O novo boletim Infogripe, da Fiocruz, mostra que houve um aumento de 135% casos de síndrome respiratória aguda grave entre novembro e as três últimas semanas. O número passou de 5,6 mil casos para 13 mil. Os dados, divulgados neste sábado, apontam que esse aumento foi consequência tanto da epidemia de gripe quanto da retomada do crescimento de casos de Covid-19. O estudo indica, ainda, que apenas o Rio e Roraima não apresentam tendência de alta no longo prazo. Fonte: https://cbn.globoradio.globo.com

 

Ricardo Sanches

Segundo os bombeiros, todos os mortos na tragédia eram passageiros da embarcação. Como a sabedoria cristã explica tragédias como esta?

Alancha “Jesus” foi a mais atingida pelo paredão de rocha que desabou no Lago de Furnas, em Capitólio, MG.

De acordo com o porta-voz do Corpo de Bombeiros, Pedro Aihara, a lancha “Jesus” levava dez turistas. Todos morreram no impacto do paredão.

Ainda de acordo com os bombeiros, pelo menos outras outras três pequenas embarcações estavam próximas ao paredão no momento em que a rocha desabou. Alguns turistas tiveram ferimentos leves e ao menos dois foram hospitalizados.

Segundo a imprensa local, os dez mortos que estavam na lancha “Jesus” são da mesma família. Entre eles, uma criança.

 

A tragédia com a lancha “Jesus”

Depois que o nome da embarcação mais impactada foi divulgado, muita gente começou a questionar o “paradoxo” de uma lancha com o nome de Jesus ter sido duramente atingida nesta tragédia. “Onde estava Jesus naquela hora?”, perguntam.

Alguns até se lembraram da parte do Evangelho de Marcos, que narra o episódio em que Jesus estava na barca com os discípulos quando um forte vendaval enche a embarcação de água, mas Ele acalma a tempestade e todos sobrevivem.

É claro que este trecho da Bíblia – assim como muitos outros – não pode ser interpretado de forma literal. Não se pode, tampouco, tentar usá-lo para questionar o motivo pelo qual Jesus não teria salvado da morte os passageiros de uma lancha com seu nome. O trecho, na verdade, é mais um ensinamento sobre a fé.

 

Mas por que Deus permite tragédias naturais?

Há muito dos desígnios de Deus que a nossa condição humana não permite compreender. Porque ele permitiria que o um cânion caísse sobre uma lancha com o nome de Seu filho e matasse outros dez filhos seus?

A resposta pode ser difícil, mas a certeza é que Deus não é indiferente ao nosso sofrimento.

Não podemos dizer que as tragédias sejam “obras de Deus”. Pelo menos não no sentido de serem desejadas por Ele como tais. Inclusive nestas situações de desastre, o sofrimento de Cristo está unido ao das pessoas envolvidas, porque Jesus tenta levar todos até Ele.

 

Deus castiga?

João Paulo II recorre ao exemplo de Jó para ilustrar que as catástrofes não podem ser consideradas castigos de Deus. A vida de Jó, de fato, foi repleta de sofrimentos. Seus amigos até diziam que ele teria feito algo ruim para merecer tanta dor. Mas João Paulo II adverte:

“Se é verdade que o sofrimento tem um sentido como castigo, quando ligado à culpa, já não é verdade que todo o sofrimento seja consequência da culpa e tenha caráter de castigo. A figura do justo Jó é disso prova convincente no Antigo Testamento. A revelação, palavra do próprio Deus, põe o problema do sofrimento do homem inocente com toda a clareza: o sofrimento sem culpa. Jó não foi castigado; não havia razão para lhe ser infligida uma pena, não obstante ter sido submetido a uma duríssima prova.”

Enfim, não podemos dizer que Deus castiga, que nos envia tragédias naturais e a morte para nos provar. Mas podemos afirmar que, através da nossa dor, nos convida a nos aproximar Dele, nos aproximar de um Deus que não poupou nem seu Filho do sofrimento. Fonte: https://pt.aleteia.org

O caso, que ocorreu em Guarulhos, entra para a série de polêmicas envolvendo viagens de avião com animais

 

O garçom Reinaldo Junior e a cadela Pandora (Foto: @reinaldojuniorpandora/ Instagram/ Reprodução)

 

POR YARA GUERRA

No dia 15 de dezembro de 2021, o garçom Reinaldo Junior, de 39 anos, viajava com a sua cadela Pandora à cidade de Navegantes (SC), quando um pesadelo se iniciou. Durante uma conexão do voo da Gol no aeroporto de Guarulhos (SP), o animal fugiu da caixa de transporte e desapareceu.

Desde então, o tutor – que havia embarcado em Recife (PE) – distribui panfletos pelos bairros da cidade e pede ajuda através das redes sociais em busca de sua “filha”, como a chama.

Para embarcar Pandora, Reinaldo pagou uma passagem de R$ 850, além dos R$ 650 obrigatórios pela caixa de transporte. Apesar de afirmar que este não era o perfil de sua cadela, Reinaldo foi informado que ela corroeu a caixa e, em seguida, fugiu.

Em nota, a Gol anunciou: "Na manhã da quarta-feira (15/12), a cadela Pandora, animal de estimação de Cliente proveniente de Recife (REC), que faria conexão em Guarulhos (GRU) com destino a Navegantes (NVT) escapou da caixa de transporte durante processo de conexão em GRU. Pelas câmeras de segurança, foi possível apurar que ela fugiu pelo pátio, invadiu o Terminal de Cargas do aeroporto, seguiu sentido a rodovia Hélio Smidt, mas depois não foi mais vista.

A Companhia lamenta muito o incidente e está agindo de todas as formas para encontrar Pandora e devolvê-la ao dono. Para isso, contratou a “Busca Pet”, empresa especializada que conta com cães farejadores. Os trabalhos foram feitos ao longo da quarta, quinta e sexta-feira, mas devido às chuvas, as pistas sensoriais que poderiam ser usadas pelos cães da empresa foram perdidas. A empresa segue apoiando nas buscas neste final de semana.

No entanto, a companhia aérea encerrou o pagamento do hotel onde Reinaldo estava hospedado nesta segunda-feira, dia 3 de janeiro.

Desde o início das buscas, o garçom solicitou à Gol e ao GRU Airport as imagens das câmeras de segurança para conferir se encontrava o animal. No dia 3, o tutor obteve as filmagens através da polícia, que mostram Pandora perdida no aeroporto de Guarulhos.

São as mesmas imagens às quais a Gol se refere na nota publicada. Nelas, funcionários do aeroporto percebem a presença da cadela correndo pelo terminal de cargas, mas nada fazem para resgatá-la. Às 9h59, a câmera registra Pandora passando pelo gramado perto de uma das guaritas. É o último registro que se tem do animal.

Reinaldo continua panfletando em busca de Pandora e diz descartar a apresentação no trabalho em um restaurante na Suíça, com salário de quase R$ 5 mil, no próximo dia 25, se ela não for encontrada até a data.

Desde o dia 4 de janeiro de 2022, o garçom conta com o auxílio da advogada Antilia Reis para a defesa do caso. Em publicação no Instagram, Reinaldo escreveu:

"A advogada ativista Antilia Reis está defendendo Pandora e minha família desde ontem e está tomando todas as medidas cabíveis judiciais, cíveis e criminal contra a Gol e os responsáveis pelo desaparecimento da Pandora".

No vídeo, Reinaldo diz que, devido à cessão do pagamento do hotel pela Gol, está indo dormir no guichê da companhia aérea, no aeroporto de Guarulhos, junto à sua mãe. Ele também mostra a suposta caixa de transporte utilizada por Pandora durante o voo, intacta.

Hoje, dia 6 de janeiro de 2022, Reinaldo compartilhou em suas redes que os advogados de sua defesa conseguiram uma liminar que obriga a Gol a não apenas custear a sua hospedagem e alimentação, como também empreender esforços para procurar a cadela. 

 

Abaixo assinado e outros casos

Reinaldo também organizou um abaixo-assinado para pedir condições mais dignas de transporte para os animais. Afinal, não é a primeira vez que polêmicas sobre o tema surgem.

Em setembro de 2021, um filhote da raça Golden Retriever chamado Zion morreu após um voo da Latam entre São Paulo e Rio de Janeiro.

De acordo com a sua tutora, o voo em que o cachorro foi transportado chegou no Aeroporto do Galeão, no Rio, às 13h50. Mas o cão só foi lhe entregue às 15h30 e estava quase morto. Ela diz que o Zion ficou muito tempo no calor e, poucas horas depois, morreu.
Na ocasião, a Latam informou que seguiu todos os procedimentos de aceitação e transporte, e que atende rigorosamente aos regulamentos das autoridades nacionais e internacionais.
Já em outubro, o cachorro Weiser, da raça American Bully, embarcou em Guarulhos, também num voo da Latam, com destino a Aracajú (SE). Ao chegar à capital sergipana, o animal, com pouco mais de quatro anos, estava morto.

Segundo a Latam, o laudo veterinário apontou que cachorro morreu por asfixia depois de roer parte da caixa de madeira em que era transportado. A companhia reforçou que seguiu todos os procedimentos requeridos no transporte de animais. Fonte: https://oglobo.globo.com

 

Aeroporto de Amritsar teve fila de ambulâncias para levar os infectados ao local onde farão quarentena; autoridades locais temem avanço da variante Ômicron no país

 

AMRITSAR, ÍNDIA — Um voo fretado que partiu da Itália com destino à Índia teve, na quarta-feira, 125 passageiros com teste positivo para Covid-19 assim que desembarcaram na cidade de Amritsar. Os diagnosticados com a doença foram colocados em isolamento, segundo as autoridades locais.

Ao todo, a aeronave que decolou em Milão tinha 179 passageiros. Destes, 19 ficaram isentos da testagem por serem crianças ou bebês. As informações são da BBC.

Redes de televisão indianas registraram ambulâncias enfileiradas do lado de fora do Aeroporto Internacional Sri Guru Ram Dass Jee, em Amritsar, para levar os infectados. As imagens também mostram centenas de pessoas do lado de fora dos portões de entrada.

A Índia registrou até agora mais de 35 milhões de casos de Covid e cerca de 482.000 mortes pelo vírus. Nas últimas 24 horas, o país teve 325 mortes confirmadas, mas apenas uma ligada à Ômicron.

Autoridades de saúde indianas afirmam que a variante Ômicron está predominante no país e recomenda que aglomerações sejam evitadas. Fonte: https://oglobo.globo.com

NOTA: (Hoje não tirei a famosa foto pendurado a beira do penhasco. Da próxima vez vou sair de casa às 7h da manhã. Hoje tinha mais de 100 pessoas na fila. Rss. Frei Petrônio). www.instagram.com/freipetronio

 

Pedra do Telégrafo, no Rio

O que mais chama atenção ao pesquisar sobre a Pedra do Telégrafo são os sorrisos estampados na cara das pessoas que posam para fotos aparentemente penduradas à beira de um penhasco. Aquela expressão de alegria contrastava com o semblante sério que eu recebia quando perguntava como era a trilha até lá. A resposta era sempre a mesma: “quanto mais cedo, melhor”.

Outra curiosidade é que o bairro já serviu como refúgio de Roberto Burle Marx, que era avesso à badalação da Zona Sul. A sua antiga residência, o Sítio Burle Marx, foi recentemente adicionado à lista de visitas.

A Pedra do Telégrafo é o ponto mais alto do Morro de Guaratiba, local que foi usado pelos militares para observar a aproximação de navios alemães durante a Segunda Guerra Mundial. No entanto, a rocha onde todos querem tirar foto é na verdade a Pedra do Cavalo, conhecida também como Pedra da Bigorna. A 354 metros de altura, ela começou a ganhar popularidade em 1990, quando o geólogo Victor Klein fotografou uma égua branca em cima dela.

“Já vi mais de mil pessoas lá em cima. A fila começava um pouco antes de chegar ao topo e o tempo de espera era de quatro a cinco horas”, relatou. “Por isso, recomendo sempre levar água e um lanche – além de ter bastante paciência, porque hoje ela é um ponto turístico comparável ao Pão de Açúcar e ao Cristo Redentor“...

Leia mais em: https://viagemeturismo.abril.com.br/brasil/rio-o-perrengue-por-tras-da-foto-na-trilha-da-pedra-do-telegrafo

 

Segundo gerente de incidentes, até agora a cepa ainda não representou uma grande ameaça

 

O gerente de Incidentes da Organização Mundial de Saúde (OMS), Abdi Mahamud, afirmou que a nova variante do coronavírus encontrada na França está sendo monitorada "de perto" pela entidade.

"Esse vírus teve altas chances de infectar desde novembro, quando foi identificado", disse o gerente em uma coletiva de imprensa em Genebra (Suíça). Dessa forma, segundo Mahamud, até agora, a cepa ainda não representou uma grande ameaça.

Quanto à Ômicron, Mahamud destacou que a variante continua se espalhando rapidamente, sendo que a maioria dos países está vendo um alto número de casos e poucas mortes. De acordo com ele, a vacinação continua sendo essencial principalmente para as populações vulneráveis. Fonte: https://epocanegocios.globo.com

Uma foto mostra um incêndio em uma rua de Haia durante uma manifestação contra as medidas do governo holandês contra o coronavírus, em 20 de novembro de 2021. Novos tumultos estouraram no final de 20 de novembro por causa das medidas do governo holandês contra o coronavírus, com manifestantes atirando pedras e fogos de artifício na polícia. os protestos se tornaram violentos pela segunda noite na Holanda. 

Milhares de manifestantes desafiaram as autoridades e se reuniram na capital holandesa, Amsterdã, no domingo para se opor às restrições do COVID-19, levando a confrontos e 30 prisões.

"Esta é a Holanda! Poder para o povo!" cantou um manifestante.
Os manifestantes se reuniram em uma das principais praças da cidade, apesar das autoridades holandesas proibirem o protesto de antemão.

Os manifestantes, que em sua maioria não usavam máscaras ou obedeciam a regras de distanciamento social, ignoraram a ordem de não marchar e caminharam por uma via principal, tocando música e segurando guarda-chuvas amarelos em sinal de oposição às medidas governamentais. 

A polícia disse que os policiais antimotim tiveram que usar a força depois que os manifestantes se recusaram a deixar a praça, apesar de um aviso.

Quatro policiais ficaram feridos nos confrontos com os manifestantes e 30 prisões foram feitas por crimes, incluindo agressão, desordem pública, posse de uma arma proibida e desrespeito às forças de segurança, acrescentaram.

A mídia local informou que pelo menos dois manifestantes sofreram ferimentos.
O primeiro-ministro Mark Rutte anunciou um bloqueio em 18 de dezembro de 2021, uma semana antes do Natal, em resposta a uma nova onda de infecções por COVID-19 alimentadas pela variante Omicron.

O governo ordenou o fechamento de todas as lojas, exceto as essenciais, bem como restaurantes, cabeleireiros, academias, museus e outros locais públicos, incluindo lojas não essenciais, restaurantes, bares, cinemas, teatros e museus permanecerão fechados até 14 de janeiro e as escolas até 9 de janeiro.

De acordo com as novas regras, apenas duas pessoas podem se reunir ao ar livre, com exceção para enterros, mas nenhuma restrição de viagem foi imposta. Fonte: https://www.globaltimes.cn/

Anvisa monitora dois navios de cruzeiro que registraram dezenas de casos de Covid a bordo

 

Dois navios de cruzeiro estão parados nos portos de Santos (SP) e Salvador (BA) por causa de surtos de Covid a bordo. Dos 4 mil que estavam no navio MSC Splendida, 51 tripulantes e 27 passageiros foram diagnosticados com Covid. Muitos deixaram a embarcação nesta quinta-feira (30) e foram levados para um hotel na cidade.

O navio partiu de Santos no último domingo (26) para uma viagem de sete dias. Depois de passar pelo litoral de Santa Catarina, ele seguiria nesta quinta-feira para o Rio de Janeiro, mas precisou retornar ao porto da cidade paulista por causa dos casos de Covid.

A Anvisa, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, informou que o navio só deve deixar o porto de Santos após a finalização da análise dos dados epidemiológicos pelas autoridades de saúde. Enquanto isso, ninguém está autorizado a embarcar ou sair da embarcação.

Não é a primeira vez que passageiros são diagnosticados com Covid durante a temporada de cruzeiros, que começou no mês passado. Na viagem anterior do MSC Esplendida, a Anvisa confirmou outros 19 casos. E em Salvador, passageiros estão impedidos de desembarcar do navio Costa Diadema. Segundo a Anvisa, 68 casos foram confirmados, entre passageiros e tripulantes. Fonte: https://terrabrasilnoticias.com

 

Marisa Fotieo sentiu um incômodo na garganta no meio de um voo dos Estados Unidos à Islândia e fez um dos testes rápidos que tinha levado consigo. Com o diagnóstico, e preocupada com a saúde dos outros passageiros, a professora resolveu ficar no banheiro da aeronave.

 

A professora Marisa Fotieo estava em um voo dos Estados Unidos à Islândia na última semana quando descobriu que havia contraído a covid-19, reporta a estação de notícias 13 On Your Side. A professora explica que percebeu que tinha um incômodo na garganta ao sobrevoar o oceano.

Marisa, que havia levado consigo alguns testes rápidos, foi para o banheiro da aeronave fazer um. Ela descobriu que estava contaminada em alguns segundos. Na sequência, a professora informou seu diagnóstico à comissária de bordo, que lhe disse que o avião não tinha assentos suficientes para que ela ficasse isolada

Marisa, preocupada com a saúde dos outros passageiros, se ofereceu a ficar no banheiro pelo resto do voo. "Eu não acredito que passei quatro horas naquele banheiro", conta ela. "Mas você tem que fazer o que você precisa fazer", complementa.

A NBC News reporta que o pai e irmão de Marisa, que também estavam no avião, testaram negativo após o pouso. A professora ficou em Reyjavik, capital da Islândia, de quarentena por 10 dias enquanto sua família foi para a Suíça. Fonte: https://revistamarieclaire.globo.com

Por conta das altas temperaturas, o celular pegou fogo na tarde deste domingo (26). Luiz Arzani, de 59 anos, contou que se assustou ao perceber a fumaça que vinha debaixo de um edredom que estava por cima do banco do carro.

 

Celular de empresário de Lins pega fogo e danifica aparelho, carro e notebook — Foto: Luiz Arzani /Arquivo Pessoal

 

Por Desirèe Assis*, g1 Bauru e Marília

Um celular pegou fogo dentro de um carro por conta das altas temperaturas e o incêndio danificou o veículo, além de notas de dinheiro e um notebook de um empresário de Lins (SP).

Ao g1, Luiz Arzani, de 59 anos, contou que se assustou ao perceber a fumaça que vinha debaixo de um edredom que estava por cima do banco do carro. Na tentativa de apagar o fogo, solicitou ao genro que pegasse o extintor da sorveteria que é proprietário.

“Eu vi que debaixo do edredom estava saindo muita fumaça quando abri a porta do carro. Nisso, chamei meu genro e gritei para ele correr para pegar um extintor de incêndio. Foi muito rápido, tinha fumaça por todo lado”, diz.

Depois de apagar o incêndio com ajuda da filha e do genro, Luiz diz que viu que era o celular que estava pegando fogo uma vez que o carro estava estacionado no sol. Junto ao aparelho, um computador, R$ 300 e o carro foram danificados.

“Se passa um minuto a mais, tinha queimado o carro inteiro”, salienta. Fonte: https://g1.globo.com

 

Segundo o Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB), ato também acontece em outras cidades do país.

 

Por Carolina Caetano, g1 Minas — Belo Horizonte

Hipermercado de Belo Horizonte é ocupado por famílias que pedem cestas básicas

Cerca de 500 famílias de Belo Horizonte e da Grande BH ocuparam, nesta quinta-feira (16), um hipermercado no bairro Santa Efigênia, na Região Leste de Belo Horizonte. O grupo reivindica cestas básicas.

Segundo o Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB), que organiza a ação, o protesto denuncia a fome. Os manifestantes pedem por comida no Natal.

 

A Polícia Militar acompanha o protesto.

"Não estamos impedindo a passagem de ninguém. Fome não é caso de policia, tem que ser tratada como precisa", disse Indira.

As famílias fazem parte de ocupações em Belo Horizonte e na região metropolitana.

O hipermercado foi procurado pelo g1, mas ainda não houve retorno.

O MLB disse no fim da tarde que uma reunião com o estabelecimento sobre doações de cestas básicas será realizada nesta sexta-feira (16). A ação terminou por volta das 18h. Fonte: https://g1.globo.com

Erick Rianelli e Pedro Figueiredo são casados (foto: Erick Rianelli/Instagram/Reprodução)

Paulo Antônio Müller foi acusado de homofobia, mas juiz considerou as falas liberdade de expressão

 

Aline Brito - Correio Braziliense

O juiz Bruno César Singulani França rejeitou, nesta segunda-feira (6/12), a acusação do Ministério Público do Estado (MPE) contra o padre Paulo Antônio Müller por homofobia. O caso foi julgado na Vara Única de Tapurah, a 414 km de Cuiabá, e o magistrado considerou que as falas do padre eram liberdade de expressão e comportamentos de toda religião que "busca o aperfeiçoamento da conduta humana".

Nos autos do processo, o magistrado alegou que tudo não passou de algo normal em qualquer religião que tem como missão a elevação do espírito e "a reprovação de atos e práticas consideradas não saudáveis espiritualmente para aquele determinado credo". O juiz afirmou ainda que é "natural em qualquer grupo religioso que se recrimine condutas e o cristianismo está permeado de exemplos em que se desestimula a conduta humana desagradável a Deus, o que se denominou de pecado"

Para França, o direito não deve considerar algo como discurso de ódio somente porque incomoda algumas pessoas. "A democracia é baseada na pluralidade de ideias, muitas delas díspares e repelentes umas das outras. Calar um dos argumentos contrários às próprias convicções é conduta que não se coaduna com o atual estágio civilizatório e do avanço do direito", completou.

O MPMT, recorreu da decisão que rejeitou a denúncia. Ao contrário do entendimento do magistrado, que não viu a utilização de discurso de ódio por parte do padre, a promotora de Justiça que atua no caso afirmou que o líder religioso "ultrapassou os limites da livre manifestação acerca de suas crenças religiosas, uma vez que no dia dos fatos, durante a celebração religiosa de domingo da Paróquia Nossa Senhora Aparecida, proferiu ofensas e manifestações discriminatórias contra os jornalistas Erick Rianelli e Pedro Figueiredo, bem como contra a população LGBTQIA+".

 

Relembre o caso

Em 13 de junho deste ano, em uma missa transmitida ao vivo pelo Facebook, o padre causou repercussão nacional ao xingar os jornalistas de "viadinho". O pároco levou o relacionamento dos repórteres ao sermão para repudiar uniões homoafetivas.

Durante a live, Paulo Antônia falou que essa não deve ser a conduta do homem. "Que essa não seja sua cabecinha, nem do seu filho, nem da sua filha. Pegue a Bíblia e olhe o livro de gênesis. Deus criou o homem e a mulher, concebeu família para os dois se unirem", aconselhou.

"Queremos orar por você que é casado na igreja, é noivo, namorado. Vamos pedir a Deus que possamos viver bem esse tempo. A gente faz o namoro, não como a Globo mostrou durante essa semana com dois viados. Um repórter com um viadinho chamado Pedrinho. Ridículo", opinou.

Consta nos autos do processo que, durante a celebração religiosa, o padre fez várias declarações ofensivas. Entre elas, disse "que chamem a união de dois viados e duas lésbicas como querem, mas não de casamento, por favor, isso é falta de respeito para com Deus, isso é sacrilégio, é blasfêmia. Casamento é uma coisa bonita e digna".

A polêmica surgiu após o repórter Erick Rianelli se declarar ao vivo no telejornal Bom Dia RJ, ao marido Pedro Figueiredo. Em um momento espontâneo e apaixonado o jovem disse "meu amor, meu marido: eu te amo! Feliz Dia dos Namorados para a gente, para todos os casais apaixonados que estão nos assistindo, que todo mundo tenha um Dia dos Namorados maravilhoso". A declaração foi feita em 2020, mas voltou a repercutir este ano e recebeu diversos ataques nas redes sociais. Além de Erick, os demais jornalistas do telejornal também enviaram recados para os companheiros. 

 

Outros ataques

Além das falas do padre, o casal também foi criticado por um empresário de uma rede de hamburguerias do Distrito Federal. O vídeo da declaração circulou em um grupo do WhatsApp e um dos participantes, Alexandre Geleia, dono do Geleia Burguer, se pronunciou incomodado.

"Falo o que penso e o que eu acho. Se ficou incomodado, me desculpe, garoto. Só acho que não precisa e não é necessário passar em TV aberta, em jornal esse tipo de coisa. É a minha opinião e não vou mudar por ser uma figura pública", afirmou Alexandre por meio de áudios. As mensagens chegaram até Erick e Pedro, que pediram boicote a rede de lanchonetes.

"Recebi alguns relatos sobre um empresário de Brasília que reagiu com homofobia a um vídeo em que eu declarei amor ao meu marido. Agradeço por todas as mensagens de apoio! Sobre o empresário... acho que nenhum LGBT do DF vai comer mais nas lojas dele", disse Erick no Twitter.

 

Decisão do STF

Em 2019 o Supremo Tribunal Federal (STF) criminalizou a homofobia, enquadrando como uma forma de racismo. Além disso, a Suprema Corte também determinou que religiosos e fiéis não poderão ser punidos por racismo ao externarem suas convicções doutrinárias sobre orientação sexual desde que suas manifestações não configurem discurso discriminatório.

Na época, os ministros entenderam que Congresso não pode deixar de tomar as medidas legislativas que foram determinadas pela Constituição para combater atos de discriminação.

O MPMT, com base nessas decisões do STF, argumentou, no caso do padre, que é dever do Estado criminalizar as condutas atentatórias dos direitos fundamentais, inclusive a que se fundamenta na orientação sexual das pessoas ou em sua identidade de gênero. "O direito à igualdade sem discriminações abrange a identidade ou expressão de gênero e a orientação sexual", enfatizou. Fonte: https://www.em.com.br

Da espiral da dependência de conteúdos pornográficos brotam terríveis patologias sociais: violência, abuso sexual, pedofilia

 

Carlos Alberto Di Franco, O Estado de S.Paulo

A pornografia é um negócio poderoso e devastador. Causa dependência, desestrutura a afetividade, desestabiliza a família e passa uma pesada conta no campo da saúde mental. Mas o mais grave, de longe, é a estratégia de “mesmitificação” do material pornográfico. Eliminou-se o carimbo de proibido. Deu-se ao conteúdo pornográfico um toque de leveza, de algo sexy e divertido. Na prática, no entanto, a pornografia tem a garra da adicção e as consequências psicológicas, afetivas e sociais da dependência mais cruel. Joga o usuário num labirinto sombrio. Na era da internet, a pornografia invadiu computadores, implodiu relacionamentos e algemou muita gente. A pornografia produz uma imagem cínica do amor e transmite uma visão da sexualidade como puro domínio do outro.

Norman Doidge, importante psiquiatra canadense, tem tratado do tema com clareza e realismo. Mostrou, por exemplo, o que acontece no cérebro do consumidor assíduo de pornografia. A repugnância inicial aos conteúdos pornográficos, fruto dos naturais filtros morais, vai cedendo espaço ao acostumamento. O usuário demanda uma dose cada vez maior e mais “sofisticada” para obter os mesmos resultados. É a espiral da dependência. E dela brotam terríveis patologias sociais: violência, abuso sexual, pedofilia.

Frequentes denúncias de pedofilia na internet demonstram que a rede está se transformando no principal meio de aliciamento e exploração sexual de crianças. Apesar de proibidas pelas legislações, imagens de crianças em cenas de sexo pipocam constantemente na internet.

Abusadores criminosos põem à disposição do público arquivos com fotos pornográficas. Depois de localizadas, elas passam a circular entre usuários da rede e até em locais que poderiam ser considerados públicos. A crescente presença da pornografia infantil tem chocado a sociedade.

O problema, independentemente da justa indignação da opinião pública, não é de fácil solução. Envolve, de fato, inúmeras dificuldades de caráter político e operacional. Um mundo que não é capaz de estabelecer uma política unitária no combate às drogas dificilmente conseguirá desenhar uma plataforma comum na guerra à pornografia.

Na verdade, medidas preventivas são bastante limitadas. Policiar um sistema tão vasto e com tantos recursos técnicos seria uma tarefa extremamente cara e de resultados incertos. Embora seja possível bloquear o acesso aos sites publicamente conhecidos como pornográficos, os programas de filtros, apresentados como uma alternativa para impedir o acesso às páginas inconvenientes, diminuem o problema, mas não bloqueiam a perversa criatividade dos delinquentes do ciberespaço.

Algumas medidas, no entanto, podem e devem ser adotadas. A Polícia Federal tem feito um trabalho excelente, responsável e competente. A frequente identificação e prisão de predadores da internet é alentadora. Os responsáveis pela divulgação de pornografia infantil, racismo, publicidade de drogas ou outros crimes devem ser rigorosamente punidos. Denunciar é um dever.

Afinal, a rede mundial não pode ser transformada num instrumento da patologia e do crime.

Mas a raiz do problema, independentemente da irritação que eu possa despertar em certas falanges politicamente corretas, está na onda de baixaria e vulgaridade que tomou conta do ambiente nacional. Hoje, diariamente, na televisão, nos outdoors, nas mensagens publicitárias, o sexo foi guindado à condição de produto de primeira necessidade.

Atualmente, graças ao impacto da TV e da internet, qualquer criança sabe mais sobre sexo, violência e aberrações do que qualquer adulto de um passado não tão remoto. Não é preciso ser psicólogo para que se possam prever as distorções afetivas, psíquicas e emocionais dessa perversa iniciação precoce. Com o apoio das próprias mães, fascinadas com a perspectiva de um bom cachê, inúmeras crianças estão sendo prematuramente condenadas a uma vida “adulta” e sórdida. Promovidas a modelos e privadas da infância, elas estão se comportando, vestindo, consumindo e falando como adultos. A inocência infantil está sendo impiedosamente banida. Por isso, a multiplicação de descobertas de redes de pedofilia não deve surpreender ninguém. Trata-se, na verdade, das consequências criminosas da escalada de erotização infantil promovida por alguns setores do negócio do entretenimento.

Os problemas levantados pelo mau uso da internet, embora gravíssimos, são infinitamente menores que os benefícios trazidos por este notável canal de aproximação dos povos, de democratização dos conhecimentos e de globalização da solidariedade. Seus desvios não serão resolvidos por meio de ineficazes tutelas governamentais. Você, e só você, pode defender sua família.

Chegou para a família a hora do diálogo, da formação e do protagonismo responsável. A educação para o exercício da liberdade é o grande desafio dos nossos dias. A aventura da liberdade responsável, desguarnecida de ilusórias intervenções do Estado, acabará gerando uma sociedade mais consciente e amadurecida. Fonte: https://opiniao.estadao.com.br

 

Achar-se superior aos outros é atitude que agitava o mundo e o Olimpo ainda antes da internet

 

Páris escolhe a deus mais bela, em tela do alemão Lucas Cranach: conflito criado por Éris, a discórdia Foto: Reprodução/Meropolitan Museum

 

 

Leandro Karnal, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2021 | 03h00

Ela era rancorosa. Adorava semear intrigas. Amarga ao extremo, fazia detrações contínuas. Todas passaram a evitar Éris, a encarnação da discórdia. Deixou de ser convidada e ficou ainda mais amarga. Pior, houve uma disputada festa de casamento e ela desejava muito ter recebido a cartinha com seu nome. O envelope nunca chegou. Vingou-se com um plano maligno que provocaria uma guerra longa e mudaria toda a literatura ocidental. 

“Não me queriam com os noivos? Sem problema. Vou estragar o banquete deles!” Éris mandou forjar uma belíssima fruta de ouro. Era uma obra de arte, um troféu. A deusa das dissensões sabia muito sobre a natureza de todos e apostou na vaidade como mecanismo de desforra da sua dor social. Para aumentar, ela cunhou sobre a peça: “Para a mais bela”. Viraria um prêmio disputado pela soberba das deusas. Daria confusão saber quem obteria a peça e era, exatamente, o que Éris desejava. 

O plano foi executado com perfeição. Ao perceberem a fruta dourada sobre a mesa, instalou-se ruidosa discussão. Afrodite/Vênus (registro os nomes grego e romano) pegou-a com natural homenagem: ela era a deusa do amor e da beleza. Palas Atena/Minerva era igualmente cheia de ideias elevadas sobre si. A esposa do chefe, Hera/Juno, achou que o posto lhe dava a vitória no certame indireto que o plano malévolo de Éris engendrava. Zeus/Júpiter tinha um grave problema pela frente: indispor-se com qual das três mulheres? Tema delicado. 

O caminho é conhecido por quem lê mitologia. O poder olímpico mais alto encarregou um pastor-príncipe, Páris, de escolher o destino do fruto da discórdia. O juiz escolheu Vênus como a vencedora, por ela ter lhe oferecido o amor de Helena, a mais bela das mortais. As outras deusas ficaram muito irritadas e todo o conflito está na origem da Guerra de Troia. Achar-se superior aos outros e querer o reconhecimento de tal desnível agitava o mundo ainda antes da internet. 

Meu objetivo não é o choque registrado na Ilíada de Homero. Quero falar de Éris. Ela era filha da rainha do Olimpo. Sua mãe a rejeitara. Motivo? Não era muito bonita. Os romanos a batizaram, mais latinamente, de Discórdia. Rejeição da mãe, falta de beleza? Fica compreensível que ela tivesse o gênio difícil. Em outra fonte, Hesíodo, o escritor associa a deusa à noite (Nix) e a torna mãe de entidades tristes como Hisminas (deusa das discussões), Disnomia (deusa do desrespeito) e o triste Ponos, entidade do desânimo e da fadiga. 

Deusa amarga, rejeitada e geradora de sérios atritos entre homens e deuses. Sempre admirei quem atribuísse seus maus bofes, seu azedume a uma entidade externa. Você tende a brigar muito? Não, responderia um grego piedoso, foi a deusa Éris que falou por mim. Bebe demais? Não. São espíritos alcoólicos que me induzem para que eu me encharque no vício. Deusas, deuses, espíritos, almas perdidas, demônios, entidades malévolas seriam os verdadeiros causadores do mal. As vozes me ordenaram que atacasse você. Obsessores fizeram com que eu postasse este ataque. 

A questão central é óbvia: a omissão do sujeito e o ato de delegar suas escolhas a terceiros, visíveis ou invisíveis. Não compartilho dessa crença consoladora. Meus ressentimentos brotam de mim. Sou minha Éris quando, por falta de autoconhecimento, sou controlado pela dor ou pelo veneno da inveja. Eu crio o veneno, elaboro e destilo o fel, bebo, cuspo e vomito sobre o mundo. O ódio é meu. O desânimo me pertence. Provocar discórdia pode ser um prazer Karnal. Meus defeitos possuem meu nome e sobrenome. Creio que alguma virtude que eu possa ter, igualmente, apresente minha rubrica autoral. Mesmo que houvesse espíritos malignos ou benignos, entidades inspiradoras ou destruidoras da paz, eu teria de dar ouvido a elas. Assim como a lei brasileira não vai me livrar da cadeia se eu ceder à “lábia” de um criminoso e participar de um ato vil, ouvindo santos ou bandidos eu serei Leandro sempre. Sempre acreditei nisto: a absoluta responsabilidade dos meus atos. 

Não interpreto essa ideia (em parte elaborada com a leitura de Sartre) como vaidade de me achar importante. Não! Considero uma espécie de prisão que encerra minha consciência e que me leva a aceitar ou rejeitar influências. 

Como Hamlet, posso dizer a algum Laertes ofendido que, se a loucura do príncipe o ofendeu, eu também sou inimigo dela. É um excelente álibi. Pelo menos posso invocar a multiplicidade de ações que eu posso engendrar. Sou multifacetado e vivo no tempo soberano, logo, o Leandro de ontem agrediu? Lamento, era eu mesmo, integralmente, mas hoje eu percebo que fui idiota. Não foi Éris, não foi o Hamlet-louco, porém, Leandro. O Leandro mais calmo, hoje, insiste no pedido de perdão. Um dia, os deuses, contemplando as chamas de Troia e as muitas tragédias provocadas pela fruta dourada, teriam pensado: tudo isso foi culpa da deusa terrível. Os deuses poderiam fazer psicanálise? Tenho esperança. 

* Leandro Karnal é historiador, escritor, membro da Academia Paulista de Letras e autor de A Coragem da Esperança, entre outros

Fonte: https://cultura.estadao.com.br

Filho que mandou matar o pai para receber herança é condenado a 20 anos

Conforme o Ministério Público mineiro, outros três acusados devem ir a julgamento; homicídio duplamente qualificado aconteceu em Ipatinga, no Vale do Aço

 

O Tribunal do Júri de Ipatinga, no Vale do Aço, condenou a 20 anos de prisão Matheus Andrade Gonçalves, de 28 anos, apontado como o mandante do homicídio duplamente qualificado do próprio pai, o aposentado Evenilson Gonçalves, de 48, que morreu na porta de casa, executado com três tiros na cabeça. O réu, que já estava preso preventivamente, não poderá recorrer em liberdade.

Conforme a denúncia, oferecida pela 11ª Promotoria de Justiça da cidade do interior mineiro, o crime ocorreu em 27 julho de 2018, no Bairro Bom Retiro, e foi motivado pelo interesse do filho na herança do pai. Além disso, o relacionamento deles era marcado por conflitos recorrentes. A sentença foi dada na última terça-feira (16/11).

Por motivo torpe e mediante recurso que impossibilitou a defesa da vítima, outros quatro homens também foram denunciados pelo envolvimento no assassinato. Entretanto, um deles, de 37 anos, foi absolvido. Conforme a Justiça, ele sabia do plano de homicídio em curso, mas não teve participação direta.

No dia do crime, três homens, a mando do filho da vítima, foram para a porta da residência onde morava o aposentado. Inicialmente, dois dos autores desembarcaram do veículo em que estavam para vigiar o alvo.

No momento em que o homem ia guardar o carro na garagem do imóvel, ele foi surpreendido por um dos autores, que iniciou os disparos. Além dos três tiros que atingiram a cabeça de Evenilson, outros quatro acertaram as pernas e a mão dele. Na sequência, todos fugiram. O veículo usado na ação criminosa pertencia ao homem de 37 anos que foi inocentado.

Conforme o MPMG, o processo foi desmembrado. Com isso, os outros três acusados ainda irão a julgamento. Fonte: https://www.em.com.br

 

Secretário da Educação esteve no Colégio Estadual Thales de Azevedo nesta sexta-feira (19)

A Secretaria Estadual da Educação (SEC) acionou a Procuradoria Geral do Estado (PGE) para prestar assistência jurídica à professora que foi intimada pela polícia após a denúncia de uma aluna. Uma equipe deve acompanhá-la na delegacia.

O titular da SEC, Jerônimo Rodrigues, esteve no Colégio Estadual Thales de Azevedo nesta sexta-feira (19). Ele participou de uma reunião com a professora, o corpo docente e os gestores escolares na unidade escolar. Nesta sexta, estudantes se reuniram com cartazes na área interna da escola para prestar apoio à professora.

A SEC informou ainda que uma equipe de psicólogos da SEC está disponível para prestar atendimento à professora e à comunidade escolar. A pasta também reafirmou que a escola está em consonância com a lei. "A SEC destaca que a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) assegura o respeito à liberdade e o apreço à tolerância, além de garantir o livre exercício da docência. Os conteúdos ministrados pela professora em sala de aula estão em consonância com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e o Referencial Curricular do Estado e são acompanhados pela Coordenação Pedagógica da escola", diz e-mail enviado pela secretaria ao CORREIO. A secretaria também manifestou apoio à professora.

 

Boletim de ocorrência

Segundo a Polícia Civil, a mãe de uma adolescente registrou na Dercca que a filha teria sido hostilizada por colegas devido à sua opinião política.

A estudante teria sido também impedida de participar de atividades em grupos com colegas, sob o consentimento da professora, segundo a Polícia Civil. No entanto, segundo a APLB Sindicato, o que motivou o registro do BO foi o fato de a professora discutir temas como questões de gênero, racismo, assédio, machismo e diversidade em sala de aula, classificado como "esquerdista".

As pessoas envolvidas no caso estão sendo ouvidas pela Dercca. "É importante ressaltar que cabe à Polícia Civil investigar qualquer registro em suas unidades, agindo de modo imparcial ao apurar ocorrências que chegam a seu conhecimento. Só o desenrolar das investigações, portanto, poderá confirmar a veracidade das informações relatadas", diz nota enviada pela polícia.

 

Casos de hostilidade

Ainda de acordo com o sindicato, dois episódios marcam a perseguição aos professores da unidade escolar. "No mês de agosto foi realizado um seminário online pela escola e após o evento um grupo de estudantes e seus responsáveis expediram uma nota atacando os professores e palestrantes. Em outra ocasião, durante uma aula remota da disciplina de Inglês, a mãe de uma estudante, a mesma que deu entrada na queixa contra a professora de Filosofia, invadiu o espaço da aula online para inquirir e exigir explicações sobre a temática, que segundo ela seria inadequada por se tratar de feminismo", diz a nota divulgada pelo sindicato.

De acordo com a APLB, após receber a intimação na última terça-feira (16), a professora ficou muito abalada emocionalmente e teve que receber atendimento médico. A identidade dela não foi divulgada.

A equipe que gerencia a escola divulgou uma nota sobre o caso e diz que "as alegações são de que os conteúdos de Ciências Humanas são de "cunho esquerdista" e os de Linguagens são de "doutrinação feminista". 

A escola também repudiou a situação e afirmou que a intimação policial fere "a liberdade de cátedra e autonomia pedagógica, princípios constitucionais fundamentais". A escola diz ainda que a intimação também "viola o direito profissional e o respeito ao trabalho docente em disposições da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei nº9.394) e do Plano Nacional de Educação (Lei nº13.005)". A unidade escolar também pede apoio de entidades e movimentos sociais para garantir a autonomia pedagógica. 

 

Apoio jurídico

Para o coordenador-geral Rui Oliveira é inadmissível esta perseguição aos docentes. “Infelizmente são ações de grupos ligados à pessoas de extrema direita, que desrespeitam e ferem a liberdade de cátedra. Não vamos permitir que isso aconteça. Vamos dar todo o apoio para a comunidade escolar do Thales de Azevedo, principalmente à professora que foi intimada, bem como disponibilizar nossos advogados para acompanhá-la no dia da audiência. Vamos continuar denunciando toda a forma de abuso e perseguição”, destacou.

O sindicato diz ainda que lamenta toda a situação e que vai se empenhar para que o caso seja apurado. "A direção da APLB-Sindicato lamenta profundamente as ocorrências e reitera o apoio jurídico e psicológico à professora, exigindo a apuração dos fatos ocorridos, bem como também irá se articular para denunciar nos veículos de comunicação e nas Casas Legislativas, como Câmara de Vereadores e Assembleia Estadual, exibindo faixas e cartazes pedindo total solidariedade a todos os profissionais em Educação". Fonte: https://www.correio24horas.com.br

 

SÃO PAULO

Uma professora de filosofia do colégio estadual Thales de Azevedo, em Salvador (BA), recebeu uma intimação para comparecer à Delegacia de Repressão a Crimes contra a Criança e o Adolescente após uma aluna apresentar queixa sobre o conteúdo apresentado em sala de aula, com temas relacionados a questões de gênero, racismo, assédio, machismo e diversidade.

Segundo a APLB (Associação dos Professores Licenciados do Brasil), seção da Bahia, a professora precisou ser levada a um hospital para atendimento médico após receber a intimação e ficar emocionalmente abalada.

A direção da escola divulgou nota de repúdio e afirmou que a intimação fere a liberdade de cátedra e a autonomia pedagógica.

"Infelizmente, as alegações de que os conteúdos curriculares das ciências humanas são de cunho ‘esquerdista’ e os conteúdos de linguagens são de ‘doutrinação feminista’ têm provocado o enviesamento dos conhecimentos historicamente construídos e dos fenômenos sociais, em silenciamento dos docentes", diz a nota.

Para o colégio, a intimação policial censura o exercício laboral da professora e afronta o corpo docente e a gestão da escola. "Essa situação, portanto, viola o direito profissional e o respeito ao trabalho docente em disposições da Lei de Diretrizes e Bases da Educação e do Plano Nacional de Educação".

A aluna teria procurado a delegacia acompanhada da mãe por discordar dos temas abordados durante as aulas de filosofia. Um grupo de professores da escola afirmou que, antes de registrar a queixa, a aluna tinha um comportamento pouco amistoso e perseguia a professora.

A APLB diz que há tentativas de intimidação, coação e pressão psicológica para "cercear a livre expressão e tumultuar aulas e algumas atividades propostas pelos professores". Para a associação, essas tentativas são protagonizadas por grupos de extrema direita.

"Não vamos permitir que isso aconteça. Vamos dar todo o apoio para a comunidade escolar do Thales de Azevedo, principalmente à professora que foi intimada, bem como disponibilizar nossos advogados para acompanhá-la no dia da audiência", disse Rui Oliveira, coordenador da associação.

Além do caso da professora que recebeu a intimação, em agosto um grupo de estudantes e de pais e mães divulgou nota com críticas a professores e palestrantes após a realização de um seminário online pela escola.

A APLB afirma também que, em outra ocasião, a mãe da estudante que procurou a polícia invadiu o espaço de aula online de inglês para exigir explicações sobre a temática apresentada, que na avaliação dela seria feminista.

"A direção da APLB-Sindicato lamenta profundamente as ocorrências e reitera o apoio jurídico e psicológico à professora, exigindo a apuração dos fatos ocorridos", diz nota da associação.

A entidade promete procurar a Assembleia Legislativa e a Câmara de Vereadores para pedir solidariedade aos profissionais da escola. A direção da escola pede o apoio de entidades e movimentos sociais que defendem a educação pública, gratuita e laica para os professores que estariam sendo perseguidos.

A pesquisa "Valorização da Carreira Docente: um olhar sobre os professores", do Instituto Península, mostra que os professores brasileiros acreditam em seu papel transformador na vida dos estudantes e da sociedade, têm orgulho da profissão e são realizados profissionalmente. Mais de dois terços deles, no entanto, sentem que a profissão não é respeitada no Brasil e que as políticas públicas voltadas a eles não os valorizam. Fonte: https://www1.folha.uol.com.br

Nesta segunda-feira (15), por volta das 9h20, uma sirene localizada no condomínio do Frade, em Angra dos Reis, que integra o sistema do plano de emergência da Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto (CNAAA), foi acionada de forma indevida durante um teste silencioso que acontece diariamente.

O sinal soou durante aproximadamente 20 segundos, sendo, em seguida, cancelado pela Defesa Civil do Estado do Rio de Janeiro, responsável pela operação do equipamento. Na sequência, foi tocada uma mensagem sonora para avisar à população local de que se tratava apenas de um teste.

Uma equipe de telecomunicações da Eletronuclear foi deslocada até o local para avaliar a sirene, na medida em que a empresa faz a manutenção do aparelho. Constatado que o acionamento se deu devido a um sinal espúrio, a companhia está agora trabalhando para identificar a razão do episódio.

A Eletronuclear frisa que Angra 1 e 2 continuam operando normalmente, a 100% de potência, de forma inteiramente segura. Fonte: radiocostazul

COP-26: o planeta pede socorro

Mostrar se há vontade política para destinar mais recursos para mitigar os efeitos das mudanças climáticas e ajudar os mais pobres

 

Dom Odilo Pedro Scherer, O Estado de S.Paulo

CARDEAL-ARCEBISPO DE SÃO PAULO

 

O problema das mudanças climáticas, posto em debate na Conferência de Glasgow. O que está em jogo é o futuro da vida em nosso planeta azul. Órgãos de governo, empresas, cientistas, pesquisadores e especialistas no tema debateram e compartilharam preocupações e ideias para estabelecer metas e determinar medidas concretas para frear a degradação das condições de vida na Terra.

Também a Igreja Católica compartilha essa preocupação e participa do esforço para cuidar do ambiente da vida. Não é de hoje que ela ensina o respeito à natureza, que não é vista apenas como algo a ser desfrutado para o desenvolvimento humano: ela é obra de Deus Criador e manifestação de sua providência para com o ser humano e todas as criaturas. Cabe ao homem cuidar e administrar este “jardim”, em benefício de todos.

Embora isso já estivesse presente no ensinamento cristão tradicional, a palavra mais explícita da Igreja sobre as questões ambientais é mais recente, como também acontece no âmbito geral da cultura. Contudo, lembro-me bem de uma chamada do padre de minha comunidade de origem, no Paraná, nos anos 1950, advertindo contra o desmatamento indiscriminado e a erosão das terras: “A terra está ferida e a água vermelha dos córregos e rios é seu sangue que escorre”, dizia ele.

O papa Bento XVI, na encíclica Caritas in veritate (2009), ao tratar do desenvolvimento humano integral, recordou que a natureza nos precede, tendo-nos sido dada por Deus como precioso ambiente da vida. Ela nos fala do Criador e do seu amor pela humanidade. A natureza está à disposição do homem, mas não para qualquer intervenção e uso. Nela, o Criador imprimiu ordenamentos intrínsecos, que o homem deve conhecer e respeitar (cf. n.º 48). O homem pode servir-se responsavelmente da natureza para viver, mas precisa respeitar os equilíbrios intrínsecos da mesma natureza.

No mesmo documento, o papa Ratzinger tratou das implicações éticas e morais da conduta humana em relação à natureza. A questão não pode ser abordada apenas do ponto de vista técnico e econômico, pois também está associada aos deveres que nascem da relação do homem com o ambiente e com as demais pessoas. Essa relação envolve a nossa responsabilidade para com a humanidade inteira, sem esquecer os pobres e as gerações futuras. Sem esse discernimento, a natureza acaba sendo um tabu intocável ou, ao contrário, uma reserva da qual o homem vai se apossando até o exaurimento. Nem uma nem outra dessas atitudes corresponde à visão cristã sobre a natureza.

Em 2015, o papa Francisco publicou a encíclica Laudato sì – sobre o cuidado da casa comum, dedicada inteiramente à ecologia integral, com alguns conceitos novos e incisivos. Nas questões ambientais, tudo está interligado: o ambiente da vida, a pessoa humana e os demais seres, as questões econômicas, a justiça social e a paz. Não se pode tratar de uma delas sem levar em conta as demais dimensões deste conjunto de relações de uma ecologia integral. Também é bem ilustrativa a imagem da casa comum, usada pelo papa na encíclica: nosso planeta é a casa comum da inteira família humana. Descuidar ou pôr em risco a segurança desta casa é uma ameaça para a existência da própria humanidade. E o cuidado desta casa é uma responsabilidade de todos os seus habitantes. Ninguém está dispensado de fazer a sua parte.

Francisco propõe uma verdadeira “conversão ecológica”, que leve a mudanças de atitudes, padrões de vida, de modelos de desenvolvimento econômico e cultural e de formas de fazer política. Os padrões insustentáveis de produção e consumo, fora de controle, da sociedade global, levam à degradação das relações humanas e do planeta. Somente uma nova consciência ambiental e solidária será capaz de evitar o pior e de cuidar bem da Terra, preservar os recursos naturais e garantir o desenvolvimento humano sustentável, com justiça social, paz e esperança na nossa casa comum.

No dia 31 de outubro passado, Francisco conclamou os líderes mundiais a ouvirem “o grito da Terra e dos pobres”, pedindo que a Conferência de Glasgow forneça respostas eficazes para as graves questões climáticas globais e esperança concreta para as gerações futuras. Na mensagem enviada ao presidente da COP-26, Alok Sharma, o papa escreveu que é hora de mostrar se realmente existe vontade política para destinar, com honestidade, responsabilidade e coragem, mais recursos para mitigar os efeitos negativos das mudanças climáticas e para ajudar as populações mais pobres e vulneráveis, que são as que mais sofrem com os efeitos dessas mudanças.

Na sua intervenção na Conferência de Glasgow, o cardeal Pietro Parolin, secretário de Estado da Santa Sé, insistiu: os Acordos de Paris podem parecer ambiciosos, mas são inadiáveis. E desafiou os países mais capazes e ricos a liderarem uma finança e uma economia descarbonizadas.

Trata-se de uma mudança de época e de um desafio civilizatório, que requer o esforço de todos. Também dos cidadãos comuns. Fonte: https://opiniao.estadao.com.br