O Frei Petrônio de Miranda, Padre Carmelita e Jornalista- direto de Angra dos Reis/RJ- comenta a Transfiguração do Senhor (Mc 9, 2-10). Convento do Carmo de Angra. 28 de fevereiro-2021. DIVULGAÇÃO: www.instagram.com/freipetronio

Frei Jorge Van Kampen, O. Carm.  In Memoriam (*17/04/1932 + 08/08/2013). 

 

           Geralmente temos um ouvido muito bom para escutar a nossa voz e a nossa opinião. Mas o que um outro diz, o nosso ouvido enfraquece. No Monte Tabor é Deus que tem a palavra. Ele nos chama para ouvi-lo. É importante o que ele nos quer comunicar; não é fácil saber o que vem de Deus. É uma fraqueza nossa de querer ouvir a voz de Deus, quando coincide com a nossa opinião.

         Como é bom, quando podemos dizer, que Deus nos deu a razão. Mas quem garante esta coincidência? Geralmente não são vozes misteriosas. Podem ser palavras e testemunhas de pessoas, que sabe distinguir o bem e o mal. Na campanha da fraternidade devemos estar atentas o que se diz sobre a vida.

 

Introdução às leituras.

        Deus chama Abrão para realizar um projeto e mostra a grande benção, que este projeto tem para os seus descendentes. Timóteo ficou arrasado com a prisão de Paulo, mas este mostra o grande amor de Jesus que realizou grandes promessas, e insiste conosco: “Levantem-se, não tenhais medo!” A Campanha da Fraternidade nos mostra o grande dom da vida.

 

Reflexão.

      Na vida prática sempre temos uma ideia vaga de Deus. A sua Revelação não é muito clara. Cremos em Deus e por isso sabemos que ele existe. Não precisamos ter vergonha por causa dessa afirmação. Na Bíblia Deus se apresenta por imagens. Jesus diz assim: “Meu Pai” ou “Vosso pai celeste”. O apóstolo João diz: “Deus é amor”.  Em toda a Bíblia Deus se apresenta como um amigo fiel, que se promete conosco; como diz João 3,21: “Os que vivem de acordo com a verdade, procurem a luz”, como que quisesse dizer: “Valorize os ensinamentos de Jesus, e você encontra uma luz na caminhada da vida”.

      No silêncio do monte Tabor Deus convida para escutá-lo. No silêncio da vida é necessário colocar a nossa antena em direção a Deus. Saibamos escutar a sua palavra?

 

Resposta à Palavra de Deus.

      Terminada a visão, Jesus ficou só. Ele é a nossa palavra. A maneira de praticar a Palavra de Deus sugere, nesta quaresma, a Campanha da Fraternidade: Valorizar a Vida!

 

Frei Carlos Mesters, O. Carm.

 

Dois assuntos ligados entre si: a Transfiguração de Jesus e a questão da volta do profeta Elias. Hoje, muita gente vive esperando pela volta de Jesus e escreve nos muros da cidade: Jesus voltará! Eles não se dão conta de que Jesus já está presente dentro da nossa vida. De vez em quando, como um relâmpago repentino, esta presença se ilumina e transfigura nossa vida.

A fé que você tem em Jesus já lhe proporcionou algum momento de transfiguração e de alegria intensa? Estes momentos de alegria dão força na hora das dificuldades. 

Vamos olhar de perto nos seus mínimos detalhes o texto que nos descreve a transfiguração de Jesus (Lucas 9,28-36). Durante a leitura, vamos prestar atenção no seguinte: “Como acontece a transfiguração e qual a reação dos discípulos diante desta experiência?”

 

LEITURA DO TEXTO LUCAS 9, 28-36

Como acontece a transfiguração e qual a reação dos discípulos diante desta experiência?

Por que o texto apresenta Jesus com vestes resplandecentes conversando com Moisés e Elias? O que Moisés e Elias significam para Jesus? E o que significam para os discípulos?

Qual a mensagem da Voz do Pai para Jesus? E qual para os discípulos?

Como transfigurar, hoje, tanto a vida pessoal e familiar, como a vida comunitária aqui no bairro?

 

Vamos rezar o salmo que fala da luz de Deus: Salmo 27(26)

A Transfiguração acontece depois do primeiro anúncio da Morte de Jesus (Lc 9,21-22). Este anúncio tinha transtornado a cabeça dos discípulos, sobretudo de Pedro (Mc 8,31-33). (Lucas omite esta passagem sobre Pedro.) Eles tinham os pés no meio dos pobres, mas a cabeça perdida na propaganda do governo e da religião da época (Mc 8,15). Pois, conforme o Antigo Testamento, um condenado à morte na cruz devia ser considerado como um “maldito de Deus” (Dt 21,22-23) e jamais poderia ser o messias! Por isso Pedro reagiu com tanta força contra a cruz (Mc 8,32). A cruz era um impedimento para crer em Jesus. “A cruz é um escândalo!”, assim diziam (1Cor 1,23). A Transfiguração de Jesus ajuda os discípulos a superar o trauma da Cruz. No Evangelho de Lucas, Jesus conversa sobre a sua Paixão e Morte com Moisés e Elias (Lc 9,31).

Nos anos 80, quando Lucas escreve, a Cruz continuava sendo um grande impedimento para os judeus aceitarem Jesus como Messias. Como é que um crucificado, morto como marginal, podia ser o grande messias que o povo esperava há séculos? As comunidades não sabiam como responder às perguntas críticas dos judeus. Um dos maiores esforços dos primeiros cristãos consistia em ajudar as pessoas a perceber que a cruz não era escândalo nem loucura, mas sim expressão do poder e da sabedoria de Deus (1Cor 1,22-31). Lucas dá a sua contribuição neste esforço. Ele usa textos e figuras do Antigo Testamento para descrever a cena da Transfiguração. Assim ele ilumina os fatos da vida de Jesus e mostra que Jesus veio realizar as profecias e que a Cruz era o caminho para a Glória. Assim ajudava as comunidades para entender melhor quem era Jesus e qual a mensagem dele.

 

Jesus muda de aspecto.

        Jesus sobe a uma montanha alta. Lucas acrescenta que ele subiu para rezar (Lc 9,28). Lá em cima, Jesus aparece na glória diante de Pedro, Tiago e João. Junto com ele aparecem Moisés e Elias. A Montanha alta evoca o Monte Sinai, onde Deus tinha manifestado sua vontade ao povo entregando a lei. As vestes brancas lembram Moisés que ficava fulgurante quando conversava com Deus na Montanha e dele recebia a lei (cf. Ex 34,29-35). Elias e Moisés, as duas maiores autoridades do Antigo Testamento, conversam com Jesus e aprovam o que ele diz e faz. Lucas informa que a conversa de Moisés e Elias é sobre a Morte de Jesus em Jerusalém (Lc 9,31).

 

Pedro gostou mas não entendeu.

            Pedro gostou e quer segurar o momento agradável na Montanha. Ele se oferece para construir três tendas. Lucas diz que Pedro não sabia o que estava dizendo. Falou por falar. E Lucas acrescenta que os discípulos estavam com sono (Lc 9,32). Os discípulos são como nós: têm dificuldade para entender a Cruz!

 

A voz do céu esclarece os fatos. 

            A voz do Pai diz: “Este é o meu Filho ama­do! Ouvi-o!”. A expressão “Filho amado” lembra a figura do Messias Servidor, anunciado pelo profeta Isaías (cf. Is 42,1). A expressão “Ouvi-o!” lembra a profecia que prometia a chegada de um novo Moisés (cf. Dt 18,15). Com outras palavras, em Jesus, as profecias do Antigo Testamento estão se realizando. Os discípulos já não podem duvidar. Devem entender que Jesus é realmente o Messias glorioso e que o caminho da glória passa pela cruz. Pois tudo isto já tinha sido anunciado na profecia do Servo sofredor (Is 53,3-9). Moisés e Elias o confirmam. A glória da Transfiguração o comprova. O Pai o garante. Jesus o aceita.

No fim, Lucas diz que, depois da visão, os discípulos vêem só Jesus e ninguém mais. Daqui para frente, Jesus é a única revelação de Deus para nós! Só ele! Jesus é a chave para a gente entender o Antigo Testamento.

 

Saber guardar o silêncio.

            Jesus pedia para não dizerem nada a ninguém até que tivesse ressuscitado dos mortos, mas os discípulos não entenderam. De fato, não entende o significado da Cruz quem não liga o sofrimento com a ressurreição. A Cruz de Jesus é a prova de que a vida é mais forte que a morte.

 

A volta do profeta Elias. 

            No Evangelho de Marcos os discípulos querem saber sobre a volta do profeta Elias (Mc 9,11-13). O profeta Malaquias tinha anunciado que Elias devia voltar para preparar o caminho do Messias (Ml 3,23-24). O mesmo anúncio está no livro do Eclesiástico (Eclo 48,10). Então, como Jesus podia ser o Messias, se Elias ainda não tinha voltado? Por isso, os discípulos perguntam: “Por que motivo os escribas dizem que Elias deve vir primeiro?” (Mc 9,11). A resposta de Jesus é clara: “Elias já veio e fizeram com ele tudo o que quiseram, conforme dele está escrito” (Mc 9, 13). Escrito aonde e o que? Jesus alude à morte violenta de João Batista (cf Mc 6,16.27-28). Nela se realizou a ameaça de morte que Jezabel fez contra Elias, conforme está escrito no livro dos Reis (1 Rs 19,2.10). Com outras palavras, as profecias de Isaías que falam da morte violenta do Messias Servo também se cumprirão.

 

Instrução sobre a necessidade da fé (Mc 9,14-29).

Ao descer do Monte, Jesus encontra os discípulos tentando inutilmente expulsar o demônio impuro de um menino doente. Anteriormente, eles tinham sido capazes de expulsar demônios (Mc 6,13). Mas, ao que parece, o desencontro crescente entre eles e Jesus tinha enfraquecido sua fé. Jesus teve um desabafo: “Ó geração sem fé! Até quando vou estar com vocês! Até quando vou suportá-los?” (Mc 9,19) De volta em casa, os discípulos perguntaram: “Por que não pudemos expulsá-lo?” Jesus responde: “Essa espécie não pode sair a não ser com oração” (Mc 9,28-29). Só mesmo a oração fortalece a fé do discípulo a ponto de ela ser capaz de expulsar o demônio e de corrigir as idéias erradas sobre Jesus, o Messias. Pois “tudo é possível àquele que crê!” (Mc 9,24)

 

A caligrafia pequena na folha amarelada de um diário escolhido ao acaso e que traz no cabeçalho as palavras "notas e memórias do dia". Um único erro de ortografia, corrigido à mão. É o primeiro fragmento excepcional de uma grande quantidade de escritos inéditos e ainda secretos: os diários, cuja existência pela primeira vez o Repubblica pode revelar, de uma grande personalidade da Igreja do século XX, o cardeal Carlo Maria Martini. Até agora, poucos sabiam de sua existência. Martini não falou com ninguém sobre isso. Eram o seu segredo. O fragmento foi escrito em 5 de setembro de 1955, uma segunda-feira. A reportagem é de Paolo Rodari, publicada por La Repubblica, 21-02-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.

Martini tem 28 anos, já é padre, estuda teologia com vistas ao doutorado. Está na Inglaterra. Aqui, como fulgurado, comunica a decisão de manter um diário íntimo e pessoal, um trabalho que o acompanhará por toda a vida. Ele escreve: “Chego a Londres à noite, depois de uma viagem por Carlisle, Preston, Crewe. Li algumas páginas do diário de Merton: gostaria também de escrever um diário que revelasse verdadeiramente quem eu sou, que servisse para me descobrir. Eu gostaria que isso me aproximasse de Deus, mas temo que se torne um instrumento de complacência. Tive muito que sofrer por minha própria causa em Blackburn. Por um lado, me sinto amarrado e pequeno, por outro, pareço ter algo grande para expressar. Eu quero que tudo seja apenas para Deus, ao custo de esmagar todo o resto de mim. Faça, oh! meu Deus, que seja assim!”.

Ninguém sabe a que sofrimento Martini alude. O que se conhece é a humildade do cardeal, que desde pequeno tem como leitura predileta os Evangelhos, os clássicos da teologia, até os diários do monge trapista estadunidense Merton que, como Martini, adorava a busca de um diálogo com cada homem, respeitando as diferenças de cada um. Muitos dos diários de Merton relatam seu interesse em um maior conhecimento do monaquismo budista. Como ele, também Martini fará do conhecimento de outras religiões um traço decisivo de sua vida.

O estilo de Martini tem muito em comum com a busca da voz de Deus no retiro que para Merton era o deserto, para ele a cidade com suas contradições. Aqueles do religioso jesuíta são textos pessoais que - 34 entre cadernos e agendas - revelam pensamentos súbitos e que, precisamente pelo seu caráter confidencial, se não contextualizados podem gerar mal-entendidos. Por isso, explica Carlo Casalone - presidente da "Fundação Carlo Maria Martini" e provincial da Itália da Companhia quando o cardeal deixou em legado seus escritos aos Jesuítas - "por algum tempo não estarão disponíveis para consulta: precisam de uma reorganização e de uma análise que só mãos experientes podem realizar”. Os diários, encontrados em Gallarate onde Martini passou seus últimos anos de vida, também exigirão uma delicada restauração, confiada ao prestigioso laboratório das freiras beneditinas de Viboldone. Foram recuperados por dom Luigi Testore, executor testamentário do cardeal e atual bispo de Asti, e por Paolo Cortesi, secretário pessoal de Martini de 1983 a 1990. Muitos cadernos têm um título, dado diretamente por Martini e contêm pensamentos quase diários: anotações pessoais, espirituais, de estudo, notas de trabalho, notas de viagem e de escritório, reflexões sobre os Evangelhos ou personagens bíblicos, impressões sobre pessoas encontradas, fatos atuais. Martini usa vários cadernos ao mesmo tempo, muitos também têm papéis soltos dentro deles, consistindo em apontamentos pessoais ou de terceiros, recortes de jornal, imagens, correspondência e outros materiais.

Por meio do seu estudo, a Fundação poderá dissecar traços desconhecidos de Martini. Além disso, já nos arquivos, existem muitos textos inéditos que ainda precisam da correta localização histórica. Entre os mais interessantes estão os escritos dedicados às relações com outras religiões, tema também do último volume da Opera omnia publicada pela Bompiani, Fratelli e sorelle. Ebrei, cristiani, musulmani.

Nas Conversas Noturnas de Jerusalém, Martini argumenta que Deus poderia nem mesmo ser tradicionalmente "católico".

Nos documentos já recolhidos nos arquivos e em grande parte disponíveis no site da Fundação - 5044 textos, 323 serviços fotográficos, 200 áudios, 623 documentos doados, 51 entrevistas em vídeo - Martini vai ao fundo de seus pensamentos. Existe a busca pelo confronto com o budismo. E as reflexões sobre o Islã que tenta se defender de todas as infiltrações do método histórico-crítico, com a constatação de que quando essa defesa não for mais possível "passará por uma grande crise interna".

Num rascunho datilografado de 1989 e dedicado à presença e ação missionária cristã na Índia e nos países muçulmanos, Martini se pergunta que sentido tenha a presença da Igreja onde o Islã é como um "muro" impenetrável. “Se especificarmos que temos como meta a sua conversão, o diálogo é queimado desde o início”, escreve ele.

O mesmo ocorre na Índia, com os hindus ou onde o budismo é praticado.

Entre aqueles que acreditam que seja legítimo tentar trazer as grandes massas de volta para a Igreja, tanto quanto possível, e aqueles que, em vez disso, na esteira de Atos 1, acreditam que o mandato seja simplesmente o de dar testemunho independentemente da conversão, Martini, como é seu estilo, não resolve completamente, não condena os primeiros em favor dos segundos, embora ele pessoalmente admita que prefere a segunda abordagem.

É o estilo de Martini, um homem de diálogo sem fundamentalismos, que emerge em documentos que acompanham grande parte do século XX até sua morte em 31 de agosto de 2012, em um momento difícil para a Igreja, um ano e meio antes da renúncia de Bento XVI. Fonte: http://www.ihu.unisinos.br

 

Courtney Ellis, funcionária dos bichinhos de estimação do escritório do senador Christoper Bond Pooley, um cachorro de escritório de chihuahua pertencente à diretora de comunicações Shana Marchio (NP) em Washington, DC em 6 de maio de 2010. Foto: VCG 

Por AFP

   

Cientistas disseram na quarta-feira que descobriram os restos mortais mais antigos de um cão doméstico nas Américas com mais de 10.000 anos, sugerindo que os animais acompanharam as primeiras ondas de colonos humanos.

Acredita-se que os humanos tenham migrado da Sibéria para a América do Norte sobre o que hoje é o Estreito de Bering, no final da última Idade do Gelo - entre 30.000 e 11.000 anos atrás.

A história dos cães está interligada com a do homem desde os tempos antigos, e estudar O DNA canino pode fornecer uma boa linha do tempo para a colonização humana.
Um novo estudo liderado pela Universidade de Buffalo analisou o DNA mitocondrial de um fragmento ósseo encontrado no sudeste do Alasca. A equipe inicialmente pensou que o fragmento pertencesse a um urso.

Mas um exame mais detalhado revelou que era parte de um fêmur de um cão que viveu na região há cerca de 10.150 anos e que compartilhava uma linhagem genética com cães americanos que viveram antes da chegada das raças europeias.

"Como os cães são uma representação da ocupação humana, nossos dados ajudam a fornecer não apenas um momento, mas também um local para a entrada de cães e pessoas nas Américas", disse Charlotte Lindqvist, bióloga evolucionária da University at Buffalo e da University of Dakota do Sul.

Ela disse que as descobertas, publicadas na revista Proceedings of the Royal Society B, corroboram a teoria de que os humanos chegaram à América do Norte vindos da Sibéria.
Uma análise de isótopos de carbono do fragmento ósseo mostrou que o antigo cão do sudeste do Alasca provavelmente tinha uma dieta marinha. Fonte: https://www.globaltimes.cn

 

Serviço de streaming irá permitir que o sistema baixe episódios e filmes recomendados pelo serviço

 

Por Evandro Almeida Jr., especial para o Estadão - O Estado de S. Paulo

Netflix acaba de lançar uma nova opção em seu aplicativo para consumo offline de conteúdos. Com o "Downloads for You", o aplicativo baixará automaticamente conteúdos baseados no histórico do usuário na plataforma. 

Ao ativar o recurso, o usuário poderá delimitar quanto de espaço quer deixar disponível para baixar conteúdo — 1GB, 3GB ou 5GB. O download é feito imediatamente assim que o smartphone tiver conectado ao Wi-Fi. Após assistir aos conteúdos, o usuários poderá deletar e abrir mais espaço para novos filmes e episódios de série.

O diretor de Inovação e Produto da Netflix, Patrick Flemming, disse que a intenção é facilitar a vida do usuário na busca por novos conteúdos. “Nós queremos te ajudar a descobrir qual vai ser sua nova série ou filme favorito de forma mais fácil. Estando conectado ou não.” O movimento é mais uma tentativa do serviço de ajudar o usuários a superar a indecisão que acomete muitos usuários do serviço. A empresa já testou programa linear, como um canal de TV tradicional, e uma ferramenta de escolha aleatória de programas

De acordo com a Netflix, todos os conteúdos da plataforma estarão disponíveis para armazenamento, não só originais. Por enquanto, o serviço está disponível apenas para smartphones com o sistema Android. A versão para iOS será liberada ao longo do ano. 

Segundo a empresa, o Downloads For You não é uma substituição do Smart Downloads, que já existe para baixar conteúdos e assisti-los offline no aplicativo - ele será uma ferramenta complementar. Fonte: https://link.estadao.com.br

Neste dia 22 de fevereiro, a Igreja celebra a Festa da Cátedra de São Pedro, uma ocasião importante que remonta ao século IV e que rende comemoração ao primado e autoridade do Apóstolo Pedro, o primeiro Papa da Igreja.

Além disso, esta celebração recorda a autoridade conferida por Cristo ao Apóstolo quando lhe diz, conforme relatam os Evangelhos: “Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei minha Igreja. E as portas do inferno não prevalecerão sobre ela”.

A palavra “cátedra” significa acento ou trono e é a raiz da palavra catedral, a Igreja onde um bispo tem o trono do qual prega. Sinônimo de cátedra é também “sede” (assento). A “sede” é o lugar de onde um bispo governa sua diocese. Por exemplo, a Santa Sé é a sede do Papa. Fonte: https://www.acidigital.com

Convento do Carmo de Angra dos Reis/RJ. 22 de fevereiro-2021. www.instagram.com/freipetronio

Missa de Cinzas: Homilia do Frei Petrônio de Miranda, O. Carm- Na abertura da Campanha da Fraternidade-2021 em Angra dos Reis/RJ- Diocese de Itaguaí. Quarta-feira de Cinzas. 17 de fevereiro-2021. www.instagram.com/freipetronio


«Vamos subir a Jerusalém...» (Mt 20, 18).

Quaresma: tempo para renovar fé, esperança e caridade.

 

Queridos irmãos e irmãs!

Jesus, ao anunciar aos discípulos a sua paixão, morte e ressurreição como cumprimento da vontade do Pai, desvenda-lhes o sentido profundo da sua missão e convida-os a associarem-se à mesma pela salvação do mundo.

Ao percorrer o caminho quaresmal que nos conduz às celebrações pascais, recordamos Aquele que «Se rebaixou a Si mesmo, tornando-Se obediente até à morte e morte de cruz» (Flp 2, 8). Neste tempo de conversão, renovamos a nossa fé, obtemos a «água viva» da esperança e recebemos com o coração aberto o amor de Deus que nos transforma em irmãos e irmãs em Cristo. Na noite de Páscoa, renovaremos as promessas do nosso Batismo, para renascer como mulheres e homens novos por obra e graça do Espírito Santo. Entretanto o itinerário da Quaresma, como aliás todo o caminho cristão, já está inteiramente sob a luz da Ressurreição que anima os sentimentos, atitudes e opções de quem deseja seguir a Cristo.

O jejum, a oração e a esmola – tal como são apresentados por Jesus na sua pregação (cf. Mt 6, 1-18) – são as condições para a nossa conversão e sua expressão. O caminho da pobreza e da privação (o jejum), a atenção e os gestos de amor pelo homem ferido (a esmola) e o diálogo filial com o Pai (a oração) permitem-nos encarnar uma fé sincera, uma esperança viva e uma caridade operosa.

1-A fé chama-nos a acolher a Verdade e a tornar-nos suas testemunhas diante de Deus e de todos os nossos irmãos e irmãs

Neste tempo de Quaresma, acolher e viver a Verdade manifestada em Cristo significa, antes de mais, deixar-nos alcançar pela Palavra de Deus, que nos é transmitida de geração em geração pela Igreja. Esta Verdade não é uma construção do intelecto, reservada a poucas mentes seletas, superiores ou ilustres, mas é uma mensagem que recebemos e podemos compreender graças à inteligência do coração, aberto à grandeza de Deus, que nos ama ainda antes de nós próprios tomarmos consciência disso. Esta Verdade é o próprio Cristo, que, assumindo completamente a nossa humanidade, Se fez Caminho – exigente, mas aberto a todos – que conduz à plenitude da Vida.

O jejum, vivido como experiência de privação, leva as pessoas que o praticam com simplicidade de coração a redescobrir o dom de Deus e a compreender a nossa realidade de criaturas que, feitas à sua imagem e semelhança, n'Ele encontram plena realização. Ao fazer experiência duma pobreza assumida, quem jejua faz-se pobre com os pobres e «acumula» a riqueza do amor recebido e partilhado. O jejum, assim entendido e praticado, ajuda a amar a Deus e ao próximo, pois, como ensina São Tomás de Aquino, o amor é um movimento que centra a minha atenção no outro, considerando-o como um só comigo mesmo [cf. Enc. Fratelli tutti (= FT), 93].

A Quaresma é um tempo para acreditar, ou seja, para receber a Deus na nossa vida permitindo-Lhe «fazer morada» em nós (cf. Jo 14, 23). Jejuar significa libertar a nossa existência de tudo o que a atravanca, inclusive da saturação de informações – verdadeiras ou falsas – e produtos de consumo, a fim de abrirmos as portas do nosso coração Àquele que vem a nós pobre de tudo, mas «cheio de graça e de verdade» (Jo 1, 14): o Filho de Deus Salvador.

2-A esperança como «água viva», que nos permite continuar o nosso caminho

A samaritana, a quem Jesus pedira de beber junto do poço, não entende quando Ele lhe diz que poderia oferecer-lhe uma «água viva» (cf. Jo 4, 10-12); e, naturalmente, a primeira coisa que lhe vem ao pensamento é a água material, ao passo que Jesus pensava no Espírito Santo, que Ele dará em abundância no Mistério Pascal e que infunde em nós a esperança que não desilude. Já quando preanuncia a sua paixão e morte, Jesus abre à esperança dizendo que «ressuscitará ao terceiro dia» (Mt 20, 19). Jesus fala-nos do futuro aberto de par em par pela misericórdia do Pai. Esperar com Ele e graças a Ele significa acreditar que, a última palavra na história, não a têm os nossos erros, as nossas violências e injustiças, nem o pecado que crucifica o Amor; significa obter do seu Coração aberto o perdão do Pai.

No contexto de preocupação em que vivemos atualmente onde tudo parece frágil e incerto, falar de esperança poderia parecer uma provocação. O tempo da Quaresma é feito para ter esperança, para voltar a dirigir o nosso olhar para a paciência de Deus, que continua a cuidar da sua Criação, não obstante nós a maltratarmos com frequência (cf. Enc. Laudato si’32-33.43-44). É ter esperança naquela reconciliação a que nos exorta apaixonadamente São Paulo: «Reconciliai-vos com Deus» (2 Cor 5, 20). Recebendo o perdão no Sacramento que está no centro do nosso processo de conversão, tornamo-nos, por nossa vez, propagadores do perdão: tendo-o recebido nós próprios, podemos oferecê-lo através da capacidade de viver um diálogo solícito e adotando um comportamento que conforta quem está ferido. O perdão de Deus, através também das nossas palavras e gestos, possibilita viver uma Páscoa de fraternidade.

Na Quaresma, estejamos mais atentos a «dizer palavras de incentivo, que reconfortam, consolam, fortalecem, estimulam, em vez de palavras que humilham, angustiam, irritam, desprezam» (FT, 223). Às vezes, para dar esperança, basta ser «uma pessoa amável, que deixa de lado as suas preocupações e urgências para prestar atenção, oferecer um sorriso, dizer uma palavra de estímulo, possibilitar um espaço de escuta no meio de tanta indiferença» (FT, 224).

No recolhimento e oração silenciosa, a esperança é-nos dada como inspiração e luz interior, que ilumina desafios e opções da nossa missão; por isso mesmo, é fundamental recolher-se para rezar (cf. Mt 6, 6) e encontrar, no segredo, o Pai da ternura.

Viver uma Quaresma com esperança significa sentir que, em Jesus Cristo, somos testemunhas do tempo novo em que Deus renova todas as coisas (cf. Ap 21, 1-6), «sempre dispostos a dar a razão da [nossa] esperança a todo aquele que [no-la] peça» (1 Ped 3, 15): a razão é Cristo, que dá a sua vida na cruz e Deus ressuscita ao terceiro dia.

3-A caridade, vivida seguindo as pegadas de Cristo na atenção e compaixão por cada pessoa, é a mais alta expressão da nossa fé e da nossa esperança

A caridade alegra-se ao ver o outro crescer; e de igual modo sofre quando o encontra na angústia: sozinho, doente, sem abrigo, desprezado, necessitado... A caridade é o impulso do coração que nos faz sair de nós mesmos gerando o vínculo da partilha e da comunhão.

«A partir do “amor social”, é possível avançar para uma civilização do amor a que todos nos podemos sentir chamados. Com o seu dinamismo universal, a caridade pode construir um mundo novo, porque não é um sentimento estéril, mas o modo melhor de alcançar vias eficazes de desenvolvimento para todos» (FT, 183).

A caridade é dom, que dá sentido à nossa vida e graças ao qual consideramos quem se encontra na privação como membro da nossa própria família, um amigo, um irmão. O pouco, se partilhado com amor, nunca acaba, mas transforma-se em reserva de vida e felicidade. Aconteceu assim com a farinha e o azeite da viúva de Sarepta, que oferece ao profeta Elias o bocado de pão que tinha (cf. 1 Rs 17, 7-16), e com os pães que Jesus abençoa, parte e dá aos discípulos para que os distribuam à multidão (cf. Mc 6, 30-44). O mesmo sucede com a nossa esmola, seja ela pequena ou grande, oferecida com alegria e simplicidade.

Viver uma Quaresma de caridade significa cuidar de quem se encontra em condições de sofrimento, abandono ou angústia por causa da pandemia de Covid-19. Neste contexto de grande incerteza quanto ao futuro, lembrando-nos da palavra que Deus dera ao seu Servo – «não temas, porque Eu te resgatei» (Is 43, 1) –, ofereçamos, juntamente com a nossa obra de caridade, uma palavra de confiança e façamos sentir ao outro que Deus o ama como um filho.

«Só com um olhar cujo horizonte esteja transformado pela caridade, levando-nos a perceber a dignidade do outro, é que os pobres são reconhecidos e apreciados na sua dignidade imensa, respeitados no seu estilo próprio e cultura e, por conseguinte, verdadeiramente integrados na sociedade» (FT, 187).

Queridos irmãos e irmãs, cada etapa da vida é um tempo para crer, esperar e amar. Que este apelo a viver a Quaresma como percurso de conversão, oração e partilha dos nossos bens, nos ajude a repassar, na nossa memória comunitária e pessoal, a fé que vem de Cristo vivo, a esperança animada pelo sopro do Espírito e o amor cuja fonte inexaurível é o coração misericordioso do Pai.

Que Maria, Mãe do Salvador, fiel aos pés da cruz e no coração da Igreja, nos ampare com a sua solícita presença, e a bênção do Ressuscitado nos acompanhe no caminho rumo à luz pascal.

Roma, em São João de Latrão, na Memória de São Martinho de Tours, 11 de novembro de 2020.

Francisco

Fonte: http://www.vatican.va

SANTA TERESA DE JESUS. No dia de Teresa D`Ávila, vamos recordar o IV- Encontro da ALACAR-Associação Latino Americana dos Carmelitas. De de 26 a 31/10/2015 em El Salvador. No vídeo, Frei Savério Canistrà, OCD, Prepósito-Geral da Ordem dos Carmelitas Descalços, falou sobre o profetismo desde a mística de Teresa. Câmera: Frei Petrônio de Miranda, O. Carm.  Convento do Carmo de Angra dos Reis/RJ. 15 de outubro-2020

 

 

Na Audiência Geral realizada na Sala Paulo VI, Francisco retoma as catequeses sobre a oração após o ciclo dedicado ao cuidado da criação no mundo ferido pela pandemia de coronavírus. “A oração não é um fechar-se com o Senhor, para maquiar a alma. A oração é um confronto com Deus e um deixar-se enviar para servir aos irmãos”, disse o Pontífice.

 

Mariangela Jaguraba - Vatican News

“A oração de Elias” foi o tema da catequese do Papa Francisco na Audiência Geral desta quarta-feira (07/10), realizada na Sala Paulo VI, por causa da chuva que começou a cair cedo na Cidade Eterna.

O Pontífice retomou as catequeses sobre o tema da oração, interrompidas para dar espaço às catequeses sobre o cuidado da criação. “Conheçamos um dos personagens mais fascinantes de toda a Sagrada Escritura: o profeta Elias. Ele vai além dos limites do seu tempo e podemos ver a sua presença também em alguns episódios do Evangelho. Ele aparece ao lado de Jesus, juntamente com Moisés, no momento da Transfiguração. O próprio Jesus refere-se à sua figura para dar crédito ao testemunho de João Batista”, sublinhou Francisco.

 

Elias, incapaz de compromissos mesquinhos

O Papa frisou que “a Escritura apresenta Elias como um homem de fé cristalina: no seu próprio nome, que poderia significar “Javé é Deus”, está incluído o segredo da sua missão. Ele será assim para o resto de sua vida: um homem integérrimo, incapaz de compromissos mesquinhos. O seu símbolo é o fogo, a imagem do poder purificador de Deus. Será o primeiro a ser posto à prova e permanecerá fiel. Ele é o exemplo de todas as pessoas de fé que conhecem tentações e sofrimentos, mas não deixam de viver à altura do ideal para o qual nasceram”.

A oração é a linfa que alimenta constantemente a sua existência. Por esta razão, é um dos personagens mais queridos à tradição monástica, de tal forma que alguns o elegeram padre espiritual da vida consagrada a Deus. Elias é o homem de Deus, que se levanta como defensor da primazia do Altíssimo. No entanto, também ele é obrigado a enfrentar as próprias fragilidades. É difícil dizer quais experiências lhe foram mais úteis: se a derrota dos falsos profetas no Monte Carmelo, ou a perplexidade em que constata que ele «não é melhor do que os seus pais».

 

A oração é deixar-se conduzir por Deus

Segundo Francisco, na alma de quem reza, o sentido da própria debilidade é mais precioso do que momentos de exaltação, quando parece que a vida é uma cavalgada de vitórias e sucessos”, e acrescentou:

Na oração acontece sempre isso. Momentos de oração que nos puxam para cima, nos enche de entusiasmo, e momentos de oração de dor, aridez e provações. A oração é assim: deixar-se conduzir por Deus e deixar-se também golpear, pelas situações ruins e até mesmo pelas tentações. Esta realidade que a oração é assim se encontra em muitas outras vocações bíblicas, também no Novo Testamento; pensemos, por exemplo, em São Pedro e São Paulo, a vida deles era assim: momentos de exultação e momentos de abaixamento, de sofrimentos.

“Elias é o homem de vida contemplativa e, ao mesmo tempo, de vida ativa, preocupado com os acontecimentos do seu tempo, capaz de se lançar contra o rei e a rainha, depois que ele mandaram matar Nabot para tomar posse da sua vinha”, disse ainda o Pontífice.  

 

Precisamos do espírito de Elias

Quanto precisamos de fiéis, de cristãos zelosos que agem diante de pessoas que têm responsabilidade gerencial com a coragem de Elias, para dizer: “Isto não deve ser feito! Isto é um assassinato”! Precisamos do espírito de Elias.

Elias nos mostra, deste modo, “que não deve haver dicotomia na vida de quem reza, não há diferença: se está perante o Senhor e se vai ao encontro dos irmãos para os quais Ele envia".

“A oração não é um fechar-se com o senhor, para maquiar a alma. Não, isto não é oração. Esta é uma oração fingida. A oração é um confronto com Deus e um deixar-se enviar para servir aos irmãos. A prova da oração é o amor concreto pelo próximo.”

"E vice-versa: os fiéis agem no mundo depois de, primeiro, terem silenciado e rezado; caso contrário, a sua ação é impulsiva, desprovida de discernimento, é uma corrida ofegante sem meta. Quando os fiéis fazem assim, cometem muitas injustiças, porque não foram primeiro diante do Senhor para rezar, discernir o que devem fazer”.

 

Regressar a Deus com a oração

O Papa disse ainda que “as páginas da Bíblia sugerem que também a fé de Elias progrediu: ele cresceu na oração, refinou-a pouco a pouco. Para ele, o rosto de Deus tornou-se mais nítido ao longo do caminho. Até atingir o seu ápice naquela experiência extraordinária, quando Deus se manifestou a Elias no monte. Ele manifesta-se não na tempestade impetuosa, não no tremor de terra nem no fogo devorador, mas no «murmúrio de uma brisa suave». Ou melhor, uma tradução que reflete bem essa experiência: em um fio de silêncio sonoro. É assim que Deus se manifesta a Elias”.

É com este sinal humilde que Deus se comunica com Elias, que naquele momento é um profeta fugitivo que perdeu a paz. Deus vai ao encontro de um homem cansado, de um homem que pensava ter falhado em todas as frentes, e com aqu

“Esta é a vicissitude de Elias, mas parece escrita para todos nós”, disse ainda Francisco. “Em certas noites podemos sentir-nos inúteis e solitários. É então que a oração virá e baterá à porta do nosso coração. Todos nós podemos tocar uma orla do manto de Elias. E mesmo que tivéssemos feito algo de errado, ou se nos sentíssemos ameaçados e apavorados, regressando a Deus com a oração, voltarão também como que por milagre a serenidade e a paz. Isto é o que nos ensina o exemplo de Elias”, concluiu o Papa. Fonte: https://www.vaticannews.va

Com Frei Petrônio de Miranda, Padre Carmelita e Jornalista/RJ, conheça Assis, Itália, a terra da Espiritualidade Franciscana. Convento do Carmo da Lapa, Rio de Janeiro.  29 de outubro-2014.

É uma vocação, vem de fábrica, tá no sangue

 

NELSON MOTTA

Não acredito! Agora foi demais. Deve ser uma das frases mais repetidas, e desmentidas, pela realidade do Brasil. Há sempre mais. Já tivemos quadrilhas de políticos e empresários que roubavam nas compras de sangue de hospitais públicos; que sugavam a merenda escolar da boca das crianças para seus bolsos; desviavam verbas para compra de ambulâncias. Próteses. Vacinas. Sempre dos que mais precisavam. Um dos maiores assaltos da quadrilha de Sérgio Cabral foi na Secretaria de Saúde de Sérgio Côrtes, um médico que roubava doentes.

Pelo perfil de covardia, crueldade e desprezo por seu semelhante, não é surpresa que justamente durante a pandemia, no pior momento, bandidos oficiais roubem na compra de respiradores, hospitais de campanha e remédios para a população pobre. A quadrilha de Witzel tinha uma tropa de assalto na Secretaria estadual de Saúde. O bando do satânico pastor Crivella saqueou verbas da saúde, outros desviaram R$ 41 milhões da Fundação Leão XIII, que existe para cuidar da população de rua. Roubaram dinheiro de mendigos!

Roubar sangue, ambulâncias, remédios, respiradores e merenda escolar seria moralmente mais grave do que achacar, receber propina, roubar de ricos e de empresas em obras publicas e programas governamentais? Tanto faz, a conta é sempre paga por todos, principalmente os pobres, que pagam impostos em tudo o que compram.

Mas ladrão é ladrão. É uma vocação, vem de fábrica, tá no sangue, tantos são os sobrenomes em comum de filhos e mulheres de juízes denunciados por venda de sentenças que são advogados. No Brasil, não é a ocasião que faz o ladrão, é o ladrão que faz a ocasião. O mais impressionante é a covardia, crueldade e sadismo na escolha de sua presa indefesa: o elemento sabe que está roubando dos que mais precisam.

O que merece essa escória, a maioria impune com a cumplicidade do Judiciário e de um sistema legal feito para proteger quem pode mais? Fonte: https://oglobo.globo.com

OBRIGADO... Nos meus 53 Anos de vida, obrigado pelas mensagens e orações. 15 de setembro-2020, Festa de Nossa Senhora das Dores e meu aniversário. Obrigado Senhor! 

Imagens do V- Alacar- Congresso da Associação Latino Americana de carmelitas. De 6-11 de novembro-2018 em Santo Domingo, República Dominicana. Tema: Mártires de ontem, para o Carmelo Latino-Americano de hoje; Beato Frei Tito Brandsma, Santa Edith Stein e Dom Oscar Romero. No vídeo, a quarta exposição, com o tema; Martírio e Espiritualidade de Monsenhor Oscar Romero, proferida por Monsenhor Oswaldo Escobar, Bispo de Chalatenango, El Salvador, carmelita descalço. Convento do Carmo da Lapa/RJ. 24 de dezembro-2018.

AO-VIVO ANGRA DOS REIS/RJ. No Domingo da Misericórdia nós; Frades Carmelitas, da Paróquia Nossa Senhora da Conceição- Diocese de Itaguaí/RJ- levamos a Santa Comunhão ao povo de Deus. Domingo, 19 de abril-2020. r www.instagram.com/freipetronio.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) lança nesta sexta-feira, 17, um hotsite com informações sobre a Ação Solidária Emergencial da Igreja no Brasil, uma iniciativa da própria Conferência e da Cáritas Brasileira, que busca estimular a solidariedade por meio de gestos concretos, como a arrecadação de alimentos, produtos de higiene e limpeza. A Ação, além de incentivar a ajuda material às pessoas, também promove o cuidado no campo religioso, humano e emocional, unindo-se a diversas campanhas e projetos de solidariedade que já estão em curso pelo país.

Na página “http://www.cnbb.org.br/tempodecuidar/”, comunidades, paróquias e dioceses poderão se informar sobre as iniciativas já em curso ou saber como promover novas ações de solidariedade neste momento de pandemia. O hotsite, na parte do FAC, oferece indagações sobre se é necessário realizar ou não uma Ação Solidária diante da pandemia e como poder identificar se há pessoas em situação de extrema vulnerabilidade social e que precisem de ajuda emergencial.

No tópico “Como fazer acontecer”, o usuário poderá, antes de qualquer ação, saber como planejar com antecedência as ações solidárias e como organizar as equipes, além de obter orientações sobre os cuidados que devem ser tomados para a coleta, a preparação, a entrega e o registro dessas ações. Na parte do “Acesso Rápido”, é possível fazer o download dos documentos elaborados pela Cáritas que trazem informações abrangentes sobre a Ação Solidária Emergencial.

O hotsite conta ainda com vídeos e notícias, produzidos pela CNBB e Cáritas, sobre o andamento da Ação e iniciativas que estão em curso por todo o país. Acesse: “http://www.cnbb.org.br/tempodecuidar/”. Fonte: http://www.cnbb.org.br

Abrir os olhos e o coração... A Palavra do Frei Petrônio. Reflexão do Frei Petrônio de Miranda, O. Carm, sobre o Evangelho do 4º Domingo da Quaresma.   (JO 9, 1.6-9. 13-17. 3438). Convento do Carmo de Angra dos Reis/RJ. 22 de março-2020. www.instagram.com/freipetronio

MENSAGEM DA ORDEM REFERENTE AO CORONAVIRUS

Queridos Irmãos e Irmãs,

Na situação especial em que vivemos, quero dirigir uma palavra de apoio a todos os nossos irmãos que, de algum modo sofrem a dor da constante difusão do Vírus Covid-19. Na Cúria temos acolhido as instruções do Governo Italiano e fazemos o possível para cumpri-las. Isto quer dizer, que nosso pessoal deve deixar de vir trabalhar até que recebamos novas instruções. Temos organizado nossa vida, de maneira que ninguém vai receber ninguém em casa e nem sairá, até que seja revogada a proibição, exceto as emergências e os serviços básicos. Reconhecemos o sacrifício que isto significa, mas cremos que temos que deixar-nos guiar pelos conselhos dos especialistas.

Temos presentes em nossa mente e em nossa oração os que morreram e suas famílias que sofrem. Rezaremos por todos os que trabalham no campo da saúde, para que os pesquisadores consigam identificar o Vírus e encontrem a melhor maneira de proteger a população da infecção, e, também para que os médicos e enfermeiros consigam ajudar a todas as vítimas.

Não podemos perder a confiança nem deixarmos nos dominar pelo medo. Esta experiência nos leva a considerar até que ponto somos impotentes apesar do nosso progresso. Em situações como esta, nos damos conta com maior clareza de que sem Deus nada podemos fazer. Temos, pois, ocasião propícia para renovar nossa Fé em Deus e nosso compromisso, visando o bem estar recíproco e especialmente dos mais pobres, os que têm menos possibilidades quando a vida se faz difícil. Durante o tempo que permaneceremos confinados em nossas casas podemos reunirmos para refletir e para rezar mais, como Maria, a Mãe de Deus, que guardava todas estas coisas meditando-as em seu coração.

 

                                                                                                Míceál O’Neill, O. Carm

                                                                                                      Prior General     

                                                                                              Frei Luis José Maza Subero

O Papa Francisco saiu do Vaticano e venerou a Salus populi Romani na Basílica de Santa Maria Maior. Depois, na Igreja de São Marcelo na Via del Corso, rezou diante do crucifixo que salvou Roma da peste.

 

Vatican News

Na tarde deste domingo, pouco antes das 16h locais, o Papa Francisco saiu do Vaticano e foi até a Basílica de Santa Maria Maior para rezar diante do ícone de Nossa Senhora Salus populi Romani (protetora do povo romano).

Depois, percorrendo a pé um trecho da "Via del Corso" - no centro de Roma - foi até a Igreja de São Marcelo, onde se encontra o Crucifixo milagroso que, em 1522, foi levado em procissão pelos bairros da cidade para que acabasse a "Grande Peste".

Com a sua oração, afirma o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni, o "Santo Padre invocou o fim da pandemia que atinge a Itália e o mundo, implorou a cura para os muitos doentes, recordou as inúmeras vítimas desses dias e pediu que seus familiares e amigos encontrem consolação e conforto. A sua intenção se dirigiu também aos agentes de saúde, aos médicos, aos enfermeiros e àqueles que, com o seu trabalho, garantem o funcionamento da sociedade".

 

Devoção

A devoção especial do Pontífice pela Salus populi Romani é conhecida: Francisco reza diante do ícone não somente por ocasião das grandes festas marianas, mas também antes e depois de uma viagem internacional. Em 593, o Papa Gregório I a levou em procissão para pedir o fim da peste e, em 1837, Gregório XVI a invocou para cessar uma epidemia de cólera.

Levando em consideração a pandemia atual, é muito significativa a segunda etapa deste domingo do Papa Francisco. Segundo estudiosos, a igreja de São Marcelo preserva um crucifixo em madeira que remonta ao século XV, considerado o mais realístico de Roma, que sobreviveu a um incêndio e salvou a cidade da peste. Este mesmo crucifixo, abraçado por São João Paulo II, marcou a Jornada do Perdão durante o Grande Jubileu do Ano 2000. Fonte: https://www.vaticannews.va