Pe. Raúl Maraví, Conselheiro Geral da América, informou durante a sessão da tarde de 11 de setembro sobre a situação nas Américas. A presença do Carmelo na América é generalizada em 13 países, nos quais existem aproximadamente 550 frades. Os idiomas usados ​​nesta área são espanhol, inglês e português. Os principais pontos do relatório do Conselho Geral das Américas foram os seguintes:

1- Treinamento, reuniões e eventos extraordinários. 

140 candidatos se destacam em treinamento e três casas de noviciado foram consolidadas para cada idioma: inglês na casa conhecida em Middletown (EUA); Portugueses em São Cristóvão e Mogi Das Cruzes (Brasil); Espanhol, em Lima (Peru).

2- Treinamento permanente. 

Continuaram sendo realizadas as reuniões do FOCAL voltadas para estudantes e treinadores, e as reuniões da ALACAR, que reúnem toda a Família O. Carm. e OCD.

3- Reuniões. 

As reuniões de priores e tesoureiros foram realizadas nas Américas e houve uma celebração marcante e ordenação episcopal.

4- Américas Carmelitas. 

Ele relatou a presença do Carmelo nos EUA, Brasil e América Latina. A diversidade de funcionamento entre as três realidades é verificada. A América Latina continua crescendo e se expandindo, quem sabe se em um futuro não muito distante em novas latitudes: Cuba, Haiti, Panamá, Paraguai, etc.

Ele então relatou as reuniões dos leigos carmelitas na América e a realidade das faculdades carmelitas. https://www.carmelitas.es

Pe. Benny Phang, conselheiro geral da O. Carm para a Ásia, iniciou seu discurso enfatizando que Jesus, nosso Senhor, é asiático. "Jesus nasceu, viveu, morreu e ressuscitou dentre os mortos na Ásia (Oriente Próximo)" (Ecclesia in Asia 1). Os tópicos que ele abordou foram os seguintes:

1- Avaliação dos seis anos de trabalho.

A inculturação da fé cristã é um grande desafio, mas ainda não temos especialistas entre os jovens da Região que podem contribuir para a Ordem. Eles estão nesse processo. Outro desafio é que ainda existem estruturas para organizações programadas que emergem de nossa dimensão profética, de atenção aos pobres. Ele acrescentou que 60% da população está na Ásia, mas apenas 4% são católicos. Temas como contemplação, inculturação, diálogo inter-religioso, a opção preferencial pelos pobres são muito atuais. As estatísticas e os números de nossa presença na Ásia estão crescendo cada vez mais: 740 (com novatos incluídos; nenhum noviço é 643). Atualmente, possuem duas faculdades teológicas nessa área: uma em Malang (Indonésia) e a outra em Quezon (Filipinas).

A vida comunitária é saudável. A necessidade de um equilíbrio entre a vida pessoal e a comunidade continua sendo necessária. As comunidades são tentadas a ter pelo menos três frades. O treinamento é intenso e sistemático no treinamento inicial, exceto nas etapas seguintes. Ele sugeriu que novas vocações, na Ásia, continuam crescendo no Vietnã e na Indonésia e diminuindo nas Filipinas, na Coréia e na região Síria-Malabar, na Índia.

 

2- Atividades na Ásia, Oceania e Austrália.

Houve muitas reuniões internacionais (priores, treinadores, estudantes, etc.). As visitas que o Conselheiro realizou na Região foram realizadas em três níveis: visitas fraternas, capítulos e assembleias provinciais e visitas canônicas. Reuniões internacionais de treinamento foram realizadas em Manila, Kerala, Malang, Vietnã, etc.

 

3- Perspectivas e recomendações futuras.

É importante: colaboração em diferentes áreas da Ásia; o intercâmbio de treinadores e continuar a enriquecer os programas de treinamento; Colaboração em missão, recursos humanos.

As vocações continuam a crescer e também é necessário um plano estratégico para o futuro. Um desafio é a sustentabilidade das finanças e da economia. Para não depender dos recursos que vêm de fora, precisamos encontrar outras formas de financiamento, insistindo também no voto de pobreza de cada frade e da comunidade. Outro desafio é a expansão missionária nesta terra. Existe a possibilidade de entrar na Ásia (Tailândia, Camboja, Mianmar, Laos, Coréia do Sul, sul da Índia, Israel, colaborando com o TOC, etc.).

O Conselheiro Geral da Ásia, em um segundo momento, relatou as atividades e revisou o Plano Semestral da Comissão de Formação e uma lista de recomendações para o futuro:

 

1- Formação permanente. 

Encontro em Salamanca e Ávila, por ocasião do Centenário de Santa Teresa (2014). Agradeceu à Província de Aragão, Castela e Valência pela hospitalidade e pela preparação da reunião.

2.- Formação de formadores e animadores vocacionais. "Ande com a gente." (Indonésia 2016). Agradeceu à Província da Indonésia pela hospitalidade e pela preparação da reunião.

3.- Reunião de professores e alunos. “Tito Brandsma: Carmelita, professora, jornalista e mártir (Holanda e Alemanha, 2018). Agradeceu à Província da Holanda e à Alemanha pela hospitalidade e pela preparação da reunião.

 

4- Recomendações e perspectiva futura:

1- Caminho místico e de auto-reflexão para reuniões e cursos.

2- Grande desafio para ter instrutores qualificados e experientes.

3- Animação profissional. Não se trata apenas de publicar artigos, páginas da web, mas, antes de tudo, ser testemunha.

4- A internacionalidade de novas vocações nos arrasta a ter comunidades internacionais.

5- Intercâmbio de treinadores.

6- Reforçar a aprendizagem ao longo da vida.

7- Proteção de menores. Ambientes seguros. Insista na teologia do corpo e da sexualidade diante deste desafio urgente na Igreja.

Com a celebração da Eucaristia, às 8h15, os capitulares foram para a sala do capítulo. A manhã foi moderada pelo padre Desiderio García Martínez, O.Carm. A ajuda do Espírito Santo e o desejo de aspirar aos bens acima foram solicitados a viver ocultos em Cristo, como a Palavra de Deus nos lembrou.

 

Pe. John Keating, O.Carm., Conselheiro Geral da Europa, relatou a situação na Europa e a Comissão de Evangelização e Missão, da qual ele era o Presidente.

 

1- Introdução.

Em sua introdução, ele lembrou que a situação na Europa torna a missão da Ordem complexa e desafiadora no momento. A verdade é que, como o Papa Francisco apontou, é importante evitar um tipo de amnésia na Europa em relação à nossa herança cultural e espiritual e à nossa sabedoria, o que exige que isso nos leve a fazer um "transplante de memória" .

 

2- Atividades.

Ele então informou sobre as atividades dos últimos seis anos: participou de 26 capítulos, 3 capítulos extraordinários e 3 assembleias nas delegações. Atualmente, existem 11 províncias na Europa e 3 regiões. Como presidente da Comissão de Evangelização e Missão, ele realizou 5 reuniões e um curso internacional em Fátima 2019, dedicado à pregação. Numerosos eventos foram realizados na realidade europeia durante esses seis anos: Congresso leigo em Aylesford, celebrações em Roma para celebrar a memória de Santo Alberto de Jerusalém, reuniões para preparar a JMJ, etc.

 

3- Visitas canônicas.

As visitas canônicas foram momentos fraternos para fazer contato com a Província e com os irmãos. Ele conseguiu compartilhar e conversar com mais de 600 irmãos da Ordem na Europa.

 

4- Desafios futuros.

Os principais desafios para a Europa são abandonar qualquer cultura que nos leve ao provincialismo. A verdade é que, sem uma renovação, em 10 anos, nessas latitudes, estaremos pela metade. Onde está a paixão pela nossa missão carmelita? O apego às províncias moribundas acabará por ter um efeito moral sobre nossos irmãos mais novos, sobre possíveis vocações, formação, finanças, etc. No entanto, existe um grupo maravilhoso de irmãos mais novos na Europa, sobre o qual precisamos construir nosso futuro. Nas redes sociais, falamos sobre "fragmentação". O antídoto é: 'comunhão' e 'comunidade'.

 

5- Para onde vamos?

Em face da superficialidade, podemos oferecer nosso espírito contemplativo. Diante da falta de respeito pela vida e pela criação, nosso estilo de mendicância nos oferece a simplicidade da vida. O equilíbrio criativo entre oração, comunidade e ministério é sempre um desafio. Além do virtual, o Ipad e a pressa de rezar o ofício divino ou celebrar missas e missas no fim de semana, podemos oferecer 'espaços sagrados'? O sínodo da Igreja dedicado à juventude mostrou que 70% das pessoas com menos de 30 anos estão desconectadas da Igreja. O projeto Despertar tentou estimular o ministério da juventude carmelita.


6- O que dar prioridade na Europa?

1- Juventude, vocações e treinamento. 

O projeto internacional de Salamanca é um exemplo a seguir. O próximo desafio é estabelecer uma comunidade para estudantes na Europa.

2- Seja corajoso e determinado a tomar decisões que inevitavelmente passam por reestruturação, fechamento e renovação de presenças.

3- Criar laços entre os jovens carmelitas da Europa.

4- Transparência em questões financeiras é fundamental.

5- Renovar o espírito missionário da Europa em nível internacional e local.

6- Comunidades carmelitas em treinamento contínuo em nível local.

7- Seja testemunha de um modo de vida que reflete nosso chamado para viver o Evangelho e nossos votos.

7- Comissão de Evangelização e Missão.

Num segundo momento, o Pe. John Keating, O. Carm., Informou a Comissão Geral de Evangelização e Missão. O documento Evangelii Gaudium foi estudado da perspectiva de nossa tradição carmelita. O primeiro livreto foi intitulado. "Ser carmelita hoje: uma alegria sempre nova, uma alegria para compartilhar." O segundo livreto tinha o título: "Alegria na comunidade contemplativa: beba em um poço". O terceiro livreto era intitulado: A Palavra de Deus em nossa jornada carmelita”

Examinando o texto do EG, sobre a Proclamação da Palavra e a pregação, foi aberto um diálogo interessante nas reuniões da Comissão. Decidiu-se preparar um workshop sobre pregação e promovê-lo em nossas igrejas e lares de idosos carmelitas, em Fátima, de 15 a 18 de janeiro de 2019.

A parte final do trabalho foi um olhar sobre a tradição do Escapulário no contexto da evangelização. O objetivo é ver como nossa missão pode ser renovada a esse respeito e revisar qualquer expressão e interpretação moderna. https://www.carmelitas.es

Conrad Mutizamhepo, Conselheiro Geral da África, apresentou seu relatório na sala do capítulo. À tarde, ele moderou a sessão capitular, em espanhol, Pe. Francisco Daza Valverde., O.Carm.

 

Posteriormente, devido a problemas de proteção de dados, serão fornecidos relatórios completos. No momento, apenas algumas notas, nas seções mais importantes: demografia, vida carmelita, vocações, discernimento e treinamento, serviço no meio de pessoas com dignidade e integridade, liderança para organização, perspectivas financeiras e sustentabilidade, atividades e perspectiva geral para o futuro.

 

1- Demografia, vida carmelita e vocações. 

Atualmente, estamos em 7 países da África (Burkina Faso, Camarões, Quênia, República Democrática do Congo, Moçambique, Tanzânia, Zimbábue). O Carmelo africano é alegre e jovem. Temos 201 irmãos (144 solenes e 57 temporários). Para garantir esse crescimento no futuro, a promoção profissional precisa ser realizada seriamente por todas as entidades carmelitas nessa área geográfica.

 

2- Discernimento e formação.

Em alguns países, a dificuldade está na falta de capacidade adequada para acomodação adequada dos candidatos. Com alguma frequência, os candidatos africanos perguntam: “Temos a mesma formação que os outros carmelitas do mundo?” Pe. Conrad - afirmou: “Quando me fizeram essa pergunta, pela primeira vez, minha resposta foi que a formação carmelita é universal Mas agora tenho mais a responder "sim e não". Certamente, existem aspectos não negociáveis ​​da formação carmelita, mas também é verdade que não há dois treinadores que acompanhem com o mesmo entusiasmo e que não existem duas comunidades exatamente iguais. Ao longo dos anos, foi feito um grande esforço para avançar na formação inicial. Uma expressão significativa de suporte é a construção contínua de bibliotecas.

Líderes e treinadores na África devem acompanhar seus formantes com uma visão futura. As seguintes perguntas devem ser feitas:

Por que treinamos o Carmelo africano?

O que o africano quer se tornar carmelita agora?

Como os carmelitas africanos podem melhorar, a partir da herança carmelita recebida pelos missionários?

3- Serviço no meio da cidade.

Em todos os países da África, os frades oferecem serviços pastorais e espirituais nas casas carmelitas, paróquias e centros diocesanos. A maioria dos frades nos ministérios pastorais é dedicada aos deveres da paróquia. Como consequência, os frades são apreciados e reconhecidos pelo povo, por seu comprometimento e zelo. No entanto, existe uma preocupação: o compromisso ministerial, juntamente com o modelo do padre diocesano, está tendo um impacto negativo na vida da comunidade e na vida religiosa. Como outros lugares, são necessários códigos de conduta e protocolos para a prevenção do abuso de menores e pessoas vulneráveis. Considerando que os carmelitas trabalham com crianças, jovens e adultos em paróquias e centros de saúde,

4- Organização da liderança e sustentabilidade financeira.

Os provinciais das entidades carmelitas da África e seus delegados locais devem programar os programas de viabilidade financeira e sustentabilidade. Os frades da África apreciam os grandes investimentos em terra, construção de casas, apoio aos custos de treinamento, manutenção e transporte. A questão que permanece é: os frades africanos poderão continuar com esses investimentos de maneira sustentável? Este é o momento de planejar o futuro. As províncias com presença na África precisam explorar maneiras e meios de gerar recursos econômicos para a futura formação, manutenção e crescimento do Carmel. Do mesmo modo, é importante que a cultura da responsabilidade e da austeridade seja promovida nos frades à luz do voto de pobreza.

5- Atividades.

Para apoiar e fortalecer o crescimento carmelita na África, realizamos não apenas visitas fraternas e canônicas, mas também três reuniões destinadas a grupos específicos: formadores (2015), família Carmelita (2016) e formadores (2018). Essas reuniões foram projetadas para oferecer oportunidades para reuniões fraternas, compartilhar experiências, diálogo e discussões. Dependendo do grupo, foram apresentadas as principais apresentações sobre tópicos específicos, com tempo para fazer perguntas e dialogar. Reunir-se em uma atmosfera fraterna despertou entusiasmo e energia renovada em pessoas que pensavam estar lutando sozinhas em seus países. Foi declarado que os Carmelitas da África precisam continuar tendo essas reuniões, que oferecem oportunidades para estudo comunitário. Também

6- Recomendações para o futuro. 

Discernimento e formação vocacional. Preparação para liderança. Crescimento dos elementos básicos do carisma carmelita: contemplação, oração, fraternidade e serviço entre o povo. Protocolos de abuso de menores e pessoas vulneráveis. Sustentabilidade. Fonte: https://www.carmelitas.es

Relatório do Pe. Geral, Pe. Fernando MIllán Romeral, O.Carm. (Parte 2)

 

Após um breve intervalo, o P. Prior General finalizou seu relatório, mencionando as seguintes seções:

 4- Relações com organizações oficiais.

As reuniões do USG têm periodicidade semestral. Nesse quadro de reflexão, houve duas reuniões com o Papa Francisco. A primeira foi em 2013, na qual o tema escolhido foi "Papa Francisco: um desafio para uma liderança evangélica". Da mesma forma, o Papa Francisco anunciou que 2015 seria o ano dedicado à vida consagrada. A segunda em 2016. O fio desta reunião foi constituído pelas questões relacionadas aos jovens e a profecia da vida consagrada sob o lema: “Vá e dê frutos. A fertilidade da profecia. Fernando Millán também destacou o bom relacionamento com o CIVCSVA.

5- Economia. 

Ele relatou brevemente sobre a economia da Cúria, a Florzinha e a Domus Carmelitana e apresentou o relatório apresentado por quem atuou como administrador pro tempore, P. Christian Körner, Vice-Geral.

6- Escolas e jovens. 

Ele ressaltou que as escolas e faculdades são uma plataforma ideal para evangelização, cultura, diálogo inter-religioso, treinamento, humanização ... Ele destacou a iniciativa do projeto Despertar na Europa e a participação da Ordem na juventude (Cracóvia e Panamá).

7- Postulação e canonizações. 

Informado brevemente sobre as causas e processos mais recentes, especialmente o Bto. Tito Brandsma, e se referiu ao relatório da Dra. Govanna Brizi, atual Postulador da Ordem.

8- Colaboração OCD - O.Carm. 

A colaboração com os irmãos descalços é muito próxima. A cada três anos, há uma reunião das duas Curias, por uma semana, onde é um tópico específico. Em 2016 foi em Monte Carmelo e em 2019 em Dublin. Os centenários de ambas as ordens continuam sendo celebrados, as reuniões da ALACAR na América Latina, a cada três anos, e o CIBI ( Instituto Carmelita da Grã-Bretanha e Irlanda).

9- Considerações finais. 

Obrigado a todos que ajudaram durante este sexênio e aos membros da Cúria. Fonte: https://www.carmelitas.es

 

Relatório do Prior Geral, Pe. Fernando Millán Romeral, O.Carm. (Parte 1)

 

Entre as 16:00 e as 17:30 da tarde, em 10 de setembro, o trabalho do capítulo foi retomado. Sob a Const. 272-273, o Prior Geral apresentou um relatório sobre o estado espiritual e temporal da Ordem, e foi fornecido aos sindicatos para prosseguir com seu voto, o regulamento com o qual o capítulo será desenvolvido, com o número 270 das Constituições. O Ordo capituli e a agenda do Capítulo provincial foram aprovados por unanimidade.

O lema do capítulo é “Vocês serão minhas testemunhas de uma geração para outra. Chamados a ser fiéis ao nosso carisma carmelita. ” Por que esse tópico? A Ordem cresceu muito nos últimos 25 anos (Ásia, África, etc.). Estamos dando uma formação sólida que combina tradição e identidade carmelita neutra com os processos lógicos de inculturação? Não é um problema, mas um desafio. Este tema - o P. General indicou - não é apenas um desafio para as “zonas missionárias”, mas também para as antigas presenças em que estamos enfraquecendo (Europa, América do Norte, Austrália? Como passar o testemunho ao Próxima geração - Tópicos como fidelidade criativa, autenticidade, carisma, inculturação, adaptação etc. entram em cena nessa reflexão.

O relatório oficial do Pe. Geral será apresentado posteriormente por escrito. Os pontos a seguir são apenas para fins informativos:

 

1- Treinamento e vida cultural.

Foram realizados cursos e programas durante o período de seis anos para apoiar o treinamento inicial e contínuo.Estes não complementam a formação das respectivas áreas geográficas da Ordem. Eles seguiram nesses cursos uma metodologia e uma dinâmica de mistérios que permitiram entrar no mistério que estava sendo comemorado ou refletido. O treinamento - ele insistiu - é uma prioridade, apesar das dificuldades que algumas províncias têm para que isso aconteça. É importante libertar pessoas para que possam cumprir esta missão. O treinamento não pretende ser entendido como algo formal e acadêmico, mas como uma formação integral (humana, psicológica, emocional, emocional, espiritual, etc.). A formação permanente é um desafio não apenas da nossa Ordem, mas de toda a Igreja. Além disso, disse o padre Fernando Millán, ele é o "calcanhar de Aquiles" da vida consagrada. Os principais obstáculos que podem surgir às vezes são: treinamento ideológico e seletivo; que a mesma pessoa sempre frequenta todos os cursos; que a formação carmelita se limite apenas ao noviciado. Há também pontos positivos: centros internacionais que oferecem um ótimo serviço ao treinamento; a missão da CISA; o trabalho que oRegens studiorum.

Vida cultural: Pe. Tom van der Gulik, O.Carm. organizou todo o sistema de catálogos; passou do atual arquivo da Cúria para o histórico da CISA (1935-65); os documentos da Postulação também passaram para o arquivo histórico da CAAS; foi criada uma bolsa de estudos chamada PE Boaga para pesquisa em "re Carmelite"; edição e publicação das Constituições; centenários; trabalhos publicados em Edizioni carmelitane (Analecta. Carmel no mundo. Carmelus); Curso de herança carmelita; Comissões: JP, Liturgia e Missão e Evangelização.

 

2- Estrutura e administração da Ordem.

Na Europa e na América, fala-se frequentemente de reestruturação. Este termo não apenas indica a dinâmica de “fechar casas e ingressar nas Províncias sem mais”, é muito mais amplo. Agora, naquelas realidades em que se acrescenta o envelhecimento dos frades e a falta de vocações, é preciso tomar decisões inevitáveis. Algumas entidades podem ser bloqueadas quando os processos de discernimento são muito lentos, porque é assustador tomar essas decisões e, quando são tomadas, é tarde demais. É verdade que são medidas impopulares, mas inescapáveis. Ser a favor ou contra a união das Províncias não significa ser melhor ou pior Carmelita. Esses processos testam nossa capacidade de mudar, de nos abrir para novos desafios, flexibilidade e maturidade. Além disso, se por razões raciais, culturais, econômicas, linguísticas, preconceituosas etc., razões, dois carmelitas não podiam viver juntos, algo não funcionaria bem. Agora, esse processo de reestruturação é apenas para uma parte de nossa Ordem. A realidade em outras áreas geográficas é muito diversa. Não podemos administrar apenas com critérios eurocêntricos. Nosso discurso não pode ser monocórdio, mas polifônico. Foi uma grande alegria que o Comissariado Geral de Santa Teresa do Menino Jesus e Santo Alberto na Índia (rito latino) tenha sido estabelecido recentemente e a colaboração de algumas entidades carmelitas na África tenha sido consolidada Nosso discurso não pode ser monocórdio, mas polifônico. Foi uma grande alegria que o Comissariado Geral de Santa Teresa do Menino Jesus e Santo Alberto na Índia (rito latino) tenha sido estabelecido recentemente e a colaboração de algumas entidades carmelitas na África tenha sido consolidada Nosso discurso não pode ser monocórdio, mas polifônico. Foi uma grande alegria que o Comissariado Geral de Santa Teresa do Menino Jesus e Santo Alberto na Índia (rito latino) tenha sido estabelecido recentemente e a colaboração de algumas entidades carmelitas na África tenha sido consolidada

É significativo que, em 2015, tenha sido aprovado um protocolo para a realização de visitas canônicas, um protocolo para vincular entidades carmelitas à Cúria Geral e tenha sido criada uma Comissão para revisar a gestão da própria Cúria, bem como as realidades associadas a mesma.

 

3- Família Carmelita.

Nas últimas décadas, houve um diálogo fluido sobre o conceito de família carmelita. Em 1971, é quando esse conceito surge, no nº 16 em nossas Constituições. Na revisão das Constituições atuais, esse conceito foi enriquecido teologicamente. Não se trata de limitar o número de membros da família carmelita, mas sim, oferecendo certas orientações. Somos uma família, sem separação, mas sem confusão (frades, freiras e leigos). Querendo preservar a igualdade, um novo clericalismo pode ser desenvolvido e os leigos podem se tornar um mini- frade ou uma freira.

Foram publicados dois documentos da Santa Sé que orientam a vida claustral contemplativa das mulheres: Vultum Dei quaerere e Cor orans. Mario Alfarano iniciou o processo de revisão de suas Constituições. Novas fundações que foram fundadas este ano: Mutare (Zimbábue), Azua (República Dominicana), Barinas (Venezuela), Brasil, Filipinas, Vietnã, Moçambique, Quênia. Outros mosteiros foram fechados na Espanha, Itália e Portugal. Um novo documento também foi publicado para regulamentar como criar uma fundação, bem como uma campanha no nível da Ordem para "adotar um mosteiro".

- 14 congregações femininas afiliadas à Ordem que compartilham o carisma carmelita.

- Fonte de Elías: comunidade intercongregacional no Brasil.

- Donum Dei A Santa Sé ordenou uma visita canônica, entre os quais o P. Michael

- Farrugia. Sua identidade carmelita não foi discutida, mas seu status canônico. Agora eles são uma Sociedade de Vida Apostólica, que melhor se adapta ao seu estilo de vida. Os obreiros missionários de Donum Dei fazem parte e agora, ainda mais, parte de nossa família carmelita.

- A Congregação do Vaticano indicou que você não pode ter eremitas sob a jurisdição do General ou do Provincial. Se houver um eremita com espírito carmelita, ele deve fazer um passeio diferente sob a jurisdição do bispo. Nas províncias, pode haver uma comunidade de estilo eremita ou semi-semita, mas eles não são "eremitas" em sentido estrito e canônico, são religiosos sob a obediência e autoridade do provincial. Dentro dos estatutos provinciais, uma Província pode ter algum número que proteja esse estilo e canonicamente os proteja. É isso que nossas Constituições coletam. Atualmente, temos duas comunidades de eremita nos EUA.

- TOC e os leigos carmelitas. Há uma revitalização do TOC. Novos grupos que aparecem (Itália, Filipinas, etc.). Crescemos na apreciação desses grupos. O sumário não é para grupos de mulheres idosas. Muitos novos grupos e TOC estão associados ao trabalho social, sem perder sua identidade e caráter devocional mariano. Grupos de carmelitas leigos, ONGs, ex-alunos de escolas, etc.

- Bispos carmelitas. Existem atualmente 13.

Fonte: https://www.carmelitas.es

INSTRUMENTUM LABORIS

“Vós sois minhas testemunhas” (Is 43,10); de geração em geração: chamados a ser fiéis ao nosso carisma carmelita

 

INTRODUÇÃO:

Em uma ocasião, uma freira trapista foi questionada sobre sua comunidade, e ela respondeu: “Eu não teria escolhido viver com essas mulheres, mas Deus as escolheu para morar comigo”. Nos oitocentos anos da nossa existência carmelitana, Deus escolheu muitas pessoas santas, e às vezes não tão santas, para viver “no dom de Jesus Cristo”. Nós somos parte dessa longa história, que continua.

A escolha vem, em primeiro lugar de Deus. “Eu vos escolhi.” Neste momento da história, na contínua saga da nossa existência como Ordem religiosa, paramos mais uma vez no tempo do capítulo para refletir, avaliar, discernir, contextualizar e situar a nós mesmos e a nossa missão neste século XXI do Senhor.

Muitas vezes, refletindo sobre o nosso modo de vida, é feita referência à comunidade primitiva de Jerusalém (Hb 2, 44-47). Constantemente, ao recordarmos este texto fundacional da vida comunitária cristã, somos convidados a retornar às fontes de nosso estilo de vida em comunidade e aos “poços” que usamos para satisfazer os desejos mais profundos que temos dentro de nós mesmos. Em 1971, o escritor espiritual Thomas Spidlik, S.J., escreveu maravilhosamente sobre essa comunidade primitiva:

“Desde o começo, eles estavam conscientes de serem os novos profetas de Deus, chamados a povoar a terra e liderar a raça humana em direção aos ‘últimos tempos’. Seu estilo de vida era escandaloso. O individualismo foi proibido; sua vida era comunitária; a propriedade privada, em muitos casos, desapareceu; proclamavam a Boa Nova da Salvação com um testemunho jubiloso e simples, regozijando-se nas perseguições que sofriam por causa de Jesus e perdoando seus inimigos... Esse grupo vivia de acordo com a doutrina do amor. Tudo estava subordinado ao amor entre os cristãos e ao seu amor a todos. Ouvindo a Palavra, o uso do dinheiro, a fração do pão, a criação de ministros, as visitas entre os cristãos e suas saídas missionárias, tudo, qualquer decisão, tinham o amor como paradigma. Foi assim que os cristãos começaram a criar a face da Igreja. ‘Feitos’ pela Igreja, ‘fizeram’ a Igreja” [1].

O fato de unir os membros foi e é um ato de amor ao Deus Vivo, e assim, nosso capítulo é muito mais do que um ato jurídico, pois trata-se de nos abrir ao Espírito daquele amor que se aproxima sobre a assembleia da nossa realidade presente. O documento oficial sobre formação na Ordem (RIVC) começa precisamente com este tema do amor:

“Deus «amou-nos primeiro» e chamou-nos a participar na comunhão trinitária. Fazendo a experiência do seu amor, reconhecemos o seu chamamento. Movidos pelo Espírito, escutamos a Palavra de Cristo, que é o Caminho que nos conduz à Vida. Seguindo as suas pegadas, pomo-nos a caminho, confiantes no amor misericordioso de Deus, em direção ao cume do Monte Carmelo, lugar do encontro com Deus e da transformação n’Ele” [2].

Nossas Constituições nos dizem que um Capítulo Geral é “o principal sinal de unidade da Ordem na sua diversidade. É o encontro fraterno, no qual refletimos comunitariamente para nos mantermos fiéis ao Evangelho e ao nosso carisma e sensíveis às necessidades dos tempos e dos lugares. Através do Capítulo geral, toda a Ordem, deixando-se guiar pelo Espírito do Senhor, procura conhecer, num determinado momento da história, a vontade de Deus para um melhor serviço à Igreja” [3].

O tema escolhido para o Capítulo Geral de 2019 é: “Vocês são minhas testemunhas (Is 43, 10); de geração em geração: chamados a sermos fiéis ao nosso carisma carmelita.” Este tema fornece uma continuidade com o último Capítulo Geral e com a Congregação Geral de Fátima, de 2016. Sua essência é retirada do artigo 21 das Constituições de 1995. Relaciona-se com o nosso serviço entre as pessoas e enfatiza três ideias principais para que o Capítulo leve em conta sobre os desafios que nos esperam nos próximos anos: a fidelidade ao nosso carisma carmelita; continuidade com as gerações passadas que ouviram o mesmo chamado; e o desafio de dar testemunho às gerações presentes e futuras. Como indicado no número 21 das Constituições, deve haver uma abertura e um desejo de ouvir o mundo, “dispostos a acolher os desafios da história e a dar respostas autênticas de vida evangélica com base no próprio carisma”. O profeta Isaías (43, 10) diz: “Vocês são minhas testemunhas”, meus servos escolhidos, compreendendo e sabendo que “Eu sou o Senhor” [4].

Este tema destaca três pontos específicos a serem abordados: nossa TRADIÇÃO, o TESTEMUNHO que nossa vida dá ao mundo e o DESAFIO que temos diante de nós, agora que estamos nos movendo para os próximos seis anos. Abaixo estão alguns pensamentos para suscitar o diálogo, individualmente, nas comunidades e nas Províncias.

Talvez seja a hora, neste ano do Senhor 2019, de nos reunirmos para celebrar as fontes de nossa inspiração; para ouvir mais uma vez o que o Senhor Deus nos diz, como fez com Elias: “Por que você está aqui?” Nosso chamado para o Carmelo é a escolha de Deus, mas também é nossa, pois escolhemos responder! Haverá algumas opções a serem tomadas durante o Capítulo, especialmente no que diz respeito às modificações das Constituições de 1995, que devem partir das respostas fundamentais e iniciais dadas à nossa vocação religiosa. As opções atuais são baseadas em uma sucessão de escolhas feitas por nós e por gerações anteriores ao longo da história do Carmelo.

Temos de reservar tempo nas nossas comunidades para discutir as implicações do tema do nosso Capítulo, para que os delegados estejam conscientes desses pensamentos e sentimentos em todo o mundo. Tendo pelo menos três reuniões com a comunidade, enriquecidas pela oração e reflexão pessoal, podemos avançar para encontrar um modelo de como podemos viver hoje o nosso modo de vida carmelita - que seja genuinamente fiel à nossa tradição -, de modo que o dom que é o Carmelo possa dar testemunho ao mundo em que vivemos que somos verdadeiramente "uma fraternidade contemplativa no meio do povo"?

 

Nossa oração

Senhor, Vós nos escolhestes e chamastes cada um de nós à terra do Carmelo para sermos testemunhas do seu amor de geração em geração. Em Vós colocamos a nossa confiança, sabendo que, com o profeta Elias, podemos proclamar que o Senhor é o Deus verdadeiro, buscando a face deste Deus vivo no coração do mundo.

Que o vosso Espírito de amor nos guie ao Vosso futuro, para que, como nos velhos tempos junto à fonte do Monte Carmelo, os irmãos e irmãs da Ordem, mais uma vez, sejam renovados para uma vida verdadeira e para sua missão.

Em solidariedade com a família Carmelita, pedimos que o nosso próximo Capítulo Geral, sob a proteção da Mãe de Deus, seja abençoado pela fidelidade ao Vosso Evangelho, dando uma verdadeira resposta evangélica ao nosso chamado em meio do nosso povo. Por Cristo, nosso Senhor. Amém

FREI MARLOM, O.CARM. Aniversário de 2 Anos de Padre. Comemoração em Mogi das Cruzes/SP. Fotos: Frei Marcelo de Jesus, O. Carm.

Imagem do Capítulo Geral da Ordem do Carmo em Sassone, Roma. Nota: O Capítulo acontece de 10-27 de setembro-2019. Reportagem: Frei João Paulo. Convento do Carmo da Lapa, Rio de Janeiro. 9 de setembro-2019.

No Olhar do dia desta sexta-feira 6 de setembro-2019- Direto do Carmo da Lapa /RJ- vamos conversar com o Frei João Paulo, O. Carm, do Carmo de Belo Horizonte -MG. Vamos que vamos!

Por: Cleusa Maria Andreatta, Susana Rocca, Wagner Fernandes de Azevedo

Teresa de Ávila aos 21 anos opta por deixar a vida em uma família nobre, contra a vontade do pai, para optar pela radicalidade de uma vida monástica. A radicalidade não é apenas na opção social da vida em comunidade no Convento Carmelita de Encarnacíon, em Ávila, na Espanha. Em verdade, Teresa optou por confrontar os desejos materiais e carnais, aflorar em seu espírito a sua feminilidade, enfrentando qualquer submissão aos padrões patriarcais e hierárquicos, libertando-se ao seu descontrole, aprendendo, por si mesma, a dominar-se e elevar-se a Deus, o Senhor, esposo ideal, que contradizia a transcendência e o alcançava. Entendia, que ao desafiar a si, enfrentava o controle de corpos e almas. Conforme relata a jornalista Nicole Sotelo, "Teresa exortou suas companheiras a acreditarem em suas próprias capacidades de reza e acesso a Deus. 'Se alguém lhes disser que a oração é perigosa, considerem esta pessoa o verdadeiro perigo e fujam dela'".

A vida monástica de Teresa não foi ensimesmada em clausura, por isso decide sair da casa de mais de 100 monjas, para espalhar pelo território espanhol pequenos mosteiros. Giselle Gómez descreve a desobediência de Teresa, uma apóstola em movimento, e coletividade, com suas irmãs. "Ela sai do âmbito do privado desafiando o lugar assinalado às mulheres, visita as suas monjas, acompanha-as, forma-as... Seu estilo de vida provoca a crítica das autoridades da Igreja, tanto que dela se diz que era 'mulher irrequieta e andarilha, desobediente e contumaz". Sua vida em caminho trazia consigo um trabalho de transformação inspirada por sua mística a fim de "que suas irmãs acreditem verdadeiramente que não estão ocas por dentro, mas que são mulheres habitadas por Deus", explica Gómez.

Como explica Faustino Teixeira, a alma para a monja era "como um castelo feito de um só diamante, feita à imagem e semelhança do Deus misericordioso". O teólogo destaca que para ela era essencial "romper com os limites e ultrapassar a camada espessa que impede o despojamento". Esse rompimento vai para além do tema espiritual, "a ousadia feminina de Teresa, avançando em reflexões místicas de impressionante alcance — numa sociedade dominada pela presença de homens, de letrados masculinos, instauradores da ordenação da vida religiosa — rompe com esse esquema e instaura uma dinâmica nova, diversa, quebrando a rotina desta marca na dinâmica interpretativa da escritura".

A mística, que viveu entre os ano 1515 e 1582, deixou uma vasta produção de livros, entre os quais se destacam o Livro da VidaAs Moradas do Castelo Interior Caminho da Perfeição, obras dedicadas ao "ensino espiritual", de complexidade e ousadia e para o período em que encerrava a Idade Média europeia, sobretudo em um país marcado pela forte perseguição da Inquisição. No entanto, a centralidade dos escritos "é o amor", como aponta Teixeira, "tudo é tão simples". "Teresa oferece um caminho acessível, mas essencial: o amor a Deus e o amor ao próximo".

É o amor e o êxtase pelo Outro que faz de Teresa uma amante insaciável. A psicanalista Julia Kristeva aponta "a travessia de Teresa – ou melhor, uma decomposição – da sua identidade intelectual-físico-mental dentro e através da transferência amorosa com o Ser Completamente Outro". Uma imersão espiritual, tatível, de encontro, de composição única, "uma metamorfose mortal e orgásmica, que remedia a melancolia da sua dor de mulher separada, abandonada e inconsolável, Teresa se apropria do Ser Outro em um contato infracognitivo, psicossomático, que a leva a uma regressão perigosa e deliciosa, acompanhada por um prazer masoquista", expressa a psicanalista.

A ousadia da monja a ressignificou também como mulher. Como argumenta Lúcia Pedroso Pádua, a mística pode ter três aspectos: "experiência mesma (experiência mística), o sujeito da experiência (o místico) e os escritos místicos (a mística). A feminilidade de Teresa se expressa em todos esses aspectos". Ao viver a experiência mística de ser com Deus, expressa a sua relacionalidade, a constante procura e encontro do Outro, para a teóloga "as relações tornam-se cada vez mais fortes em amor e desejo, ao mesmo tempo, mais livres e gratuitas, mais críticas e discernidas. Esse é um traço marcante da experiência mística de Teresa como mulher".

Como a mística Teresa, sujeito da experiência, "adquiriu apuradíssima autoconsciência de seu ser mulher. Rejeitou os estreitos papéis preestabelecidos e ultrapassou vários limites impostos culturalmente às mulheres", adiciona Pádua, "Teresa foi refeita como mulher". 

O terceiro aspecto, referente à escrita e à linguagem de Teresa, demonstra a multiplicidade de alguém que se esvai e rompe os padrões, sendo aquilo que se propõe a cada momento e possibilidade. "Como mulher, sua linguagem é pluridimensional. Isenta da impessoalidade e rigores escolásticos. Teresa é muito livre em suas comparações e os símbolos são metamorfoseados segundo o objetivo pedagógico ou o sentir da autora", explica Lúcia Pedroso Pádua.

A ousadia de Teresa pode ser compreendida na descrição de Faustino Teixeira, ao relatar que "a experiência espiritual de Teresa vem sempre pontuada por essa intensidade do desejo, pelos toques da corporalidade [...] Num quadro masculino e repressivo, insere em sua pluma uma nota diversa, marcada por sensualidade única, desafiando todo pudor. O seu vocabulário vem carregado de expressões sensuais, sinalizando a centralidade do corpo como espaço da realização dos favores divinos". Luciana Barbosa, doutora em Ciências da Religião, enfatiza que "ela não recusa seu corpo nem seus prazeres corporais. Ao contrário, os assume ao Senhor. Se o corpo pode passar por tais momentos de prazer, só o faz porque Deus o permite: 'E quer o Senhor algumas vezes, como digo, que goze o corpo, pois obedece o que quer a alma'”. 

De forma sintática, de como a monja transgrediu as normas e padrões, atrevendo-se a um encontro impossível, de realização do desejo corporal de uma mulher no Ser Divino, Kristeva explica, "a transcendência, para Teresa, se revela como imanente: o Senhor não está além dela, mas nela!".

Sobre aquelas palavras:

"Meu Amado é meu e eu sou dele,

Já toda me entreguei e dei,

e de tal modo hei mudado
que é meu amado para mim
e eu sou para meu amado.

Quando o doce caçador,

me acertou e deixou rendida,
nos braços do amor,
minha alma ficou abatida.

E cobrando nova vida,

de tal jeito hei mudado,
que é meu amado para mim
e eu sou para meu amado.

Feriu-me com uma flecha,
empeçonhada de amor,
e minha alma ficou feita
uma com seu Criador.

já não quero outro amor,
pois a meu Deus tenho-me dado,
e meu amado é para mim

e eu sou para meu amado".

Teresa de Ávila.

 

*A série Vozes que Desafiam. Mulheres na Igreja produzida pela equipe de Teologia Pública do Instituto Humanitas Unisinos tem como objetivo recuperar e visibilizar figuras de mulheres e contribuir no reconhecimento do lugar delas na vida da Igreja. Abaixo compartilhamos revistas, entrevistas e artigos publicados pelo IHU que retomam a mística e a espiritualidade feminina de Teresa de Ávila, canonizada pelo papa Gregório XV em 1622 e declarada oficialmente doutora da Igreja por Paulo VI em 1970. Fonte: http://www.ihu.unisinos.br

Conferência do Frei Evaldo Xavier, O. Carm, (6ª Parte), Superior Provincial da Província Carmelitana de Santo Elias, no Congresso da Ordem Terceira do Carmo em Aparecida, São Paulo. NOTA: Com o tema; A Fraternidade em Obséquio de Jesus Cristo, o Congresso aconteceu nos dias 3-4 de agosto-2019. Além da presença dos Sodalícios da Província, tivemos também o Sodalício do Comissariado do Paraná e da Bolívia. Convento do Carmo da Lapa, Rio de Janeiro. 31 de agosto-2019.

Conferência do Frei Evaldo Xavier, O. Carm, (5ª Parte), Superior Provincial da Província Carmelitana de Santo Elias, no Congresso da Ordem Terceira do Carmo em Aparecida, São Paulo. NOTA: Com o tema; A Fraternidade em Obséquio de Jesus Cristo, o Congresso aconteceu nos dias 3-4 de agosto-2019. Além da presença dos Sodalícios da Província, tivemos também o Sodalício do Comissariado do Paraná e da Bolívia. Convento do Carmo da Lapa, Rio de Janeiro. 30 de agosto-2019.

Conferência do Frei Evaldo Xavier, O. Carm, (4ª Parte), Superior Provincial da Província Carmelitana de Santo Elias, no Congresso da Ordem Terceira do Carmo em Aparecida, São Paulo. NOTA: Com o tema; A Fraternidade em Obséquio de Jesus Cristo, o Congresso aconteceu nos dias 3-4 de agosto-2019. Além da presença dos Sodalícios da Província, tivemos também o Sodalício do Comissariado do Paraná e da Bolívia. Convento do Carmo da Lapa, Rio de Janeiro. 29 de agosto-2019.

1º Texto Bíblico para iluminar a caminhada

(Mt 18,15-20)

2-Uma história para ilustrar

Certa vez, notei que uma irmã de comunidade tinha desistido da caminhada no sodalício. Perguntei, você não quer mais ser carmelita? Ela respondeu; “sabe frei, eu trabalho pesado toda a semana para sustentar a minha família, a vida não é fácil na empresa, fui para Igreja com o objetivo de crescer espiritualmente e na amizade com todos. Depois de 8 meses no grupo fiquei decepcionada. Muita fofoca! Disputa por cargos... Tudo é motivo de disse-me disse. Pensei, basta! Quero isso não frei”.

 

3-Um Olhar para o Sodalício

Ninguém é perfeito e todos podemos causar problemas aos outros, mas existe uma situação realmente que complica uma comunidade quando a vida de todos gira em torno de uma única pessoa.

O caso clássico seria o de um alcoólatra no sodalício. Ninguém contesta o indivíduo sobre a bebida e não se enfrenta o problema. Nenhum encontro comunitário pode ser realizado na santa Paz porque os outros têm medo de como o indivíduo (a) reagirá e tudo é feito em nome da paz. Nesse caso, toda a comunidade está alcoolizada porque o problema de um domina e estabelece a ordem do dia de todo o sodalício. Aliás, já diz o provérbio popular, “Apenas uma laranja podre, estraga todas as outras”.

Acima de tudo, cabe ao prior e seu conselho intervir em tal situação para ter certeza de que tal indivíduo (a) possa obter o apoio de que necessita. Se o irmão (a) não aceitar ajuda, ao menos não devemos permitir que ele domine a vida do sodalício.

Cada um de nós precisa se examinar no tocante à nossa própria vida em comunidade na Ordem Terceira do Carmo. Deus usará as pequenas falhas de nossos irmãos e irmãs para nos purificar e usará nossas fraquezas para purificar toda a comunidade.

 

4-Perguntas para reflexão em grupo ou individual

1-A convivência conosco é agradável?

2-Somos egoístas ou realmente tentamos viver uma vida fraterna?

3-Estamos preparados para permitir que nossos irmãos desafiem e purifiquem o nosso modo de vida?

4-Não adianta sermos especialistas na Regra da Ordem Terceira do Carmo ou na espiritualidade carmelitana, se não tivermos o amor pelo nosso próximo. Na prática, permito se corrigido ou sou uma pedra no caminho dos outros?

5- Porque muitas vezes julgamos o nosso irmão (a) do sodalício e preferimos contar aos outros, sem dizer a ele (a) diretamente sobre nosso julgamento! 

 

*ASSEMBLÉIA DA PROVÍNCIA CARMELITANA DE SANTO ELIAS. Convento do Carmo – São Paulo- JANEIRO 2007.

(Adaptação para Ordem Terceira do Carmo por Frei Petrônio de Miranda, O. Carm. Convento do Carmo da Lapa, Rio de Janeiro. 28 de agosto-2019)

Conferência do Frei Evaldo Xavier, O. Carm, (3ª Parte), Superior Provincial da Província Carmelitana de Santo Elias, no Congresso da Ordem Terceira do Carmo em Aparecida, São Paulo. NOTA: Com o tema; A Fraternidade em Obséquio de Jesus Cristo, o Congresso aconteceu nos dias 3-4 de agosto-2019. Além da presença dos Sodalícios da Província, tivemos também o Sodalício do Comissariado do Paraná e da Bolívia. Convento do Carmo da Lapa, Rio de Janeiro. 28 de agosto-2019. www.olharjornalistico.com.br

Conferência do Frei Evaldo Xavier, O. Carm, (2ª Parte), Superior Provincial da Província Carmelitana de Santo Elias, no Congresso da Ordem Terceira do Carmo em Aparecida, São Paulo. NOTA: Com o tema; A Fraternidade em Obséquio de Jesus Cristo, o Congresso aconteceu nos dias 3-4 de agosto-2019. Além da presença dos Sodalícios da Província, tivemos também o Sodalício do Comissariado do Paraná e da Bolívia. Convento do Carmo da Lapa, Rio de Janeiro. 27 de agosto-2019.

Por Ir. Davi Rufino, OTCarmo

 

O padre geral na sua fala, nos recorda os fundamentos da espiritualidade dos carmelitas, somos filhos da Virgem Santíssima. Nossa Senhora do Carmo, a roupa da qual nós nos revestimos nós chamamos de hábito do Carmo. É a veste de Nossa Senhora do Carmo.

Estamos vestidos como a Virgem do Carmo está no altar, portanto é o pilar primeiro, a dimensão mariana, a Virgem Santíssima, a regra que Santo Alberto deu aos carmelitas dizia que no centro de onde eles viviam existia uma capela essa capela e essa referência a capela indica duas coisas, em primeiro lugar é que o centro de Nossa Vida é Nosso Senhor Jesus Cristo, portanto a Eucaristia, os carmelitas tinham como centro de sua vida Nosso Senhor verdadeiramente presente na celebração eucarística. Mas a capela é dedicada segundo a nossa tradição à Virgem Santíssima, portanto o pilar primeiro nós somos marianos e o verdadeiro carmelita é filho de Nossa Senhora, o segundo pilar não de forma hierárquica, mas por sequência a Ordem nasce no Monte Carmelo no lugar onde vivia um personagem do Antigo Testamento, o profeta Elias. Nós somos filhos da Virgem Santíssima e filhos do profeta Elias.

A nossa tradição reconhece na capa da qual se reveste a Virgem Maria e nós com o nosso hábito como uma recordação de que nós somos herdeiros do profeta Elias, antes de subir aos céus arrebatado ele entrega seu manto para seu discípulo Eliseu que estava de joelhos suplicando o seu manto. Cada carmelita quando ingressa na Ordem Terceira, quando faz seus votos, seu compromisso, recebe do profeta Elias o seu manto.

Portanto são os dois fundamentos primeiros daquilo que nós somos, recordava nosso superior geral. É fundamental a natureza da Ordem Terceira. Alguém me fala: “Frei eu sou da irmandade do Carmo” “Eu sou da associação do Carmo”, eu frequento. Eu respondo você não é de irmandade, a Ordem Terceira do Carmo é irmandade? Não! Uma irmandade é algo com uma finalidade específica, a Ordem Terceira do Carmo é de uma natureza totalmente distinta. O que é ser irmão terceiro do Carmo? É ter somente uma devoção? É ter uma ação ou uma finalidade? Não! A Ordem Terceira do Carmo é um caminho de santidade. Alguém pergunta a vocês, você é membro da Ordem Terceira, você responde: “Sou”, a pessoa pergunta: “O que vocês fazem lá?” Vocês ajudam os pobres? Sim! Visitam os doentes? Sim! A pessoa responde eu sou da legião de Maria e visito os doentes, eu sou vicentino e ajudo os pobres, qual é a diferença? A Ordem Terceira do Carmo é tudo isso, é tudo o que fazem os vicentinos, a legião de Maria, é tudo o que é necessário neste mundo para ajudar o próximo e o irmão porque é um caminho de santidade.

O leque é imenso? É infinito, como são infinitas as necessidades do povo de Deus. E alguém pergunta, mas tem oração? Tem muita, óbvio. Mas padre eu sou do apostolado da oração e no apostolado nós fazemos adoração ao Santíssimo, nós rezamos para o Sagrado Coração, qual a diferença entre o apostolado e a Ordem Terceira? Sob o aspecto da oração nenhum, pois nós da Ordem Terceira também somos pessoas de oração, mas é distinto, pois somos de oração, mas não é como alguém que entra no apostolado porque você quando se reveste do hábito você se torna carmelita. Você deve ser como carmelita um homem, mulher, uma pessoa de oração constante.

Alguns perguntam frei. O que é ordem primeira, segunda e terceira? A nossa ordem que tem como fundamento a dimensão Mariana-Eliana, essa mesma Ordem podemos entender da seguinte forma para facilitar a compreensão, os frades carmelitas formam a Ordem Primeira, as monjas carmelitas formam a Ordem Segunda e os demais formam a Ordem Terceira de Nossa Senhora do Carmo, não existe hierarquia, alguém pergunta, se tem de primeira, segunda ou terceira categoria, não existe, isso é nomenclatura de carne no açougue. Perante Deus não tem diferença nenhuma. Primeira, Segunda e Terceira significa o que? Status de vida. Portanto, o frade carmelita ingressa na Ordem primeira e abraça um estado de vida, ele vai se casar? Jamais! O frade vai morar em uma casa como vocês moram com seus empregos fora, pagando suas contas, com sua família, levando seus filhos na escola? De forma nenhuma, a vida deles é no convento, é distinta. Portanto ele abraça o estado de vida que nós chamados de vida religiosa.

A Ordem segunda, não significa que seja uma ordem de segunda categoria, mas por ordem de nascimento, primeiro nasceram os frades, depois as monjas. A Ordem segunda é constituída apenas pelas monjas de clausura que abraçam o estado de vida que não é dos frades nem dos membros da Ordem Terceira, portanto, são monjas, fazem votos e a partir do momento que ingressam na vida religiosa passam a morar no mosteiro. Renunciando a vida de família, poderia ser mãe estar casada com meninos, mas não. Elas escolhem ter filhos, não de seu ventre, mas filhos de natureza espiritual. É um estado de vida diferente. Essa expressão é muito importante para ajudar a entender.

O outro grupo da vida carmelitana com os mesmos pilares é a Ordem Terceira do Carmo, não são frades, nem monjas, mas quem? Os leigos, mas não só leigos é um erro gravíssimo dizer que é formada de leigos. Tem padre na Ordem Terceira? Sim! Padre é leigo? Não! A Ordem Terceira não é somente laical, a maioria é de leigos é verdade, mas são leigos e padres, portanto ela é secular. Senão cairia na incoerência ou na contradição dizendo que é uma ordem de leigos mas tem o padre que acabou de entrar, então ele virou leigo quando ele entrou? De forma alguma.

A natureza da Ordem Terceira é secular, ela reúne, congrega, recebe aqueles que não são por exclusão nem frades nem monjas, um bispo pode ser um irmão da Ordem Terceira? Pode? Tem bispo que é membro da Ordem Terceira? Tem vários. O bispo de Barretos é irmão da nossa ordem? É irmão terceiro como vocês? É. Vem essa dúvida, porque ele é bispo membro da Ordem Terceira, por que ele não é membro da Ordem Primeira, não vem essa dúvida? Porque ele não mora no convento. Ele não tem superior provincial, não tem prior, não tem as obrigações próprias da vida religiosa dos frades carmelitas, ele é secular. Portanto a natureza da Ordem Terceira é laical? É, mas é mais do que laical, é secular porque abrange é uma porta aberta para todos aqueles que dela desejam participar.

Eu já contei diversas vezes, tem uma história famosa do Papa João Paulo II, ele foi visitar a cúria geral do Carmo, o superior geral era um frei chamado John Marley e dizem que quando o Papa foi visitar nossa cúria ele celebrou missa na cúria geral, após a missa, o almoço, e dizem que durante o almoço ele pergunta ao geral: “Quantos são os carmelitas no mundo?” O geral responde: “Os carmelitas no mundo são cerca de 50.000 contando Ordem Primeira, Segunda e Terceira”, o papa João Paulo II corrigiu-o falando que não era verdade que o número correto era 50.001 pois o papa também era um carmelita.

Em síntese vocês carmelitas que se revestem do hábito, desta fita, do escapulário, vocês participam de que? Da espiritualidade da nossa Ordem, este pilar que dizíamos no início que é a Virgem Santíssima, é pilar na vida de quem? Na nossa! O pilar de Santo Elias, é pilar na vida de quem? Na nossa. E a partir desses dois fundamentos que nasce uma das maiores escolas de santidade da Igreja Católica. A nossa Ordem segundo alguns é a que mais tem santos e beatos, é obvio que não há uma estatística. Dizem que no tempo do Papa João Paulo II foi o pontificado que houve mais beatificações e canonizações foi a Ordem do Carmo.

É uma escola de santidade e vem a pergunta específica. Você irmão terceiro, você tem as preocupações cotidianas da sua casa? Seus vizinhos? Pagar conta? Despesa? Preocupação com família? Seguro de saúde? Preocupações de qualquer pessoa na vida cotidiana do mundo? Sim, são as preocupações normais do mundo, da vida laical e secular. Você é chamado a santidade por estes pilares como carmelita, revestindo do escapulário, do hábito e da capa e ao mesmo tempo manter e sanar os problemas e preocupações da vida cotidiana, portanto, como membro da Ordem você é carmelita no mundo, na sociedade, você é carmelita na sua casa, no seu endereço. E se reúne no sodalício do seu grupo da sua família. A Ordem Terceira do Carmo se constitui como uma família.

E vocês dizem, eu tenho minha família, tenho minha casa, é verdade! Como irmão e irmã terceiros vocês devem ser uma família religiosa, em termos práticos. Ouvi isso estes dias, tem irmãs que estão doentes e ninguém está visitando. Olha a preocupação, você não pensa nisso, se você vai apenas à missa em uma Igreja, estou aqui participando da missa e esse aqui do lado não me visitou, na Ordem Terceira tem essa preocupação. Por que é uma família! Se tem alguém doente você vai visitar, se ele está enfermo e não tem uma maça para ele comer, você vai visitar e levar algo para ele comer. Se ele é enfermo e doente e não tem ninguém que fique no hospital tomando conta, vocês têm que se reunir e tomar conta. Nós te acompanhamos ao hospital, não se preocupe.

É família e deve ser família e é muito importante frisar este ponto porque na prática muitos consideram a Ordem Terceira não como família, mas como uma associação. Eu vou lá, agora não vou mais não, mudou a priora eu não gosto dela, eu não vou não porque meu pai morreu e ninguém veio me dar os pêsames. Se é família você reclama, você fala. Existe uma falta de consciência, uma consciência maior daquilo que vocês são. Isso é um grave prejuízo. No caso daquela Ordem Terceira tem uma irmã que está na cama a dois anos, nunca houve nenhuma visita, um dia eu fui visitar com alguns irmãos, neste caso ela está na cama a dois anos e não recebeu nenhuma visita, porque? Porque não existe consciência de família. É consciência de associação, é achar que é associação. E a expressão que denota que é uma associação qual é? Eu vou lá! Esse mês eu não apareci não, porque não é família. Portanto é fundamental que em primeiro lugar tomando esses dois pilares vocês se constituam como família religiosa, com a seriedade das famílias religiosas, oração profunda, amizade

Existe diferença na Ordem Terceira? Claro que sim, mas se resolve como? Com diálogo, com amizade, naquele diálogo que chamamos de diálogo fraterno, perdoando, olhando nos olhos, resolvendo os problemas com seriedade. Tem um que tem um problema gravíssimo frei, como resolvo? Olha nos olhos e fala! E o evangelho dá a regra não dá? Se o seu irmão está pecando como corrigi-lo? Chama sozinho e conversa. Tem gente que fala, tem muito problema aquela pessoa, mas não vou falar não porque ela vai ficar com raiva de mim. Aí não fala na cara, mas fala por trás. Não fala olhando nos olhos, mas difama. Falou com o sodalício todo, pegou um na esquina e diz: “menino você não sabe o que está acontecendo aquela pessoa, Nossa Senhora é um problema grave. ” Mas você já falou com ela? Ah eu não vou falar não, por que ela vai ficar com raiva de mim. Eu que vou me expor e pagar o preço? Olha a deslealdade, você espalhou a má fama. Chama, eu posso até ficar com a má fama, mas eu vou falar com você eu te corrijo, seja sincero e autêntico, fale a verdade. E a verdade falada com amor pode até doer, mas é melhor do que não ouvir. A pior coisa que pode acontecer é você ficar sabendo que alguém está falando mal de você e você diz, nossa, mas aquela pessoa? Não pode ser, ela ri na minha frente, ela conversa comigo, me trata tão bem, acabei de falar com ela e porque ela não me falou. Isso é o que? É família.

O evangelho aconselha o que em primeiro lugar se o teu irmão peca chame-o e fala com amor e caridade se ele ouve a sua voz e não dá credibilidade o que fazer? Chama mais alguém, olha eu já falei e não mudou nada e é coisa grave, chama mais dois para conversar. E diz o evangelho que senão funcionar ainda sim, aí vai chamar o sodalício, que não precisa chamar o sodalício marcando uma reunião extraordinária, basta chamar a mesa para dizer o problema, o irmão está com problemas de alcoolismo, está fazendo dividas demais, tem problema de comportamento, isso é alerta, isso significa que estamos constituindo uma família de natureza religiosa, que não é no sentido técnico como os frades ou monjas.

Existem outros pilares? Obvio, claro que sim, todos os outros santos carmelitas, Santa Teresinha é modelo para nós? Claro! E vocês como irmãos agora retomando, os frades carmelitas tem as constituições da Ordem, as monjas tem as constituições das monjas, a Ordem Terceira do Carmo tem a regra da Ordem Terceira do Carmo. A vida de vocês como se organiza o sodalício, como se constitui é regido e determinado pela regra da Ordem Terceira do Carmo que se divide em duas partes, a primeira parte é a espiritualidade, portanto, na primeira parte não há indicações práticas, como é a votação, conselho, quem pode ser membro, formação. A primeira parte é a espiritualidade, portanto em toda a reunião e encontro, recomendo que leiam a primeira parte da regra. Cada irmão deve ter esta regra? Deve! A segunda parte é a parte de aplicação prática da regra, portanto na segunda parte como se rege a vida da Ordem Terceira, eleições, tempo de formação, postulantado, noviciado, profissão simples, perpétua, votos definitivos, tudo isso é determinado pela regra da Ordem Terceira do Carmo.

Abaixo da regra, que a traduz em termos práticos são os estatutos do sodalício, os estatutos regem a vida do sodalício aplicando no dia a dia, no cotidiano de um sodalício específico a regra da Ordem Terceira do Carmo. Em cada sodalício específico a vida é regida pelo estatuto. O estatuto deve refletir o que está na regra? Sim. Poderia ter um estatuto comum para todas os sodalícios, não é viável, vou dar um exemplo muito comum, algumas tem cemitério, outras não tem cemitério, nos estatutos onde tem cemitério ou Igreja ou outro patrimônio, nestes casos deve haver um artigo específico citando o manuseio desses patrimônios.

Algumas tem muitos irmãos ou são muito antigas e algumas aparecem uma vez por ano ou quando estão morrendo. Eu tinha uma prima que era da Ordem Terceira de Ouro Preto, o pai e a mãe estavam enterrados no cemitério da Ordem Terceira de Ouro Preto, ela foi no médico e o médico falou que a situação está ruim e a saúde não está boa. Ela me ligou desesperada dizendo que havia 30 anos que ela não pagava a mensalidade do Carmo e quer ser enterrada lá, como deveria proceder? Pagou 30 anos atrasados de uma só vez com medo de morrer e não ser enterrada junto dos pais. Como você faz com alguém que some e desaparece? Ou seja, os estatutos têm que se traduzir e aplicar a vida específica do sodalício e suas necessidades.

Relação entre a Ordem Terceira e a paróquia, a Ordem Terceira deve colaborar com a paróquia é óbvio, pode haver atrito. Pode ser que ocorra, mas o ideal é que haja harmonia com o padre da paróquia. Mas não se esqueçam de que vocês não são uma associação paroquial é diferente do apostolado da oração, legião de Maria, dos vicentinos, vocês são uma associação ligada a Ordem do Carmo. Quando um sodalício nasce, essa aprovação vem de onde? Do superior geral da Ordem do Carmo, portanto é uma associação da Ordem do Carmo, mesmo estando na paróquia nós somos da Ordem Carmelita. Deve existir diálogo? Claro, mas também a consciência de que somos membros da Ordem do Carmo, ligados sob a autoridade no Brasil e na província do delegado provincial e do padre provincial e em alguns casos no prior geral da Ordem do Carmo.

Na regra da Ordem Terceira atual, foi colocada uma norma específica da possibilidade de se constituírem comunidades de irmãos e irmãs terceiros, o único caso no mundo que deu certo atualmente está na Itália e se chama: “A família”, já ouviram falar? Os irmãos terceiros moram no mesmo edifício, de um lado moram os frades, do outro lado moram os membros da família. Eles fizeram pequenos apartamentos, cada família tem seus quartos, sala de televisão, sala de visitas, não tem cozinha, pois cozinham todos na mesma cozinha as refeições são comuns e como fazem essa refeição? As mulheres se dividem, cada semana uma delas se dividem para ser responsáveis pela cozinha. A roupa também é lavada em comum.

É bonito, mas também dá trabalho, pois lembro que no final do dia eu me recordo que estava lá no convento onde tem a família, os meninos chegaram da escola uma gritaria, uma correria ou seja, todos são criados juntos, tem eucaristia diária, participam da mesma todos os dias, todos eles e no final do dia após o jantar eles fazem uma oração de conclusão do dia. É bonito, interessante é rico, é a única experiência exitosa, quem no Brasil quiser, que passe alguns dias lá para conhecer; Nada impede, o problema que eu vejo nesta experiência é a forma, tem que começar muito bem feito, senão vai morar junto começa a brigar, tem atrito, ontem eu lavei e hoje você lavou mal, precisa haver muito diálogo e é muito difícil construir isso. Sentido de família religiosa. A ideia é linda, mas tem que ser bem preparada e sobretudo guiada, e eu recomendo vivamente que quem quiser, conheça.

É um problema nos dias atuais, muita gente está só. Eu não tenho família perto, eu não tenho quem cuide de mim, imagina você morar em um lugar onde você tem o irmão e a irmã terceira do lado? A refeição, o café? Você estando doente. Uma vez estava em um convento em Florença, uma monja me veio e falou que iria levar a sopa para outra irmã que estava doente e não estava podendo descer para o refeitório. Isso é importantíssimo sobretudo nos dias atuais. Os tempos atuais são tempos de muita e intensa convivência, mas de intensa e muita solidão. Nunca vimos gente tão só como agora, você anda na rua as pessoas estão sozinhas porque tem televisão, a companhia não é o vizinho é a televisão. Tem lugar que você vai que as pessoas falam, frei eu não conheço ninguém, cumprimenta só no elevador do prédio, mas não temos amizade. Porque? Solidão! E seria importante e muito bonita essa ideia, mas que seja preparada e muito bem-feita.

Bem, meu tempo acabou e estou viajando daqui a pouco, muito obrigado a todos, que Deus os abençoe e proteja. Fonte: https://otcarmo.org

 

Mariano Cera

“Jesus prostrou-se por terra e orava” (Mc 14,35), “Jesus foi à montanha para rezar” (Lc 6,12), “se retirava em um lugar deserto e ali rezava” (Mc 1,35), “passou a noite em oração" (Lc 6,12), “se prostrou com o rosto por terra e rezava” (Mt 26,39)...

Se Jesus deu tanta importância ao lugar e ao tempo para fazer sua oração, assim como ao corpo e às suas posições..., significa que é bom e necessário cultivar atitudes e preparar condições apropriadas para rezar melhor.

Encontramos esta necessidade nos Padres do deserto, e ela está presente também na tradição carmelitana. Hoje, tal necessidade tem adquirido lugar fixo na pedagogia da oração. É certo que – como ensinou recentemente a Igreja referindo-se às diferentes técnicas religiosas orientais – tudo isso não é oração, mas são atitudes que nos possibilitam rezar melhor.

Não podemos nunca prescindir do corpo em sua totalidade quando oramos. O corpo sempre influi na oração, porque influi em todo ato humano. O corpo, ou se torna instrumento da oração, ou se torna seu obstáculo.

O corpo tem as suas exigências e as faz sentir; tem os seus limites e os seus desejos: muitas vezes pode impedir ou liberar a concentração e obstruir a vontade. Portanto, é muito importante começar a oração pedindo ao corpo uma posição que nos ajude a obter a concentração.

Quanto às posições do corpo e ao ambiente que o circunda, jogam a favor da oração uma variedade de símbolos: o modo de sentar-se, a respiração, o calor, a atenção ao coração, a sensação de paz e de harmonia, o controle da energia vital, a cela fechada com pouca luz...

A oração cristã, repetimos, busca colocar o homem inteiro em comunicação com Deus, não deve renunciar a priori a nenhum elemento que a experiência lhe oferece neste sentido. É certo que se exige maturidade e equilíbrio para que não aconteçam desvios e para que os meios não se tornem o fim.

“Esta é a meta de um solitário – escreve Cassiano – cuja conquista deve exigir todos os esforços de seu espírito: chegar a um estado no qual se possua, no corpo mortal, uma imagem da felicidade eterna e se comece a saborear, nesta vasilha de barro, as primícias e penhores daquela glória e daquela vida que é toda divina e que esperamos gozar no céu”.[1]

Não apenas o corpo e seus gestos são importantes para orar bem, mas também colaboram para a perfeição da oração atitudes externas presentes em toda a tradição e que a experiência espiritual moderna redescobriu. Todo ano milhares de jovens correm para os eremitérios e para as casas de espiritualidade para saborear a oração num clima de total silêncio e de solidão, ou em jornadas de deserto, passadas na solidão, numa comunhão com a natureza.

A oração é relação com Deus, por isso, seu pressuposto prioritário é a capacidade de escuta. Silêncio e solidão são portanto, como já dissemos, meios indispensáveis para a entrar numa profunda relação com Deus.

Temos assim, a redescoberta da cela como convite à oração e ao abandono em Deus; a experiência do deserto, que nos convida à solidão para melhor contemplarmos a presença de Deus na natureza; a experiência dos Retiros como momento forte para armazenar energia antes de regressar ao mundo.

Relembremos a experiência do “silêncio” de Isabel da Trindade. Para ela, o silêncio não consiste tanto na ausência de palavras materiais, mas na paz inexplicável que, tendo vencido o mundo e a si mesma, escuta e compreende apenas o Verbo de Deus, a Palavra que ressoa nos silêncios eternos.

O silêncio do nosso coração é portanto, imagem de Deus, a Palavra de Deus, é Deus mesmo. “Era assim belo no silêncio e na calma da noite deixar-se arrebatar toda a alma por ele!”[2] Nossa última oração é a escuta da Palavra, mas a Palavra, em Deus, é o silêncio.

 

[1] Sources chrétiennes, 54 - 1958

[2] Sr. ELISABETTA DELLA TRINITA, Scritti, L. 146.