"Apesar disso, existem aqueles que ainda suspeitam da ortodoxia da teologia da libertação, Gustavo não foi autorizado a dar palestras em sua cidade natal Lima, outros dizem que felizmente a teologia da libertação já morreu, embora Gustavo responda com humor que aquele que é seu pai, eles não o convidaram para o enterro...". O comentário é de Víctor Codina, SJ, teólogo, em carta publicada por Centro Cristianisme i Justícia, 11-06-2018. 

Eis a carta. 

Em 9 de Março de 1984, o teólogo alemão Karl Rahner de 80 anos, foi hospitalizado em Innsbruck por uma grave deficiência circulatória. Ali, do hospital, escreveu uma carta à Conferência Episcopal Peruana em favor de Gustavo Gutiérrez e da teologia da libertação. No dia 30 de março, Rahner faleceu. Este último escrito é como o seu testamento teológico.

Meses depois, em 6 de agosto de 1984, o cardeal Josef Ratzinger, Prefeito da Doutrina da Fé, publicou um documento muito crítico sobre a teologia da libertação, no qual, embora não cite nenhum nome, a figura de Gustavo Gutiérrez , seu iniciador, foi seriamente questionado.

Passaram-se 34 anos e Papa Francisco em 29 maio de 2018 escreveu uma carta para Gustavo Gutierrez para felicitá-lo por ocasião do seu 90º aniversário no dia 8 de junho deste ano. Nesta carta, Francisco agradece a Deus e a Gustavo "pelo tanto que contribuiu com a Igreja e a humanidade, por meio de seu serviço teológico e de seu amor preferencial pelos pobres e descartados da sociedade”.

O que aconteceu neste período de tempo? Gustavo - agora dominicano - durante estes anos respondeu aos questionamentos e acusações que ele fez sobre o uso das ciências sociais, e especialmente o marxismo, em sua teologia, explicou suas reivindicações, mas não reverteu suas intuições e ele aprofundou seu pensamento sobre o Deus da vida, a opção pelos insignificantes, a desumana e anti-evangélica pobreza atual, perguntou onde dormirão os pobres, apresentou a figura exemplar de Bartolomé de Las Casas que foi em busca de os pobres de Jesus Cristo, procurou beber do próprio poço da realidade de lágrimas e do sangue dos pobres e orientou a sua teologia para a evangelização e para a Igreja.

Apesar disso, existem aqueles que ainda suspeitam da ortodoxia da teologia da libertação, Gustavo não foi autorizado a dar palestras em sua cidade natal Lima, outros dizem que felizmente a teologia da libertação já morreu, embora Gustavo responda com humor que aquele que é seu pai, eles não o convidaram para o enterro...

O que esses críticos pensarão depois deste testemunho positivo e fraterno de Francisco sobre Gustavo Gutiérrez e seu trabalho teológico à serviço da Igreja e da humanidade? Será que o velho Bento XVI, alojado em um mosteiro contemplativo da Cidade do Vaticano, ouviu falar sobre esta carta de reabilitação de Gustavo?

Em qualquer caso, deve-se afirmar que o velho Rahner era muito lúcido e nobre, embora a teologia de Gustavo fosse muito diferente da dele e no fundo ele a questionou. E que a Igreja, no meio de suas noites escuras e der seus invernos eclesiais e embora pareça que Jesus está dormindo no barco, é conduzida pelo Espírito do Senhor a uma verdade cada vez mais plena. E que ouvir o clamor dos pobres é sinal de garantia evangélica para a teologia. Obrigado, Francisco e parabéns, Gustavo. Fonte: http://www.ihu.unisinos.br