É preciso desligar a violência

Quero reparar no passo da moça na calçada, na graça do menino que descobre um ninho, no entregador que assovia no seu triciclo desconjuntado

 

LEO AVERSA

A notícia já era repugnante por escrito: um procurador espancou a colega de trabalho. Não vieram, porém, só palavras, tinha mais: o vídeo registrando de forma explícita a covardia.

Me desculpem, mas, para mim, foi demais.

As notícias abomináveis têm aparecido em sequência: a câmara de gás portátil em Sergipe, o assassinato de Bruno Pereira e Dom Phillips, o estupro da menor em Santa Catarina. A gente sabe que não vai parar por aí. Como reagir? O quanto podemos tolerar? Quando o vídeo covarde e violento começou, parei no primeiro soco.

Já não consigo.

Sim, sei que a indignação pública é fundamental e que sem ela a Justiça não vai para a frente. Deixar quieto é garantia de impunidade. Também sei que sou um privilegiado, dos que têm contato com a violência muito mais pelas telas do que ao vivo.

Sim, tenho consciência.

Porém, de tão informado, de tantas notícias trágicas nas palmas das mãos e imagens violentas ao alcance dos olhos, de tanto ver o que não gostaria de ter visto, ando querendo desligar a realidade. Ao menos essa da desgraça e dor em 4k e 120Hz. Às vezes me sinto como aquele personagem de “Laranja mecânica”, obrigado a ver cenas violentas até não aguentar mais.

O quanto a gente consegue aguentar? Vale a pena?

Talvez esteja me juntando aos que evitam notícias ruins. São cada vez mais, diz uma pesquisa do Instituto Reuters feita em vários países. Sim, o Brasil está na frente. Talvez não se trate de alienação, muito menos desinteresse, mas de sobrevivência. Buscar abrigo para o excesso de maldade e estupidez. O leitor deve estar se perguntando se funciona, se não é tapar o sol com a peneira ou enterrar a cabeça na areia. É sensato ignorar o horror?

Quando era adolescente e ouvia minha avó reclamar das notícias ruins nas páginas, na TV, achava que isso era uma atitude sem sentido, coisa de velho. Hoje percebo a antiga sabedoria. Não dá para viver cercado de crueldade e selvageria. Mais cedo ou mais tarde você acaba se tornando indiferente à barbárie. Quando se dá conta, virou um daqueles haters que apareceram na coluna da semana passada. Melhor não.

Quero andar tranquilo.

Em vez de passar os dias angustiado com as imagens das atrocidades que se repetem, de ver o que já não consigo desver, melhor desligar a tomada, esquecer o que nunca vai dar certo e sair na rua off-line, despreocupado.

Quero reparar no passo da moça na calçada, na graça do menino que descobre um ninho de bem-te-vi, no entregador que assovia a melodia das ruas no seu triciclo desconjuntado. Rir de uma bobagem inocente e passageira, me comover com um sentimento eterno esquecido em alguma esquina. Quero redescobrir o encanto do cotidiano, do afeto do dia a dia, para escrever sobre o que não aparece nas primeiras páginas.

Acho que não precisa de muito.

É só desligar na hora certa, esquecer o horror das imagens que vão pelas telas e cuidar do que vai pelos cantos da alma, do que me restou dela. Para notar que o inverno está aí, que há dias de frio e outros não, que logo vão começar a florescer os ipês.

É o que anuncia a primavera que vai chegar. Fonte: https://oglobo.globo.com

Prisão, determinada pela Justiça, ocorre em meio a investigação de esquema para liberação de verbas do MEC. Pastores que intermediavam liberações também são alvo de operação.

 

Por Márcio Falcão e Wellington Hanna, TV Globo — Brasília

A Polícia Federal prendeu na manhã desta quarta-feira (22) o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro. Ele é investigado por corrupção passiva, prevaricação, advocacia administrativa e tráfico de influência por suposto envolvimento em um esquema para liberação de verbas do MEC.

A TV Globo apurou que os pastores Gilmar Santos e Arilton Moura também são alvos da operação deflagrada pela PF nesta quarta. Eles são investigados por atuar informalmente junto a prefeitos para a liberação de recursos do Ministério da Educação.

Em áudio divulgado em março, Ribeiro afirma que o presidente Jair Bolsonaro pediu a ele que os municípios indicados pelos dois pastores recebessem prioridade na liberação de recursos. Prefeitos disseram em depoimento que eles exigiram propina.

Uma fonte da PF em São Paulo disse à TV Tribuna que Milton Ribeiro foi preso em Santos e que ele deve ser levado para Brasília. Segundo o porteiro do prédio em que ele mora, o ex-ministro foi levado por volta das 7h.

Até a última atualização desta reportagem ainda não havia confirmação da prisão dos pastores Santos e Moura.

 

Investigação

A PF investiga Ribeiro por suposto favorecimento aos pastores Gilmar Santos e Arilton Moura e a atuação informal deles na liberação de recursos do ministério. Há suspeita de cobrança de propina. O inquérito foi aberto após o jornal "O Estado de S. Paulo" revelar, em março, a existência de um "gabinete paralelo" dentro do MEC controlado pelos pastores. Dias depois, o jornal "Folha de S.Paulo" divulgou um áudio de uma reunião em que Ribeiro afirmou que, a pedido de Bolsonaro, repassava verbas para municípios indicados pelo pastor Gilmar Silva.

"Foi um pedido especial que o presidente da República fez para mim sobre a questão do [pastor] Gilmar", disse o ministro no áudio. "Porque a minha prioridade é atender primeiro os municípios que mais precisam e, segundo, atender a todos os que são amigos do pastor Gilmar", complementou Ribeiro.

Após a revelação do áudio, Ribeiro deixou o comando do Ministério da Educação. Em depoimento à PF no final de março, Ribeiro confirmou que recebeu o pastor Gilmar à pedido o presidente Jair Bolsonaro. No entanto, ele negou que tenha ocorrido qualquer tipo favorecimento. Registros do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) apontam dezenas de acessos dos dois pastores a gabinetes do Palácio do Planalto.

Em vídeo, o presidente Jair Bolsonaro chegou a dizer que botava "a cara no fogo" por Ribeiro e que as denúncias contra o ex-ministro eram "covardia". Já nesta quarta, questionado sobre a prisão do ex-ministro pela PF, Bolsonaro afirmou que Ribeiro é quem deve responder por eventuais irregularidades à frente do MEC.

"Ele responde pelos atos dele", afirmou Bolsonaro em entrevista à rádio Itatiaia. O presidente disse ainda que "se a PF prendeu, tem motivo." O caso envolve suspeitas de corrupção. Prefeitos denunciaram pedidos de propina – em dinheiro e em ouro – em troca da liberação de recursos para os municípios. Milton Ribeiro disse que pediu apuração dessas denúncia à Controladoria-Geral da União.

 

Tráfico de influência

De acordo com apuração da TV Globo, a operação deflagrada nesta quarta investiga a prática de tráfico de influência e corrupção na liberação de verbas do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), ligado ao Ministério da Educação. Fonte: https://g1.globo.com

Bulas indicam que reações leves podem ocorrer em cerca de 10% dos imunizados

 

Mulher toma dose de vacina contra Covid-19 - Alex Rocha/PMPA

 

Samuel Fernandes

 

Com a recomendação da quarta dose de vacina contra Covid-19 para os maiores de 40 anos, podem surgir dúvidas acerca de efeitos colaterais dos imunizantes.

Afinal, quais são as reações esperadas para esses produtos? A quarta dose —ou segundo reforço— pode trazer alguma reação específica? Por que os efeitos colaterais ocorrem?

A Folha conversou com especialistas para responder a essas e a outras perguntas comuns.

 

Quais reações são esperadas quando alguém se vacina contra a Covid?

Os principais efeitos das quatro vacinas utilizadas no Brasil –Coronavac, Janssen, Pfizer e Astrazeneca– são dor no local da aplicação, sensação febril, mal-estar, dor no corpo e quadro gripal. Normalmente, esses sintomas desaparecem em até 24 horas, no máximo podendo durar dois dias.

Reações como essas já são conhecidas para outros imunizantes e remédios. "Sugiro ler a bula de alguns antitérmicos para ver as reações que alguns deles podem causar", afirma Isabella Ballalai, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (Sbim).

Além disso, não são todas as pessoas que apresentam esses sintomas. De acordo com a bula dos imunizantes, a maior parte desses sintomas mais leves pode ser sentida em torno de 10% daqueles que utilizam os medicamentos.

"A maioria das pessoas não têm nada, e são reações absolutamente normais e significam simplesmente que o sistema imune está reagindo com a vacina", diz Cristina Bonorino, imunologista e professora titular da UFCSPA (Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre).

Algumas reações mais incomuns podem ocorrer. Consta da bula da vacina da Pfizer, por exemplo, que de 0,1% a 1% de pessoas que utilizaram o imunizante apresentaram insônia, cansaço físico intenso, suor noturno ou urticária (alergia da pele com forte coceira).

Assim como a Pfizer, as outras três vacinas podem ter reações adversas muito incomuns. "Nenhuma delas causa problemas importantes", afirma Marcos Boulos, professor de infectologia da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo).

 

A quarta dose de uma vacina pode trazer algum efeito colateral diferente de outras aplicações?

Não existem evidências de que uma quarta dose resulte em efeitos diferentes dos que já foram vistos anteriormente. Dessa forma, mantém-se o que já se sabe e é documentado nas bulas dos produtos.

"Normalmente, a cada dose de vacina, não só da Covid, a chance de evento adverso é menor. A primeira dose normalmente é a mais reatogênica", diz Ballallai.

Casos em que esses efeitos podem acontecer em doses adicionais, como na quarta aplicação, são normalmente quando se utiliza uma vacina diferente das outras já aplicadas —esquema chamado de heterólogo.

"O esquema heterólogo pode ter mais eventos adversos, mas são reações leves", acrescenta Ballallai.

 

 

 

Por que as vacinas podem causar efeitos colaterais?

Muitas vezes, entende-se que sentir alguma reação após a vacinação significa que o imunizante está funcionando. A realidade, no entanto, não é tão simples assim.

"O fato de ter um efeito adverso em geral é um indicativo de que a vacina está funcionando, mas, se não sentir isso, não significa que a vacina não funciona", afirma Bonorino.

Ela explica que cada pessoa tem a chamada resposta inata, "que é uma inflamação inicial que precede toda a resposta que vai gerar memória imunológica". Acontece que algumas pessoas podem ter maior sensibilidade a sentir os sintomas e outras nem tanto.

Outro fator que influencia o surgimento de reações é a tecnologia utilizada em cada vacina. Boulos afirma que aquelas com a plataforma de adenovírus –em que se utiliza um vírus que transporta o código genético do Sars-CoV-2, patógeno que causa a Covid-19– são as que podem causar maiores efeitos adversos.

"As pessoas que mais reclamam provavelmente tomaram as vacinas de adenovírus. Elas são aquelas que se injeta um vírus específico, que apesar de ele não causar quase nada, pode ter alguns efeitos colaterais pequenos", afirma o infectologista, reiterando que os efeitos, quando sentidos, ainda são bem leves.

No Brasil, as vacinas da Janssen e da Astrazeneca são produzidas com essa tecnologia. Além da plataforma de adenovírus, existe a tecnologia de RNA mensageiro (Pfizer) e de vírus inativado (Coronavac). Elas também podem apresentar efeitos adversos, mas mesmo assim ainda são muito leves e em grande parte dos casos desaparecem logo.

 

Existem efeitos colaterais mais graves?

De uma maneira geral, as vacinas utilizadas em doses de reforço têm perfil parecido em causar efeitos adversos comuns e que não duram mais de dois dias. A vacina da Janssen tem um histórico de causar uma rara síndrome relacionada a coágulos sanguíneos potencialmente mortais. Situação parecida já foi documentada para a Astrazeneca.

As ocorrências fizeram com que o FDA (Agência de Alimentos e Drogas dos Estados Unidos) limitasse o uso da vacina da Janssen no país, mas ela ainda continua disponível para aplicação. No Brasil, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) avaliou que os benefícios do imunizante superam os riscos, que são muito raros.

Na bula da vacina, a Janssen diz que os casos são raramente documentados, mas é importante procurar atendimento médico e informar ao profissional de saúde que tomou a vacina ao sentir sintomas como dores de cabeça fortes ou persistentes, convulsões, alterações do estado mental, visão turva, hematomas inexplicáveis fora do local da vacinação que aparecem em alguns dias, pequenas manchas arredondadas na pele fora do local da vacinação, falta de ar, dor no peito, dor ou inchaço nas pernas ou dor abdominal persistente.

Na bula também é dito que é possível reportar a presença de efeitos colaterais por meio do sistema nacional de notificação.

Para Ballallai, a síndrome é muito rara e a vacina, assim como as outras aprovadas, tem um alto perfil de segurança documentado por meio dos estudos clínicos e também pelas muitas doses que já foram aplicadas.

"Até agora, para todas essas vacinas, o perfil de segurança é excelente com raríssimos casos de eventos adversos que consideramos graves. Não há motivo nenhum para considerar que as vacinas contra a Covid são perigosas", afirma.

Ela também diz que nem todos os efeitos adversos, principalmente os mais graves, têm relação causal com as vacinas. Nestes casos, é importante a realização de investigações a fim de averiguar se tem alguma associação do imunizante com a reação.

 

Os efeitos colaterais indicam que as vacinas não são seguras?

Como explicado acima, existem algumas razões para o aparecimento de eventos adversos. Uma delas é a tecnologia utilizada pela vacina e outra é a indicação de que o sistema imunológico está reagindo ao imunizante.

Nenhum evento adverso, no entanto, indica que as vacinas não são seguras. Um indício disso são os estudos clínicos feitos que medem a segurança dos imunizantes.

Outro grande indicativo da segurança desses produtos utilizados atualmente contra a Covid-19 é que eles já tiveram uma alta dose de aplicação, mas com pouquíssimos relatos de reações graves. Fonte: https://www1.folha.uol.com.br

Ministério da Saúde anuncia nesta segunda-feira a quarta dose contra covid para maiores de 40 anos

Recomendação atual vale para público com mais de 50 anos. Reforço na vacinação surge no momento de nova alta de casos no País

 

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

BRASÍLIA - O Ministério da Saúde vai oficializar, nesta segunda-feira, 20, a ampliação da quarta dose da vacina contra a covid-19 para pessoas acima de 40 anos. Atualmente, a recomendação atende o público com 50 anos ou mais. A nova fase será oficializada com a publicação de uma nota técnica. A pasta marcou uma coletiva às 10 horas para anunciar a ampliação.

A segunda dose de reforço, como é tecnicamente chamada, começou a ser aplicada neste ano no Brasil, já com queda nos índices de casos e mortes pelo novo coronavírus. Nas últimas semanas, porém, os municípios registraram um novo avanço da doença. Somente no sábado, 18, o País notificou 19.810 novos casos com crescimento de 15,6% da média móvel em duas semanas.

O Ministério da Saúde ainda avalia a ampliação da quarta dose para todos os adultos, ou seja, aqueles maiores de 18 anos. Essa extensão, porém, ainda não foi efetivada e depende de conclusões técnicas, de acordo com a pasta. "As regras para a ampliação do público alvo para a segunda dose de reforço serão detalhadas nesta segunda-feira. A inclusão de eventuais novos grupos depende de análise técnica e normatização em Nota Técnica", diz o ministério. Fonte: https://saude.estadao.com.br

Bruno Pereira e Dom Phillips morreram por ter a coragem de acreditar no valor de seu trabalho para a construção de um mundo melhor, a despeito das ameaças

 

A Polícia Federal (PF) e a Polícia Civil do Estado do Amazonas investigam as circunstâncias em que o indigenista Bruno Pereira e o jornalista britânico Dom Phillips foram brutalmente assassinados no Vale do Javari. Conhecer a dinâmica desse crime que entristeceu o mundo é fundamental, mas a verdade é que Bruno e Dom morreram porque ousaram prosseguir com o trabalho que realizavam na região, a despeito das ameaças que recebiam e do absoluto abandono pelo Estado. Malgrado todas as adversidades, ambos seguiram adiante porque acreditavam na relevância do que faziam para a construção de um futuro melhor, para o País e para o mundo. São raros os que têm a coragem que tiveram esses dois amigos do Brasil e das boas causas.

Por ora, tem-se a confissão de Amarildo Oliveira, conhecido como “Pelado”, um pescador envolvido com diversas atividades ilegais no Vale do Javari. Contudo, não se sabe exatamente a motivação para o crime; se “Pelado” agiu por conta própria ou a mando de alguém; se matou e ocultou os corpos sozinho ou se teve a ajuda de comparsas. A Justiça, por sua vez, ainda terá de analisar todas as provas colhidas pelas autoridades policiais e trazidas a julgamento pelo Ministério Público. Ou seja, ainda há um caminho pela frente até que o duplo homicídio seja esclarecido, provado e punido. Mas é certo que Bruno e Dom foram assassinados por lançar luz sobre um Brasil e sobre brasileiros abandonados pelas autoridades. Com destemor e determinação, os dois tentaram mostrar, cada um à sua maneira, que em pleno território nacional há uma espécie de enclave sob o jugo do crime organizado, e não das leis e da Constituição.

Poucas manifestações desse absoluto abandono e descaso com os povos daquela região e com os que se põem a defendê-los foram tão eloquentes quanto as declarações desumanas do presidente Jair Bolsonaro. Fiel à sua natureza, desde a primeira informação sobre o desaparecimento de Bruno e Dom na Amazônia, Bolsonaro atribuiu algum grau de culpa às próprias vítimas por seu infortúnio. Depois, prestou solidariedade às famílias das vítimas, possivelmente orientado por algum assessor preocupado com o desdobramento eleitoral do caso.

Bruno Pereira era um servidor da Fundação Nacional do Índio (Funai), considerado um dos maiores especialistas do Brasil em indígenas isolados e de recente contato. Seu genuíno interesse pelo bem-estar dos povos nativos o fez ser profundamente respeitado pelos indígenas. Seus restos mortais, junto com os de Dom Phillips, dificilmente teriam sido encontrados sem a participação de seus “irmãos de mata” nas buscas.

Como agente do Estado, Bruno coordenou as maiores operações de destruição de dragas de garimpo ilegal no Vale do Javari nos últimos anos. Também realizou operações que implicaram enormes prejuízos aos pescadores ilegais da região. Um servidor público com esse grau de comprometimento deveria ser exaltado, mas Bruno foi punido. Após sofrer retaliações como servidor da Funai, licenciou-se do órgão e, em vez de voltar para o conforto de casa e da família, passou a trabalhar diretamente com os indígenas por meio da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja). Isso dá a dimensão da entrega à causa que se pôs a defender. Na Univaja, Bruno ensinou aqueles que não sabiam se defender a protegerem suas vidas e suas terras. Pagou com a própria vida por sua abnegação e altruísmo.

Dom Phillips vivia no Brasil havia 15 anos. Aqui fez amigos e construiu uma família. O jornalista também poderia estar na segurança e no conforto de sua terra de origem, em Londres ou nos arredores de Liverpool, onde foi criado. Mas decidiu vir para o País a fim de explicar a Amazônia e seus conflitos para o mundo. Dom estava na floresta em pesquisa para um livro que pretendia escrever sobre a importância da preservação do bioma. Bruno o auxiliava no contato com as fontes.

Em vida, Bruno e Dom foram exemplos de fidelidade à função social do trabalho que realizavam, a despeito dos riscos. Na morte, lembram-nos do valor da coragem de defender o que é certo quando a covardia parece prevalecer. Fonte: https://opiniao.estadao.com.br

O sumir é a matéria prima dos milagres e lendas. Do navio fantasma, do Robinson Crusoe...

 

Roberto DaMatta, O Estado de S.Paulo

Como seres da modernidade, temos dificuldade em aceitar a perda. Como alguém pode sumir com tantos mapas, satélites, aviões, drones, rádios e telefones portáteis? 

Com tantos mecanismos de comunicação e meios que permitem achar o que se procura?

Ou será que o “perder” nos traz à consciência o lado mais profundo de nossa existência: a maldade em lugares perigosos como a Amazônia? Muitos grupos tribais foram massacrados e eu mesmo fui admoestado quando um pistoleiro goiano ameaçou o funcionário da Funai que me acompanhava a ir à aldeia para dar uns tiros nos “cabocos” que, para ele, atrapalhavam a criação de gado. Assustei-me, pois lá estava com minha mulher e filhinhos. 

Imagine agora quando o que está em jogo é ouro, como parece ser o caso do jornalista inglês Dom Philips e do indigenista Bruno Araújo Pereira?

Mas mesmo sendo um sumiço programado por bandidos, o “perder-se” acentua o perigo e o simbolismo da floresta. O sumir avisa que não nascemos para a solidão... 

O sumir é a matéria-prima dos milagres e lendas. Do navio fantasma, do Robinson Crusoe, do Tintin. E nos faz recordar o caso do coronel inglês Percy Harrison Fawcett que, em 1925, teria saído em busca de uma cidade perdida na selva.

Quem jamais entrou na mata, que até faz parte do meu nome, jamais sentiu o poder de se desnortear e não sabe o que é ser engolido pela floresta que esconde o céu. Fica-se à mercê de um guia. Mas lembre-se que o próprio guia, como o rei, também pode se perder. 

Há momentos em que ficamos perdidos e sem rumo, sem planos e sem energia para continuar na senda da perdição final, felizmente desconhecida mas, em muitos casos, anunciada. 

Vivi essa experiência de modo pleno duas vezes. Na primeira, aos 9 anos, quando me perdi num parque de diversões; e, na segunda, quando fui caçar com um nativo Gavião e esperei angustiado pelo sinal do guia já que não sabia voltar para a aldeia.

O que senti seria maior do que meu espaço, como posso esquecer de mim mesmo, com uma espingarda em punho, cercado por todos os lados por uma desconhecida floresta que não fazia o menor sentido para mim, exceto sinalizar que, sozinho, eu jamais seria capaz de voltar à aldeia. Parado e perdido, falava apenas com o meu relógio que assinalava e garantia a minha solidão naquela angústia de ver minutos virarem horas. Perder-se é como encontrar uma palavra sem tradução.

PS: Minha total solidariedade aos familiares e amigos de todos os que ainda estão perdidos e aos que estão na busca. Fonte: https://cultura.estadao.com.br  

Seria o primeiro caso do estado e a primeira morte associada à varíola dos macacos no Brasil

 

Por Evelin Azevedo

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) investiga uma suspeita de morte por varíola dos macacos no estado. Trata-se de uma pessoa residente em Uberlândia e que trabalha em Araguari, no Triângulo Mineiro. A morte suspeita de monkeypox foi notificada no último sábado, informou a SES-MG em nota.

Até o momento, Minas Gerais ainda não tinha registrado nenhum caso de varíola dos macacos. Os três casos confirmados no Brasil foram registrados em São Paulo (2) e no Rio Grande do Sul.

Uma amostra coletada no paciente que morreu foi enviada para análise laboratorial da Fundação Ezequiel Dias, em Belo Horizonte. Segundo a SES-MG, todos os dados clínicos do paciente serão avaliados pela equipe técnica da Secretaria Estadual e do Ministério da Saúde para classificação e encerramento do caso.

A SES-MG, a Secretaria Regional de Saúde (SRS) de Uberlândia e as secretarias municipais de Saúde de Araguari e Uberlândia estão investigando o caso e monitorando os contatos próximos. A secretaria não divulgou mais informações sobre o paciente, a fim de proteger sua identificação.

 

Casos de varíola dos macacos no Brasil

Até o momento, o Brasil confirmou três casos de varíola dos macacos. Dois em São Paulo — um na capital paulista e outro em Vinhedo, no interior do estado — e o terceiro caso foi detectado no Rio Grande do Sul.

O primeiro caso de varíola dos macacos no Brasil, identificado em São Paulo (capital) na última quinta-feira, foi de um homem de 41 anos com histórico de viagem à Portugal e Espanha. O paciente está internado em isolamento no Instituto de Infectologia Emílio Ribas.

segundo caso, identificado em Vinhedo, interior de São Paulo, no último sábado, trata-se de um homem de 29 anos com histórico de viagem à Espanha. O caso foi avaliado por um laboratório espanhol, após o desembarque do homem no Brasil, ocorrido em 8 de junho. Ele está em isolamento domiciliar.

terceiro caso, confirmado nesta segunda-feira, é de um homem de 51 anos que chegou em Porto Alegre (RS) no dia 10 de junho. A confirmação, feita após exames de laboratório processados em São Paulo, ocorreu após os 21 dias do ciclo da doença. O paciente, portanto, não apresenta mais risco de transmitir o vírus para outras pessoas. O paciente estava em isolamento domiciliar desde que chegou ao Brasil.

O Ministério da Saúde investiga outros seis casos suspeitos de varíola dos macacos no Brasil. Todos seguem em isolados e em monitoramento.

 

Leia a nota da SES-MG na íntegra

"A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) informa que, no sábado (11/6), foi notificado um óbito suspeito de monkeypox (varíola do macaco) em Uberlândia. É o primeiro caso em investigação pela doença em Minas Gerais. Trata-se de uma pessoa residente em Uberlândia e que trabalha em Araguari, no Triângulo Mineiro. Dentre os contatos próximos, ainda não há nenhum outro caso sintomático.

Para o diagnóstico laboratorial, a SES-MG orientou que fosse coletada a amostra para a análise pela Fundação Ezequiel Dias (Funed). Todos os dados clínicos também serão avaliados pela equipe técnica da Secretaria Estadual e do Ministério da Saúde para classificação e encerramento do caso. A SES-MG, a SRS Uberlândia e as secretarias municipais de Saúde de Araguari e Uberlândia estão investigando o caso e monitorando os contatos próximos. Fonte: https://oglobo.globo.com

 

Por O Globo — Rio de Janeiro

 

A semana que começa deverá ser de frio, conforme a massa de ar polar que chegou ao país continua a exercer efeito sobre o tempo da região Sul e Sudeste, segundo dados do Instituto Nacional de Meterologia

No estado do Rio de Janeiro, ao longo da semana, a temperatura pode chegar até 13 graus. Em São Paulo, a mínima pode ser de 9 graus.

No Sul, o frio também persiste. No Rio Grande do Sul, os termômetros podem registrar uma mínima de 7 graus, na capital Porto Alegre, ainda nessa segunda-feira. Em Curitiba, no Paraná, a mínima prevista é de 3 graus. Em Florianópolis, as temperaturas devem ficar entre 20 e 10 graus no início da semana.

A tendência é que as temperaturas subam com o avançar dos dias.

O domingo amanheceu com frio intenso e geadas nos três estados da Região Sul do país e no sul de Mato Grosso do Sul. Houve até temperaturas negativas em diversas cidades, como -3,9 graus em General Carneiro (PR); -3,9 graus em São Joaquim (SC) e -2,6 graus em São José dos Ausentes (RS).

O frio é consequência de uma massa de ar polar que continua avançando sobre o centro-sul do país, e há previsão de novos recordes de frio na região Sul. No Sudeste e no Centro-Oeste, apesar da queda de temperatura, o frio mais intenso é previsto para o período da noite.

No entanto, segundo o meteorologista Marcio Cataldi, da Universidade Federal Fluminense (UFF), o mês como um todo deve ser menos frio que maio.

— Teremos uma queda bem acentuada na temperatura, tanto na mínima quanto na máxima. O restante do mês não deve ser tão frio — disse Cataldi.

Além da massa de ar polar, outro fenômeno que intervém no clima neste período do ano é o La Niña. Trata-se do resfriamento das águas do oceano pacífico tropical, influenciando na incidência de chuvas em diversas regiões do Brasil e potencializando a incidência de chuvas nas regiões Norte e Nordeste, mas aumentando o risco de seca ou de chuvas irregulares na Região Sul. Fonte: https://oglobo.globo.com

Drogarias Pacheco e São Paulo expandem público-alvo e número de unidades com o serviço

 

A farmacêutica Daiana Zorzo prepara o imunizante na Drogaria Sao Paulo, na avenida Paulista - Rivaldo Gomes - 9.jun.22/Folhapress

 

As Drogarias Pacheco e São Paulo, do grupo DPSP, começam a oferecer, neste sábado (11), a quarta dose da vacina contra a Covid para clientes maiores de 18 anos com prescrição médica.

As redes já haviam começado, há alguns dias, a aplicar os imunizantes privados da Astrazeneca, porém, para tomar a quarta dose, era preciso ter mais de 50 anos.

Além das unidades em Moema e Paulista em São Paulo, as redes começam a vacinar na capital paulista em regiões como Parque da Mooca, Indianópolis, Bela Vista, Perdizes e Casa Verde e uma em São Caetano do Sul.

Fora do estado, a distribuição fica restrita a três lojas no Rio de Janeiro, uma em Minas Gerais, uma no Espírito Santo e uma em Pernambuco.

Para tomar a quarta dose, será necessário apresentar RG, comprovante de vacinação das doses anteriores, respeitando um intervalo mínimo de quatro meses, além de prescrição médica, para aqueles com menos de 50 anos. O paciente precisará assinar um termo de consentimento.

O agendamento poderá ser feito por Whatsapp, e o valor será de R$ 229,90. Fonte: https://www1.folha.uol.com.br

 

Por @EquipeGN

Um caso envolvendo homofobia uma criança transgênera na pequena cidade de Poções (cerca de 150 quilômetros à esquerda de Porto Seguro, no Sudoeste da Bahia, e que foi liderado por um pastor evangélico homofóbico fundamentalista, teve repercussão nacional neste último final de semana. O caso ganhou repercussão nacional, após o líder evangélico ter insuflado a população, na tentativa de a Câmara de Vereadores não dar prosseguimento em um projeto de lei para garantir que a criança de 12 anos tivesse o seu nome social reconhecido pela escola pública municipal. Insuflada pelo pastor, a população promoveu apedrejamento na casa da criança por três dias consecutivos. Os nomes da mãe e da criança foram omitidos, para evitar a identificação do menor de idade.

A mãe fez várias tentativas nesse sentido, mas a direção da escola se recusa a cumprir uma lei federal que dá essa garantia. Curiosamente, a cidade onde a escola municipal se recusa a cumprir a lei federal é governada pela prefeita Irenilda Cunha de Magalhaes, a dona Nilda do PCdoB, um partido que, nacionalmente, é contrário à homofobia preconizada pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (PL). O uso de nome social para menores de 18 anos nas escolas é um direito reconhecido por lei desde 2016, mas que na cidade administrada pelo PCdoB não é respeitada.

 

Autora da lei que dá permissão e a prefeita que proíbe são do PCdoB

No entanto, para fazer a lei nacional em Poções a vereadora Larissa Laranjeiras, do PCdoB, o mesmo partido da prefeita dona Nilda, apresentou um Projeto de Lei (PL), há um mês, onde propõe que as pessoas transgênero sejam chamadas pelos nomes sociais nas escolas. O projeto nem chegou a ser colocado em votação. Já na noite de 23 de maio, um pastor evangélico iniciou os seus ataques homofóbicos conclamando os moradores de Poções a  comparecer na Câmara de Vereadores, para forçar os vereadores a não votar o PL.

“Caso você não tenha o compromisso, traremos um monte de evangélicos na Câmara, para que os vereadores se sintam inibidos a não votar nessa aberração”, disse o evangélico. O convite aos seguidores de sua agremiação “religiosa” surtiu efeito e vários evangélicos foram à Câmara. O homofóbico ficou em um lado do local destinado à presença do público e a criança transgênera, acompanhada de sua mãe, ficou no outro canto da galeria da Câmara Municipal. Diante da forte presença do público “convidado” pelo pastor, alguns vereadores lançaram mão da Bíblia e disseram que são contrários ao projeto de lei municipal.

 

Aliança Nacional LGBTI+ tem acompanhado o caso

A partir daí foi iniciada a sessão de apedrejamento na casa da mãe da criança, onde as últimas pedradas ocorreram neste sábado (4). Juntamente com a mãe da criança, o presidente nacional da Aliança Nacional LGBTI+, Toni Reis, emitiu uma nota, narrando o apedrejamento na casa da criança trans na Bahia e que foi distribuída à imprensa nacional: “A Aliança Nacional LGBTI+ tem acompanhado um caso de transfobia envolvendo um jovem adolescente trans de 12 anos em Poções, Bahia.

“A Secretaria Municipal de Educação tem se recusado a instituir o nome social do garoto contrariando o disposto na Resolução 1 de 19 de janeiro de 2018 do MEC. Os gestores foram notificados extrajudicialmente e, caso não adequem os registros até segunda-feira, medidas judiciais serão tomadas. Além disso a família tem sido perseguida por grupos fundamentalistas da cidade, a incitação ao ódio fez inclusive com que a casa fosse apedrejada. A Aliança Nacional LGBTI+ enviou uma notícia crime ao Ministério Público do município para que medidas sejam tomadas, mas, até o momento a promotoria não nos respondeu em relação ao pedido de reunião”, prossegue a nota.

“O uso do nome social é direito de todas as pessoas trans e deve ser respeitado, buscaremos a responsabilização daqueles que praticam a discriminação de forma expressa com ameaças e instigação à discriminação, mas também daqueles que não cumprem os atos normativos que buscam o combate à discriminação, completa a nota enviada por Toni Reis.

 

Ódio disseminado pelo pastor evangélico

Em entrevista à imprensa local, a mãe da criança de 12 anos disse que não acha que sejam só os evangélicos que agridem a ela e ao seu filho. O ódio plantado pelo pastor contaminou gente já disposta a odiar. E foi a força desse sentimento que quebrou uma das janelas da casa dela, na madrugada da última quarta-feira (2), e aprisionou a ela e ao filho. Antes, os ataques tinham assustado, mas não deixaram provas físicas. A Polícia foi chamada, mas somente chegou na manhã do dia seguinte, depois que os fundamentalistas homofóbicos já tinham ido embora.

Na tarde desse mesmo tinha sido agendada uma reunião na escola onde a  criança estuda e, mesmo assustada com a violência, a mãe foi ao encontro. “E foi muito estranho. Foi ali que consegui entender meu filho. Quando a professora dele perguntou: A mãe de A. (nome de batismo de R. ou ‘nome morto’, como pessoas trans chamam o nome ao qual abdicam por não representar suas identidades de gênero) está aí? Pensa numa dor que me deu”, declarou ela à imprensa.

 

Criança comunicou identidade de gênero há três meses

Ela disse que o seu filho comunicou a sua identidade de gênero há cerca de três meses e ela afirmou que pressentiu que a violência estaria por vir. Falou que não tem parentes em Poções e que buscou grupos de mães de transgêneros que tem atuação na área LGBTQIA+. Ao obter esclarecimentos contou aos jornalistas que recolheu a documentação do filho, seguindo uma orientação do Ministério da Educação (MEC), que autoriza a adoção do nome social de transgêneros e travestis nas escolas, para minimizar uma das faces da violência contra essas pessoas.

De acordo com as orientações do MEC o uso de nome social para menores de 18 anos é simples. Basta os representantes legais de estudantes fazer a solicitação na escola e pedir a alteração do nome. Toni Reis, pós-doutor em Educação pela Universidade Federal do Paraná, participou da formulação do parecer do órgão e disse para a imprensa baiana que a identidade de gênero do filho dessa mãe deve ser respeitada – não só por humanidade, mas porque a lei obriga. Fonte: https://grafittinews.com.br

A conta bancária, por vezes, fala mais alto que as mensagens do Evangelho

 

Paus. Pedras. Perseguição.

Aconteceu na Bahia.

Casa de menino trans é apedrejada pela população.

Momentos de horror, diz a mãe.

Gritos. Ameaças. Pedras na vidraça.

Avarildo era pastor evangélico.

–Não tive nada a ver com isso.

Ele suspirou.

–Mas, num ato de boa vontade, faço questão de ir até o local.

A noite avançava em silêncio pelas ruas da cidadezinha.

Um grupo de ativistas religiosos já estava na frente da casa do menino.

Avarildo se apresentou.

–O que vocês estão fazendo aqui, meus irmãos?

–Acabar com essa aberração, pastor.

–Não tem polícia aqui?

O cabo da PM Erdoíldo mostrou o distintivo.

–Tem sim. E estamos aqui para arrebentar tudo.

Avarildo fez cara séria.

–Vamos seguir o que disse Jesus.

–O que é que ele disse, exatamente?

–Atira a primeira pedra, pô.

Não foi preciso dar segunda ordem.

A fachada da casa foi atingida por diversos projéteis.

De dentro, uma voz feminina pedia socorro.

Avarildo fez um gesto imperativo.

–Vamos parar um pouco, pessoal. Que eu vou falar com ela.

O pastor entrou na casa de forma respeitosa.

–A senhora… com esse seu filho… bom, eu não vou dizer nada…

–Hã.

–Mas eu tenho uma proposta.

A ideia era simples.

–A senhora me paga o dízimo. E aí tudo bem.

Ele olhou para as modestas dependências da casa ameaçada.

–Vai ver que é pouco…

Avarildo consultou o celular.

–Vamos fazer o seguinte. A senhora arrecada dinheiro para o movimento trans.

Ele ajeitou o nó da gravata.

–E metade fica para a minha igreja.

Avarildo já deu entrada num Audi do ano.

–Blindado, claro. Porque se tem coisa que eu detesto é levar pedrada.

A Bíblia permite muitas interpretações.

Mas com a conta bancária dá para lidar com mais clareza. Fonte: https://www1.folha.uol.com.br

Órgão internacional realiza neste mês conferência sobre o tema em Lisboa, Portugal

Por O Globo; Agências Internacionais — Rio de Janeiro

A ONU divulgou nesta quarta-feira uma mensagem por ocasião do Dia Mundial dos Oceanos, data estabelecida para lembrar da importância sobre a preservação desse meio, que produz mais de 50% do oxigênio do planeta. Em comunicado, o secretário-geral Antônio Guterres criticou os níveis insustentáveis da pesca, a destruição dos recifes de corais e o aumento da poluição causada por plástico.

"No mês passado, a Organização Meteorológica Mundial revelou que quatro indicadores climáticos essenciais bateram novos recordes em 2021: subida do nível do mar; temperatura dos oceanos; acidificação e concentrações de gases com efeito de estufa. Torna-se evidente que a tripla crise de alterações climáticas, perda de biodiversidade e poluição ameaçam a saúde dos nossos oceanos, da qual todos nós dependemos", ressaltou.

Guterres destacou ainda que as indústrias que tem suas atividades baseadas nos oceanos empregam cerca de 40 milhões de pessoas, e , ainda assim, os recursos e a biodiversidade estão cada vez mais comprometidos por causa das atividades humanas.

"Mais de um terço dos estoques mundiais de peixes são colhidos a níveis biologicamente insustentáveis. Uma proporção significativa dos recifes de coral foi destruída. A poluição plástica atingiu as ilhas mais remotas e as trincheiras mais profundas nos oceanos. (...) Precisamos urgentemente de uma ação coletiva para revitalizar os oceanos. Trabalhar em conjunto com a natureza, e não contra ela, e construir parcerias inclusivas e diversificadas entre regiões, setores e comunidades para colaborar de forma criativa em soluções para os oceanos".

A ONU vai realizar ainda neste mês a Conferência dos Oceanos, em Lisboa, Portugal. Há expectativa para que o evento que ocorre entre os dias 27 de junho e 1 de julho estabeleça diretrizes do que precisa ser feito para reverter o declínio na saúde dos oceanos. Fonte: https://oglobo.globo.com

Situação no país retrocedeu ao patamar dos anos 90, e 6 em cada 10 convivem com insegurança alimentar hoje. 

 

Tiago Bastos de Santana, 24 , pede ajuda em cruzamento no bairro da Mooca - Karime Xavier/Folhapress

Fernanda Mena

O ano de 2022 marca o retrocesso da segurança alimentar no Brasil a um patamar de fome ainda pior do que o registrado 30 anos atrás.

Atualmente, 33 milhões de pessoas passam fome no país, segundo resultado de uma nova pesquisa sobre o tema divulgada nesta quarta (8). Em 1993, eram 32 milhões de pessoas nessa situação, segundo dados semelhantes do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) —a população brasileira então era 35% menor que a de hoje.

Naquele ano, o sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, lançou a Ação da Cidadania Contra a Fome, a Miséria e pela Vida, a primeira grande campanha nacional da sociedade civil sobre o assunto.

"A gente regrediu literalmente 30 anos na luta contra a fome, o que nos assusta muito", diz o atual diretor-executivo da Ação da Cidadania, Kiko Afonso. "Mas o sentimento de indignação da sociedade brasileira hoje diante da fome de 33 milhões de brasileiros está muito aquém da indignação de 1993, diante da fome de 32 milhões. Estamos inertes como sociedade."

O levantamento divulgado nesta quarta, chamado 2º Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, foi feito pela Rede Penssan (Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional) e executado pelo Instituto Vox Populi. A margem de erro é de 0,9 pontos percentuais, para mais ou para menos.

A pesquisa mostrou que 6 a cada 10 brasileiros convivem com algum grau de insegurança alimentar. São 125,2 milhões de pessoas nesta situação, o que representa um aumento de 7,2% desde 2020 e de 60% na comparação com 2018.

 

O sentimento de indignação da sociedade brasileira hoje diante da fome de 33 milhões de brasileiros está muito aquém da indignação de 1993, diante da fome de 32 milhões. Estamos inertes como sociedade. Kiko Afonso, diretor-executivo da Ação da Cidadania

 

"Não tem nada mais prioritário no Brasil do que combate à fome, independente de ideologia", avalia Afonso. "Sem alimento a pessoa não consegue procurar emprego, estudar ou sair de casa. E tem de se humilhar para sobreviver."

De acordo com a pesquisa, em 2022, 1 de cada 3 brasileiros já fez alguma coisa que lhe causou vergonha, tristeza ou constrangimento para conseguir alimento.

Esses novos indicadores da segurança alimentar apontam que 41% da população tem acesso estável a alimento em quantidade e qualidade adequados, índice que é superior entre brancos (53,2%) e inferior entre pretos e pardos (35%).

No outro extremo, a média dos brasileiros com fome é de 15%. Superam essa marca aquelas pessoas que residem nas regiões Norte (25,7%) e Nordeste (21%), na zona rural (18,6%), e em domicílios chefiados por mulheres (19,3%) ou por pessoas pretas e pardas (18,1%).

"Temos desigualdades históricas do país que nunca foram resolvidas: rural e urbana, homem e mulher, brancos e negros. E essas desigualdades se reproduzem na questão da fome", explica a médica sanitarista Ana Maria Segall, professora aposentada da Unicamp e pesquisadora da Rede Penssan.

"É como se 41% da população estivesse protegida das crises econômica e política que já vinham se arrastando nos últimos ano e também do impacto da pandemia da Covid a partir de 2020", analisa Segall.

"Por outro lado, quase 60% dos brasileiros vive numa situação de instabilidade que é muito afetada tanto pela crise quanto pela pandemia, que pegou essa população já numa condição desfavorável."

Segurança alimentar é a situação em que há acesso pleno e estável a alimentos em qualidade e quantidade adequados.

Já a insegurança é dividida em três categorias: leve (quando o temor de faltar comida leva a família a restringir a qualidade dos alimentos), moderada (sem qualidade, há alimentos em quantidade insuficiente para todos) e grave (quando ninguém acessa alimentos em quantidade suficiente e se passa fome).

A médica destaca que entre 2004 e 2013 houve um incremento "muito significativo" no acesso das famílias a alimentos.

"Depois de 2013, você tem um precipício, e derrocada da segurança alimentar ocorre de maneira muito rápida. Houve uma piora rápida e muito expressiva do acesso a alimentos que continua até hoje e é pior dentro dos grupos que já viviam em algum nível de insegurança alimentar", afirma ela, que fez parte do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), extinto pelo governo de Jair Bolsonaro (PL).

Em 2018, 5,8% dos brasileiros passavam fome. Em 2020, essa parcela subiu para 9% e, em 2022, chegou a 15,5%.

Isso quer dizer que, no intervalo de um ano, 14 milhões de brasileiros passaram a conviver com a fome em suas casas.

Para Francisco Menezes, consultor da ONG internacional ActionAid e ex-presidente do Consea (2004-2007), três das principais causas do aumento da fome no país são o empobrecimento da população, o desmonte de políticas sociais e de abastecimento, e a crise climática.

"Tivemos uma elevação muito forte do desemprego e um processo de precarização do trabalho com o crescimento da informalidade. Soma-se à perda de renda a inflação dos alimentos, que desde 2020 não arrefece, e atinge itens básicos como arroz, feijão e óleo de soja, além do gás e dos combustíveis", aponta ele, para quem uma política de estoques de alimentos, abandonada pelo governo, é crucial num momento desfavorável.

Ele critica o modelo de acesso a benefícios de transferência de renda, que requer acesso a internet e a um computador ou celular. "Extrema pobreza e aplicativo não são coisas que combinem."

O 2º Inquérito Nacional sobre Segurança Alimentar aponta que o maior percentual de pessoas em insegurança grave ou fome era entre quem solicitou mas não recebeu o auxílio emergencial aprovado pelo Congresso para o primeiro ano da pandemia (63%), seguido pelo grupo de quem sequer conseguiu solicitar o benefício (48,5%).

O levantamento mostra que há fome em 13,5% dos domicílios em que residem apenas adultos, enquanto entre as casas com três ou mais crianças ou jovens de até 18 anos o percentual sobe para 25,7%.

O dado é especialmente preocupante porque aponta para danos futuros. Estudos sugerem que o impacto da fome entre crianças e adolescentes tem efeitos deletérios imediatos na saúde e no bem-estar, com potencial comprometimento das potencialidades desses indivíduos.

Isso é o que mais mexe com Suelen Medeiros, 29, que mora com os quatro filhos na periferia sul da cidade de São Paulo. Desempregada e sem receber pensão do pai de seus filhos, ela conta que chega a ficar dias sem comer para privilegiar as refeições das crianças, que têm entre 2 e 12 anos.

"Eu aguento sentir fome, eles, não", lamenta. "Mas fico tão ansiosa por causa das crianças que até perco a fome", diz ela, que recebe uma cesta básica de doação mensalmente, mas que nem sempre é suficiente. "É muito difícil. Toda vez que meus filhos não têm o que comer, meu mundo desaba. Não ter condições de dar nem um pão de manhã a eles acaba comigo", afirma ela. "Não vejo a hora de arranjar um trabalho."

A pesquisa da Rede Penssan foi baseada em entrevistas realizadas em 12.745 domicílios de áreas urbanas e rurais de 577 municípios dos 26 estados e do Distrito Federal. Trata-se de uma parceria das organizações Ação da Cidadania, ActionAid Brasil, Fundação Friedrich Ebert Brasil, Ibirapitanga, Oxfam Brasil e Sesc. Fonte: https://www1.folha.uol.com.br

A morte

O Brasil vive um período delicado. Um jogo político com a morte. A sociedade não pode pactuar com tal tipo de ‘brincadeira macabra’.

 

Denis Lerrer Rosenfield, O Estado de S.Paulo

A morte é o destino dos seres humanos, ao fim de um ciclo natural de vida, que se apresenta como uma espécie de enigma da condição humana. De toda maneira, as pessoas se acostumam gradativamente com essa ideia através da idade e de doenças sucessivas. Logo, passa a ser tida por normal, embora essa normalidade seja a do corpo inerte tomado por bactérias e vermes. A religião veio a ser uma forma de conforto, graças a ideias como a de “salvação”, “outro mundo” e “vida eterna”, entre outras acepções. Pascal, célebre filósofo católico, dizia que a vida era uma forma de “distração”, de “divertimento”, usufruída pelas pessoas procurando esquecer a morte inexorável.

Estados totalitários, aqui, inovaram. Tiraram a morte do seu ciclo natural e conferiram-lhe uma significação propriamente política, de poder, submetendo agrupamentos humanos por raça, religião ou mera diversidade à violência extrema. No nazismo, seres humanos, como judeus, homossexuais, ciganos e testemunhas de Jeová, considerados como “subumanos”, terminaram, por via de consequência, seus dias em câmaras de gás e nos crematórios. Extirpados da categoria dos humanos, a morte violenta lhes foi imposta.

Os comunistas não ficaram atrás, decretando a morte violenta pela fome orquestrada, imposta pela violência política a aproximadamente 3,2 milhões de ucranianos num evento que passou a ser denominado de Holodomor, morte por inação, num episódio da fome planejada pela polícia política stalinista nos anos 30 do século passado, com homens e mulheres esquálidos, cadáveres ambulantes, tendo o canibalismo como um de seus efeitos.

O processo civilizatório tem se caracterizado por prolongar a vida, por evitar a morte violenta, em sociedades que se organizam pela segurança pública, por sistemas de saúde públicos e privados, pelo avanço científico e tecnológico. As pessoas se sentem assim seguras, reconfortadas e evitam a morte, tida por uma forma arbitrária e injustificada de violência. Coisas tão simples como remédios e vacinas, além da integridade física que estaria ao abrigo do arbítrio, são manifestações deste progresso, considerado, então, como algo normal. O que ocorre, porém, se cenas de violência, patrocinadas inclusive por forças policiais, põem em xeque tal concepção?

Um cidadão normal, chamado Genivaldo, foi gasificado num porta-malas de uma viatura da Polícia Rodoviária Federal no Estado de Sergipe. O espetáculo do horror introduz a morte violenta patrocinada pelo Estado, cuja função – convém sempre lembrar – consiste em proteger a vida e o patrimônio dos cidadãos. Hobbes já dizia que essa é sua função essencial, sem a qual a sociedade recairia num estado de selvageria, denominado por ele de guerra de todos contra todos. A justificativa inicial utilizada pelo arbítrio foi a de um “mal súbito” sofrido pela vítima, expressão que só pode ser considerada como uma piada macabra. Mal, sim, existe, mas o de uma sociedade que começa a se acostumar com tal tipo de arbitrariedade. Súbito, sim, o descaramento e a ausência de compaixão.

A chacina no Rio de Janeiro, com forças policiais agindo impunemente, matando inocentes no máximo arbítrio, expõe essa faceta de uma sociedade que perde controle de si. A polícia, pilar da organização estatal, abandona sua função, fazendo com que pessoas pereçam pela morte violenta. A segurança dos cidadãos não é mais assegurada de uma forma aberta. Nem o disfarce é utilizado. Se o Estado não cumpre mais sua missão, o que podemos esperar, senão a irrupção da crueldade, da selvageria? Há justificativa para isso?

Em Pernambuco, mais de uma centena de pessoas foi vítima de inundações e desabamentos, em outro teatro do horror que apenas escancara o que já vem acontecendo em outras cidades. Nada disso é normal, na acepção de que seria inevitável. Calamidades naturais fazem parte do mundo, mas o que diferencia um Estado de outro são a prevenção e a forma de enfrentamento desse tipo de fenômeno. Sismógrafos foram inventados para prevenir as consequências desastrosas de terremotos, com operações de defesa civil e afastamento da população atingida para outras regiões. Habitações em zonas de risco podem ser solucionadas por políticas habitacionais e outras ações estatais. Foi mais uma vez desastroso o discurso presidencial, ao considerar as catástrofes como “naturais”. Seus efeitos não o são, se houver políticas sociais ancoradas na ciência e na tecnologia.

O Brasil vive um período particularmente delicado, pois estas formas de “morte social” passam a ser tidas por normais. Nem a compaixão se faz mais presente nas ações governamentais. Se o Estado não se impõe, protegendo os malfeitores e relegando os policiais honestos e conscientes, é porque se encaminha para formas autoritárias. Trata-se, na verdade, de um jogo político com a morte. A sociedade não pode pactuar com tal tipo de “brincadeira macabra”.

* PROFESSOR DE FILOSOFIA NA UFRGS. E-MAIL: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. Fonte: https://opiniao.estadao.com.br 

A evocação bíblica do livro de ‘Mateus’ serve de chamamento ao diálogo que deve ser estabelecido entre o conhecimento científico e as vontades políticas.

 

Diego Pereira, O Estado de S.Paulo

“Dormindo os homens, veio o seu inimigo e semeou joio no meio do trigo, e retirou-se. E, quando a erva cresceu e frutificou, apareceu também o joio.” A parábola inscrita no livro de Mateus 13:24-30 serve de metáfora para a ação humana no impacto sobre o clima, intensificada a partir da Revolução Industrial, num período em que a atmosfera se transforma intensamente e que passa a se denominar Era do Antropoceno.

O inimigo do reino do céu assume, aqui, a feição humana que se mostra causadora do dano à natureza e tem sido a principal responsável pela mudança climática que culmina com o atual aquecimento global e suas consequências mais desastrosas, que recebem a alcunha de desastres ambientais.

Justamente a plantação de trigo, sensível às alterações climáticas, pegou o mundo de surpresa estes dias quando a Índia, segundo maior produtor da espécie, impôs restrições à exportação, já que nas últimas semanas o país tem registrado temperaturas que ultrapassam os 50ºC.

A atual onda de calor em regiões da Índia e do Paquistão tem sido objeto de diversos estudos que confirmam uma conexão direta do evento com o aquecimento global, a exemplo das pesquisas lideradas pelo Imperial College London.

O que tem acontecido na Índia, cuja população ultrapassa 1 bilhão de habitantes, serve de exemplo para o alerta contido no 6.º Relatório Climático do IPCC, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (ligado à ONU), que deflagra uma preocupação urgente com a questão climática e a produção de alimentos no planeta, o que tende a agravar a situação da fome mundial, por conseguinte. Essa tem sido, também, uma preocupação do Banco Mundial e da ONU, constatada no recente Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça.

Para além do aumento do número de mortes originadas desse desequilíbrio na temperatura e do clima da Terra, outros danos já estão sendo sentidos de forma mais urgente pela população em geral: inundações, enchentes, deslizamentos, ondas de calor, comprometimento no fornecimento de água e luz, perda de postos de trabalho, diminuição drástica na produção de alimentos e aumento significativo da fome.

Com a guerra na Ucrânia e a intensificação da escassez de alimentos no mundo, um ciclo desastroso parece a gênese de dias sombrios: aumento da fome no sul global e comprometimento de energia ao norte do planeta, que se vê prestes a abandonar todo um legado de política energética limpa.

Se em 2022 a Índia experimenta apagões de energia de mais de 15 horas, ausência de serviços médicos e de fornecimento de água, além da perda de cerca de 20% na produção de trigo; o Brasil do futuro, segundo dados do referido relatório do IPCC, pode contar com a perda na produção de trigo, arroz, soja, milho e carnes no geral. Até 2100 a produção de milho pode ser reduzida em mais de 70%, a pesca sofrerá perdas em torno de 30% até 2050 e moluscos e crustáceos podem ser totalmente extintos.

Nunca é demasiado lembrar a lógica que confirma que os mais impactados pela ação do clima são os que menos contribuem para as alterações ambientais. Num Estado comprometido com reduzir vulnerabilidades, isso se torna também aspecto central de políticas públicas que objetivam a diminuição da desigualdade e a construção de uma sociedade justa e solidária.

Na semana em que a Índia apontou ondas extremas de calor e o Brasil registrou temperaturas baixíssimas para o mês de maio, a reflexão que fica é no sentido de que a ciência tem feito sua parte, muito mais do que divulgando relatórios. Ela tem ofertado medidas propositivas à diminuição dos impactos do clima, seja por meio da mitigação ou adaptação climáticas.

O país que tem sua economia baseada na produção de alimento se vê atado a dilemas complexos como o aumento da fome e da insegurança alimentar em solo nacional e no mundo, e, ao mesmo tempo, temeroso das ações do clima que comprometem essa mesma produção alimentícia.

Em que pese os trabalhos desenvolvidos pela ciência serem orientações para a formulação de políticas públicas pelos tomadores de decisão, eles não assumem caráter de obrigatoriedade para a formulação de agendas políticas.

A evocação bíblica referida no início deste artigo serve de chamamento ao diálogo que deve ser estabelecido entre o conhecimento científico e as vontades políticas (extensível ao campo privado, obviamente), sob pena de a erva daninha do desenvolvimentismo comprometer, inclusive, a ideia de progresso que alavancou as economias baseadas nas grandes exportações de alimentos, como é o caso do Brasil.

Nesta semana do meio ambiente, fica a reflexão como um desafio de governos, de grandes produtores e da sociedade. Acima e antes de tudo, é necessário reconhecer e dar protagonismo ao conhecimento científico como mola propulsora de uma transformação que é emergente e necessária ao projeto de uma nação do futuro, comprometida com o desenvolvimento humano, includente e, sobretudo, menos desigual.

*

DOUTORANDO E MESTRE EM DIREITO (UNB), PROCURADOR FEDERAL (AGU), PROFESSOR, AUTOR DE ‘VIDAS INTERROMPIDAS PELO MAR DE LAMA’ (LUMEN JURIS), PESQUISA CLIMA, DESASTRES, MUDANÇA E JUSTIÇA CLIMÁTICAS  Fonte: https://opiniao.estadao.com.br

Algumas cidades já contemplam a faixa etária com a segunda dose de reforço.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou nesta quinta-feira (2) que a pasta vai autorizar a oferta da 4ª dose de vacina contra a Covid-19 para pessoas com 50 anos ou mais.

Até agora, a pasta só havia dado autorização para que a quarta dose fosse aplicada em pessoas com 60 anos ou mais, além de imunossuprimidos.

Mesmo antes do anúncio do ministro, algumas cidades e estados já vinham anunciando que começariam a vacinar pessoas a partir dos 50 anos com a quarta dose: Macapá Maceió, por exemplo, começaram na quarta-feira (1º).

No Distrito Federal, a previsão é de que a imunização desse público com a segunda dose de reforço comece na sexta-feira (3).

Em Manaus, a quarta dose para quem tem 50 anos ou mais está liberada desde o início de maio, e, no Piauí, foi liberada na mesma data para toda a população a partir dos 18 anos.

Paraná também havia pedido autorização na semana passada para aplicar a 4ª dose em pessoas com menos de 60 anos. Fonte: https://g1.globo.com

Cidade que contratou show de Gusttavo Lima por verba milionária tem 38% da população em situação de pobreza

 

A cidade de Conceição do Mato Dentro (MG) tem mais de 6 mil pessoas em extrema pobreza (renda de até R$ 100 por mês) e teve um show de Gusttavo Lima marcado por R$ 1 milhão

 

A cidade de Conceição do Mato Dentro, região central de Minas Gerais, tem 6.868 (38%) dos 17.908 habitantes em situação de extrema pobreza, segundo número do CadÚnico, fornecidos pelo Ministério da Cidadania. O município havia contratado um show do cantor Gustavvo Lima por R$ 1,2 milhão, mas cancelou o evento após denúncias de irregularidades. O Executivo municipal desviou dinheiro para o gasto com a apresentação do artista. Os valores chamam atenção porque o teto da Lei Rouanet para cachês de artistas individuais é de R$ 3 mil, conforme publicação do governo federal no Diario Oficial de fevereiro. Antes, o limite era de R$ 45 mil (diminuição de 93%). 

Localizada a 160 quilômetros da capital Belo Horizonte, Conceição do Mato Dentro tem 12.373 pessoas inscritas no CadÚnico, que reúne dados sobre famílias brasileiras de baixa renda. Ao todo, 6.868 são pessoas em situação de extrema pobreza, com renda até R$ 100 por mês, e 10% em situação de pobreza, com renda mensal de R$ 200.

De acordo com reportagem do jornal O Estado de S.Paulo, publicada nesta quarta-feira (1), foi por meio da Compensação Financeira pela Exploração Mineral (CFEM) que a prefeitura conseguiu uma parte do dinheiro para o evento. O município brasileiro de maior arrecadação da CFEM é Parauapebas (PA) - recebeu R$ 1,48 bilhão em 2021. Conceição do Mato Dentro ocupa o terceiro lugar do ranking (R$ 387 milhões no ano passado).

O Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG) passou a investigar o contrato para o show de Gusttavo Lima em Conceição do Mato Dentro.

 

Prefeitura se pronuncia

O prefeito José Fernando Aparecido de Oliveira (MDB) afirmou ter recebido “com perplexidade" a notícia de que o evento estaria sendo pago com verba da saúde e da educação.

"Referidas assertivas levianas e tendenciosas, demonstram absoluto desconhecimento sobre as formas de utilização dos recursos advindos da mineração, reguladas pela Lei Federal nº 13.540, que autoriza gastos com fomento econômico, bem-estar social, turismo, diversificação econômica, saúde, educação e outros", disse.

Sobre o motivo do cancelamento do show, a prefeitura respondeu que a razão foi a "conveniência da administração pública, súmula 473 STF”. Em relação ao pagamento da primeira parcela, estabelecido pelo contrato, a informação é de que ela não foi paga pois “procedimentos prévios ao pagamento" não foram supridos.

 

Mais contratos investigados

O Judiciário investiga contratos para shows de Gusttavo Lima em outros dois estados. Na cidade de São Luiz, Sul de Roraima, o artista teve um show marcado para dezembro, no valor de R$ 800 mil. Com apenas dois hotéis, o município tem um PIB de R$ 147,6 milhões, o segundo mais baixo do estado. 

No estado do Rio de Janeiro, o Ministério Público investiga a contratação do cantor para um show em Magé, a 100 quilômetros da capital fluminense, por R$ 1 milhão. Fonte: https://www.brasil247.com

Insegurança alimentar no Brasil cresce mais que no resto do mundo, como mostra a FGV; pandemia e guerra só aceleraram um problema que já vinha se agravando

Com a pandemia, a desigualdade, a pobreza e a fome aumentaram no Brasil. Também aumentaram no mundo, e foram agravadas pela guerra de Vladimir Putin e ainda mais por suas ações criminosas, como o bloqueio naval do Mar Negro, o confisco de grãos e maquinários ucranianos e a retenção de estoques na Rússia. O secretário-geral da ONU alerta para um “furacão da fome”.

O paralelo pode servir de desculpa para a resignação e, pior, de pretexto para a inação do poder público brasileiro. Afinal, o Brasil não existe no vácuo e é impotente para alterar o curso das grandes engrenagens planetárias.

Mas dados cotejados do Gallup World Poll pelo pesquisador Marcelo Neri, da FGV Social, comprovam que o problema é bem maior no Brasil. Ele antecede a pandemia, e os efeitos dela no País foram mais profundos.

Entre 2019 e 2021, a parcela de brasileiros a quem, no curso de 12 meses, faltou dinheiro para alimentar a si ou a família subiu de 30% para 36%. Durante a pandemia, a insegurança alimentar no Brasil subiu 4,48 pontos porcentuais a mais do que no resto do mundo.

Mas a pandemia só acentuou um mal que se alastrava. Entre 2004 e 2013, a proporção de famílias em insegurança alimentar caiu 35,2%. Em 2014 o Brasil saiu oficialmente do Mapa da Fome. Mas no mesmo ano, com o fim do superciclo das commodities e, sobretudo, com os desmandos da gestão Dilma Rousseff, a economia embicou para a pior recessão da história recente. Entre 2013 e 2018, as famílias em insegurança aumentaram 62,3%.

Assim, se em 2014 o Brasil estava com níveis de insegurança inferiores a 75% dos 141 países pesquisados pelo Gallup, em 2021 atingiu um nível menor que 52% deles e passou, pela primeira vez na série histórica iniciada em 2006, a ter níveis piores que a média global. Tudo somado, em 7 anos a fome no Brasil dobrou.

Mas além das medianas, o choque foi brutalmente desproporcional entre ricos e pobres. Entre 2014 e 2021, a insegurança alimentar entre os 20% mais pobres cresceu quase 40 pontos porcentuais (de 36% para 75%), ultrapassando a média global (48%) e chegando a um nível próximo a países com maior insegurança, como o Zimbábue (80%). Enquanto isso, entre os 20% mais ricos a insegurança caiu três pontos (de 10% para 7%), ficando um pouco abaixo do país com menos insegurança alimentar, a Suécia (5%).

Os dados revelam ainda uma “feminização da fome” na pandemia. Entre 2019 e 2021, enquanto a insegurança alimentar caía 1 ponto porcentual entre os homens (de 27% para 26%), ela aumentava 14 pontos entre as mulheres (de 33% para 47%), possivelmente porque as mulheres foram mais afetadas no mercado de trabalho, sendo mais demandadas em casa durante o isolamento social e o fechamento das escolas. A diferença entre gêneros no Brasil é hoje 6 vezes maior do que a média global.

A combinação dessas mazelas é catastrófica. A insegurança alimentar está mais concentrada em indivíduos de meia-idade, mulheres e pobres, que moram em domicílios com maior número de crianças. A fome é um sofrimento infernal para adultos e crianças. Mas a subnutrição infantil deixa sequelas físicas e mentais por toda a vida.

A desgraça é, antes de tudo, humanitária, mas também socioeconômica. Entre outros efeitos, os problemas de alimentação brasileiros estão associados à prevalência de doenças crônicas, baixo desempenho escolar e baixa produtividade no trabalho. A fome no presente depaupera o futuro.

A guerra deve agravar a inflação e a escassez de alimentos no mundo nos próximos meses. Mais uma vez, o problema tende a ser magnificado pelas precariedades econômicas peculiares do Brasil. A inflação de 12 meses chega a 12%, e para a classe mais baixa está 1,9% acima da mais alta. Os juros sobem e o desemprego persiste nos dois dígitos. A estagflação foi pior para os mais pobres e tende a piorar.

A tragédia é ainda mais chocante quando se considera que se passa no “Celeiro do Mundo”. Ou seja: não falta comida no Brasil. Faltam renda, emprego, programas emergenciais e solidariedade. Se há uma pauta primordial para as eleições, é a fome. Fonte: https://opiniao.estadao.com.br

O jornalista francês Frederic Leclerc-Imhoff, de 32 anos, morreu durante um bombardeio russo nos arredores da cidade ucraniana de Severodonetsk, na região de Luhansk, nesta segunda-feira, 30, confirmaram fontes do governo e da emissora francesa BFM TV.

De acordo com a emissora de notícias francesa, Leclerc-Imhoff foi morto enquanto cobria “uma operação humanitária em um veículo blindado” perto de Severodonetsk. O jornalista trabalhou por seis anos para o canal de televisão francês.

A primeira informação sobre a morte do jornalista veio de autoridades ucranianas. Segundo o governador de Luhansk, Serhi Gaidai, o transporte blindado em que Imhoff estava foi atingido por estilhaços de um projétil russo, que teriam perfurado a blindagem do veículo.

O conselheiro do Ministério do Interior ucraniano, Anton Gerashchenko, disse que outro jornalista francês ficou ferido, assim como uma mulher ucraniana que os acompanhava.

Gaidai confirmou a versão francesa de que o jornalista acompanhava uma operação de retirada de civis do novo front da guerra na Ucrânia, no leste do país. As operações de retiradas foram suspensas em razão dos confrontos.

O presidente Emmanuel Macron prestou homenagem a Leclerc-Imhoff no Twitter. Ele “estava na Ucrânia para mostrar a realidade da guerra. A bordo de um ônibus humanitário, ao lado de civis forçados a fugir para escapar das bombas russas, ele foi morto a tiros’', tuitou Macron.

Macron expressou condolências à sua família, parentes e colegas e falou do “apoio incondicional da França” aos “que cumprem a difícil missão de informar nos palcos de operações”.

Antes da confirmação do nome do jornalista à imprensa, a ministra das Relações Exteriores da França, Catherine Colonna, já havia se manifestado e cobrado uma investigação sobre o caso. “A França exige que uma investigação seja realizada o mais rápido possível e com transparência sobre as circunstâncias desse drama”, disse Colonna em comunicado.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia, Oleg Nikolenko, classificou o caso como mais um “crime de guerra” russo contra profissionais da imprensa que trabalham na cobertura do conflito no país.

“As Forças Armadas da Rússia bombardearam um veículo que deveria participar da retirada de civis da zona de guerra perto de Severodonetsk. Um jornalista francês que cobria a missão foi morto. Nós condenamos enfaticamente essa morte. A lista dos crimes de guerra da Rússia contra trabalhadores da imprensa na ucrânia continua crescendo”, escreveu Nikolenko em uma publicação no Twitter repostada pelo perfil do ministério. Fonte: https://www.estadao.com.br 

 

O governo de Pernambuco atualizou no início da tarde deste domingo (29) o número de vítimas fatais após as fortes chuvas que castigaram o estado neste final de semana. Agora, de acordo com os registros da Central de Operações e do Centro Integrado de Comando e Controle Regional (CICCR), da última quarta-feira (25), até este domingo, 56 pessoas perderam a vida. 

Além disso, o balanço também contabilizou o desaparecimento de outras 56 pessoas nos municípios de Recife e Olinda. Em todo o estado, 3.957 estão desabrigadas, a maior parte delas nos municípios da Região Metropolitana e na Mata Norte. Apenas no Recife, 2.045 pessoas estão abrigadas em 35 equipamentos públicos espalhados em 22 bairros da capital pernambucana. 
Neste domingo (29), equipes formadas pelas forças de segurança estaduais, Exército e a Marinha estão atuando em 12 pontos de deslizamento, com o auxílio de cães farejadores e equipamentos. Até a madrugada deste domingo, o Grupamento de Bombeiros Marítimos (GBMAR) havia realizado o resgate de 593 vítimas ilhadas em várias localidades da RMR.  Desde a sexta-feira (27), foram registrados mais de 46 mil chamados ao 193. Fonte: https://www.diariodepernambuco.com.br