Todo católico sabe que setembro é o mês dedicado à Bíblia. Mas você sabe por que foi feita essa escolha?

Em 1971, a Arquidiocese de Belo Horizonte (MG) propôs uma ação bíblica para todos os fiéis, leigos e consagrados, por ocasião da comemoração de seus 50 anos de existência. O período escolhido para os estudos bíblicos foi setembro, mês em que se celebra a memória de São Jerônimo, grande biblista na história da Igreja Católica.

Sabendo da ação da arquidiocese, o Serviço de Animação Bíblica das Irmãs Paulinas passou a propagar, todos os anos seguintes, a celebração do mês dedicado à Bíblia. Com a devoção propagada e os grupos de estudo bíblico se multiplicando, a CNBB passou a assumir a data comemorativa e instituiu oficialmente a celebração por todo o país.

Atualmente, além do Brasil, vários países da América Latina e África dedicam o mês de setembro à celebração da Bíblia.

 

São Jerônimo

No ano 382, Pe. Jerônimo foi chamado pelo papa Dâmaso para ser seu secretário particular. Já em Roma, recebeu a incumbência de traduzir a Bíblia, do grego e do hebraico para o latim. Neste trabalho, ele dedicou quase toda sua vida. O conjunto final de sua tradução da Bíblia, em latim, se chamou "Vulgata" e se tornou oficial no Concílio de Trento.

Desde 1947, já se celebra o Dia da Bíblia em 30/09, data de falecimento do santo. Fonte: https://www.a12.com

 

1) Oração

Deus do universo, fonte de todo bem, derramai em nossos corações o vosso amor e estreitai os laços que nos unem convosco para alimentar em nós o que é bom e guardar com solicitude o que nos destes. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

2) Leitura do Evangelho (Lucas 4,31-37)

Naquele tempo, 31Jesus desceu a Cafarnaum, cidade da Galiléia, e ali ensinava-os aos sábados. 32Maravilharam-se da sua doutrina, porque ele ensinava com autoridade. 33Estava na sinagoga um homem que tinha um demônio imundo, e exclamou em alta voz: 34Deixa-nos! Que temos nós contigo, Jesus de Nazaré? Vieste para nos perder? Sei quem és: o Santo de Deus! 35Mas Jesus replicou severamente: Cala-te e sai deste homem. O demônio lançou-o por terra no meio de todos e saiu dele, sem lhe fazer mal algum. 36Todos ficaram cheios de pavor e falavam uns com os outros: Que significa isso? Manda com poder e autoridade aos espíritos imundos, e eles saem? 37E corria a sua fama por todos os lugares da redondeza.

 

3) Reflexão   Lucas 4,31-37

No evangelho de hoje, vamos ver de perto dois assuntos: a admiração do povo pela maneira de Jesus ensinar e a cura de um homem possuído por um demônio impuro. Nem todos os evangelistas contam os fatos do mesmo jeito. Para Lucas, o primeiro milagre é a calma com que Jesus se livrou da ameaça de morte da parte do povo de Nazaré (Lc 4,29-30) e a cura do homem possesso (Lc 4,33-35). Para Mateus, o primeiro milagre é a cura de uma porção de doentes e endemoninhados (Mt 4,23) ou, mais especificamente, a cura de um leproso (Mt 8,1-4). Para Marcos, foi a expulsão de um demônio (Mc 1,23-26). Para João, o primeiro milagre foi em Caná, onde Jesus transformou água em vinho (Jo 2,1-11). Assim, na maneira de contar as coisas, cada evangelista mostra qual foi, segundo ele, a maior preocupação de Jesus.

Lucas 4,31A mudança de Jesus para Cafarnaum

Jesus foi a Cafarnaum, cidade da Galiléia, e aí ensinava aos sábados”. Mateus diz que Jesus foi morar em Cafarnaum (Mt 4,13). Mudou de residência. Cafarnaum era uma pequena cidade junto ao entroncamento de duas estradas importantes: uma que vinha da Ásia Menor e ia para Petra no sul da Transjordânia, e a outra que vinha da região dos rios Euphrates e Tigris e descia para o Egito. A mudança para Cafarnaum facilitava o contato com o povo e a divulgação da Boa Nova.

Lucas 4,32Admiração do povo pelo ensino de Jesus

A primeira coisa que o povo percebe é o jeito diferente de Jesus ensinar. Não é tanto o conteúdo, mas sim o jeito de ensinar, que impressiona. Jesus falava com autoridade”. Marcos acrescenta que, por este seu jeito diferente de ensinar, Jesus criava consciência crítica no povo com relação às autoridades religiosas da época. O povo percebia e comparava: Ele ensina com autoridade, diferente dos escribas” (Mc 1,22.27). Os escribas da época ensinavam citando autoridades. Jesus não cita autoridade nenhuma, mas fala a partir da sua experiência de Deus e da vida. 

Lucas 4,33-35Jesus combate o poder do mal

O primeiro milagre é a expulsão de um demônio. O poder do mal tomava conta das pessoas e as alienava. Jesus devolve as pessoas a si mesmas. Devolve a consciência e a liberdade. E ele o faz pelo poder da sua palavra: "Cale-se, e saia dele!"  Ele dizia em outra ocasião: “Se é pelo dedo de Deus que eu expulso os demônios, então o Reino de Deus chegou para vocês” (Lc 11,20). Hoje também, muita gente vive alienada de si mesma pelo poder dos meios de comunicação, da propaganda do governo e do comércio. Vive escrava do consumismo, oprimida pelas prestações e ameaçada pelos cobradores. Acha que não vive direito enquanto não comprar aquilo que a propaganda anuncia. Não é fácil expulsar este poder que hoje aliena tanta gente, e devolver as pessoas a si mesmas!

Lucas 1,36-37: A reação do povo: ele manda nos espíritos impuros primeiro impacto

Além do jeito diferente de Jesus ensinar as coisas de Deus, o outro aspecto que causava admiração no povo era o seu poder sobre os espíritos impuros: "Que palavra é essa? Ele manda nos espíritos impuros com autoridade e poder, e eles saem". Jesus abre um novo caminho para o povo poder conseguir a pureza através do contato com ele. Naquele tempo, uma pessoa impura não podia comparecer diante de Deus para rezar e receber a bênção prometida a Abraão. Teria que purificar-se, primeiro. Havia muitas leis e normas que dificultavam a vida do povo e marginalizavam muita gente como impura. Mas agora, purificadas pela fé em Jesus, as pessoas podiam comparecer novamente na presença de Deus e rezar a Ele, sem necessidade de recorrer àquelas complicadas e, muitas vezes, dispendiosas normas de pureza.

 

4) Para um confronto pessoal

1) Jesus provocava a admiração do povo. A atuação da nossa comunidade aqui no bairro provoca alguma admiração no povo? Qual?

2) Jesus expulsava o poder do mal e devolvia as pessoas a si mesmas. Hoje, muita gente vive alienada de si mesma e de tudo. Como devolve-las a si mesmas?

 

5) Oração final

O Senhor é clemente e compassivo, longânime e cheio de bondade. O Senhor é bom para com todos, e sua misericórdia se estende a todas as suas obras (Sl 144, 1)

No vídeo, imagens do Frei Carlos Mesters, O. Carm, na Assembleia da Ordem Terceira do Carmo em São Paulo no ano de 2016. Tema: Levantar e Andar com o Profeta Elias. Nota: Frei Carlos Mesters é frade carmelita, holandês, radicado no Brasil há muitos anos. Formou-se em Teologia e Ciências Bíblicas em Roma e na Escola Bíblica de Jerusalém. É membro fundador do Centro de Estudos Bíblicos - CEBI, há anos acompanha a caminhada das comunidades eclesiais do Brasil no esforço de transmitir a mensagem bíblica numa linguagem simples e acessível aos mais humildes. Trabalha atualmente no Carmo de Unaí-MG (Ano 2021). É autor de diversos livros e ajudou a traduzir a Bíblia editada pela Vozes. Convento do Carmo de Angra dos Reis/RJ. 30 de agosto-2021. www.instagram.com/freipetronio

 

1) Oração

Deus do universo, fonte de todo bem, derramai em nossos corações o vosso amor e estreitai os laços que nos unem convosco para alimentar em nós o que é bom e guardar com solicitude o que nos destes. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

2) Leitura do Evangelho  (Lucas 4,16-30)

Naquele tempo, 16Dirigiu-se a Nazaré, onde se havia criado. Entrou na sinagoga em dia de sábado, segundo o seu costume, e levantou-se para ler. 17Foi-lhe dado o livro do profeta Isaías. Desenrolando o livro, escolheu a passagem onde está escrito (61,1s.): 18O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu; e enviou-me para anunciar a boa nova aos pobres, para sarar os contritos de coração, 19para anunciar aos cativos a redenção, aos cegos a restauração da vista, para pôr em liberdade os cativos, para publicar o ano da graça do Senhor. 20E enrolando o livro, deu-o ao ministro e sentou-se; todos quantos estavam na sinagoga tinham os olhos fixos nele. 21Ele começou a dizer-lhes: Hoje se cumpriu este oráculo que vós acabais de ouvir. 22Todos lhe davam testemunho e se admiravam das palavras de graça, que procediam da sua boca, e diziam: Não é este o filho de José? 23Então lhes disse: Sem dúvida me citareis este provérbio: Médico, cura-te a ti mesmo; todas as maravilhas que fizeste em Cafarnaum, segundo ouvimos dizer, faze-o também aqui na tua pátria. 24E acrescentou: Em verdade vos digo: nenhum profeta é bem aceito na sua pátria. 25Em verdade vos digo: muitas viúvas havia em Israel, no tempo de Elias, quando se fechou o céu por três anos e meio e houve grande fome por toda a terra; 26mas a nenhuma delas foi mandado Elias, senão a uma viúva em Sarepta, na Sidônia. 27Igualmente havia muitos leprosos em Israel, no tempo do profeta Eliseu; mas nenhum deles foi limpo, senão o sírio Naamã. 28A estas palavras, encheram-se todos de cólera na sinagoga. 29Levantaram-se e lançaram-no fora da cidade; e conduziram-no até o alto do monte sobre o qual estava construída a sua cidade, e queriam precipitá-lo dali abaixo. 30Ele, porém, passou por entre eles e retirou-se. - Palavra da salvação.Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo, segundo Lucas - Naquele tempo, 16Dirigiu-se a Nazaré, onde se havia criado. Entrou na sinagoga em dia de sábado, segundo o seu costume, e levantou-se para ler. 17Foi-lhe dado o livro do profeta Isaías. Desenrolando o livro, escolheu a passagem onde está escrito (61,1s.): 18O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu; e enviou-me para anunciar a boa nova aos pobres, para sarar os contritos de coração, 19para anunciar aos cativos a redenção, aos cegos a restauração da vista, para pôr em liberdade os cativos, para publicar o ano da graça do Senhor. 20E enrolando o livro, deu-o ao ministro e sentou-se; todos quantos estavam na sinagoga tinham os olhos fixos nele. 21Ele começou a dizer-lhes: Hoje se cumpriu este oráculo que vós acabais de ouvir. 22Todos lhe davam testemunho e se admiravam das palavras de graça, que procediam da sua boca, e diziam: Não é este o filho de José? 23Então lhes disse: Sem dúvida me citareis este provérbio: Médico, cura-te a ti mesmo; todas as maravilhas que fizeste em Cafarnaum, segundo ouvimos dizer, faze-o também aqui na tua pátria. 24E acrescentou: Em verdade vos digo: nenhum profeta é bem aceito na sua pátria. 25Em verdade vos digo: muitas viúvas havia em Israel, no tempo de Elias, quando se fechou o céu por três anos e meio e houve grande fome por toda a terra; 26mas a nenhuma delas foi mandado Elias, senão a uma viúva em Sarepta, na Sidônia. 27Igualmente havia muitos leprosos em Israel, no tempo do profeta Eliseu; mas nenhum deles foi limpo, senão o sírio Naamã. 28A estas palavras, encheram-se todos de cólera na sinagoga. 29Levantaram-se e lançaram-no fora da cidade; e conduziram-no até o alto do monte sobre o qual estava construída a sua cidade, e queriam precipitá-lo dali abaixo. 30Ele, porém, passou por entre eles e retirou-se.

 

3) Reflexão   Lucas 4,16-30

Hoje, primeiro dia do mês de setembro, começamos a meditação do Evangelho de Lucas que se prolongará por três meses até o fim do ano eclesiástico, sábado 29 de Novembro. O evangelho de hoje traz a visita de Jesus a Nazaré e a apresentação do seu programa ao povo na sinagoga. Num primeiro momento, o povo ficou admirado. Mas, em seguida, quando perceberam que Jesus queria acolher a todos, sem excluir ninguém, ficaram revoltados e quiseram matá-lo.

Lucas 4,16-19: A proposta de Jesus

Animado pelo Espírito Santo, Jesus tinha voltado para a Galiléia (Lc 4,14) e começou a anunciar a Boa Nova do Reino de Deus. Andando pelas comunidades e ensinando nas sinagogas, ele chegou em Nazaré, onde tinha sido criado. Estava de volta na comunidade, onde, desde pequeno, tinha participado durante quase trinta anos. No sábado seguinte, conforme o seu costume, Jesus foi à sinagoga para participar da celebração e levantou-se para fazer a leitura. Escolheu o texto de Isaías que falava dos pobres, presos, cegos e oprimidos (Is 61,1-2). Este texto refletia a situação do povo da Galileia do tempo de Jesus. A experiência que Jesus tinha de Deus como Pai amoroso dava a ele um novo olhar para avaliar a realidade. Em nome de Deus, Jesus toma posição em defesa da vida do seu povo e, com as palavras de Isaías, define a sua missão: (1) anunciar a Boa Nova aos pobres, (2) proclamar a libertação aos presos, (3) a recuperação da vista aos cegos, (4) restituir a liberdade aos oprimidos e, retomando a antiga tradição dos profetas, (5) proclama “um ano de graça da parte do Senhor”. Proclama o ano do jubileu!

Na Bíblia, o “Ano Jubileu” era uma lei importante. Inicialmente, a cada sete anos (Dt 15,1; Lev 25,3), as terras deviam voltar ao clã de origem. Cada um devia poder voltar à sua propriedade. Assim impediam a formação de latifúndio e garantiam às famílias a sobrevivência. Também deviam perdoar as dívidas e resgatar as pessoas escravizadas (Dt 15,1-18). Não foi fácil realizar o ano jubileu cada sete anos (cf Jr 34,8-16). Depois do exílio, decidiram realiza-lo cada sete vezes sete anos (Lev 25,8-12), isto é, cada cinqüenta anos. O objetivo do Ano Jubileu era e continua sendo: restabelecer os direitos dos pobres, acolher os excluídos e reintegrá-los na convivência. O jubileu era um instrumento legal para voltar ao sentido original da Lei de Deus. Era uma oportunidade oferecida por Deus para fazer uma revisão da caminhada, descobrir e corrigir os erros e recomeçar tudo de novo. Jesus inicia a sua pregação proclamando um jubileu, um “Ano de Graça da parte do Senhor”.

Lucas 4,20-22: Ligar Bíblia com Vida

Terminada a leitura, Jesus atualiza o texto de Isaías dizendo: “Hoje se cumpriu esta escritura nos ouvidos de vocês!” Assumindo as palavras de Isaías como suas próprias palavras, Jesus lhes dá o seu pleno e definitivo sentido e se declara messias que veio realizar a profecia. Esta maneira de atualizar o texto provocou uma reação de descrédito por parte dos que estavam na sinagoga. Ficaram escandalizados e já não queriam saber dele. Não aceitaram Jesus como o messias anunciado por Isaías. Diziam: “Não é este o filho de José?” Ficaram escandalizados porque Jesus falou em acolher os pobres, os cegos e os oprimidos. O povo de Nazaré não aceitou a proposta de Jesus. E assim, no momento em que apresentou o seu projeto de acolher os excluídos, ele mesmo foi excluído.

Lucas 4,23-30: Ultrapassar os limites da raça.

Para ajudar a comunidade a superar o escândalo e levá-la a compreender que sua proposta estava bem dentro da tradição, Jesus contou duas histórias conhecidas da Bíblia, uma de Elias e outra de Eliseu. As duas histórias criticavam o fechamento do povo de Nazaré. Elias foi enviado para a viúva estrangeira de Sarepta (1 Rs 17,7-16). Eliseu foi enviado para atender ao estrangeiro da Síria (2 Rs 5,14). Transparece aqui a preocupação de Lucas em mostrar que a abertura para os pagãos já vinha desde Jesus. Jesus teve as mesmas dificuldades que as comunidades estavam tendo no tempo de Lucas. Mas o apelo de Jesus não adiantou. Ao contrário! As histórias de Elias e Eliseu provocaram mais raiva ainda. A comunidade de Nazaré chegou ao ponto de querer matar Jesus. Mas ele manteve a calma. A raiva dos outros não conseguiu desviá-lo do seu caminho. Lucas mostra assim como é difícil superar a mentalidade do privilégio e do fechamento.

É importante notar os detalhes no uso do Antigo Testamento. Jesus cita o texto de Isaías até onde diz: "proclamar um ano de graça da parte do Senhor". Cortou o resto da frase que dizia: "e um dia de vingança do nosso Deus". O povo de Nazaré ficou bravo com Jesus por ele pretender ser o messias, por querer acolher os excluídos e por ter omitido a frase sobre a vingança. Eles queriam que o Dia de Javé fosse um dia de vingança contra os opressores do povo. Neste caso, a vinda do Reino seria apenas uma virada da mesa e não uma mudança ou conversão do sistema. Jesus não aceita este modo de pensar, não aceita a vingança (cf.Mt 5,44-48). A sua nova experiência de Deus como Pai/Mãe ajudava-o a entender melhor o sentido das profecias.

 

4) Para um confronto pessoal

1) O programa de Jesus consiste em acolher os excluídos. Será que nós acolhemos a todos, ou excluímos alguém? Quais os motivos que nos levam a excluir certas pessoas?

2) Será que o programa de Jesus está sendo realmente o nosso programa, o meu programa? Quais os excluídos que deveríamos acolher melhor na nossa comunidade? O que ou quem nos dá força para realizar a missão que Jesus nos deu?

 

5) Oração final

Ah, quanto amo, Senhor, a vossa lei! Durante o dia todo eu a medito. Mais sábio que meus inimigos me fizeram os vossos mandamentos, pois eles me acompanham sempre (Sl 118, 1-2)

 

O Mestre das celebrações litúrgicas pontifícias deixará o Vaticano após 14 anos de serviço com Bento XVI e Francisco, para suceder a Dom Viola, recentemente nomeado secretário do Dicastério do Culto Divino

 

VATICAN NEWS

O Papa Francisco nomeou bispo de Tortona seu mestre de cerimônias, monsenhor Guido Marini. A notícia foi divulgada pela Sala de Imprensa da Santa Sé e anunciada pelo arcebispo de Gênova, Dom Marco Tasca, no Santuário Nossa Senhora da Guarda de Gênova, diocese de origem do novo bispo, que sucede Dom Vittorio Francesco Viola, recentemente chamado ao Vaticano como secretário do Dicastério para o Culto Divino.

Monsenhor Marini, de 56 anos, entrou no seminário quando o cardeal Giuseppe Siri era arcebispo de Gênova.  Foi ordenado sacerdote pelo cardeal Giovanni Canestri (que foi bispo de Tortona por quatro anos) e tornou-se seu secretário particular, bem como dos sucessivos arcebispos, Dionigi Tettamanzi e Tarcisio Bertone.

Com Tettamanzi tornou-se Mestre das celebrações litúrgicas da arquidiocese, ofício também confirmado por Bertone e Angelo Bagnasco. Durante este período fundou o "Collegium Laurentianum", associação de voluntários para o serviço da ordem e acolhida da catedral.

Após a chegada do cardeal Bertone a Gênova, tornou-se o responsável pela escola da arquidiocese, diretor espiritual do seminário, onde lecionou Direito Canônico, e então chanceler da Cúria e prefeito da catedral.

Em outubro de 2007, Bento XVI o nomeou Mestre das celebrações litúrgicas do Sumo Pontífice, sucedendo a outro Marini, o arcebispo Piero, que havia acompanhado boa parte do longo pontificado de São João Paulo II.

Monsenhor Guido Marini foi o "diretor" das liturgias do pontificado do Papa Ratzinger, em Roma e durante suas viagens pelo mundo. No momento da eleição de Francisco, em 2013, dedicou-se inteiramente ao novo Papa, interpretando a sensibilidade litúrgica, sóbria e essencial, com um entendimento recíproco que já dura mais de oito anos.

Em janeiro de 2019, Francisco confiou-lhe também a responsabilidade do Coral da Sistina, a Capela Musical Pontífícia. Marini cuidou da realização da Statio Orbis em 27 de março de 2020, a oração solitária do Pontífice na Praça de São Pedro vazia, sob copiosas chuvas, para pedir o fim da pandemia. Fonte: https://www.vaticannews.va

 

Santo Agostinho

 

Tarde te amei,
Ó tão antiga e tão nova beleza!
Tarde demais eu te amei!
Eis que habitavas dentro em mim,
e do lado de fora eu te procurava!
Disforme, eu me lançava
sobre as belas formas das tuas criaturas.
Comigo estavas,
mas não eu contigo.
Longe de ti me retinham as tuas criaturas,
elas que não existiriam
se em ti não existissem.
Tu me chamaste,
e teu grito rompeu a minha surdez.
Fulguraste e brilhaste,
e tua luz afugentou a minha cegueira.
Espargiste tua fragrância
e, respirando-a,
por ti suspirei.
Eu te saboreei,
e agora tenho fome e sede de ti.
Tu me tocaste,
e agora vivo ardendo no desejo de tua paz

Fonte: Agostinho de Hipona. In: Faustino Teixeira e VolneyBerkenbrock (Orgs). As orações da humanidade. Petrópolis: Vozes, 2018, p. 102.

Fonte: http://www.ihu.unisinos.br

 

 

1) Oração

Ó Deus, que unis os corações dos vossos fiéis num só desejo, dai ao vosso povo amar o que ordenais e esperar o que prometeis, para que, na instabilidade deste mundo, fixemos os nossos corações onde se encontram as verdadeiras alegrias.

Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

2) Leitura do Evangelho (Mateus 23, 27-32)

27Ai de vós, escribas e fariseus hipócritas! Sois como sepulcros caiados: por fora parecem belos, mas por dentro estão cheios de ossos de cadáveres e de toda podridão! 28Assim também vós: por fora, pareceis justos diante dos outros, mas por dentro estais cheios de hipocrisia e injustiça. 29Ai de vós, escribas e fariseus hipócritas! Construís sepulcros para os profetas e enfeitais os túmulos dos justos, 30e dizeis: ‘Se tivéssemos vivido no tempo de nossos pais, não teríamos sido cúmplices da morte dos profetas’. 31Com isso, confessais que sois filhos daqueles que mataram os profetas. 32Vós, pois, completai a medida de vossos pais!

 

3) Reflexão

Estes dois últimos Ais, que Jesus pronunciou contra os doutores da lei e os fariseus do seu tempo, retomam e reforçam o mesmo tema dos dois Ais do evangelho de ontem. Jesus critica a falta de coerência entre a palavra e a prática, entre o interior e o exterior.

Mateus 23,27-28: O sétimo Ai contra os que se parecem sepulcros caiados

“Vocês: por fora, parecem justos diante dos outros, mas por dentro estão cheios de hipocrisia e injustiça”. A imagem de “sepulcros caiados” fala por si e não precisa de comentário. Jesus condena os que mantêm uma aparência fictícia de pessoa correta, mas cujo interior é a negação total daquilo que querem fazer aparecer para fora. 

Mateus 23,29-32: O oitavo Ai contra os que enfeitam os sepulcros dos profetas, mas não os imitam

Os doutores e fariseus diziam: “Se tivéssemos vivido no tempo de nossos pais, não teríamos sido cúmplices na morte dos profetas”. E Jesus conclui: pessoas que falam assim “confessam que são filhos daqueles que mataram os profetas”, pois eles dizem “nossos pais”. E Jesus termina dizendo: “Pois bem: acabem de encher a medida dos pais de vocês!”  De fato, naquela altura dos acontecimentos, eles já tinham decidido matar Jesus. Assim acabavam de encher a medida dos pais.

 

4) Para um confronto pessoal

1) São mais dois Ais, mais dois motivos para receber uma crítica severa da parte de Jesus. Qual das dois cabe em mim?

2) Qual a imagem de mim mesmo que eu procuro apresentar aos outros? Ela corresponde ao que sou de fato diante de Deus?

 

5) Oração final

Felizes os que temem o Senhor, os que andam em seus caminhos. Poderás viver, então, do trabalho de tuas mãos, serás feliz e terás de bem-estar. (Sl 127, 1-2)

 

SUPERANDO OS PRECONCEITOS:  (Jo 1, 45-51)

Os primeiros discípulos foram obrigados a superar a barreira dos preconceitos para poder acolher Jesus como Messias e se tornar seus seguidores. Natanael não podia aceitar que de Nazaré, cidade mal-afamada, pudesse sair algo de bom, muito menos um Messias. A pecha de nazaretano desdobrava-se num rosário de outras evocações tomadas como negativas. Ele era pobre, de família sem prestígio, um indivíduo sem expressão moral ou cultural. Enfim, um desclassificado.

Pela insistência de Filipe, Natanael se predispôs a ir ver Jesus. Seu preconceito contrastou com a ideia altamente positiva que Jesus tinha a respeito dele. Jesus considerava-o um israelita íntegro, sem dolo nem fingimento. Em outras palavras, um indivíduo em cuja palavra se podia inteiramente confiar. O próprio Jesus confiou nele e lhe fez uma solene revelação.

A atitude de Jesus deixou Natanael desarmado, levando-o a abrir mão de seus preconceitos. Numa atitude própria de discípulo, Natanael reconheceu Jesus como um Rabi, ou seja, mestre, digno de veneração e respeito. Reconheceu-o, também, como Filho de Deus, cuja origem superava as possibilidades humanas, fazendo dele mais do que um simples filho de José da Galileia. Reconheceu-o, ainda, como Rei de Israel, o Messias que reavivaria a esperança no coração do povo. Logo, de Nazaré também podia sair coisa boa.

 

Oração

Ó Deus, fortalecei em nós aquela fé que levou são Bartolomeu a seguir de coração o vosso Filho e fazei que, pelas preces do apóstolo, a vossa Igreja se torne sacramento da salvação para todos os povos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Fonte: https://domtotal.com

ROSA DE LIMA, VIRGEM, TERCIÁRIA DOMINICANA

23 agosto

 

Rosa de Lima Angelino Medoro 

“Você é linda como uma Rosa!”

Isabel nasceu em Lima, em 1586; era a décima de treze filhos da família Flores de Oliva, nobre espanhola, transferida para o Peru. A sua ama, Mariana, de origem indígena, deu-lhe o nome de Rosa, pela incrível beleza que a caracterizava. Depois, este nome foi confirmado na Crisma e quando, aos vinte e três anos, recebeu o hábito religioso da Ordem Terceira Dominicana. Seu modelo de vida foi Santa Catarina de Sena. Ao nome Rosa foi acrescentado também o “de Santa Maria”, como expressão do seu tenro amor, que sempre nutria pela Virgem, à qual recorria, a todo instante, para pedir proteção.

 

Pobre entre os pobres

Rosa conheceu a pobreza quando a sua família caiu na miséria, por falência nos negócios paternos; trabalhou, arduamente, como doméstica, na horta e como bordadeira, até altas horas da noite; quando fazia entrega nas casas dos seus fregueses, aproveitava para levar a Palavra de Cristo e o seu anseio pelo bem e pela justiça, que, na sociedade peruana da época, - espezinhada pela Espanha colonizadora, - parecia totalmente ofuscada.

Na casa paterna, criou uma espécie de asilo para os necessitados, onde dava assistência às crianças e aos idosos abandonados, sobretudo de origem indígena.

Desde pequena, Rosa desejava consagrar-se a Deus com a vida claustral, permanecendo “virgem no mundo”; como Terciária Dominicana, trancou-se em uma cela de poucos metros quadrados, construída no jardim da casa paterna, da qual saía apenas para a função religiosa; ali, transcorria grande parte dos dias, dedicando-se à oração e em íntima comunhão com o Senhor.

 

“Dedique a mim todo o seu amor”!

Certo dia, enquanto rezava diante de uma imagem da Virgem Maria, que segurava Jesus nos braços, ouviu a voz daquele Menino, que lhe dizia: “Rosa, dedique a mim todo o seu amor...”! E não hesitou: desde então, Jesus foi o seu amor exclusivo até à morte: um amor cultivado com a virgindade, a oração e a penitência. Ela repetia sempre: “Meu Deus, podeis aumentar meus sofrimentos, contanto que aumenteis o meu amor por vós”. Assim, o significado redentor da Paixão de Cristo, tornou-se claro para ela: o sofrimento, vivido com fé, redime e salva. O sofrimento do homem pode ser associado ao sofrimento salvador de Cristo.

Esta foi uma verdadeira reviravolta interior, que coincidiu com a leitura da vida de Santa Catarina, da qual aprendeu a amar o sangue de Cristo e a Igreja. Precisamente na sua cela no jardim, Rosa reviveu, na sua carne, a Paixão de Jesus, por duas intenções: a conversão dos espanhóis e a evangelização dos índios.

 

Devoção e Ano jubilar

A Santa Rosa foram atribuídos atos de mortificação e castigos corporais, de todo tipo, mas também tantas conversões e milagres. Um deles foi a não invasão dos piratas holandeses em Lima, em 1615.

Quando ainda era viva, Rosa foi examinada por uma Comissão mista de religiosos e cientistas, que julgou as suas experiências místicas como verdadeiros “dons da graça”; tanto é verdade que, quando ela morreu, pela enorme multidão que participou do seu enterro, já era considerada Santa.

Rosa faleceu só depois de renovar seus Votos religiosos, repetindo várias vezes: “Jesus, permanecei comigo!”. Transcorria o dia 23 de agosto de 1617.

Após a sua morte, quando seu corpo foi trasladado para a Capela do Rosário, Nossa Senhora sorriu-lhe pela última vez, daquela estátua, diante da qual a Santa havia rezado tantas vezes. Ao ver o ocorrido, a multidão presente gritou: “milagre”!

Em 1668, Rosa de Lima foi beatificada pelo Papa Clemente IX e canonizada três anos depois.

Santa Rosa de Lima foi a primeira mulher a ser canonizada no Novo Mundo. Ela é Padroeira do Peru, da América Latina, das Índias e das Filipinas. É invocada também como protetora dos floricultores e jardineiros, contra as erupções vulcânicas e ainda em casos de feridas ou de brigas familiares.

Os 400 anos da morte de Santa Rosa foram comemorados com um Ano jubilar, que teve como lema: “400 anos intercedendo por você”, referindo-se às milhares de orações que a Santa havia atendido durante quatro séculos. Fonte: https://www.vaticannews.va

 

Joshephat Kasambula, de 68 anos, serviu na Diocese de Kiyinda-Mityana como pároco de Lwamata.

 

Vatican News

Padre Joshephat Kasambula, da Diocese de Kiyinda-Mityana, Uganda, foi assassinado a sangue frio no final da tarde de 18 de agosto por uma pessoa com problemas de dependência de drogas.

O crime ocorreu quando o sacerdote foi supervisionar os trabalhos em um terreno e acabou se deparando com seu assassino que ocupava ilegalmente o local. Ao perguntar quem o havia autorizado a entrar no local foi atingido nas costas por um instrumento rombudo, morrendo na hora vítima do golpe.

Segundo algumas testemunhas, o assassino é conhecido na região pelo uso de drogas e no momento do crime estaria sob efeito de entorpecentes.

Relatos indicam que por vários anos o sacerdote não visitou a casa e o terreno de sua família. O assassino aproveitou-se da falta de vigilância e ali se instalou já há algum tempo.

Joshephat Kasambula, de 68 anos, serviu na Diocese de Kiyinda-Mityana como pároco de Lwamata. A polícia levou seu corpo para uma autópsia enquanto continua a busca pelo assassino que fugiu.

*Com Agência Fides . Fonte: https://www.vaticannews.va

 

Dom Alberto Taveira Corrêa

Arcebispo de Belém do Pará (PA)

 

Somos continuamente provocados a fazer escolhas, diante das enormes e variadas possibilidades que nos são oferecidas em todos os campos. E temos à nossa disposição um imenso leque para as eventuais definições, desde o dia a dia mais singelo até as grandes opções da vida, como pode ser o estado de vida e a realização vocacional, como a Igreja nos ajuda a tomar consciência durante o mês de agosto. Podemos inclusive reconhecer que muitos dos novos meios tecnológicos têm um potencial positivo, se bem utilizados, para a abertura de novos caminhos de serviço e dedicação a Deus e ao próximo.

Os primeiros discípulos de Jesus tiveram que se confrontar com escolhas muito exigentes. Sabemos que as multidões acorriam a ele e do meio delas afloravam os que respondiam de forma consciente à Palavra. Havia também adversários ferrenhos, como doutores da lei, fariseus, escribas, gente com muito conhecimento e pouca abertura à verdade. A ele acorriam também pessoas, conhecidas como “pecadores públicos”, por trabalharem para os romanos. Vinham para perto de Jesus doentes de toda espécie, marginalizados, prostitutas, estrangeiros rejeitados pelo ambiente circundante, jovens e velhos, todos queriam saber o que aquele que pensavam ser apenas um homem importante lhes poderia oferecer!

O grupo que se vinha formando, apóstolos e discípulos, teve também suas crises, e o Evangelho mostra uma dessas situações (Jo 6, 60-69) nas quais houve dispersão de seguidores do Senhor e também a confirmação de muitos corajosos, representados pela forte palavra de Simão Pedro: “A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. Nós cremos firmemente que tu és o Santo de Deus” (Jo 6, 68-69). No correr da história, todos os homens e mulheres que se encontrarem com Jesus deverão necessariamente, mais cedo ou mais tarde, fazer a grande opção de vida, passando pelas crises de crescimento normais em todo processo de crescimento na fé.

O Senhor vai ao encontro de cada pessoa, com a ação de seu Espírito. Há uma base inicial com a qual desejamos estabelecer o encontro com ele. Sabemos que, no contato com tanta gente, ele acolheu pessoas frágeis e pecadoras, mas reagiu fortemente contra a hipocrisia e o fingimento. Trata-se de cultivar, lá dentro do coração de cada um, a reta intenção, o desejo de conhecer mais e mais, o anseio pelo sentido da vida. Como fomos feitos por Deus para o bem e não para o mal, sabemos que muitos erros são cometidos por aparentarem um bem a ser alcançado. Deus não errou ao nos conceder o dom da vida, e todos são igualmente chamados à vida plena (Cf. Jo 10,10). O erro está em nós, que muitas vezes bloqueamos a estrada para outras pessoas.

O contato com gente machucada pela própria história tem me ajudado a descobrir raízes de bondade e desejo de acertar em muitas pessoas que percorreram estradas totalmente erradas. Vale dizer, a modo de exemplo, o quanto tenho encontrado nos acolhidos da Fazenda da Esperança possibilidades de crescimento, vontade de acertar. Podemos dizer que existe, no mais profundo do ser humano, o anseio pela bondade! Basta que estas pessoas aprendam a viver a Palavra, e aquela que sai da boca de Deus é Palavra de Vida eterna! Começam a ser, digamos assim, “alfabetizadas”, no “beabá” da Escritura. Palavra por Palavra, e as mudanças acontecem! E logo muitos começam a liderar no próprio ambiente da Fazenda! Há poucos dias, foi enviada uma equipe de ex-drogados de Belém e de Bragança do Pará como missionários para uma missão de abertura de uma nova Fazenda no Estado do Amazonas. Impressiona muito ver o quanto podemos dar a partir de nossa própria pobreza. É a Amazônia evangelizando a própria Amazônia, num admirável intercâmbio de dons. Há alguns anos, foram jovens do Estado do Amazonas que aqui chegaram, como missionários para abrir a Fazenda de Mosqueiro!

Nossas escolhas são então conduzidas a um crescimento. Faz-se necessário começar a agir de acordo com o bem que foi encontrado dentro do coração. Isso se chama coerência, passo exigente e difícil, mas fundamental, que pede verdadeiro treinamento, exercício. A escuta da Palavra e sua prática modifica as práticas do dia a dia. A pessoa se torna mais dócil e disponível, toma iniciativas de serviço e doação, aprende a olhar ao seu redor, descobrindo o bem a ser feito! E aqui, a vida em comunidade é o espaço adequado para ajudar no crescimento pessoal e no seguimento de Jesus. Nossa Igreja está empenhada em criar tais espaços, de modo especial com as novas Áreas Missionárias e novas Paróquias, com as quais se supera a dispersão, sendo esta uma das razões de muito desânimo por toda parte.

A pessoa que descobriu Jesus Cristo como Caminho, Verdade e Vida, poderá encontrar na prática das primeiras Comunidades Cristãs (At 2, 42-47) os caminhos da perseverança: fidelidade à doutrina dos Apóstolos, no contato permanente com a Palavra de Deus; fidelidade à vida de oração pessoal e comunitária, e existem muitos grupos e métodos para ajudarem; fidelidade à vivência Eucarística, especialmente na Missa Dominical, espaço privilegiado do encontro com o Senhor; fidelidade à Comunhão do bens, na partilha com os irmãos e especialmente os mais pobres. São sinais evidentes de que as Palavras de Vida Eterna penetraram na vida e frutificaram.

Quem descobriu Jesus Cristo encontra a Igreja, Comunidade de Irmãos, Comunidade de Fé, de Culto e de Caridade. O espaço de Igreja, na Pequena Comunidade Eclesial Missionária, na Paróquia, nos Movimentos Eclesiais e em tantas outras formas suscitadas pelo Espírito Santo, conduzirá o fiel à consciência da missão que lhe é entregue, de ser sal, luz e fermento na sociedade. Nasce então a responsabilidade missionária, com o compromisso de transformar a sociedade, na paixão pelo Reino de Deus. Muitos irmãos e irmãs serão como pontas de lança, avançando para novos e desafiadores horizontes. Outras pessoas estarão presentes, em seu dia a dia, sustentando com a oração, apoio moral ou material, todos os que estarão nas frentes de trabalho mais desafiadoras. Assim, nossa escolha do seguimento de Jesus Cristo se ampliará, para fazermos o bem, como corpo unido, valorizando todos os estilos de vida e trabalho existentes na Igreja, gente que nunca poderá ir embora, pois sabe que só Jesus Cristo tem Palavras de Vida Eterna! Fonte: https://www.cnbb.org.br

 

1) Oração

Ó Deus, que preparastes para quem vos ama bens que nossos olhos não podem ver; acendei em nossos corações a chama da caridade para que, amando-vos em tudo e acima de tudo, corramos ao encontro das vossas promessas que superam todo desejo. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

2) Leitura do Evangelho (Mateus 22,1-14)

1Jesus tornou a falar-lhes por meio de parábolas: 2O Reino dos céus é comparado a um rei que celebrava as bodas do seu filho. 3Enviou seus servos para chamar os convidados, mas eles não quiseram vir. 4Enviou outros ainda, dizendo-lhes: Dizei aos convidados que já está preparado o meu banquete; meus bois e meus animais cevados estão mortos, tudo está preparado. Vinde às bodas! 5Mas, sem se importarem com aquele convite, foram-se, um a seu campo e outro para seu negócio. 6Outros lançaram mãos de seus servos, insultaram-nos e os mataram. 7O rei soube e indignou-se em extremo. Enviou suas tropas, matou aqueles assassinos e incendiou-lhes a cidade. 8Disse depois a seus servos: O festim está pronto, mas os convidados não foram dignos. 9Ide às encruzilhadas e convidai para as bodas todos quantos achardes. 10Espalharam-se eles pelos caminhos e reuniram todos quantos acharam, maus e bons, de modo que a sala do banquete ficou repleta de convidados. 11O rei entrou para vê-los e viu ali um homem que não trazia a veste nupcial. 12Perguntou-lhe: Meu amigo, como entraste aqui, sem a veste nupcial? O homem não proferiu palavra alguma. 13Disse então o rei aos servos: Amarrai-lhe os pés e as mãos e lançai-o nas trevas exteriores. Ali haverá choro e ranger de dentes. 14Porque muitos são os chamados, e poucos os escolhidos.

 

3) Reflexão Mateus 22,1-14

O evangelho de hoje traz a parábola do banquete que se encontra em Mateus e em Lucas, mas com diferenças significativas, provenientes da perspectiva de cada evangelista. O pano de fundo, porém, que levou os dois evangelistas a conservar esta parábola é o mesmo. Na comunidades dos primeiros cristãos, tanto de Mateus como de Lucas, continuava bem vivo o problema da convivência entre judeus convertidos e pagãos convertidos. Os judeus tinham normas antigas que os impediam de comer com os pagãos. Mesmo depois de terem entrado na comunidade cristã, muitos judeus mantinham o costume antigo de não sentar à mesma mesa com um pagão. Assim, Pedro teve conflitos na comunidade de Jerusalém, por ter entrado na casa de Cornélio, um pagão, e ter comido com ele (At 11,3). Este mesmo problema, porém, era vivido de maneira diferente nas comunidades de Lucas e nas de Mateus. Nas comunidades de Lucas, apesar das diferenças de raça, classe e gênero, eles tinham um grande ideal de partilha e de comunhão (At 2,42; 4,32; 5,12). Por isso, no evangelho de Lucas (Lc 14,15-24), a parábola insiste no convite feito a todos. O dono da festa, indignado com a desistência dos primeiros convidados, mandou chamar os pobres, os aleijados, os cegos, os mancos para virem participar do banquete. Mesmo assim sobrava lugar. Então, o dono da festa mandou convidar todo mundo, até que a casa ficasse cheia. No evangelho de Mateus, a primeira parte da parábola (Mt 22,1-10) tem o mesmo objetivo de Lucas. Ele chega a dizer que o dono da festa mandou entrar “bons e maus” (Mt 22,10). Mas no fim ele acrescenta uma outra parábola (Mt 22,11-14) sobre o traje de festa, que insiste no que é específico dos judeus, a saber, a necessidade da pureza para poder comparecer diante de Deus.

Mateus 22,1-2: O convite para todos

Alguns manuscritos dizem que a parábola foi contada para os chefes dos sacerdotes e aos anciãos do povo.  Esta afirmação pode até servir como chave de leitura, pois ajuda a compreender alguns pontos estranhos que aparecem na história que Jesus conta. A parábola começa assim: "O Reino do Céu é como um rei que preparou a festa de casamento do seu filho”. Esta afirmação inicial evoca a esperança mais profunda: o desejo do povo de estar com Deus para sempre. Várias vezes nos evangelhos se alude a esta esperança, sugerindo que Jesus, o filho do Rei, é o noivo que veio preparar o casamento (Mc 2,19; Apc 21,2; 19,9).

Mateus 22,3-6Os convidados não quiseram vir

O rei fez dois convites muita insistentes, mas os convidados não quiseram vir. “Um foi para o seu campo, outro foi fazer os seus negócios, e outros agarraram os empregados, bateram neles, e os mataram”.  Em Lucas são os deveres da vida cotidiana que impedem os convidados de aceitar o convite. O primeiro diz: “Comprei um terreno. Preciso vê-lo!” O segundo: “Comprei cinco juntas de bois! Vou experimentá-las!” O terceiro: “Casei. Não posso ir!” (cf. Lc 14,18-20). Dentro das normas e costumes da época, aquelas pessoas tinham o direito e até o dever de recusar o convite que lhes foi feito (cf Dt 20,5-7).

Mateus 22,7Uma guerra incompreensível

A reação do rei diante da recusa surpreende. “Indignado, o rei mandou suas tropas, que mataram aqueles assassinos, e puseram fogo na cidade deles. Como entender esta reação tão violenta? A parábola foi contada para os chefes dos sacerdotes e aos anciãos do povo (Mt 22,1), os responsáveis pelos da nação. Muitas vezes, Jesus tinha falado a eles sobre a necessidade da conversão. Ele chegou a chorar sobre a cidade de Jerusalém e dizer: "Se também você compreendesse hoje o caminho da paz! Agora, porém, isso está escondido aos seus olhos! Vão chegar dias em que os inimigos farão trincheiras contra você, a cercarão e apertarão de todos os lados. Eles esmagarão você e seus filhos, e não deixarão em você pedra sobre pedra. Porque você não reconheceu o tempo em que Deus veio para visitá-la." (Lc 14,41-44). A reação violoenta do rei na parábola refere-se provavelmente ao que aconteceu de fato de acordo com a previsão de Jesus. Quarenta anos depois, Jerusalém foi destruída (Lc 19,41-44; 21,6;).

Mateus 22,8-10O convite permanece de pé

Pela terceira vez, o rei convida o povo. Ele disse aos empregados: “A festa de casamento está pronta, mas os convidados não a mereceram. Portanto, vão até as encruzilhadas dos caminhos, e convidem para a festa todos os que vocês encontrarem. Então os empregados saíram pelos caminhos, e reuniram todos os que encontraram, maus e bons. E a sala da festa ficou cheia de convidados“. Os maus que eram excluídos como impuros da participação no culto dos judeus, agora são convidados, especificamente, pelo rei para participar da festa. No contexto da época, os maus eram os pagãos. Eles também são convidados para participar da festa de casamento. 

Mateus 22,11-14: O traje de festa

Estes versos contam como o rei entrou na sala da festa e viu alguém sem o traje da festa. O rei perguntou: 'Amigo, como foi que você entrou aqui sem o traje de festa?' Mas o homem nada respondeu.  A história conta que o homem foi amarrado e jogado fora na escuridão. E conclui: “Muitos são chamados, e poucos são escolhidos”.  Alguns estudiosos acham que aqui se trata de uma segunda parábola que foi acrescentada para abrandar a impressão que ficou da primeira parábola onde se disse que “maus e bons” entraram para a festa (Mt 22,10). Mesmo admitindo que já não é a observância da lei que nos traz a salvação, mas sim a fé no amor gratuito de Deus, isto em nada diminui a necessidade da pureza do coração como condição para poder comparecer diante de Deus.

4) Para um confronto pessoal

  1. Quais as pessoas que normalmente são convidadas para as nossas festas? Por que? Quais as pessoas que não são convidadas para as nossas festas? Por que?
  2. Quais os motivos que hoje limitam a participação de muitas pessoas na sociedade e na igreja? Quais os motivos que certas pessoas alegam para se excluir do dever de participar na comunidade? Será que são motivos justos?

 

5) Oração final

Ó meu Deus, criai em mim um coração puro, e renovai-me o espírito de firmeza. De vossa face não me rejeiteis, e nem me priveis de vosso santo Espírito. (Sl 50, 12-13)

 

1) Oração

Ó Deus, que preparastes para quem vos ama bens que nossos olhos não podem ver; acendei em nossos corações a chama da caridade para que, amando-vos em tudo e acima de tudo, corramos ao encontro das vossas promessas que superam todo desejo. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

2) Leitura do Evangelho (Mateus 20,1-16a)

1Com efeito, o Reino dos céus é semelhante a um pai de família que saiu ao romper da manhã, a fim de contratar operários para sua vinha. 2Ajustou com eles um denário por dia e enviou-os para sua vinha. 3Cerca da terceira hora, saiu ainda e viu alguns que estavam na praça sem fazer nada. 4Disse-lhes ele: - Ide também vós para minha vinha e vos darei o justo salário. 5Eles foram. À sexta hora saiu de novo e igualmente pela nona hora, e fez o mesmo. 6Finalmente, pela undécima hora, encontrou ainda outros na praça e perguntou-lhes: - Por que estais todo o dia sem fazer nada?7Eles responderam: - É porque ninguém nos contratou. Disse-lhes ele, então: - Ide vós também para minha vinha. 8Ao cair da tarde, o senhor da vinha disse a seu feitor: - Chama os operários e paga-lhes, começando pelos últimos até os primeiros. 9Vieram aqueles da undécima hora e receberam cada qual um denário. 10Chegando por sua vez os primeiros, julgavam que haviam de receber mais. Mas só receberam cada qual um denário. 11Ao receberem, murmuravam contra o pai de família, dizendo: 12Os últimos só trabalharam uma hora... e deste-lhes tanto como a nós, que suportamos o peso do dia e do calor. 13O senhor, porém, observou a um deles: - Meu amigo, não te faço injustiça. Não contrataste comigo um denário? 14Toma o que é teu e vai-te. Eu quero dar a este último tanto quanto a ti. 15Ou não me é permitido fazer dos meus bens o que me apraz? Porventura vês com maus olhos que eu seja bom? 16Assim, pois, os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos.

 

3) Reflexão  Mateus 20,1-16 

O evangelho de hoje traz uma parábola que só é relatada por Mateus. Ela não existe nos outros três evangelhos. Como em todas as parábolas, Jesus conta uma história feita de elementos do dia-a-dia da vida do povo. Ele retrata a situação social do seu tempo, na qual os ouvintes se reconhecem. Mas ao mesmo tempo, na história desta parábola, acontecem coisas que nunca acontecem na realidade da vida do povo. É que, ao falar do patrão, Jesus pensa em Deus, seu Pai. Por isso, na história da parábola, o patrão faz coisas surpreendentes que não acontecem no dia-a-dia da vida dos ouvintes. É nesta atitude estranha do patrão, que deve ser procurada a chave para a compreensão do mensagem da parábola.

Mateus 20,1-7: As cinco vezes que o patrão sai em busca de operários

"O Reino do Céu é como um patrão, que saiu de madrugada para contratar trabalhadores para a sua vinha. Combinou com os trabalhadores uma moeda de prata por dia, e os mandou para a vinha” Assim começa a história que fala por si e nem precisaria de muito comentário. No que segue, o patrão sai mais quatro vezes chamando operários para trabalhar na sua vinha. Jesus alude ao terrível desemprego daquela época. Alguns detalhes da história: (1) O próprio patrão sai pessoalmente cinco vezes para contratar operários. (2) Na hora de contratar os operários, é só com o primeiro grupo que ele acerta o salário: um denário por dia. Com os da nona hora ele diz: Eu lhes pagarei o que for justo. Com os outros ele não acertou nada. Apenas os contratou para trabalhar na vinha. (3) No fim do dia, na hora de acertar as contas com os operários, o patrão manda que o administrador faça o serviço.

Mateus 20,8-10: A estranha maneira de acertar as contas no fim do dia

Quando chegou a tarde, o patrão disse ao administrador: Chame os trabalhadores, e pague uma diária a todos. Comece pelos últimos, e termine pelos primeiros. Aqui, na hora de acertar as contas, acontece algo estranho que não acontece na vida comum. Parece a inversão das coisas. O pagamento começa com os que foram contratados por último e que trabalharam apenas uma única hora. O pagamento é o mesmo para todos: um denário, como tinha sido combinado com os que foram contratados no começo do dia. No fim, chegaram os que foram contratados primeiro, e pensavam que iam receber mais. No entanto, cada um deles recebeu também uma moeda de prata.  Por que o patrão faz isso? Você faria assim? É aqui neste gesto surpreendente do patrão que está escondida a chave da mensagem desta parábola.

Mateus 20,11-12: A reação normal dos operários diante da estranha atitude do patrão

Os últimos a receber o salário eram os que foram contratados por primeiro. Estes, assim diz a história, ao receberem o pagamento, começaram a resmungar contra o patrão e disseram: “Esses últimos trabalharam uma hora só, e tu os igualaste a nós, que suportamos o cansaço e o calor do dia inteiro!”  É a reação normal do bom senso. Creio que todos nós teríamos a mesma reação e diríamos a mesma coisa ao patrão. Ou não?

Mateus 20,13-16: A explicação surpreendente do Patrão que fornece a chave da parábola

A resposta do patrão é esta: “Amigo, eu não fui injusto com você. Não combinamos uma moeda de prata? Tome o que é seu, e volte para casa. Eu quero dar também a esse, que foi contratado por último, o mesmo que dei a você. Por acaso não tenho o direito de fazer o que eu quero com aquilo que me pertence? Ou você está com ciúme porque estou sendo generoso?”  Estas palavras trazem a chave que explica a atitude do patrão e aponta a mensagem que Jesus quer comunicar: (1) O patrão não foi injusto, pois ele agiu de acordo com o que tinha sido combinado com o primeiro grupo de operários: um denário por dia. (2) É decisão soberano do patrão de dar aos últimos o mesmo que tinha sido combinado com os da primeira hora. Estes não têm direito de reclamar. (3) Atuando dentro da justiça, o patrão tem o direito de fazer o bem que ele quer com as coisas que lhe pertencem. O operário da parte dele tem este mesmo direito. (4) A pergunta final toca no ponto central: Ou você está com ciúme porque estou sendo generoso?' Deus é diferente mesmo! Ele não cabe nos nossos pensamentos (Is 55,8-9).

*  O pano de fundo da parábola é a conjuntura daquela época, tanto de Jesus como de Mateus. Os operários da primeira hora são o povo judeu, chamado por Deus para trabalhar em sua vinha. Eles sustentaram o peso do dia, desde Abraão e Moisés, bem mais de mil anos. Agora, na undécima hora, Jesus chama os pagãos para ir trabalhar na sua vinha e eles chegam a ter a preferência do coração de Deus. “Assim, os últimos serão os primeiros, e os primeiros serão os últimos”. 

 

4) Para um confronto pessoal

1) Os da undécima hora chegam, levam vantagem e recebem prioridade na fila diante da entrada do Reino de Deus. Quando você espera duas horas numa fila e chega alguém que, sem mais, se coloca na frente de você, você aceitaria? Dá para comparar as duas situações?

2) A ação de Deus ultrapassa nossos cálculos e nosso jeito humano de atuar. Ele surpreende e às vezes incomoda. Isto já aconteceu alguma vez na sua vida? Qual a lição que tirou?

 

5) Oração final

A vossa bondade e misericórdia hão de seguir-me por todos os dias de minha vida. E habitarei na casa do Senhor por longos dias. (Sl 22, 6)

 

DOM VALDEMIR FERREIRA DOS SANTOS É NOMEADO NOVO BISPO DA DIOCESE DE PENEDO (AL)

O Papa Francisco nomeou, nesta quarta-feira, 18 de agosto, o novo bispo da diocese de Penedo (AL). Dom Valdemir Ferreira dos Santos, atualmente bispo diocesano de Amargosa (BA), vai suceder dom Valério Breda, falecido em 16 de junho do ano passado. A Presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) enviou saudação ao bispo.

Nascido em 30 de março de 1960, em nova Canaã (BA), dom Valdemir estudou Filosofia no Seminário Maior do Nordeste de Minas, em Teófilo Otoni (MG). Seus estudos de Teologia foram realizados na Pontifícia Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção, em São Paulo. Foi ordenado presbítero em 6 de setembro de 1987, em Ibicuí (BA).

Como padre, teve atuações como membro da equipe de Coordenação da Catequese do Regional Nordeste 3, coordenador da Pastoral Catequética na então diocese de Vitória da Conquista e coordenador da Pastoral Catequética do Sub-Regional V. Também foi professor no Instituto Diocesano de Filosofia, vice-reitor (1992-1994) e reitor (1995-1996) do Seminário Maior de Filosofia. Foi vice-presidente e depois presidente do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente (1996-1997), reitor do Seminário Propedêutico (1997), diretor da Escola de Formação Diaconal Arquidiocesana (2007), entre outras funções. Antes de sua nomeação episcopal, foi membro do Conselho Presbiteral e do Colégio dos Consultores, e ecônomo arquidiocesano.

Dom Valdemir foi nomeado bispo de Floriano (PI), pelo Papa Bento XVI, em 17 de março de 2010. A ordenação, com a presença do então arcebispo de Vitória da Conquista, dom Luís Gonzaga Pepeu, e de seu antecessor, dom Geraldo Lyrio Rocha, à época presidente da CNBB, ocorreu em 30 de maio daquele ano.

Em 4 de maio de 2016, foi nomeado bispo de Amargosa, sendo transferido da sede de Floriano.

Seu lema episcopal é “Pasce oves meas” (Apascenta as minhas ovelhas) Jo 21,17.

Saudação a Dom Valdemir Ferreira dos Santos

Estimado irmão, Dom Valdemir Ferreira dos Santos,

No dia de hoje, participamos da alegria de todo o povo de Deus na Diocese de Penedo, que o acolhe como novo bispo. Da mesma forma, manifestamos nossa proximidade fraterna, neste momento em que recebe uma nova missão.

Seu lema episcopal, “Pasce oves meas” (Apascenta as minhas ovelhas) cf. Jo 21,17, nos recorda uma reflexão do Papa Francisco sobre nosso ministério episcopal: Como bússola do pastor, a partir do encontro de Jesus com Pedro depois da ressurreição, permanecem três ensinamentos fundamentais: “’amar, apascentar e preparar-se para a cruz’. Estes três aspetos «são o ‘segue-me’; Jesus quer que os pastores o sigam assim: amando, apascentando e preparando-se para a cruz»”.

Que a Virgem do Santo Rosário, Mãe do Redentor, padroeira da Diocese de Penedo, seja guia e sustento seguro para um pastoreio frutuoso.

Em Cristo,

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo de Belo Horizonte (MG)
Presidente da CNBB

 

Dom Jaime Spengler
Arcebispo de Porto Alegre (RS)
Primeiro Vice-Presidente da CNBB

 

Dom Mário Antônio da Silva
Bispo de Roraima (RR)
Segundo Vice-Presidente da CNBB

Dom Joel Portella Amado
Bispo auxiliar da arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro (RJ)
Secretário-geral da CNBB

Fonte: https://www.cnbb.org.br

1) Oração

Ó Deus, que preparastes para quem vos ama bens que nossos olhos não podem ver; acendei em nossos corações a chama da caridade para que, amando-vos em tudo e acima de tudo, corramos ao encontro das vossas promessas que superam todo desejo. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

2) Leitura do Evangelho (Mateus 19,23-30)

Naquele tempo, 23Jesus disse então aos seus discípulos: Em verdade vos declaro: é difícil para um rico entrar no Reino dos céus!24Eu vos repito: é mais fácil um camelo passar pelo fundo de uma agulha do que um rico entrar no Reino de Deus.25A estas palavras seus discípulos, pasmados, perguntaram: Quem poderá então salvar-se?26Jesus olhou para eles e disse: Aos homens isto é impossível, mas a Deus tudo é possível.27Pedro então, tomando a palavra, disse-lhe: Eis que deixamos tudo para te seguir. Que haverá então para nós?28Respondeu Jesus: Em verdade vos declaro: no dia da renovação do mundo, quando o Filho do Homem estiver sentado no trono da glória, vós, que me haveis seguido, estareis sentados em doze tronos para julgar as doze tribos de Israel.29E todo aquele que por minha causa deixar irmãos, irmãs, pai, mãe, mulher, filhos, terras ou casa receberá o cêntuplo e possuirá a vida eterna.30Muitos dos primeiros serão os últimos e muitos dos últimos serão os primeiros.

 

3) Reflexão  Mateus 19,23-30

O evangelho de hoje é a continuação imediata do evangelho de ontem. Traz o comentário de Jesus a respeito da reação negativa do jovem rico.

Mateus 19,23-24: O camelo e o fundo da agulha.

Depois que o jovem foi embora, Jesus comentou a decisão dele e disse: "Eu garanto a vocês: um rico dificilmente entrará no Reino do Céu. E digo ainda: é mais fácil um camelo entrar pelo buraco de uma agulha, do que um rico entrar no Reino de Deus". Duas observações a respeito desta afirmação de Jesus: 1) O provérbio do camelo e do buraco da agulha se usava para dizer que uma coisa era impossível e inviável, humanamente falando. 2) A expressão “um rico entrar no Reino” trata, não em primeiro lugar da entrada no céu depois da morte, mas sim da entrada na comunidade ao redor de Jesus. E até hoje é assim. Os ricos dificilmente entram e se sentem em casa nas comunidades que tentam viver o evangelho de acordo com as exigências de Jesus e que procuram abrir-se para os pobres, os migrantes e os excluídos da sociedade.

Mateus 19,25-26: O espanto dos discípulos

O jovem tinha observado os mandamentos, mas sem entender o porquê da observância. Algo semelhante estava acontecendo com os discípulos. Quando Jesus os chamou, fizeram exatamente o que Jesus tinha pedido ao jovem: largaram tudo e foram atrás de Jesus (Mt 4,20.22). Mesmo assim, ficaram espantados com a afirmação de Jesus sobre a quase impossibilidade de um rico entrar no Reino de Deus. Sinal de que não tinham entendido bem a resposta de Jesus ao moço rico: “Vai vende tudo, dá para os pobres e vem e segue-me!” Pois, se o tivessem entendido, não teriam ficado tão chocados com a exigência de Jesus. Quando a riqueza ou o desejo da riqueza ocupa o coração e o olhar, a pessoa já não consegue perceber o sentido da vida e do evangelho. Só Deus mesmo para ajudar! "Para os homens isso é impossível, mas para Deus tudo é possível."

Mateus 19,27: A pergunta de Pedro.

O pano de fundo da incompreensão dos discípulos transparece na pergunta de Pedro: “Olhe, nós deixamos tudo e te seguimos. O que é que vamos receber?” Apesar da generosidade tão bonita do abandono de tudo, eles mantinham a mentalidade anterior. Abandonaram tudo para receber algo em troca. Ainda não entendiam bem o sentido do serviço e da gratuidade.

Mateus 19,28-30: A resposta de Jesus

"Eu garanto a vocês: no mundo novo, quando o Filho do Homem se sentar no trono de sua glória, vocês, que me seguiram, também se sentarão em doze tronos para julgar as doze tribos de Israel. E todo aquele que tiver deixado casas, irmãos, irmãs, pai, mãe, filhos, campos, por causa do meu nome, receberá muitas vezes mais, e terá como herança a vida eterna. Muitos que agora são os primeiros, serão os últimos; e muitos que agora são os últimos, serão os primeiros".  Nesta resposta, Jesus descreve o mundo novo, cujos fundamentos estavam sendo lançados pelo trabalho dele e dos discípulos. Jesus acentua três pontos importantes: (1) Os discípulos vão sentar nos doze tronos junto com Jesus para julgar as doze tribos de Israel (cf. Apc 4,4). (2) Vão receber em troca muitas vezes aquilo que tinham abandonado casas, irmãos, irmãs, pai, mãe, filhos, campos, e terão a herança da vida eterna garantida. (3) O mundo futuro será a inversão do mundo atual. Nele os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos. A comunidade ao redor de Jesus é semente e amostra deste mundo novo. Até hoje as pequenas comunidades dos pobres continuam sendo semente e amostra do Reino.

Cada vez que, na história do povo da Bíblia, surge um movimento para renovar a Aliança, ele começa restabelecendo os direitos dos pobres, dos excluídos. Sem isto, a Aliança não se refaz! Assim faziam os profetas, assim faz Jesus. Ele denuncia o sistema antigo que, em nome de Deus, excluía os pobres. Jesus anuncia um novo começo que, em nome de Deus, acolhe os excluídos. Este é o sentido e o motivo da inserção e da missão da comunidade de Jesus no meio dos pobres. Ela atinge a raiz e inaugura a Nova Aliança.

 

4) Para um confronto pessoal

1) Abandonar casas, irmãos, irmãs, pai, mãe, filhos, campos, por causa do nome de Jesus.  Como isto acontece na sua vida? O que já recebeu de volta?

2) Hoje, a maioria dos países pobres não é da religião cristã, enquanto a maioria dos países ricos é da religião cristã. Como se aplica hoje o provérbio do camelo que não passa pelo fundo de uma agulha?

 

5) Oração final

Ainda que eu atravesse o vale escuro, nada temerei, pois estais comigo. Vosso bordão e vosso cajado são o meu amparo. (Sl 22, 4)

*Alegria e sentido de humor

 

  1. O que ficou dito até agora não implica um espírito retraído, tristonho, amargo, melancólico ou um perfil sumido, sem energia. O santo é capaz de viver com alegria e sentido de humor. Sem perder o realismo, ilumina os outros com um espírito positivo e rico de esperança. Ser cristão é «alegria no Espírito Santo» (Rm14, 17), porque, «do amor de caridade, segue-se necessariamente a alegria. Pois quem ama sempre se alegra na união com o amado. (...) Daí que a consequência da caridade seja a alegria».[99]Recebemos a beleza da sua Palavra e abraçamo-la «em plena tribulação, com a alegria do Espírito Santo» (1 Ts 1, 6). Se deixarmos que o Senhor nos arranque da nossa concha e mude a nossa vida, então poderemos realizar o que pedia São Paulo: «Alegrai-vos sempre no Senhor! De novo o digo: alegrai-vos!» (Flp 4, 4).
  2. Os profetas anunciavam o tempo de Jesus, que estamos a viver, como uma revelação da alegria: «exultai de alegria» (Is12, 6). «Sobe a um alto monte, arauto de Sião. Grita com voz forte, arauto de Jerusalém» (Is40, 9). «Exulta de alegria, ó terra! Rompei em exclamações, ó montes! Na verdade, o Senhor consola o seu povo e Se compadece dos desamparados» (Is 49, 13). «Exulta de alegria, filha de Sião! Solta gritos de júbilo, filha de Jerusalém! Eis que o teu Rei vem a ti; Ele é justo e vitorioso» (Zac 9, 9). E não esqueçamos a exortação de Neemias: «não vos entristeçais, porque a alegria do Senhor é que é a vossa força» (8, 10).
  3. Maria, que soube descobrir a novidade trazida por Jesus, cantava: «o meu espírito se alegra» (Lc1, 47) e o próprio Jesus «estremeceu de alegria sob a ação do Espírito Santo» (Lc10, 21). Quando Ele passava, «a multidão alegrava-se» (Lc 13, 17). Depois da sua ressurreição, onde chegavam os discípulos, havia grande alegria (cf. At 8, 8). Jesus assegurou-nos: «vós haveis de estar tristes, mas a vossa tristeza há de converter-se em alegria! (...) Eu hei de ver-vos de novo! Então o vosso coração há de alegrar-se e ninguém vos poderá tirar a vossa alegria» (Jo 16, 20.22). «Manifestei-vos estas coisas, para que esteja em vós a minha alegria, e a vossa alegria seja completa» (Jo 15, 11).
  4. Existem momentos difíceis, tempos de cruz, mas nada pode destruir a alegria sobrenatural, que «se adapta e transforma, mas sempre permanece pelo menos como um feixe de luz que nasce da certeza pessoal de, não obstante o contrário, sermos infinitamente amados».[100]É uma segurança interior, uma serenidade cheia de esperança que proporciona uma satisfação espiritual incompreensível à luz dos critérios mundanos.
  5. Normalmente a alegria cristã é acompanhada pelo sentido do humor, tão saliente, por exemplo, em São Tomás Moro, São Vicente de Paulo, ou São Filipe Néri. O mau humor não é um sinal de santidade: «lança fora do teu coração a tristeza» (Qo11, 10). É tanto o que recebemos do Senhor «para nosso usufruto» (1 Tm6, 17), que às vezes a tristeza tem a ver com a ingratidão, com estar tão fechados em nós mesmos que nos tornamos incapazes de reconhecer os dons de Deus.[101]
  6. Assim nos convida o seu amor paterno: «meu filho, se tens com quê, trata-te bem (...). Não te prives da felicidade presente» (Sir14, 11.14). Quer-nos positivos, agradecidos e não demasiado complicados: «no dia da felicidade, sê alegre. (…) Deus criou os homens retos, eles, porém, procuraram maquinações sem fim» (Qo7, 14.29). Em cada situação, devemos manter um espírito flexível, fazendo como São Paulo: aprendi a adaptar-me «às situações em que me encontre» (Flp 4, 11). Isto mesmo vivia São Francisco de Assis, capaz de se comover de gratidão perante um pedaço de pão duro, ou de louvar, feliz, a Deus só pela brisa que acariciava o seu rosto.
  7. Não estou a falar da alegria consumista e individualista muito presente nalgumas experiências culturais de hoje. Com efeito, o consumismo só atravanca o coração; pode proporcionar prazeres ocasionais e passageiros, mas não alegria. Refiro-me, antes, àquela alegria que se vive em comunhão, que se partilha e comunica, porque «a felicidade está mais em dar do que em receber» (At20, 35) e «Deus ama quem dá com alegria» (2 Cor9, 7). O amor fraterno multiplica a nossa capacidade de alegria, porque nos torna capazes de rejubilar com o bem dos outros: «alegrai-vos com os que se alegram» (Rm 12, 15). «Alegramo-nos quando somos fracos e vós sois fortes» (2 Cor 13, 9). Ao contrário, «concentrando-nos sobretudo nas nossas próprias necessidades, condenamo-nos a viver com pouca alegria».[102]

*EXORTAÇÃO APOSTÓLICA GAUDETE ET EXSULTATE  DO SANTO PADRE FRANCISCO SOBRE A CHAMADA À SANTIDADE NO MUNDO ATUAL

Frei Jorge Van Kampen, Carmelita. In Memoriam. (*17/04/1932 + 08/08/2013)

 (Liturgia da Palavra de Deus. (Ap. 11,19 e 12,1-3-6ª. 10ab; 1 Cor. 15, 20-27a; Lu. 1, 39-56).

         Nesta festividade da Assunção de Maria queremos lembrar-nos o convite do anjo Gabriel a Maria para a sua missão de ser mãe de Deus Filho e anunciar esta alegria à uma anciã Isabel, a sua prima. Assim se cumpre, o que tinha dito Zacarias: “O Seu Filho será cheio do Espírito Santo desde o seio da Sua mãe”. “Quem sou eu, para que a Arca do Senhor entra na minha casa”, assim se expressava Davi em 2 Sam. 6,9. Ao copiar estas palavras Lucas nos mostra, que Maria, que está gerando Jesus, é a Arca de Deus, de onde irradia o poder da santificação.

         Maria ficou 3 meses com Isabel, como a Arca da Aliança ficou 3 meses na casa de Obededom (2 Sam. 6, 11).

         Maria é feliz por ter acreditado. Outra alegria para Maria é ver, o que faz Deus presente nela. Talvéz para muita gente seja pouca coisa, mas este encontro de duas mulheres será, sem dúvida, um grande acontecimento em Israel, quando João Batista se manifesta. Aqui Deus revela, que a virgindade de Maria é fecunda: ela, que renunciou a ter filhos e dar vida, como desejam todas as mulheres, tem o encargo a dar vida, a vida do Espírito Santo. Em vários lugares da Bíblia encontramos passagens de pessoas, que receberam favores de Deus e dão graças a Ele; compreenderam, que o Reino de Deus está aparecendo aos humildes e oprimidos. Estas palavras de gratidão voltam a passar no canto, de Maria: “Desde agora todas as gerações me chamarão bem-aventurada”. Dificilmente o orgulho deixará uma recordação duradoura desta. A Assunção de Maria faz nos lembrar, que Deus aceita pessoas, que expressam gratidão.

         O nascimento do Filho de Deus, gerado por Maria Santíssima, é um bem superior para nós. A vida após a morte pela ressurreição é um prêmio para nós. Lucas mostra, que Deus derruba todos aqueles, que tramam contra a vida.

 

Reflexão.

Maria, faça do nosso lar uma morada de amor,

onde não há amargura, mas reine a Vossa benção,

onde não há rancor, mas o espírito de perdão,

onde não há abandono, mas a união,

onde sabemos imitar-Te com a nossa prontidão,

onde cada manhã é um início de um entrega de caridade,

onde cada noite nos encontramos num espírito de amor,

onde, quando amanhecer o grande dia de ir ao Teu encontro, estejamos unidos ao Teu filho Jesus, na unidade do Espírito Santo. Amém.

 

Resposta à Palavra de Deus.

Podemos perceber a grandeza de Maria em Sua preocupação com os humildes, com os pequenos, com os famintos, com o povo. Sejamos imitadores de Maria.

 

Maria, exemplo de mulher solidária com a missão de Jesus e com a nossa.

Padre Cesar Augusto, SJ – Vatican News

Chegamos à festa da Assunção da Santíssima Virgem, na qual celebramos, a cada 15 de agosto, a conclusão de sua vida terrena; celebramos seu início no dia 8 de dezembro, sua Imaculada Conceição. Portanto as duas efemérides mais importantes no calendário mariano são, dentro do Magistério Eclesial, motivo de duas encíclicas, a do Papa Pio IX, sobre a Imaculada Conceição, promulgada em 1854 e a da Assunção de Maria, do Papa Pio XII, promulgada em 1950. Todos os dois acontecimentos são dogmas de fé e têm relevante importância pastoral. Cremos que a Mãe de Jesus foi concebida sem a mancha do pecado original, no seio de Sant´Ana e que, completados seus dias, foi elevada ao Céu em corpo e alma.

Vejamos o Evangelho da liturgia da Assunção.

Extraído de Lc 1,39-56, fala da vista de Maria à prima Isabel e traz o canto de Maria, o Magnificat. A perícope inicia com a partida de Maria para as montanhas, onde irá assistir a prima Isabel. Segundo o Cardeal Martini, a decisão é a concretização de uma opção, seu ponto central. “É obediência à verdade”, “é expressar no cotidiano o que se entendeu”.[1] Logo, Maria concretiza ser a serva do Senhor, não apenas em consentir gerar o Filho de Deus em seu seio, mas em servir todas as pessoas, principalmente aquelas envolvidas com a missão de seu filho. Aliás, esse será o papel de Maria em todas as situações de grande significância redentora, desde as Bodas de Caná, sempre fazendo a vontade do Senhor, até sua presença junto aos discípulos na manhã de Pentecostes, Maria, a humilde serva do Senhor.

Como estão nossas concretizações? Estamos repletos de boas intenções, mas na vida, no dia a dia, como nos portamos? De acordo com nossas “de-cisões” ou deixamos as concretizações para depois, quando já for tarde demais? Maria se entregou ao Senhor, não apenas na hora do “faça-se”, mas a cada apelo que seu coração e inteligência anunciavam as solicitações da vida, de Deus!

Por outro lado, Maria guarda uma revelação, o anúncio de que está grávida de Deus, colaboradora na Missão Redentora do Verbo, e ela segundo Carlo Martini, sente um desejo de partilhar com alguém e esse alguém também foi contemplado com algo fora do comum – a gravidez de uma idosa! Maria, além de ir ajudar, “parte depressa para ser ajudada”[2]. E continua Martini, Isabel não teve revelação alguma sobre Maria, mas intuiu tudo e por isso disse:” A que devo que a mãe de meu Senhor, venha a mim? (v. 43) Isabel ficou plena de Deus ao receber Maria em sua casa, já que a Santíssima Virgem era portadora de Deus.

Maria, portadora de Deus, a nova arca da aliança, leva tudo o que isso significa, como a alegria. A alegria, não a euforia, é um dom divino, é a presença consoladora de Deus presente entre nós. João Batista pula de alegria no seio de Isabel, de modo que ela percebe nesse movimento, o reconhecimento que seu filho faz na chegada de Maria. A autêntica alegria é contagiante!

E como nós, batizados, possuidores da luz de Cristo, vivemos a alegria e a partilhamos? Neste tempo de pandemia, como está nossa alegria, confundida como manifestação irresponsável?  Presente de um modo eufórico nos bailes e festas proibidos por causa da aglomeração?

Consciente de que Deus visita os humildes, os abençoa e os engrandece e ciente de seu papel na missão do Verbo, Maria entoa seu hino, bendizendo a Deus. Em alguns versículos, Maria fala em nome do Povo de Israel e de todos os oprimidos, discriminados por vários motivos, como quando diz: “o Senhor olhou para a humildade de sua serva” e “todas as gerações me proclamarão bendita” e ainda, “porque o Todo-Poderoso fez grandes coisas em meu favor” (vv.48-49).

Como está nossa capacidade de louvar o Senhor por todas as maravilhas que fez conosco e com pessoas do povo, especialmente as marginalizadas pela nossa sociedade do descarte? Somos inclusivos?

Maria, exemplo de mulher solidária com a missão de Jesus e com a nossa. Como está nosso relacionamento com ela? Olhamos para ela como modelo a ser seguido, como Mãe atenta às carências de seus filhos? Pedimos para ela nos colocar com seu filho Jesus? Maria, essa mulher que sempre foi de Deus, mesmo antes de nascer, durante sua vida terrena e agora, ao lado do Senhor, de modo pleno, conheceu nossas carências e, como mãe atenta, percebe nossas debilidades e nos socorre com seu carinho, com sua ternura, em todos os momentos de nossa vida, nos aproximando de seu filho Jesus, o Redentor!

[1] MARTINI, Carlo A Mulher da Reconciliação, São Paulo, Edições Loyola, 1991, 16

[2] MARTINI, Carlo A Mulher No Seu Povo, São Paulo, Edições Loyola,1986, 55

Fonte: https://www.vaticannews.va

13 agosto: SANTA DULCE DOS POBRES, virgem

 

Memória

Santa Dulce dos Pobres, no século Maria Rita, nasceu no dia 26 de maio de 1914, na Cidade de Salvador, Bahia, de uma família cristã praticante, de profunda piedade e dedicada caridade. Desde criança cultivou grande bondade para os pobres e desvalidos. Ingressou na vida religiosa na Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, onde exerceu a função de professora e de auxiliar dos enfermos. Fundou a Obra Social Irmã Dulce e o Hospital “Santo Antônio” para cuidar dos aflitos e miseráveis. No dia 13 de março de 1992, em Salvador, piedosamente descansou no Senhor após uma grave enfermidade e em grande fama de santidade. Do Comum das santas: para uma santa.

 

Ofício das Leituras

 

Segunda leitura

Das «Reflexões» de Santa Dulce dos Pobres, virgem

(Positio super virtutibus, Roma 2003, pp. 584-585)

Cristo vive em mim, na pessoa dos fracos e desprezados

 

Na lª Comunhão «Ele» se faz «Um» conosco e d'essa união admirável é que nos vem toda aquela força espiritual que nos leva a aceitar, sofrimento, incompreensão, problemas, tudo enfim, porque temos a certeza que «Ele» está comigo, não estou trabalhando nem sofrendo sozinha … São coisas que só quem as vive pode compreender.

Muitas pessoas reclamam que faço errado, protegendo, defendendo os pobres... coitados dos irmãos pobres!! Só quem convive diariamente com eles, pode compreender quanto eles sofrem, quanto eles são carentes da palavra de Deus, de uma mão amiga, que se estenda à mão d'ele.

Muitas pessoas me censuram dizendo que faço demais, que vicio os pobres. Quem de nós que se encontrasse na mesma situação d'eles e não queria receber também tudo? o carinho, o amor de Deus, o pão para matar sua fome e a roupa para cobrir a sua nudez. Pouco me incomodam o que dizem de mim, o importante é que vejo Deus, no meu irmão o pobre, e por Ele daria até a própria vida.

Quantas vezes as lágrimas me chegam aos olhos, o meu coração dói, quando vejo tanta miséria em volta de mim. Nesta hora, me dá vontade de gritar, de falar a todos que tem tudo, todo conforto, a aqueles aos quais nada lhes falta que vivem em abundância sem se lembrar que bem perto d'eles, milhões estão com fome, doentes, nas sarjetas das ruas. Por favor me ajudem! Me deem o necessário para tirar esses nossos pobres irmãos do barraco coberto de papelão ou de latas velhas, com fome, desempregados, doentes, a família passando fome. Se houvesse mais amor e menos egoísmo o mundo seria outro.

Neste nosso trabalho a doação chega ao ponto de nos esquecermos de nós próprios e vivermos a vida dos nossos irmãos. Os problemas d'eles tornam-se nossos, a vida d'eles a nossa vida. Chegamos ao ponto como dizia S. Paulo: «Vivo, já não eu, é Cristo que vive em mim», na pessoa do irmão carente e abandonado.

Quando estamos doentes temos tudo: os amigos, a Congregação nos arranjamos. E os pobres? Quem eles têm por eles? Só nós, exclusivamente nós.

A minha vocação é o apostolado. O meu carisma é o trabalho com os pobres, procurando salvar as suas almas, levando-as para Deus.

 

Responsório

Cf. Mt 25, 25-40; Prv 19, 17

R/.Tive fome e me destes de comer, sede e me destes de beber, forasteiro e me acolhestes, * O que fizestes a um desses irmãos, fizestes a mim.

V/.Bendito do Senhor, aquele que socorre os pobres. R/.O que fizestes a um desses irmãos, fizestes a mim.

 

Oração

Ó Deus que maravilhosamente concedestes a caridade à Santa Dulce dos Pobres, Virgem, a fim de ajudar humildemente e benignamente os pobres nas suas enfermidades, dai-nos, Vo-lo pedimos, por seu exemplo, o espírito de pobreza para Vos servir com toda solicitude nos pobres. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na Unidade do Espírito Santo. Amém!

 

13 de AGOSTO SANTA DULCE DOS POBRES

FESTA (Em Salvador, BA)

 

Coleta

Ó Deus, que maravilhosamente

concedestes a caridade à Santa Dulce dos Pobres, a fim de ajudar humildemente e

benignamente os pobres nas suas enfermidades, dai-nos, vo-lo pedimos, por seu exemplo,

o espírito de pobreza

para vos servir com toda solicitude nos pobres. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,

na unidade do Espírito Santo.

 

Sobre as oferendas

Ó Deus, ouvi as nossas preces

ao proclamarmos as vossas maravilhas em Santa Dulce dos Pobres,

e, assim como vos agradou por sua vida, seja de vosso agrado o nosso culto.

Por Cristo nosso Senhor.

 

Depois da comunhão

Renovados por estes sagrados mistérios, concedei-nos, ó Deus, seguir o exemplo da Santa Dulce dos Pobres,

que vos serviu com filial constância

e se dedicou ao vosso povo com imensa caridade. Por Cristo, nosso Senhor.

 

13 de AGOSTO-Santa Dulce dos Pobres

FESTA (Em Salvador, BA) PRIMEIRA LEITURA (própria)

 

Leitura do livro de Tobias (12,6-13)

Naqueles dias, o anjo falou a Tobit e seus filhos: “Bendizei a Deus e dai-lhe graças, diante de todos os viventes, pelos benefícios que vos concedeu. Bendizei e cantai o seu nome. Manifestai a todos os homens as obras de Deus, como é justo, e não hesiteis em expressar-lhe o vosso reconhecimento. Se é bom guardar o segredo do rei, é justo revelar e publicar as obras de Deus. Fazei o bem, e o mal não vos atingirá. É valiosa a oração com jejum, e a esmola com a justiça. Melhor é pouco com justiça, do que muito com iniqüidade. Melhor é dar esmolas, do que acumular tesouros. A esmola livra da morte e purifica de todo pecado. Os que dão esmola serão saciados de vida. Aqueles, porém, que cometem o pecado e a injustiça, são inimigos de si mesmos. E agora vos manifestarei toda a verdade, sem vos ocultar coisa alguma. Já vos declarei e disse: 'É bom guardar o segredo do rei, mas as obras de Deus devem ser reveladas, com a glória devida'. Pois bem, quando tu e Sara fazíeis a oração, eu apresentava o memorial da vossa prece diante da glória do Senhor. E fazia o mesmo quando tu, Tobit, enterravas os mortos. Quando não hesitaste em levantar-te da mesa, deixando a refeição e saindo para sepultar um morto, fui enviado a ti para te pôr à prova”. Palavra do Senhor.

 

Salmo Responsorial 14 (15)

 

R/. O justo habitará no monte santo do Senhor.

 

1-Aquele que caminha sem pecado e pratica a justiça fielmente;

que pensa a verdade no seu íntimo e não solta em calúnia sua língua.

 

2-Que em nada prejudica o seu irmão, nem cobre de insultos seu vizinho;

que não dá valor algum ao homem ímpio, mas honra os que respeitam o Senhor .

 

3-Não empresta o seu dinheiro com usura, nem se deixa subornar contra o inocente. Jamais vacilará quem vive assim.

 

SEGUNDA LEITURA (própria) Leitura da Primeira Carta de São João (4,7-16)

Caríssimos, amemo-nos uns aos outros, porque o amor vem de Deus e todo aquele que ama nasceu de Deus e conhece Deus. Quem não ama, não chegou a conhecer Deus, pois Deus é amor. Foi assim que o amor de Deus se manifestou entre nós: Deus enviou o seu Filho único ao mundo, para que tenhamos vida por meio dele. Nisto consiste o amor: não fomos nós que amamos a Deus, mas foi

 

ele que nos amou e enviou o seu Filho como vítima de reparação pelos nossos pecados. Caríssimos, se Deus nos amou assim, nós também devemos amar-nos uns aos outros. Ninguém jamais viu a Deus. Se nos amamos uns aos outros, Deus permanece conosco e seu amor é plenamente realizado entre nós. A prova de que permanecemos com ele, e ele conosco, é que ele nos deu o seu Espírito. E nós vimos, e damos testemunho, que o Pai enviou o seu Filho como Salvador do mundo. Todo aquele que proclama que Jesus é o Filho de Deus, Deus permanece com ele, e ele com Deus. E nós conhecemos o amor que Deus tem para conosco, e acreditamos nele. Deus é amor: quem permanece no amor, permanece com Deus, e Deus permanece com ele. Palavra do Senhor.

 

 

EVANGELHO (próprio)

o Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus (Mt 25,31-40)

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: “Quando o Filho do homem vier em sua glória, acompanhado de todos os anjos, então se assentará em seu trono glorioso. Todos os povos da terra serão reunidos diante dele, e ele separará uns dos outros, assim como o pastor separa as ovelhas dos cabritos. E colocará as ovelhas à sua direita e os cabritos à sua esquerda. Então o Rei dirá aos que estiverem à sua direita: 'Vinde benditos de meu Pai! Recebei como herança o reino que meu Pai vos preparou desde a criação do mundo! Pois eu estava com fome e me destes de comer; eu estava com sede e me destes de beber; eu era estrangeiro e me recebestes em casa; eu estava nu e me vestistes; eu estava doente e cuidastes de mim; eu estava na prisão e fostes me visitar'. Então os justos lhe perguntarão: 'Senhor, quando foi que te vimos com fome e te damos de comer? Com sede e te damos de beber? Quando foi que te vimos como estrangeiro e te recebemos em casa, e sem roupa e te vestimos? Quando foi que te vimos doente ou preso, e fomos te visitar?' Então o Rei lhes responderá: 'Em verdade eu vos digo, que todas as vezes que fizestes isso a um dos menores de meus irmãos, foi a mim que o fizestes!'”. Palavra da Salvação

 

LADAINHA


Senhor, tende piedade de nós... Jesus Cristo, tende piedade de nós... Senhor, tende piedade de nós...

 

  1. Imaculada Conceição da Mãe de Deus, Rogai por nós! São José, esposo castíssimo, Rogai por nós!

São Francisco, irmão dos Pobres, Rogai por nós! Sant'Antônio de Pádua, nosso amigo, Intercedei por nós!

 

  1. Santa Dulce, nossa irmã, Rogai por nós! Santa Dulce, nossa mãe, Rogai por nós! Santa Dulce, mãe dos Pobres, Rogai por nós!

Santa Dulce, mãe de amor, Intercedei por nós!

 

  1. Filha fiel de São Francisco, Rogai por nós! Amiga íntima de Sant'Antônio, Rogai por nós! Filha amada de Maria, Rogai por nós!

Filha devota da Igreja, Intercedei por nós!

 

  1. Santa Dulce, grandiosa na oblação, Rogai por nós! Santa Dulce, missionária da bondade, Rogai por nós! Santa Dulce, amparo dos sofridos, Rogai por nós!

Santa Dulce, exemplo de serviço, Intercedei por nós!

 

  1. Santa exemplo de bondade, Rogai por nós! Santa exemplo de humildade, Rogai por nós! Santa que viveu a caridade, Rogai por nós! Santa Dulce dos Pobres, Intercedei por nós!

 

  1. Anjo azul dos Alagados, Rogai por nós! Anjo bom de Salvador, Rogai por nós!

Anjo bom da Bahia e do Brasil, Rogai por nós! Anjo bom da Santa Igreja, Intercedei por nós!

 

  1. Sede-nos propício, ouvi-nos Senhor!

Para que nos livreis de todo o mal, ouvi-nos Senhor! Para que nos livreis de todo o pecado, ouvi-nos Senhor! Para que nos livreis da morte eterna, ouvi-nos Senhor!

 

  1. Pela vossa encarnação, ouvi-nos Senhor!

Pela vossa morte e ressurreição, ouvi-nos Senhor! Pela efusão do Espírito Santo, ouvi-nos Senhor!

Apesar de nossos pecados, ouvi-nos Senhor!

 

Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, perdoai-nos, Senhor!

Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, atendei-nos, Senhor!

Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós!

Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, piedade de nós!

Cristo, ouvi-nos... Cristo, ouvi-nos!

Cristo, atendei-nos... Cristo, atendei-nos!