soldado lhe deu uma bofetada numa face, ele não ofereceu a outra. Pelo contrário, ele reagiu energicamente: "Se falei mal, mostre o que há de mal. Mas se falei bem, por que você bate em mim?" (Jo 18,23) Jesus não ensina passividade. São Paulo acredita que, retribuindo o mal com o bem, “você fará o outro corar de vergonha” (Rm 12,20). Esta fé na possibilidade da recuperação do ser humano só é possível a partir de uma raiz que nasce da total gratuidade do amor criador que Deus mostrou para conosco na vida e nas atitudes de Jesus.

 

4) Para um confronto pessoal

1) Você já sentiu alguma vez uma raiva tão grande de querer aplicar a vingança “olho por olho, dente por dente”? Como fez para supera-la?

2) Será que a convivência comunitária hoje na igreja favorece a ter em nós o amor criador que Jesus sugere no evangelho de hoje?

 

5) Oração final

Senhor, ouvi minhas palavras, escutai meus gemidos. Atendei à voz de minha prece, ó meu rei, ó meu Deus. É a vós que eu invoco, Senhor. (Sl 5, 2-4)

 

Constant Dölle

Tradução: Frei Gabriel Haamberg, O. Carm

            O espírito empreendedor de Tito para escrever artigos começou bem cedo. Escreve sobre Santa Teresa de Jesus e outros assuntos religiosos. Enfrenta o desafio de fundar uma revista para sua cidade e para toda a Holanda. Em 1911 foi dado o tiro de partida, sendo Tito a cabeça da redação com 16 frades formados. A revista recebe o nome de “Rosas do Carmelo”, alusão às rosas que Santa Teresinha prometera fazer chover sobre a terra após a sua morte. Chegou a 11.000 assinaturas. Os melhores artigos eram do frei Tito. O objetivo era a devoção a Maria, Mãe de Deus. Frequentemente terminava seus artigos com a benção: “Desçam sobre nossa terra o amor de Cristo e de sua mãe Maria”.

            No conhecido Dictionnaire de Spiritualité encontramos artigos clássicos dele; ainda hoje são fonte importante para quem se dedica ao estudo de espiritualidade e mística.

            Tito não se limita a escrever só sobre temas religiosos, mas também sobre questões sociais e políticas. Refunda um jornal, prestes a desaparecer. Após seu doutoramento em filosofia e especialização em sociologia escreve em mais de vinte jornais e revistas de cobertura regional e nacional. Desde 1918 escreve, a cada ano, 104 artigos. Os seus muitos trabalhos pastorais e científicos são editados em várias línguas. O jornalismo em todas as suas facetas é a paixão de sua vida. Considera-o como um caminho privilegiado de levar Deus às pessoas e ao povo. O anúncio da verdade era uma questão de justiça para ele. “A verdade vos libertará”, já dizia Paulo Apóstolo.  Também cobra uma melhor posição jurídica e salarial para jornalistas. Luta pela atualização do currículo de formação jornalística, buscando novas formas. Naquela época, já se movimentava em busca de modernização e atualização do currículo para formação de cineastas, sem êxito, porém. Havia ventos contrários. 

            Em tudo Tito quis servir ao povo de Deus. Seu coração carregado de amor por ele, sua abertura ao Mistério de amor e sua força transformadora eram o núcleo de sua espiritualidade e assinalavam também seus trabalhos acadêmicos e suas múltiplas iniciativas.

Em 1935, é nomeado pelo arcebispo de Jong diretor espiritual da União de Jornalistas Católicos de seu país. Por ocasião da instalação da sua função anuncia: “Nós, jornalistas católicos, devemos abordar em tudo o lado positivo e construtivo da vida. Este é para nós o único caminho desejado por Deus para servir à causa católica. É preciso colocar o amor em primeiro lugar. Esse amor deve revelar-se na imprensa católica”.

As palavras de Tito acontecem ao mesmo tempo em que, em Nüremberg, são editadas as leis absurdas de exclusão da cidadania aos judeus e povos não-arianos pelo nacional socialismo. São muitíssimo conhecidos seus trabalhos entre os jornalistas católicos e sua defesa intransigente dos princípios da fé católica, da integridade e liberdade da imprensa católica na Holanda contra a ideologia nazista. Nas suas aulas na universidade falava aos alunos sobre esse sistema pagão e opressor, defensor da superioridade da raça ariana.

No dia 18 de dezembro de 1941, as empresas jornalísticas na Holanda recebem ordens das autoridades nazistas de aceitarem em seus jornais publicações de notícias nazistas. Eram igualmente pressionadas a substituírem altos funcionários por pessoas de ideologia nacional socialista. O arcebispo De Jong protesta contra as medidas discriminatórias de Hitler. Na Holanda, o porta-voz de Hitler é Seyss Inquart, que antes já entregara a Áustria ao Führer.

Por ordem do arcebispo, Tito elabora uma carta com a sua aprovação, para os diretores e redatores chefes dos diários católicos. Nela era comunicado que tanto para os diretores como redatores chefes, existia a obrigação, sob pena de multa, suspensão ou até mesmo a supressão de jornais, de recusar toda a cooperação com o nacional socialismo em nosso país e conservar o caráter católico de seus diários. A carta termina com o versículo: “Deus tem a última palavra e recompensa o servo fiel”.

Tito diz ao arcebispo que vai entregar pessoalmente a carta pastoral, mas antes irá falar com os bispos. Esses o alertaram do grande risco de sua missão. O temor deles tinha fundamento. Tito sabia disto: “Estou me sentindo incomodado, mas não tenho medo e a omissão não é do meu feitio”.

Iniciando no dia primeiro de janeiro de 1942, por um prazo de nove dias visita todas as diretorias dos jornais católicos na Holanda, esclarecendo a posição do não da Igreja. Não retarda a resposta da polícia secreta, pois houve traição. Durante suas viagens, o nazista alemão Janke se comunica com o general Schmidt: “O Prof. Brandsma deve ser imediatamente processado e enviado para um campo de concentração, devido à oposição sistemática às autoridades de ocupação alemã. É um homem perigoso”.

Tito suspeita do que o espera: “Agora percebo que tudo o que acontece faz parte da minha vida. Agora vou parar na cadeia e me tornar um verdadeiro carmelita”.

De fato, sua posição coerente e firme em favor do ensino e da liberdade de expressão leva-o, por fim, ao martírio no campo de extermínio em Dachau, na Alemanha. Isto ocorre devido ao que falara anteriormente às autoridades nazistas: “O povo holandês faz enormes sacrifícios em favor da fé cristã, tanto crentes como católicos. Veneramos na sua história um tal número de mártires que são exemplos para a humanidade. O povo é capaz de dar a sua vida em defesa da fé, onde ela for reprimida!”.

*Do Livro: O CAMINHO DE TITO BRANDSMA NO TEMPO DE HITLER: PROFESSOR – MÍSTICO CARMELITA – JORNALISTA – MÁRTIR

(O Frei Tito Brandsma, Frade Carmelita da Ordem do Carmo, foi Reitor da Universidade, Professor e Mártir. Foi martirizado no dia 26 de julho de 1942 em Dachau, campo de concentração nazista e seu corpo jogado num crematório coletivo. Portanto a 80 anos, vítima do Nazismo com uma injeção letal ele disse a enfermeira: “Vou rezar por você…” e entregou a ela o seu terço. Mártir da imprensa, não negociou a verdade denunciando as barbáries do nazismo. O Papa João Paulo II o beatificou em 3 de novembro de 1985 e será canonizado no dia 15 de maio -2022, em Roma)

*Por Courtney Mares

Mais de 60 jornalistas solicitaram ao Papa Francisco que faça de Titus Brandsma um santo padroeiro oficial do jornalismo.

Uma carta aberta publicada em 10 de maio dizia que o mundo “requer urgentemente um intercessor santo” como Brandsma, padre e jornalista carmelita, “nestes tempos de desinformação e polarização”.

Brandsma, que será canonizado como santo na Igreja Católica em 15 de maio, morreu no campo de concentração de Dachau em 1942, depois de se opor firmemente à propaganda nazista obrigatória em jornais católicos.

“Nós, jornalistas católicos, reconhecemos em Titus Brandsma um colega profissional e companheiro de fé de posição considerável. Alguém que compartilhou a missão mais profunda que deve impulsionar o jornalismo nos tempos modernos: a busca da verdade e da veracidade, a promoção da paz e do diálogo entre as pessoas”, diz a petição.

A carta de recurso foi co-escrita por três jornalistas da Holanda, onde Brandsma nasceu , e um jornalista da Bélgica. Foi co-assinado por mais de 60 correspondentes do Vaticano.

“Titus Brandsma significou muito para a comunidade católica dos Países Baixos, mas seus trabalhos jornalísticos se destacam entre todas as suas outras atividades. Foi redator-chefe de um jornal, dedicou-se à modernização e profissionalização da imprensa diária católica na Holanda e lutou por melhores condições de trabalho e pela formação profissional dos jornalistas”, diz a carta.

“O padre Brandsma fez seu trabalho no contexto da ascensão do fascismo e do nazismo na Europa. Em palavras e atos, ele se opôs à linguagem de ódio e divisão que estava se tornando comum na época. Em sua opinião, o que agora descrevemos como 'fake news' não deveria ser tolerado na imprensa católica; ele defendeu com sucesso a proibição episcopal da impressão de propaganda nacional-socialista em jornais católicos”.

A carta reconhece que a Igreja Católica já tem um santo padroeiro dos jornalistas: São Francisco de Sales.

O Papa Pio XI proclamou o bispo de Genebra o santo padroeiro dos jornalistas e escritores em 1923. O santo do século 16 usou seus dons como escritor para escrever o clássico devocional “Introdução à Vida Devota” , bem como cartas, sermões, e documentos abordando controvérsias e calvinismo.

A carta argumenta que o santo francês era “sem dúvida um homem santo de fé e de grande mérito, mas não era um jornalista no sentido moderno da palavra”.

“Tito Brandsma era. E como dissemos, ele deu a vida por isso. Em nossa opinião, isso o torna particularmente adequado para esse patrocínio”, acrescenta.

Brandsma serviu como conselheiro espiritual para a equipe de mais de 30 jornais católicos na Holanda. Ele também trabalhou na biografia da carmelita Santa Teresa de Ávila, compôs meditações sobre a Via Sacra e escreveu cartas .

Ao longo da década de 1930, Brandsma assistiu horrorizado quando Adolf Hitler fortaleceu seu domínio sobre a vizinha Alemanha. O frade criticou duramente as políticas nazistas em artigos de jornal e palestras. "O movimento nazista é uma mentira negra", disse ele. “É pagão.”

Quando os jornais holandeses foram instruídos a aceitar anúncios e comunicados de imprensa de seus senhores nazistas, o arcebispo de Utrecht pediu a Brandsma que dissesse aos editores católicos do país que eles deveriam recusar a ordem.

Brandsma conseguiu visitar 14 editores antes de ser preso em 19 de janeiro de 1942, em um mosteiro em Boxmeer. Enquanto a Gestapo se preparava para levá-lo, ele se ajoelhou diante de seu superior e recebeu sua bênção.

Um oficial, o capitão Paul Hardegen, mais tarde pediu a Brandsma que expressasse por escrito por que seus compatriotas desprezavam o partido nazista holandês.

“Os holandeses”, escreveu o frade, “fizeram grandes sacrifícios por amor a Deus e possuem uma fé permanente em Deus sempre que tiveram que provar a adesão à sua religião … nossas vidas por nossa religião.”

Brandsma e outros 10 candidatos, incluindo Charles de Foucauld e quatro mulheres , serão declarados santos na primeira missa de canonização no Vaticano em mais de dois anos e meio.

Antes de sua canonização, a Embaixada da Holanda junto à Santa Sé organizou um simpósio sobre Brandsma e liberdade de imprensa.

A embaixadora Caroline Weijers disse ao Vatican News que um dos temas que ela esperava ser abordado no simpósio era que “o mundo precisa de jornalistas corajosos como Titus Brandsma para fazer a diferença pela humanidade e pelos direitos humanos para todos”.

 

*Courtney Mares é correspondente em Roma da Catholic News Agency. Formada pela Universidade de Harvard, ela fez reportagens em agências de notícias em três continentes e foi premiada com a Gardner Fellowship por seu trabalho com refugiados norte-coreanos. Fonte: https://www.catholicnewsagency.com

O carmelita Titus Brandsma, assassinada em Dachau em 1942, é uma inspiração para o jornalismo contemporâneo. Em um simpósio em Roma ficou claro o quanto a fala e as ações do carmelita próximo só podem ser compreendidas em seu contexto, mas ao mesmo tempo têm grande valor tópico.

Roma

O embaixador holandês dos direitos humanos, Bahia Tahzib-Lie, havia viajado a Roma especialmente para falar aos jornalistas, diplomatas, clérigos e outras partes interessadas reunidas, poucos dias antes da canonização de Brandsma em Roma. "A vida e o espírito de Titus Brandsma me inspiram de muitas maneiras", disse ela em seu discurso de abertura . 

De acordo com Tahzib-Lie, Brandsma enfatizou 'que o amor é mais forte do que uma ideologia que prega o ódio, condena e rejeita o amor e o chama de fraqueza'. 

O simpósio em inglês sobre 'Titus Brandsma e os desafios do jornalismo em tempos turbulentos' foi organizado em Roma pela embaixada holandesa junto à Santa Sé em colaboração com a Associação Internacional de Jornalistas Credenciados no Vaticano (AIGAV). 

No prédio dos Carmelitas em Roma, onde Tito viveu durante seus estudos, dois professores carmelitas também falaram sobre Tito Brandsma, os tempos turbulentos em que viveu e sua espiritualidade carmelita. "Titus não percebeu totalmente os riscos que corria, como muitos jornalistas hoje", disse o professor carmelita Craig Morrison. Três correspondentes internacionais do Vaticano falaram sobre os desafios contemporâneos do jornalismo na era das notícias falsas e das redes sociais.

A contribuição lida em voz alta pelo professor emérito de ciências da comunicação de Amsterdã, Joan Hemels, mostrou que a morte de Brandsma em 1942 passou praticamente despercebida na Holanda. Apenas o De Telegraaf com suas 'tendências amigáveis ​​aos nazistas' publicou uma pequena notícia sobre a morte de Tito. A grande maioria da mídia católica não mencionou a morte do conhecido professor e ex-reitor da Universidade Católica de Nijmegen, "por medo de represálias", segundo Hemels. 

Mas, no final, a ação corajosa e o martírio do carmelita não passaram despercebidos. “Para mim, Titus Brandsma é um importante defensor dos direitos humanos que continua a inspirar as pessoas em todo o mundo em nossa luta contra os venenos da desinformação, mentiras e notícias falsas”, disse Tahzib-Lie. Fonte: https://www.nd.nl/geloof/katholiekinside

Quatro jornalistas católicos da Holanda e da Bélgica pedem ao Papa Francisco que faça do novo São Tito Brandsma o santo padroeiro do jornalismo. Mais de sessenta jornalistas internacionais assinaram seu apelo.

 

Sua Santidade,

Em 2018 você pediu a nós, jornalistas, em alto e bom som, 'promover um jornalismo de paz', um 'jornalismo verdadeiro e contrário a falsidades, slogans retóricos e manchetes sensacionalistas. Um jornalismo feito de pessoas para pessoas, ao serviço de todos, (…) um jornalismo empenhado em apontar alternativas à escalada da gritaria e da violência verbal” (“A verdade vos libertará” (Jo 8 :32), Fake news e jornalismo para a paz. Mensagem de Sua Santidade o Papa Francisco para o Dia Mundial das Comunicações, 24 de janeiro de 2018).

Apoiamos de todo o coração o seu apelo à ação e nele reconhecemos uma declaração de missão para todo o empreendimento jornalístico: para velhas e novas mídias, para editores de jornais, revistas, estações de rádio e televisão e plataformas de internet - e não apenas para jornalistas de origem católica, mas para todos os jornalistas de boa vontade.

No dia 15 de maio, em Roma, você canonizará um homem que incorporou esses valores jornalísticos cruciais até o dia de sua morte: o padre carmelita holandês Titus Brandsma (1881 - 1942). 

Titus Brandsma significou muito para a comunidade católica dos Países Baixos, mas seus trabalhos jornalísticos se destacam entre todas as suas outras atividades. Foi redator-chefe de um jornal, dedicou-se à modernização e profissionalização da imprensa diária católica na Holanda, e lutou por melhores condições de trabalho e pelo estabelecimento de uma formação profissional para jornalistas.

O padre Brandsma fez seu trabalho no contexto da ascensão do fascismo e do nazismo na Europa. Em palavras e ações, ele se opôs à linguagem de ódio e divisão que estava se tornando comum na época. Em sua opinião, o que agora descrevemos como 'fake news' não deveria ser tolerado na imprensa católica; ele defendeu com sucesso a proibição episcopal da impressão de propaganda nacional-socialista em jornais católicos. 

O compromisso com a verdade e a humanidade também é extremamente perigoso em nossos tempos de desinformação e polarização.

Ele pagou com a vida por essas ações corajosas: no início de 1942, o padre Tito foi preso pelas forças de ocupação e, consequentemente, enviado para o campo de concentração de Dachau. Lá, em 26 de julho do mesmo ano, foi morto por uma injeção, no domingo em que os bispos holandeses fizeram seu corajoso protesto contra as deportações de judeus lidos em todas as igrejas.

Nós, jornalistas católicos, reconhecemos em Titus Brandsma um colega profissional e companheiro de fé de posição considerável. Alguém que compartilhou a missão mais profunda que deve impulsionar o jornalismo nos tempos modernos: a busca da verdade e da veracidade, a promoção da paz e o diálogo entre as pessoas.

Por isso, o vemos como amigo e defensor de toda a nossa profissão, aliás, um santo padroeiro do jornalismo. Gostaríamos, portanto, de pedir-lhe com ousadia que oficialize o ofício desta padroeira. 

O atual padroeiro do jornalismo é Francisco de Sales. É sem dúvida um homem santo de fé e de grande mérito, mas não era jornalista no sentido moderno da palavra. Tito Brandsma era.

E como dissemos, ele deu a vida por isso. A nosso ver, isso o torna particularmente adequado para esse patrocínio. Segundo a UNESCO, em 2021, nada menos que 55 jornalistas morreram em todo o mundo enquanto realizavam seu trabalho. Muitos mais tiveram que lidar com violência, ameaças, repressão, censura e perseguição. O compromisso com a verdade e a humanidade é extremamente perigoso nestes tempos de desinformação e polarização. Isso requer urgentemente um intercessor santo que tenha experimentado isso pessoalmente - e passado pela provação com louvor.

Agradecemos sua gentileza em considerar este pedido.

Conheceu vriendelijke groeten,

 

Iniciadores:

Anton de Wit, editor-chefe Katholiek Nieuwsblad (Holanda)

Hendro Munsterman, correspondente do Vaticano, Nederlands Dagblad (Holanda)

Emmanuel Van Lierde, editor-chefe e vaticanista Tertio (Bélgica)

Wilfred Kemp, apresentador de rádio e TV, KRO-NCRV (Holanda)


Co-signatários:

Valentina Alazraki, jornalista Noticieros Televisa (México)

Junno Arocho Esteves, jornalista Catholic News Service (Estados Unidos)

Loup Besmond de Senneville, correspondente no Vaticano para La Croix (França)

Anita Bourdin, jornalista ZENIT e Rádio Esperance (França)

Giusi Brega, jornalista LaPresse (Itália)

Jan Brouwers, jornalista freelance (Holanda)

Maria Antonietta Calabro, jornalista Huffpost.it (Itália)

Cristiana Caricato, jornalista TV2000 (Itália)

Salvatore Cernuzio, correspondente do Vaticano Jornal Católico e jornalista do Vatican News (Itália)

Camille Dalmas, jornalista I-Media (França)

Vincent Delcorps, editor-chefe do diretor CathoBel/Dimanche (Bélgica)

Charles Delhez sj, ex-editor-chefe Dimanche (Bélgica)

Robin van Deutekom, jornalista Nederlands Dagblad (Holanda)

Selinde van Dijk-Kroesbergen, editora web Katholiek Nieuwsblad (Holanda)

Peter Doorakkers, jornalista Katholiek Nieuwsblad (Holanda)

Luuk van den Einden, jornalista Katholiek Nieuwsblad (Holanda)

Stefania Falasca, jornalista e colunista Avvenire (Itália)

Eva Fernández, correspondente do Vaticano e Roma Cadena Cope (Espanha)

Leo Fijen, diretor/editor Adveniat e apresentador de televisão KRO-NCRV (Holanda)

Thulio Fonseca, jornalista e correspondente da TV Canção Nova (Brasil)

Andrea Gagliarducci, jornalista EWTN (Itália)

Filippo Di Giacomo, jornalista Il Venerdì (Itália)

Alexey Gotovskiy, jornalista EWTN (Itália)

Pierre Granier, jornalista CathoBel/Dimanche (Bélgica)

Christian van der Heijden, vaticanista KRO-NCRV (Holanda)

Christophe Herinckx, jornalista CathoBel/Dimanche (Bélgica)

Michiel van Hout, jornalista de cinema Nederlands Dagblad e De Nieuwe Koers (Holanda/Reino Unido)

Ignazio Ingrao, jornalista Tg1 Rai (Itália)

Antoine-Marie Izoard, diretor Famille Chrétienne (França)

Salvatore Izzo, diretor FarodiRoma.it (Itália)

Martin Janssen, correspondente no Oriente Médio Katholiek Nieuwsblad (Holanda)

Andjela Jelicic Krajcar, correspondente do Vaticano HRT (Croácia)

Susanne Kurstjens-van den Berk, jornalista Katholiek Nieuwsblad (Holanda)

Clément Laloyaux, jornalista CathoBel/Dimanche (Bélgica)

Christopher Lamb, jornalista e autor, correspondente do Vaticano The Tablet (Reino Unido)

Benoit Lannoo, publicitário freelance (Bélgica)

Joan Lewis, Contribuinte Especial EWTN (Estados Unidos)

Manu Van Lier, jornalista CathoBel/Dimanche (Bélgica)

Vania De Luca, jornalista Tg3 (Itália)

Jonathan Luxmoore, jornalista freelancer (Reino Unido)

Carlo Marino, jornalista Agência Europeia de Notícias (Alemanha)

Javier Martínez-Brocal, correspondente do Vaticano ABC (Espanha)

Mirticeli Medeiros, correspondente do Dom Total em Roma e no Vaticano (Brasil)

Carmen Monton Lecumberri, jornalista freelance (Holanda)

Remco van Mulligen, jornalista Nederlands Dagblad (Holanda)

Sara Nesci, jornalista RaiNews (Itália)

Michela Nicolais, jornalista Agenzia SIR (Itália)

Stefano Maria Paci, chefe do noticiário de televisão SkyTg 24 (Itália)

Francesco Paloni, jornalista Katholiek Nieuwsblad (Holanda)

Francesca Paltracca, jornalista de rádio Rai (Itália)

Maria Rita Pasqualucci, ex-jornalista RaiNews (Itália)

Ludwig Ring-Eifel, editor-chefe da KNA (Alemanha)

Alicia Romay, jornalista Huffpost / La Razón (Espanha)

Enzo Romeo, editor-chefe e vaticanista Tg2-Rai (Itália)

Ines San Martin, chefe do escritório de Roma, Crux (Argentina/Itália)

Christoph Strack, jornalista Deutsche Welle (Alemanha)

Angélique Tasiaux, jornalista CathoBel/Dimanche (Bélgica)

Paola Testoni-de Groot, jornalista freelance (Holanda)

Erik Thijssen, jornalista freelance (Holanda)

Annachiara Valle, jornalista Famiglia Cristiana (Itália)

Frederique Vanneuville, jornalista Tertio (Bélgica)

Hettie van der Ven, jornalista freelance (Holanda)

Ludwig De Vocht, jornalista Tertio (Bélgica)

Andrea Vreede, jornalista NOS News (Holanda)

Ary Waldir Ramos, correspondente em Roma Aleteia.org (Itália)

Sylvie Walraevens, jornalista Tertio (Bélgica). Fonte: https://www.nd.nl/geloof/katholiekinside

 

 

1) Oração

Ó Deus, que recompensais os méritos dos justos e perdoais aos pecadores que fazem penitência, sede misericordioso para conosco: fazei que a confissão de nossas culpas alcance o vosso perdão. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

2) Leitura do Evangelho (João 5, 17-30)

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo, segundo Lucas - Naquele tempo, 26No sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, 27a uma virgem desposada com um homem que se chamava José, da casa de Davi e o nome da virgem era Maria. 28Entrando, o anjo disse-lhe: Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo. 29Perturbou-se ela com estas palavras e pôs-se a pensar no que significaria semelhante saudação. 30O anjo disse-lhe: Não temas, Maria, pois encontraste graça diante de Deus. 31Eis que conceberás e darás à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus. 32Ele será grande e chamar-se-á Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi; e reinará eternamente na casa de Jacó, 33e o seu reino não terá fim. 34Maria perguntou ao anjo: Como se fará isso, pois não conheço homem? 35Respondeu-lhe o anjo: O Espírito Santo descerá sobre ti, e a força do Altíssimo te envolverá com a sua sombra. Por isso o ente santo que nascer de ti será chamado Filho de Deus. 36Também Isabel, tua parenta, até ela concebeu um filho na sua velhice; e já está no sexto mês aquela que é tida por estéril, 37porque a Deus nenhuma coisa é impossível. 38Então disse Maria: Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra. E o anjo afastou-se dela. - Palavra da salvação.

 

3) Reflexão

O Evangelho de João è diferente dos outros três. Ele revela uma dimensão mais profunda que só a fé consegue perceber nas palavras e gestos de Jesus. Os Padres da Igreja diziam que o Evangelho de João é “espiritual”, revela aquilo que o Espírito faz descobrir nas palavras de Jesus (cf. Jo 16,12-13). Um exemplo bonito desta dimensão espiritual do evangelho de João é o trecho que meditamos hoje.

João 5,17-18Jesus explicita o significado profundo da cura do paralítico. Criticado pelos judeus por ter feito uma cura em dia de sábado, Jesus responde: “Meu Pai trabalha até agora e por isso eu também trabalha!”. Os judeus ensinavam que em dia de sábado não se podia trabalhar, pois até o próprio Deus descansou e não trabalhou no sétimo dia da criação (Ex 20,8-11). Jesus afirma o contrário. Ele diz que o Pai não parou de trabalhar até agora. Por isso, ele, Jesus, também trabalha, mesmo em dia de sábado. Ele imita o Pai! Para Jesus, a obra criadora não terminou. Deus continua trabalhando, sem cessar, dia e noite, sustentando o universo e a todos nós. Jesus colabora com o Pai dando continuidade à obra da criação, para que um dia todos possam entrar no repouso prometido. A reação dos judeus foi violenta. Querem matá-lo por dois motivos: por negar o sentido do sábado e por se dizer igual a Deus.

João 5,19-21: É o amor que deixa transparecer a ação criadora de Deus. Estes versículos revelam algo do mistério do relacionamento entre Jesus e o Pai. Jesus, o filho, vive em atenção permanente diante do Pai. Aquilo que vê o Pai fazer, ele também faz. Jesus é o reflexo do Pai. É a cara do Pai! Esta atenção total do Filho ao Pai, faz com que o amor do Pai possa entrar totalmente no Filho e, através do Filho, realizar a sua ação no mundo. A grande preocupação do Pai é vencer a morte e fazer viver. A cura do paralítico foi uma forma de tirar as pessoas da morte e faze-las viver. É uma forma de dar continuidade à obra criadora do Pai.

João 5,22-23: O Pai não julga, mas confiou o julgamento ao filho. O decisivo na vida é a maneira como nós nos situamos frente ao Criador, pois dele dependemos radicalmente. Ora, o Criador se faz presente para nós em Jesus. Em Jesus habita a plenitude da divindade (cf. Col 1,19). Por isso, é na maneira como nos definimos diante de Jesus, que expressamos nossa posição frente ao Deus Criador. O que o Pai quer é que o conheçamos e honremos na revelação que Ele fez de si mesmo em Jesus.

João 5,24: A vida de Deus em nós através de Jesus. Deus é vida, é força criadora. Onde ele se faz presente, a vida renasce. Ele se faz presente através da Palavra de Jesus. Quem escuta a palavra de Jesus como sendo de Deus já está ressuscitado. Já recebeu o toque vivificante que o leva para além da morte. Já passou da morte para a vida. A cura do paralítico é a prova disso.

João 5,25-29: A ressurreição já está acontecendo. Os mortos somos todos nós que ainda não nos abrimos para a voz de Jesus que vem do Pai. Mas “vem a hora, e é agora, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus e os que o ouvirem viverão”. Com a palavra de Jesus, vinda do. Pai, iniciou-se a nova criação. Ela já está em andamento. A palavra criadora de Jesus vai atingir a todos, mesmo os que já morreram. Eles ouvirão e viverão.

João 5,30: Jesus é o reflexo do Pai. “Por mim mesmo nada posso fazer, eu julgo segundo o que ouço, e meu julgamento é justo, porque não procuro fazer a minha vontade, mas sim a vontade daquele que me enviou”. Esta frase final é o resumo de tudo que foi refletido anteriormente. Esta era a compreensão que as comunidades da época de João tinham e irradiavam a respeito de Jesus.

 

4) Para um confronto pessoal

1) Como você imagina o relacionamento entre Jesus e o Pai?

2) Como você vive a fé na ressurreição?

 

5) Oração final

O SENHOR é clemente e misericordioso, lento para a ira e rico de graça. O SENHOR é bom para com todos, compassivo com todas as suas criaturas. (Sl 144, 8-9)

 

 

O holandês Titus Brandsma morreu em um campo de concentração na Alemanha, em 1942

 

Escrito por Guilherme Gomes

Carmelita, professor e jornalista atuante contra o nazismo. Estas são as credenciais do holandês Titus Brandsma, que será canonizado pelo Papa Francisco em 15 de maio, de acordo com a Santa Sé.

Ele será o primeiro jornalista profissional reconhecido como santo pela Igreja Católica.

Em meados dos anos 1930, Brandsma usou uma rede de jornais católicos para defender a liberdade de informação e a dignidade de cada pessoa, e também condenar as ideologias nazistas, das quais criticou duramente a abordagem anti-humana.

Padre Tito, como era mais conhecido, foi preso em janeiro de 1942, como um perigoso subversivo e levado para Amersfoort, um "campo de trânsito" à espera da deportação.

O holandês morreu em 26 de julho de 1942, aos 61 anos, em um campo de concentração na Alemanha. A enfermeira que injetou o ácido fênico no jornalista relatou seus últimos momentos de vida, durante o interrogatório do processo de canonização.

"Ele pegou minha mão e disse: 'Pobre jovem que você é, eu rezarei por você!'". O processo de canonização atrasou por causa da pandemia de Covid-19.

Em 3 de setembro de 1985, João Paulo II o proclamou beato e mártir da fé. Agora, com Francisco, ele se torna santo.

O milagre atribuído à sua intercessão foi a cura de um sacerdote carmelita de um melanoma metastático dos linfonodos, em 2004, em Palm Beach, na Flórida (EUA). Fonte: https://www.a12.com/redacaoa12

 

O Santo Padre presidiu o Consistório Ordinário Público para três beatos: além do carmelita holandês Titus Brandsma, morto em Dachau, serão também canonizadas a religiosa francesa Maria Rivier e a religiosa italiana Maria de Jesus.

 

Salvatore Cernuzio/Mariangela Jaguraba – Vatican News

O Papa Francisco presidiu a Hora Terça e o Consistório Ordinário Público para a votação de algumas Causas de Canonização, na manhã desta sexta-feira (04/03), na Sala do Consistório, no Vaticano.

"Rezarei por você". O carmelita Titus Brandsma pronunciou estas três palavras, as últimas de sua vida, à enfermeira que, por ordem das autoridades nazistas do campo de concentração de Dachau, aplicou nele uma injeção letal. Um perdão, manifestado pelo religioso, professor e jornalista, em seus últimos instantes de vida, na conclusão de uma vida de santidade traduzida em coragem e determinação durante os anos sombrios da invasão nazista.

Santidade que agora é reconhecida pela Igreja, que o canonizará em 15 de maio próximo, junto com duas religiosas, a francesa Maria Rivier e a italiana Maria de Jesus, numa grande cerimônia, na Praça São Pedro, que também elevará à honra dos altares sete beatos, cuja canonização foi decretada pelo Papa no Consistório de 3 de maio de 2021, sem fixar uma data por causa da pandemia. A cerimônia foi então marcada para maio. Dentre os beatos está também Charles De Foucauld, religioso francês e explorador do Saara e da cultura tuaregue, ponte de diálogo entre as religiões.

Dez novos santos em 15 de maio

Em 15 de maio, serão dez os novos santos proclamados pelo Papa Francisco. No início da cerimônia desta sexta-feira (04/03), o prefeito da Congregação das Causas dos Santos, cardeal Marcello Semeraro, leu os nomes e apresentou um breve perfil dos três beatos, "irmãos e irmãs que acolheram a luz de Deus em seus corações e a transmitiram ao mundo, cada um de acordo com sua própria tonalidade". "Os milagres a eles atribuídos e reconhecidos pelo Papa", acrescentou o cardeal, "são um sinal de que o povo de Deus não só admirou o seu martírio ou o exercício heroico de suas virtudes, mas também reconheceu sua proximidade a Deus a ponto de confiar na intercessão deles".

 

Brandsma, professor e jornalista contra o nazismo

"Homem manso, mas determinado", Brandsma, natural da Holanda, onde a devoção a ele é profunda e difundida, em virtude do papel de assistente eclesiástico dos jornalistas católicos, assim nomeado pelos bispos holandeses, em 1935, utilizou a rede de jornais católicos para defender a liberdade de informação e a dignidade de cada pessoa e condenar as ideologias nazistas, das quais criticou duramente a abordagem anti-humana. Os seus corajosos escritos tornaram-se um ponto de referência para a resistência moral e cultural do povo holandês, mas entraram em choque com o Reich, que temia "aquele professor maligno", como dizia a manchete do jornal berlinense Fridericus, que decidiu silenciá-lo.

O pretexto foi a carta circular Brandsma enviada, em 31 de dezembro de 1941, a todos os jornais católicos, exortando-os a não publicar anúncios do Movimento Nacional Socialista que exaltava a "raça". Caso contrário, dizia, "eles não deverão mais ser considerados católicos e não deverão e não poderão contar com os leitores e assinantes católicos". Padre Tito foi preso, em janeiro de 1942, como um perigoso subversivo e levado para Amersfoort, um "campo de trânsito" à espera da deportação. Os detalhes de seus dias de prisão são conhecidos graças a um diário e algumas cartas enviadas aos superiores, confrades, familiares e amigos. Nelas, o carmelita descreveu o espaço pequeno de sua cela, os maus-tratos, sem expressar tristeza ou reclamações. Embora impossibilitado de receber a comunhão, ele dizia sentir-se em casa na prisão, porque Deus estava ao seu lado.

 

Morte em Dachau

Ele manteve a mesma serenidade até sua morte ocorrida, em Dachau, através de uma injeção de veneno. A enfermeira que o injetou o ácido fênico relatou seus últimos momentos de vida, durante o interrogatório do processo de canonização: "Ele pegou minha mão e disse: 'Pobre jovem que você é, eu rezarei por você!" A viagem terrena de Brandsma concluiu-se, em 26 de julho de 1942, aos 61 anos. Em 3 de setembro de 1985, João Paulo II o proclamou beato e mártir da fé. Agora, com Francisco, ele se tornará santo. O milagre atribuído à sua intercessão foi a cura de um sacerdote carmelita de um "melanoma metastático dos linfonodos", em 2004, em Palm Beach (EUA).

 

Maria Rivier, uma vida dedicada à educação

Com Brandsma, será canonizada a francesa Maria Rivier. Sua santidade foi cultivada desde o tempo em que criança, que sofria de uma doença que a impedia de andar, prometeu à Virgem Maria que, se fosse curada, dedicaria sua vida à educação das crianças. Ela foi curada e aos 18 anos abriu uma escola para crianças em sua cidade natal. Na época da Revolução Francesa, tão hostil à religião católica e suas instituições, seu carisma fundador floresceu: a jovem fundou a Congregação das Irmãs da Apresentação de Maria. As irmãs se dedicaram não somente à formação religiosa e educação das jovens, mas também a um verdadeiro apostolado para o despertar da fé e da prática religiosa nas paróquias onde as pessoas se reuniam todos os domingos, explicando a doutrina e convidando-as à oração. Maria Rivier morreu em 3 de fevereiro de 1738 e foi beatificada por João Paulo II, em 1982. O milagre atribuído à sua intercessão diz respeito à recuperação vital, em 2013, de um menino de Meru, no Quênia, que nasceu não obstante a "ausência prolongada de atividade cardíaca, respiratória e neurológica".

 

Maria de Jesus, a "senhora" a serviço dos pobres e dos pequenos

Maria de Jesus, fundadora das Irmãs Capuchinhas da Imaculada de Lourdes, nasceu em Palermo sob o nome de Carolina Santocanale, em uma família rica. Na casa de seus avós em Monreale, ela viu a necessidade de seu povo por assistência e educação. Então, abandonou a ideia de uma vida de clausura, que cultivava desde menina, e se colocou a serviço da população, que a chamava de "senhora", mas que admirava sua humildade. Ela abraçou a espiritualidade franciscana e tornou-se terciária. Reuniu outras jovens que queriam passar a vida ajudando o próximo. Estabeleceu-se na cidade de Cinisi, onde, no oratório, abriu um jardim de infância, um educandário e uma oficina de costura. Trabalhou até o último de seus dias e morreu ao final de um dia cansativo, em 1923. O milagre de sua canonização diz respeito a duas gravidezes levadas a termo, entre 2016 e 2017, por uma mulher siciliana que sofria de uma doença grave que havia causado sua infertilidade.

 

Nove cardeais elevados à Ordem dos Persbíteros

No final do Consistório, seguiu-se a elevação de nove cardeais da Ordem dos Diáconos à Ordem dos Presbíteros. Eles são os cardeais Manuel Monteiro de Castro, (Diaconia de Domenico di Guzmán); Santos Abril y Castelló, (San Ponziano); Antonio Maria Vegliò, (San Cesareo in Palatio); Giuseppe Bertello, (Santissimi Vito, Modesto e Crescenzia); Francesco Coccopalmerio, (San Giuseppe dei Falegnami); João Braz de Aviz, (Santa Elena fora de Porta Prenestina); Edwin Frederick O'Brien, (San Sebastiano al Palatino); Domenico Calcagno, (Anunciação da Santíssima Virgem na Via Ardeatina); Giuseppe Versaldi, (Sagrado Coração de Jesus em Castro Pretório). Fonte: https://www.vaticannews.va

Fotos e fatos do 4º Dia da Novena de Nossa Senhora da Conceição em Angra dos Reis/RJ, Diocese de Itaguaí. Celebrante nesta quinta-feira, dia 2- Frei Eduardo Ferreira, O. Carm- Frade Carmelita do Carmo da Lapa, Rio. Convento do Carmo de Angra dos Reis/RJ. 3 de dezembro-2021. Câmera: Frei Petrônio de Miranda, O. Carm

 

Promulgação de decretos para novos Servos de Deus, Beatos e Santos

O Papa autorizou os decretos sobre as virtudes heroicas de Odette Vidal e de outros cinco Servos de Deus. Também foram reconhecidos os milagres de dois beatos que serão santos: o beato Tito Brandsma sacerdote que morreu no campo de concentração de Dachau e a Beata Maria de Jesus, religiosa italiana. E serão beatificados por reconhecimento do martírio cinco sacerdotes franceses, mortos em 1871 em ódio à fé em Paris

 

Frei Tito Brandsma: Em Bolsward, povoado holandês de 10.000 habitantes, do matrimônio de Tito e Postma, em 23/02/ 1881, vinha ao mundo “o quinto” de seis filhos com que o Senhor abençoou aqueles pais cristãos. Desde menino deu provas de uma preclara inteligência e de um coração de ouro, ainda encerradas em um corpo franzino e debilitado.

Aos 17 anos vestiu o hábito do Carmelo exclamando: “a espiritualidade do Carmelo que é vida de oração e de terna devoção a Maria, me levaram à feliz decisão de abraçar esta vida. O espírito do Carmelo me fascinou!”. Emitiu seus votos religiosos em 03/10/1899 e se ordenou sacerdote em 17/ 06/1905.

Cursou brilhantemente seus estudos, primeiro em sua Pátria e depois passou a Roma, onde se doutorou em filosofia. Retornando à Holanda, se entregou de cheio a toda classe de apostolado: escreveu livros e artigos em várias revistas; dá aulas dentro e fora do convento; prega e dirige cursilhos; organiza congressos; confessa e administra outros sacramentos. Todos se admiram de como pode chegar a todos os lugares (a todas as partes). E do que mais se admiram é que, antes de tudo, é religioso observante, alma de profunda oração, fervoroso sacerdote e profundamente sensível e humilde.

Foi cofundador da Universidade Católica de Nimega, catedrático e reitor magnífico da mesma. Assessor religioso de todos os editores de periódicos (revistas, jornais) da Holanda, em cujo campo trabalhou com grande zelo e acerto. Era a pessoa pública mais conhecida da Holanda.

No jardim de sua alma floresceram todas as virtudes. É um enamorado de Jesus Cristo, da Virgem Maria e de sua Ordem do Carmo.

Na tarde de segunda-feira, 19 de janeiro de 1942, foi capturado pelos “SS” nazistas e encarcerado em vários campos de concentração. Seis longos meses de calvário, sobretudo no “inferno” de Dachau (campo de concentração tão terrível como o de Auchwitz). Por fim, por seu grande amor à Igreja e a seus irmãos, no domingo, dia 26 de julho de 1942, seu corpo caía por terra, como o “grão de trigo” do Evangelho, por obra de uma injeção mortal de ácido fênico. Todos no campo repetiam: “morreu um santo!”

Padre Tito Brandsma, em seus meses de prisão, sempre se conservou sereno, levando a todos a bondade e o amor que ardiam em seu coração. Foi um “anjo” para os demais prisioneiros, já acabrunhados e desesperados por tanto sofrimento. A própria enfermeira alemã que lhe aplicou a injeção mortal, mais tarde, no processo de beatificação, testemunhou emocionada a mansidão e a paz conservadas por nosso querido Beato.

Foi beatificado por Sua Santidade São João Paulo II, em 03 de novembro de 1985. Sua festa é celebrada no dia 27 de julho.

Com informações: www.vaticannews.va; https://institutohesed.org.br

O Papa autorizou os decretos sobre as virtudes heroicas de Odette Vidal e de outros cinco Servos de Deus. Também foram reconhecidos os milagres de dois beatos que serão santos: o beato Tito Brandsma sacerdote que morreu no campo de concentração de Dachau e a Beata Maria de Jesus, religiosa italiana. E serão beatificados por reconhecimento do martírio cinco sacerdotes franceses, mortos em 1871 em ódio à fé em Paris

Vatican News

O decreto da Congregação para as Causas dos Santos assinado pelo Papa em 25 de novembro de 2021 autorizou o reconhecimento das virtudes heroicas de seis novos Servos de Deus. Além de ser reconhecidas as virtudes heroicas da brasileira Odette Vidal, fiel leiga; nascida em 18 de fevereiro de 1931 no Rio de Janeiro e falecida em 25 de novembro de 1939, foram também reconhecidas as virtudes heroicas dos seguintes Servos de Deus:

 

Padre Tonino Bello, Bispo de Molfetta; nascido em 18 de março de 1935 em Alessano (Itália) e falecido em 20 de abril de 1993 em Molfetta (Itália);

 

João de Jesus Maria (nome de nascimento: João de San Pedro e Ustarroz), sacerdote professo da Ordem dos Carmelitas Descalços; nascido em 27 de janeiro de 1564 em Calahorra (Espanha) e falecido em 28 de maio de 1615 em Monte Compatri (Itália);

 

Giorgio Guzzetta, Sacerdote da Confederação do Oratório de São Felipe Neri; nascido em 23 de abril de 1682 em Piana dei Greci (hoje Piana degli Albanesi, Itália) e falecido em 21 de novembro de 1756 em Partinico (Itália);

 

Natalina Bonardi (nome de nascimento: Maria), fundadora da Congregação das Irmãs de Santa Maria de Loreto; nascida em 4 de dezembro de 1864 em Cuneo (Itália) e falecida em 25 de julho de 1945 em Vercelli (Itália);

 

Maria Dositea Bottani (nome de nascimento: Maria Domenica), Superiora Geral da Congregação das Irmãs Ursulinas da Imaculada Virgem Maria de Gandino; nascida em 31 de maio de 1896 em Pianca (Itália) e falecida em 2 de setembro de 1970 em Bérgamo (Itália).

Também serão declarados Santos pelo reconhecimento do milagre atribuído à sua intercessão:

 

Beato Tito Brandsma (nome de nascimento: Anno Sjoerd), sacerdote professo da Ordem dos Carmelitas; nascido em 23 de fevereiro de 1881 em Bolsward (Holanda) e morto em ódio à fé em 26 de julho de 1942 em Dachau (Alemanha);

 

Beata Maria de Jesus (nome de nascimento Carolina Santocanale), fundadora da Congregação das Irmãs Capuchinhas da Imaculada de Lourdes; nascida em 2 de outubro de 1852 em Palermo (Itália) e falecida em 27 de janeiro de 1923 em Cinisi (Itália);

Por fim, serão Beatificados por reconhecimento do martírio os Servos de Deus:

Henry Planchat, sacerdote professo do Instituto dos Religiosos de São Vicente de Paulo, Ladislau Radigue e 3 Companheiros, sacerdotes professos da Congregação dos Sagrados Corações de Jesus e Maria, e da Perpétua Adoração do Santíssimo Sacramento; mortos em ódio à fé em 26 de maio de 1871 em Paris (França). Fonte: https://www.vaticannews.va