SEMANA SANTA EM PASSA QUATRO-MG: Veja fotos da religiosidade, da fé e da devoção do povo. (É necessário ter uma conta no www.facobook.com). Clique aqui:

https://www.facebook.com/freipetronio2/media_set?set=a.533855126727426.1073741861.100003088311813&type=1

Com pesar, em nome da Comissão Provincial da Ordem Terceira do Carmo, da Província Carmelitana de Santo Elias, comunico o falecimento do senhor Gilmar, de Angra do Reis, RJ. Ele faleceu ontem à noite após submeter a uma cirurgia no pé, na cidade do Rio de Janeiro.

O Gilmar, irmão terceiro de Angra, fazia parte da comissão de leigos que organiza, anima e acompanha a Ordem Terceira do Carmo.

Aqui de Passa Quatro-MG, onde estou ajudando os trabalhos Pastorais e Missionários da Paróquia de São Sebastião, as minhas preces para os familiares e amigos.

Frei Petrônio de Miranda, Delegado Provincial da Ordem Terceira do Carmo.

"O papa não recebeu Frei Betto em Santa Marta, não se tratou de uma conversa articulada." O padre Federico Lombardi, diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, redimensiona o porte do encontro ocorrido na última quarta-feira às margens da Audiência geral entre Frei Betto e o Papa Francisco. A reportagem é de Andrea Tornielli, publicada no sítio Vatican Insider, 11-04-2014. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O teólogo dominicano, em várias entrevistas, contou ter pedido ao papa "a reabilitação de Giordano Bruno e do Mestre Eckhart, dois dominicanos como eu...". O papa – contou – sorriu e respondeu: "Reze por isso!". A notícia deu a volta ao mundo e foi apresentada como a intenção de Francisco de "reabilitar" Giordano Bruno, condenado à fogueira pela Inquisição em 1600, cujas posições panteístas e gnósticas sempre foram consideradas incompatíveis com a fé católica.

"Também lhe pedi, como pai amoroso – disse ainda Frei Betto –, que ele sempre tenha um diálogo com aquela filha amorosa que é a teologia da libertação, uma filha fiel que quer o bem da Igreja."

O encontro improvisado com o teólogo dominicano – que está na Europa para apresentar o seu livro, o romance Um homem chamado Jesus (Rocco, 2009) –, foi enfatizado e carregado de significados que não tinha. Por isso, o porta-voz vaticano quis especificar: "Tratou-se apenas de uma saudação de passagem, no âmbito do chamado 'beija-mão' ao término da audiência de quarta-feira, e não de uma conversa articulada ou de uma audiência, e, portanto, não deve ser transformado em algo que não é. O papa se deteve por alguns instantes, ouviu e no fim concluiu, como sempre faz, convidando a rezar".

"Certamente – concluiu o Pe. Lombardi –, o Papa Francisco não teve a intenção de entrar no mérito do episódio de Giordano Bruno."

Fonte: http://www.ihu.unisinos.br

Uma coisa é certa: o que os primeiros cristãos compreenderam e interpretaram do acontecimento Jesus de Nazaré, ainda hoje nos alegra, porque a história nos ensina que quando nos comprometemos a restaurar a justiça, a reconhecer a dignidade da pessoa, a restabelecer a igualdade entre os seres humanos e a libertas as pessoas de todos os fardos que pesam sobre elas, há uma forte possibilidade de que a história se repete e de que encontramos em nosso caminho a cruz.

Referências bíblicas:

Evangelho dos Ramos: Mt 21,1-11

Evangelho da Paixão: Mt 26,14-27,66

 

Eis o texto.

A dupla festa de hoje diz tudo ao mesmo tempo: quem é este homem que é aclamado e depois rejeitado? Que é este homem capaz de chegar até aí? Quem é esse Rei que entra em Jerusalém montado em um jumento? Que é esse Messias que se deixa crucificar? Quem é esse Deus que Jesus evoca? Os relatos dos Ramos e da Paixão, segundo o evangelista Mateus, são relatos de fé, como o resto do evangelho, compostos à luz da Páscoa, para compreender um pouco melhor o Cristo ressuscitado e a Igreja que somos. Todos os evangelistas têm seus relatos dos Ramos e da Paixão de Cristo, mas cada um tem seus acentos e particularidades. Quais são as características de Mateus?...

*Leia na íntegra. Clique aqui:

http://www.ihu.unisinos.br/noticias/530199-morte-e-ressurreicao-uma-mesma-realidade-e-uma-mesma-esperanca

Última carta escrita pelo jornalista carmelita, Frei Tito Brandsma. Ele entrou para a Ordem do Carmo e  foi ordenado sacerdote em 1905. Doutorou-se em Filosofia pela Universidade Gregoriana de Roma. Foi professor na Universidade Católica de Nimega, chegando ao cargo de Reitor-Magnífico. Exerceu a função de Assistente-eclesiástico dos jornalistas católicos. Tornou-se conhecido de todos por sua afabilidade e disponibilidade. Durante a ocupação alemã de sua pátria, opôs-se à ideologia nazista, defendendo a liberdade das escolas católicas e da imprensa. Escreveu também contra a perseguição aos judeus: "No cumprimento da sua missão, a Igreja não conhece distinção de sexo, raça ou nacionalidade".

Frei Tito foi preso pela Gestapo em janeiro de 1942. Após sua passagem por vários cárceres, foi condenado ao campo de concentração de Dachau, onde foi morto com uma injeção de ácido fênico.

3 de Novembro de 1985 foi elevado às honras dos altares com o título de beato. Sua festa passou a ser celebrada no dia 27 de julho. Fonte: http://pt.wikipedia.org

(Esta carta se encontra no arquivo do Convento do Carmo da Lapa, Rio de Janeiro)

.

.

Consumada como ato administrativo, a canonização de José de Anchieta (1534-1597) reverberou no edifício católico: mais um beato chega à santidade sem a comprovação de milagres, por decisão pontifícia. Ou seja, assim querFrancisco. Na última quinta-feira, o papa despachou com o cardeal Angelo Amato, responsável pela Congregação para as Causas dos Santos, e, entre um expediente e outro, assinou o decreto conferindo novo status ao "Apóstolo do Brasil". Fez uma canonização por equivalência que, como explicaria Amato, "introduz o santo no culto universal, com ofício divino e missa em sua honra, mas sem sentença formal definitiva". A reportagem é de Laura Greenhalgh, publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 06-04-2014.

Anchieta disparou na estreita pista para a santidade só no ano passado, embora o clamor pela canonização tenha surgido logo após sua morte, no século XVI. Num café da manhã na Casa de Santa Marta, onde o papa Franciscomora em Roma, d. Raymundo Damasceno, arcebispo de Aparecida e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), pediu atenção especial da parte do pontífice para a canonização do beato. Falou da obra..

*Leia na íntegra. Clique aqui:

http://www.ihu.unisinos.br/noticias/530007-francisco-dissemina-canonizacao-sem-milagre-

.

.

A verdade vos libertará, disse Jesus. (João 8,31-42)

Frei Geraldo Bezerra, 0. Carm. Província Carmelitana Pernambucana.

Para o discípulo de Jesus há uma única condição para experimentar da verdadeira liberdade, permanecer na Verdade que é Jesus. Que neste dia, procuremos viver mais intensamente os valores do Reino de Deus.

Para a comunidade cristã joanina a fraternidade é um dos meios mais eficaz para a permanência no amor de Deus. Renunciemos toda e qualquer relação de idolatria e busquemos permanecer na Verdade do. Pai que é Jesus, a verdade que liberta. (Via face...)

.